Selecione o tipo de erro abaixo

Plague Doctor – Volume 1 – Capítulo: 62 – O Despertar da Habilidade Estrangeira


>> Tradutor: Metal_Oppa <<


TLN: Começa com um monologo do ‘narrador’.

O passado é real? Qual é a sua lembrança mais antiga? Você consegue se lembrar de alguma coisa antes dos três anos?

Todas as histórias que você conhece de antes de se lembrar de alguma coisa, outras pessoas as contaram para você ou são lembranças contadas por seus pais? Que tipo de comida você gostava de comer? quão teimoso você era? quão inteligente você era…

Essas coisas realmente aconteceram? Essas histórias das quais você não sente que fez parte, são reais?

Quando Gu-Jun saiu da sala de avaliação, seu rosto estava um tanto pálido. O fragmento de memória que ele pescou de seu subconsciente se tornou sua última obsessão. Ele não disse à tia Liang a verdade sobre a situação com a língua estrangeira, mas, novamente, quanto do que ele sabia era verdade?

Depois de terminar a hipnose, a Irmã Liang tinha dito, permanecendo a consultora honesta que ela era: “Guzinho, está claro que a memória anormal que você tem está relacionada à sua infância. Seus pais vão entrar nisso de alguma forma. Vou relatar isso ao meu superior. Você tem um bom valor S, mas talvez precise receber algum tratamento. Por enquanto, porém, não pense muito nisso. Volte e descanse um pouco.”

Depois que Gu-Jun saiu, ele seguiu o tio Qiang. Ele foi o último a concluir a avaliação e levou mais tempo, uma hora e meia no total. O resultado da avaliação seria divulgado na manhã seguinte. Antes disso, o tio Qiang mandou todos de volta para o dormitório para descansar.

Assim, o grupo retornou ao dormitório. Cai Zixuan queria convidar todos para sua casa para passar a noite, mas Gu-Jun disse que queria se deitar e pegar um cochilo o mais rápido possível, então ele foi até o dormitório do jovem Ma, do outro lado. Gu-Jun se trancou no quarto. Ignorando a possibilidade de ser espionado, ele acertou um soco forte na parede após o outro. Infelizmente, a dor do punho nunca foi suficiente para entorpecer a dor de seu coração, que estava perto de ser estilhaçado. Mesmo assim, ele precisava pensar no significado dessa memória que ele tinha despertado.

‘Minha mãe obviamente não entendia aquela língua estrangeira, mas ela sabia da sua existência e então me usou… para escrever para ela?’ – Pensando nesses fragmentos de memória, Gu-Jun sentiu que sua cabeça estava prestes a se abrir. ‘Mas por que eu conheceria essa língua? Quem a ensinou para mim? Ou eu mesma a inventei?’

Ele achava isso muito absurdo. Quando ele estava tentando fazer cara ou coroa com a língua estrangeira inicialmente, ele havia estudado linguística. Ele entendeu que criar um novo idioma não era tão difícil, mas era preciso seguir muitas regras gramaticais para que fizesse sentido. Pelas pistas que ele resolveu, a língua estrangeira tinha seu próprio conjunto de regras de linguagem e sua estrutura era extremamente complexa.

A complexidade significava que era impossível ser a criação de uma criança quando ela estava rabiscando. E em sua memória, ele não estava rabiscando, ele estava escrevendo os caracteres a partir de seu entendimento. Além disso, essa linguagem foi aplicada na embalagem de alguns remédios, bem como em projetos(diário) e na referência anatômica… Todas essas coisas foram obtidas por meio de alguma força misteriosa e poderosa que se parecia com um sistema de jogo. A razão por trás dessa força, bem, isso era algo que o iludia até agora.

Mas no que diz respeito ao porquê de ser uma língua estrangeira, Gu-Jun poderia pensar em duas possibilidades. Uma era que as coisas dadas pelo sistema vinham de um país estrangeiro, ou, depois que o sistema se combinou com o subconsciente, selecionou esta forma de linguagem de seu subconsciente.

Gu-Jun pessoalmente acreditava que a chance de ser o primeiro era maior do que o segundo porque por mais louco que fosse todo esse sistema de jogo, se quisesse tornar as coisas mais simples, teria escolhido a linguagem mais comum em sua vida.

‘É possível que devido a algum tipo de incidente, como algum tipo de experimento na companhia Lai Sheng, e eu tenha tido a chance de estudar essa língua estrangeira? Mesmo que, na época, eu ainda fosse uma criança, sou um dos os poucos, senão a única pessoa neste mundo que poderia entender esta língua… e então a mãe decidiu desenterrá-la da minha cabeça?’

Ele tentou organizar seus pensamentos. Ele sentiu que essa possibilidade era a maior. Afinal, o fervor nos olhos de sua mãe sugeria que ela estava colocando os olhos no evangelho divino.

Essa língua estrangeira deve ter algum tipo de significado importante para o Seita da Pós-Vida. Agora, ele tinha que admitir que algo vinha bloqueando de sua mente por causa de suas implicações graves. Seus pais podem ter um relacionamento direto com a Seita da Pós-Vida, e eles podem tê-lo arrastado para lá também.

‘Poderiam “aqueles documentos” se referir a-…’ – Um pensamento de repente brotou na mente de Gu-Jun. ‘…-os desenhos daquelas palavras estrangeiras?’

Uma nova esperança cresceu em seu coração. Talvez seus pais não tenham entregado o documento. Independentemente de suas razões para reivindicar as pilhas de palavras estrangeiras, o objetivo final da Seita da Pós-Vida, e o colapso do relacionamento entre os dois, seus pais acabaram na posição adversária contra a Seita da Pós-Vida.

Talvez, no início, seus pais não soubessem sobre a natureza maligna da Seita da Pós-Vida ou talvez eles apenas tivessem sido usados. E depois que descobriram a verdade, eles fugiram. Esta nova teoria deu a Gu-Jun um fôlego muito necessário, e ele encontrou o seu espírito voltando.

Esta recuperação parcial de memórias lhe permitiu o reconhecimento de algumas novas palavras estrangeiras. Desde o momento em que abandonou a avaliação até agora, a quantidade de vocabulário continuava a aumentar. Encontrou uma familiaridade inexplicável com ela, como o que se teria em relação à língua materna. Cientificamente falando, isto foi chamado de memória implícita. Por exemplo, não se podia explicar como se aprendiam as línguas; simplesmente veio naturalmente.

No entanto, a velocidade de recuperação da língua estrangeira em sua mente também estava caindo.

‘Por enquanto, ainda tenho uma conexão profunda com esse pedaço específico de memória, mas com o passar do tempo, tenho certeza de que esse sentimento vai desaparecer e o número de palavras que consigo lembrar vai diminuir… e já que a ‘memória anormal em meu subconsciente’ pode contêm mais do que este fragmento em particular, talvez haja outras partes que possam estar relacionadas com aquelas visões que tenho tido…’

Nem sempre se pode fugir da verdade. Gu-Jun caminhou até a cabeceira da cama e se sentou. Encostado ao lado da cama, ele começou a meditar sobre essas memórias. A meditação era uma habilidade que ele havia aprendido durante as aulas de psicologia – exercícios respiratórios, como relaxar o corpo e deixar a mente vagar…

A sensação de que ele se agarrava foi instantaneamente amplificada. Ao meditar internamente, os termos da língua estrangeira começaram a saltar novamente para diante dele: flores, pássaros, armas, médico, polícia, professor, comida, fé, vida, história, segredo, guerra…

Gu-Jun submergiu no redemoinho de memórias, e as palavras estrangeiras explodiram em seus olhos como fogos de artifício. Depois de quem sabe quanto tempo, ele finalmente sentiu o desejo de retornar ao mundo real. O propósito da meditação era limpar a mente, mas agora ele sentia uma forte dor de cabeça chegando, e seu estado espiritual estava pior do que quando começou. Além disso, ele acreditava ter esgotado aquele pedaço de memória, porque por mais que tentasse, não conseguia mais filtrar dela novos termos estrangeiros.

Olhando para a hora do alarme, Gu-Jun ficou chocado. – “já é fim de tarde? Santo deus, o tempo passou voando…”

Ele massageou as têmporas e deu a volta para limpar o quarto. Desta vez, ele tinha obtido mais de cem termos. Combinado isso com as que ele já conhecia, ele tinha cerca de quinhentas a seiscentas palavras novas. No entanto, como o português, alguns desses termos têm vários significados. Por exemplo, maçã e fruta foram escritos da mesma forma, e escuridão também pode se referir à noite. Abismo também compartilhava o mesmo significado que o mar.

Portanto, aquela frase sangrenta poderia muito bem significar: “Os frutos da escuridão brotam, envoltos na escuridão do mar.”

Isso naturalmente levou Gu-Jun a outra suposição. – ‘É esta a razão por trás da viagem de mamãe e papai ao fundo do oceano? Eles estavam em busca do fruto da escuridão?’

Verme e parasita também foram escritos da mesma forma. Eles também tinham o significado de ‘servos’.

A morte, estranhamente, também carregava o significado de ‘ascender’. “Os servos ascendidos viverão para sempre com os Céus e a Terra.”

Gu-Jun fez esta afirmação na sua mente, e sentiu um arrepio a correr pelo seu corpo. Ele se lembrou da curiosa declaração daquele homem. “Morte? Não, você não entende.”

‘A morte do corpo físico… é uma espécie de elevação?’

“Argh, isso não faz sentido.”

Gu-Jun balançou a cabeça e abriu a interface do sistema em sua mente. Ele planejou examinar as anotações de referências esfarrapadas e as três páginas do diário novamente. Ele primeiro abriu as anotações de referência anatômica e a estudou. Agora ele podia entender as identificações de estrutura do tórax do espécime daquela criatura desconhecida! Peito, músculo, osso, nervos, linfa… todas as traduções anteriores estavam corretas.

Gu-Jun não pode deixar de ficar animado. Então, ele se voltou para as notas confusas que estavam logo abaixo da referência…

Olá, eu sou o Urso!

Olá, eu sou o Urso!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥