Selecione o tipo de erro abaixo

— Tá de boa.

Sem seu dono, a residência do Duque não era mais do que uma presa fácil para Max. Não houve um único ser que o viu pular sobre o muro, atravessar o jardim e se dirigir ao prédio principal.

Ao examinar o exterior do edifício, os olhos de Max se fixaram em um balcão com uma grande janela.

“Deve ser isso.”

Max se moveu silenciosamente em direção ao seu objetivo, escalou a estrutura saliente e pousou no balcão do terceiro andar.

“Está trancado?”

Embora cético, ele deu um leve empurrão contra as portas de vidro transparente. As portas se abriram facilmente, permitindo que as cortinas de renda atrás delas tremessem. Ele bufou silenciosamente.

“Estar tão vulnerável, sem palavras.”

Ao entrar na sala escura, Max conseguiu distinguir vagamente a figura de uma mulher deitada em sua cama. Ele se aproximou da cama em passos silenciosos.

“Parece frágil.”

Ele pensou que ela se assemelharia a seu mestre, mas parecia que esse não era o caso. Ao contrário de Regis, que era firme e de estatura alta, essa mulher era magra e delicada.

“Parece que ela não vai aprender a lutar com espadas, então acho que ele não está pensando em torná-la sua sucessora…”

Max não conseguia entender seu mestre de jeito nenhum.

“Por que ele está tão obcecado com essa coisa inútil?”

Ele manteve esses pensamentos por um breve momento antes de levantar um lado de sua boca em um sorriso torto.

“Se essa coisa desaparecesse… como reagiria aquele homem?”

Mesmo na escuridão, Max pôde vislumbrar o pescoço fino da mulher. Era tão fino que parecia que se quebraria facilmente mesmo se apertado com um pouco de força.

Seus olhos examinaram a figura da mulher na escuridão quando uma voz repentina quebrou o silêncio.

— Não sei quem você é, mas acho que veio para a casa errada.

Max se assustou ao ouvir a voz de uma mulher que, apesar da situação, soava terrivelmente tranquila.

“Ela estava acordada?”

Como costumam reagir as pessoas normais ao encontrar um intruso? Normalmente, gritavam instintivamente, se defendiam porque não queriam morrer, ou tremiam de medo enquanto suplicavam por suas vidas.

— Esta é a residência do Duque de Floyen.

“O que há com essa mulher?”

Max franziu o cenho, experimentando uma sensação desconhecida pela primeira vez. Ele tinha visto muitas pessoas antes, todas as quais se curvavam a ele, querendo agradá-lo. Claro, havia um casal que era insolente, mas ninguém era tão despreocupado quanto essa mulher.

“Ela tem alguém para apoiá-la?”

Alguém como o Duque Floyen certamente seria um apoiador sólido, mas Max sabia que seu mestre estava ausente naquele momento. Chegando à conclusão de que a mulher estava realmente assustada, mas a encobria com bravata, ele respondeu com um gesto de desprezo.

— Não, vim ao lugar certo.

Ele esperava que ela se ajoelhasse e implorasse por sua vida, mas sua reação foi muito diferente de suas expectativas.

— É mesmo? Que tal mudar de ideia? Acho que vai se arrepender se não o fizer.

A mulher se moveu rapidamente para se sentar em sua cama. A luz da lua entrava pelas grandes janelas, penetrava no quarto e revelava um rosto etéreo. Embora houvesse um ar de cansaço, ainda combinava bem com a atmosfera geralmente relaxada da mulher.

Apesar de sua má reputação, ela ainda era a inveja de muitos por sua beleza conhecida, no entanto, Max não estava muito impressionado. Se você tirasse sua beleza excepcional, não parecia ter utilidade aos olhos dele.

“Não é nada de especial.”

Quando a ouviu suspirar, Max inconscientemente fixou seus olhos no rosto da mulher. Não muito depois, seus lábios, tão vermelhos quanto sementes de romã, se abriram levemente.

— Ainda me resta um ano antes de supostamente dever morrer.

Ela murmurou em um tom extremamente seco e arrepiante que não combinava com seu rosto. As palavras foram ditas em voz baixa, como se estivesse falando consigo mesma, mas ele podia sentir claramente a frieza por trás delas.

“Ela não entende o que está acontecendo?”

Isso o irritou. Ela era tola a ponto de nem mesmo entender a situação em que se encontrava, estava tão relaxada e até se levantou e esticou o corpo sem medo.

Max franziu o cenho quando uma batida desconfortável começou em seu peito.

“Bem, ela está apenas blefando.”

Ele se lembrou de todos aqueles que já haviam agido com arrogância diante dele. Um olhar de intenção assassina brilhou em seu rosto.

“Tenho certeza de que esse ato dela desmoronará assim que sua vida estiver ameaçada.”

Max planejou ameaçar a mulher tola, mas parou quando a viu se mover para acender a vela em sua mesinha de cabeceira.

“Como ousa…”

Ele estava prestes a soprar a vela e derrubar a mulher, mas ficou paralisado quando a luz da vela revelou uma visão mais clara de seu rosto. Ela tinha uma aparência delicada e bonita como uma boneca, mas foram seus olhos que chamaram sua atenção.

“Você…”

Max, sem saber, deu um passo à frente. Ele pensou que estava vendo coisas quando, naquele momento, seu rosto de boneca se iluminou de repente.

— Ah, o aprendiz de meu pai.

Ele tinha toda a intenção de incutir medo, mas esse plano foi esquecido enquanto olhava para o rosto sorridente da mulher à sua frente.

— Bem, veja só… o que você está tentando comprar é na verdade o que eu estava procurando.

A mulher com quem ele havia se deparado apenas brevemente, no entanto, continuava aparecendo em Sua mente constantemente, perturbando-o sem fim.

Ela estava bem diante de seus olhos.

Uma sede repentina me tirou do meu torpor. Minha garganta estava seca e áspera, me fazendo especular se eu tinha pego um resfriado.

“Vou ter que verificar isso de manhã.”


Abri os olhos com a intenção de pegar um copo de água.

“Hmm, o que é isso?”

Quando vi uma figura escura me observando, honestamente pensei que estava experimentando paralisia do sono, mas o leve arrepio que entrava pelas janelas abertas me dizia que isso não era um sonho.

Só havia duas possíveis razões para alguém invadir ilegalmente o quarto de outra pessoa tão tarde. Ou era um roubo ou…

“Não me diga… vão me assassinar?”

Rapidamente me vi nos piores cenários e levei um momento para refletir sobre quem poderia estar por trás disso.

Maldição. Foi inútil, havia muitos candidatos. Por que eu vivi uma vida tão imoral?

“Oh, jovem, por que você viveu tão descuidadamente?”

Eu estava tendo um momento de autorreflexão, mas de repente lembrei: não era um personagem secundário nesta novela.

“Isso mesmo, ainda tenho muitas cenas para aparecer…”

Todas as novelas de ficção tinham uma regra.

A regra de que os personagens principais e secundários, assim como o vilão, nunca morriam no início da história. Em outras palavras, eu, a principal vilã, não morreria antes do incidente na cerimônia de maioridade da Princesa.

“Isso poderia ter sido algo que deveria acontecer na história original de qualquer maneira. Não tenha medo.”

Afogando minha apreensão, franzi os olhos para a sombra suspeita diante de mim.

“Sinto que já vi essa figura antes. Quem é essa pessoa?”

Invadir a esta hora tardia, esse intruso provavelmente era um assassino ou um ladrão. Mas o mais seguro era que, independentemente da profissão, essa pessoa definitivamente não estava sã. Uma pessoa normal nunca teria como alvo a casa do meu pai, a pessoa mais poderosa do Império.

— Não sei quem você é, mas acho que veio para a casa errada. Esta é a residência do Duque de Floyen.

— Não, vim ao lugar certo.

Eu tinha perguntado apenas para me certificar, mas sua resposta foi clara. Ele estava louco ou simplesmente ousado.

— É mesmo? E se mudar de ideia? Acho que vai se arrepender se não o fizer…

Sentindo pena dele, tentei fazê-lo mudar de ideia, mas o homem não respondeu e permaneceu em silêncio.

Deixei escapar um pequeno suspiro enquanto murmurava algo para mim mesma.

— Ainda me resta um ano antes de supostamente dever morrer.

Claro, eu não tinha a intenção de desistir e morrer aqui, mesmo que ele estivesse planejando me matar, no entanto, ainda estava aliviada. Era uma bênção que eu ainda tivesse a chance de melhorar e mudar meu destino.

“Não vou perder essa oportunidade desta vez.”

Silenciosamente, me levantei e fui até a vela. Esta era minha chance de alertar os guardas na porta principal de que algo estava errado no meu quarto.

Joguei um olhar para o homem enquanto acendia um fósforo, me perguntando quais pensamentos passavam por sua cabeça enquanto seus lábios permaneciam selados.

Depois de acender o candelabro na mesa em frente à janela, a luz finalmente me permitiu ver o rosto do intruso.

“Oh, como poderia esquecer esse rosto?”

Um homem de cabelos negros, pele clara e uma aparência geral extremamente agradável.

— Ah, o aprendiz de meu pai.

Parecia que ele tinha vindo ao lugar certo.

“Que alívio.”

Senti um alívio ao descobrir a identidade do intruso, que não era nem um ladrão nem um assassino. Eu tinha conseguido manter a calma dizendo a mim mesma que ainda não era hora de morrer, mas na verdade estava aterrorizada por dentro. Também aprendi uma lição importante.

“Vou ter que garantir que minhas portas e janelas estejam bem trancadas a partir de agora.”

Perdendo a força nas pernas, me deixei cair na cama. Não sabia quanto tempo o aprendiz do meu pai tinha ficado me olhando atordoado antes que seus olhos se movessem para a vela, dando-lhe um olhar irritado.

— O que você acha que está fazendo?

“Pensar que falaria com a estimada filha de um Duque com tanta grosseria.”

Ao insultar a nobreza, ele teria enfrentado algo mais do que um castigo. Teria sido condenado à morte. Ele só escapou porque era eu e não outro nobre. Decidi dar-lhe um aviso pelo seu próprio bem.

— Desculpe-me. Por que você está falando comigo tão casualmente?

Ele me olhou com olhos frios.

— Porque é um fato.

Além de sua arrogância, sua forma de falar também carecia de emoção, assim como meu pai.

“Mas meu pai não é tanto assim. Esse homem é definitivamente pior.”

Não sabia se era porque me sentia aliviada por estar a salvo ou porque o fluxo da conversa foi interrompido abruptamente, mas de repente desatei a rir.

— Então, qual era o seu nome mesmo?

Em vez de responder à minha pergunta, ele franziu a testa para mim. Sentindo-me um pouco envergonhada sob seu olhar, tentei explicar por que estava perguntando seu nome.

— Ah, você sabe, eu não quis esquecer seu nome de propósito, mas…

Fui interrompida por um golpe repentino.

— Minha Senhorita, está tudo bem?

As vozes dos cavaleiros do lado de fora da minha porta eram reconfortantes, mas havia um problema. A ponta de uma espada estava apontada diretamente para o meu pescoço. Eu olhei para o aprendiz do meu pai segurando a espada.

“Está com medo…? Que hostil.”

Seus olhos carmesim mostravam que ele não estava nem um pouco confuso, apenas irradiava uma aura ameaçadora e violenta. Encarando-o nos olhos, entendi o que ele queria que eu fizesse.

“Parece que ele quer que eu aja.”

Era algo que eu poderia facilmente fazer.

— Ah, tive um pesadelo, então acendi a luz por um momento.

Outros poderiam ter aceitado e saído, mas Gerald, meu primo, perguntou seriamente.

— O que? Você está bem?

— Estou sim. Não estou com sono neste momento, então pensei em ler um livro.

Na verdade, eu estava exausta, mas como não sabia o que o aprendiz do meu pai poderia fazer, dei uma mentira descarada.

— Não é bom para a saúde dormir até tarde. Vá logo para a cama.

Em meio a tudo isso, Gerald permaneceu inflexível como sempre, até mesmo me dando conselhos.

— Está bem. Eu entendo.

Incapaz de ouvir nenhum som do outro lado da porta, parecia que os cavaleiros finalmente tinham ido embora. Não podia dizer se realmente tinham ido ou não, mas o aprendiz do meu pai continuou me olhando sem baixar a espada. Encarando-o diretamente nos olhos, falei com calma.

— Fiz o que você queria, poderia por favor abaixar a espada?

Seu rosto se distorceu assim que ouviu as palavras que saíam dos meus lábios.

image host
Picture of Olá, eu sou Babi.Bia!

Olá, eu sou Babi.Bia!

Comentem e avaliem o capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥