Capitulo 13: Evolução de Javali Invernal

Sistema de Evolução Alienígena

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Evolução do Javali Invernal

Com os movimentos eficientes do Coletor, ele alcançou a caverna em trinta minutos, e lá encontrou uma caverna muito parecida com a estrutura dos outros goblins.

Como a anterior, esta também era composta por um sistema simples de túneis feitos por um espécime muito maior do que os goblins e, a julgar pelos serrilhamentos nas formações rochosas dentro da caverna, identificou que era uma criatura que o fazia com seus dentes giratórios .

Muito provavelmente uma criatura do tipo anelídeo, talvez o mesmo que o hobgoblin que o Coletor digeriu recentemente, ‘Grun’, como era chamado, tinha referido em suas memórias como um verme gigante.

Era interessante.

Uma breve análise da formação rochosa e da vegetação musgosa crescendo dentro da caverna indicou que nenhum desses espécimes ocupou esta área faz algum tempo, para não mencionar que os próprios goblins não fixariam sua residência aqui caso houvesse o risco de encontrar tal criatura.

Um verme escavador permitiria ao Coletor acessar facilmente a adaptação necessária para se locomover no subterrâneo e ao mesmo tempo aprimorar amplamente com suas próprias adaptações.

Isso seria extremamente útil para evitar a detecção pelos humanos primitivos deste mundo que carecem de qualquer um dos sistemas de sensores avançados que os viajantes do espaço possuíam.

Ele simplesmente precisava rastrear o verme, mas serão necessárias mais investigações para esse fim.

Por enquanto, o Coletor se concentrou no caso dos goblins, pois se eles se mobilizassem logo, no intervalo de um a dois dias, o Coletor teria que agir rapidamente.

Qualquer movimento significativo desses goblins em confronto com os humanos no assentamento ao sul geraria uma enorme quantidade de atenção para a qual o Coletor não queria ser arrastado.

Mas, ao mesmo tempo, se os goblins e os humanos se enfrentassem, o Coletor perderia sua chance de obter acesso fácil à biomassa e às amostras genéticas dos goblins, e embora as espécies azucrinantes não interessassem ao Coletor antes, a descoberta deste “campeão” e “lorde” despertou seu interesse.

O Coletor, como muitas de suas castas guerreiras, tinha um certo grau de personalidade embutida nele e, ao contrário das castas Dominador ou Infectador, as castas guerreiras possuíam traços que se desenvolveram a partir dos muitos genes de predadores que os compõem.

Assim, o Coletor tinha orgulho da luta, da caça, e uma vez que partisse para caçar um alvo, não desistiria facilmente de sua presa, especialmente para espécimes inferiores como os humanos.

E talvez o mais importante, os goblins eram a força que atacava. Eles lutariam e, se falhassem, morreriam em território humano. Suas amostras genéticas seriam difíceis de absorver lá.

O aumento maciço da vigilância humana e a presença militarizada em toda a floresta também seriam inevitáveis ​​nesse cenário. O Coletor não desejava nada disso.

A floresta era um bioma silencioso e remoto com o qual ele poderia lidar por conta própria com suas atuais capacidades enfraquecidas. Não podia correr o risco de ter que fugir desse bioma, especialmente se um território humano hostil o cercasse ou se houvesse apenas biomas mais hostis em outros lugares.

O Coletor, portanto, procurou no covil em busca de mais informações, mas após alguns minutos de investigação, não encontrou nada de anômalo.

Seu layout era quase exatamente o mesmo do outro covil que já havia saqueado, com um espaço de convivência geral para os goblins menores e uma caverna privada para o hobgoblin.

A única diferença estava na presença de restos mortais na câmara mais distante, onde na outra cova os goblins mantinham cativos humanos. Em vez de cativos vivos, havia três esqueletos ausentes de carne e sangue, alinhados ordenadamente em cima de uma cama áspera de grama.

O Coletor se agachou perto dos esqueletos e os analisou. A julgar por suas proporções, eles eram de origem humana. Era uma anormalidade.

De acordo com os hábitos comportamentais que o Coletor conhecia por consumir goblins e assumir sua forma, os goblins não consumiam ossos e jogavam fora os ossos de suas presas.

Talvez queriam usar como ferramenta? Mas não, o Coletor pegou um braço de um esqueleto e o esmagou com facilidade. Era muito fraco e muito frágil para utilizar de alguma forma significativa.

O Coletor lembrou do hobgoblin que usava ossos nas memórias de Grun, talvez um meio simples de reunir acessórios para diferenciação visual em uma hierarquia social rudimentar?

Não importa o que fosse, o Coletor não deixaria de consumir esses esqueletos. Ele deixou de lado a biomassa de plantas e, agora que estava mais desenvolvido, de algumas das criaturas menores correndo na grama alta desta floresta, mas os restos humanos eram diferentes.

Havia a chance de que certas amostras de biomassa humana fossem especiais, fornecendo mais do que deveriam.

E o Coletor descobriu que não se arrependeria de sua decisão, pois devorou ​​todos os restos mortais.

#sistema-escuro#

* Biomassa ganha + 10 *

Nível de biomassa: 100/100

#escuro-fim#

Todos os três esqueletos eram especiais.

Uma coincidência que ele ainda não podia atribuir explicação, mas anotou em sua mente. Não foi possível extrair memórias dos esqueletos pois era necessário biomassa fresca de um cérebro com integridade estrutural suficiente e que, se expirado, não tenha se deteriorado muito significativamente.

Esses ossos, no entanto, ainda estavam bastante frescos, manchas de sangue seco que mostravam serem recentes permaneceram no chão. Somando com a mulher capturada viva, essas mortes humanas provavelmente favoreceram a razão pela qual os humanos enviaram três de sua espécie contra os covis.

Com os humanos potencialmente alertados pelo Coletor que causou a morte de seus batedores, havia o potencial de que os humanos já estivessem se preparando para vir em um número maior.

Em breve, se o avanço da maior e muito mais poderosa força goblin na zona escura fosse ignorada, haveria um conflito em grande escala. O Coletor deve consumir os goblins antes que seus movimentos tornassem a floresta muito perigosa para ser habitada.

E para isso, o Coletor teve que evoluir. Ele saiu do covil e encontrou um pedaço isolado de grama alta para se transformar.

O Coletor pôde acessar seu terceiro nível de transformação consumindo os esqueletos especiais, embora ele tivesse gasto tempo para caçar outras criaturas para alcançar o terceiro nível de qualquer maneira se os esqueletos fossem normais.

A sensação de calor em seu corpo havia se intensificado constantemente com consumos contínuos, e enquanto o Coletor encolhia no chão, sua figura corpulenta e musculosa se partia em uma poça de carne envolta em um casulo, ele buscou não apenas se adaptar à zona mais escura, como também para tentar descobrir o que era esse calor.

Cada nível de transformação sucessivo fazia com que o casulo formado pelo Coletor se tornasse maior, mais complexo, exigindo mais espaço, mas, por enquanto, ainda não chamava muita atenção, tendo talvez um metro e meio de diâmetro.

Agora, com sua forma quebrada e sua consciência espalhada por uma gosma primordial e maleável, capaz de dobrar a essência crua da criação à sua vontade, o Coletor primeiro inspecionou os materiais genéticos de que dispunha.

#sistema-escuro#

-Formiga Negra

-Goblin Negro

-Humano

-Javali invernal

#escuro-fim#

O Coletor inspecionou o material humano, analisando-o para identificar quaisquer anormalidades dentro dele que pudessem explicar seus níveis anormais de biomassa.

Não encontrou nada, sem mutações. Nenhum gene expressivo único entre os esqueletos especiais ou o espécime feminino. São necessárias mais investigações sobre este assunto.

O Coletor começou a se unir em uma nova forma.

Ele manteve seus genes hobgoblin e aranha negra, pois tinham sido úteis até agora, mas descartou seu material de centopéia listrada pelo do Javali invernal, finalmente se livrando dessa forma bípede.

O casulo de transformação que abrigava o Coletor pulsou e cresceu, raízes de carne se expandiram para fora de seu perímetro conforme se expandia, agarrando-se à vegetação e consumindo-a.

Em minutos, um embrião se formou de dentro do casulo cheio de líquido e revestido de carne, visível como uma pepita escura através da pele membranosa e pontilhada de veias do casulo.

O embrião cresceu rapidamente e, em poucos minutos, tinha o tamanho e a forma vaga de um goblin. Um minuto depois, era do tamanho de um humano. Outro minuto depois, do tamanho de um hobgoblin.

O Coletor tinha incorporado o gene do Javali invernal agora, e o embrião em forma de humanóide mudou completamente de forma, transformando-se em uma massa pulsante e retorcida antes de se tornar maior e mais largo, com quatro patas.

Aqui, o Coletor também restaurou uma de suas adaptações anteriores: as glândulas piro catalíticas que lhe permitiriam invocar a miséria neste mundo rico em oxigênio.

Ele aguardou ansiosamente quando sua transformação entrou em seus estágios finais, sentindo as cobiçadas glândulas – o produto da evolução que o Coletivo selecionou cuidadosamente em mais de cem mundos – crescer dentro de sua garganta semi formada.

Quando o Coletor saiu de seu casulo, um líquido quente e viscoso fumegava e pingava de sua forma peluda, encontrou para sua satisfação a sensação de terra sob quatro pés estáveis. Sim, essa era a sua estrutura, a mesma com que nasceu quando o Coletivo o criou.

#sistema-vermelho#

Nível de metamorfose 3> 4

Nível de biomassa: 100/100> 0/100

Material Genético Armazenado:

-Formiga Negra

-Goblin Negro

-Humano

Adaptações:

– Músculos de Ultra Fibra Rank 3> 4

– Cabelos Sensíveis Rank 2> 3

– Carapaça Orgânica de Hiperliga Rank 2> 3

– Garras Monomoleculares Rank 1> 2

– Glândulas Piro Catalíticas Rank 1 (NOVO)

Forma Atual:

Hobgoblin Negro / Javali Invernal / Aranha da Selva

#vermelho-fim#

O Coletor era tão alto quanto antes, cerca de uma cabeça mais alto que um hobgoblin, mas se ele se levantasse sobre as patas traseiras, seria mais alto que qualquer hobgoblin, até mesmo o campeão das memórias de Grun.

A musculatura de ultra fibra ondulava em densas espirais ao redor do corpo de quatro patas em forma de barril do Coletor e, embora o javali invernal comum parecesse mais redondo e mais macio com gordura, o Coletor parecia um pedaço gigante de músculos protuberantes pesando em volta de 5 toneladas.

Grande parte da gordura resistente ao frio do javali invernal havia sido condensada em marmoreio com uma camada menor e mais fina revestindo os músculos de ultra fibra principalmente para maximizar a massa muscular total e a resistência ao frio, a menos que atingisse temperaturas extremas, não afetaria o Coletor e a zona escura também não parecia possuir temperaturas baixas a esse grau.

Se o Coletor avançasse pela floresta agora, não tinha dúvidas de que simplesmente quebraria árvores e pedras sem demora, muito menos os corpos carnudos e fracos de humanos ou goblins.

Duas presas enormes e curvadas com extremidades monomoleculares brilhavam em sua boca. Um couro grosso e áspero marrom-claro e forrado com pêlos ultrassensíveis cobriam seu corpo, com uma juba particularmente desgrenhada crescendo em volta do pescoço.

Três pares de olhos compostos amarelos brilhantes, juntamente com mandíbulas com pontas grossas e monomoleculares pontilhadas de cada lado de sua cabeça alongada.

E, finalmente, seis membros aracnídeos explodiram de suas costas, cada um deles com pequenas garras monomoleculares com uma delas possuindo capacidades de fiação de teia.

O Coletor não pode manifestar infinitamente certas adaptações ou características. As garras monomoleculares, por exemplo, exigiam uma biomassa significativa que o Coletor ainda não possuía, então ele só poderia pôr na ponta de suas presas e mandíbulas.

Ainda assim, o Coletor ficou satisfeito com sua nova forma. Esta era muito mais resistente, mais forte e mais rápida do que a anterior.

Em comemoração, ele ficou sobre as patas traseiras, erguendo-se alto e sacudindo os últimos resquícios do fluido embrionário que pingava de seu pelo, e soltou um jato controlado de fogo quimicamente aceso de sua boca enquanto recuperava mais uma vez um das muitas valiosas adaptações que o Coletivo lhe deu.

Agora o Coletor estava realmente pronto para caçar.

Equipe:

Rolar para o topo