Supreme Magus – Capítulo 105

Capítulo 105
Hóspedes indesejados
Tradutor: Eduard0|| Revisor: Eduard0


– “Você vê isso, senhor negativo? A flor não murcha, afinal.” Solus comentou alegremente.
“Você está certo! Ainda pode explodir em nossos rostos! Yay!” Lith respondeu imitando seu tom. –
Sendo paranóico demais para tocar o lótus vermelho com as próprias mãos, ele o ergueu com magia espiritual antes de tentar, sem sucesso, guardá-lo na dimensão do bolso.
“Que diabos?”

Examinando-o de perto com a visão da vida, Lith pôde notar que, ao longo de um fluxo maciço de mana, o lótus vermelho também possuía uma pequena partícula de força vital.
Nem ele nem Solus tinham idéia de como poderia ter sobrevivido após uma exposição tão longa a uma abominação.

– “Isso é ótimo. Não podemos escondê-lo, apenas carregá-lo em uma bolsa normal, com o risco de ser destruído ou pior ainda, descoberto quando voltamos. Se essa flor é algum tipo de tesouro inestimável, ela poderia nos causar muitos problemas “. –
Lith suspirou, a idéia de ser forçado a largar seu primeiro saque foi bastante deprimente.

– “Deixe-me adivinhar, estamos acima de uma veia mana, certo?”
“Exatamente.” Solus respondeu. “Minha hipótese é que a Abominação conseguiu se estabilizar graças ao efeito combinado da abundante energia mundial e da estranha flor”.

“Concordo. As únicas perguntas que restam são as seguintes. Matou tudo porque precisava alimentar ou era apenas uma maneira de controlar o ambiente circundante? E, por último, mas não menos importante, os monstros vegetais realmente existem?”
“Somente a Abominação poderia responder à primeira pergunta, e nenhum de nós acreditaria em suas palavras de qualquer maneira.” Solus encolheu os ombros.

“Quanto ao segundo, meu palpite é que sim. As plantas também estão vivendo. Vendo quanta mana tem essa pequena flor, não vejo por que não deveriam ser capazes de evoluir também.”
“Enquanto isso não se tornar um bebê de abominação e comer meu rosto, tudo bem para mim.” – ele respondeu, mantendo o lótus vermelho flutuando e longe dele.

Lith ficou tentado a fazer Solus se transformar em sua torre. Graças ao Revigoramento, seu corpo estava em boa forma, mas ele se sentia mentalmente cansado. As lutas pela vida e pela morte eram mais do que apenas resistência.
Gerenciar tantos feitiços de uma só vez, mantendo a calma enquanto constantemente lutava contra o medo da morte, fez uma única luta real cem vezes mais irritante do que ficar espremida a noite toda.

Mas ele não sabia quanto tempo restava, até que alguém da academia perceber a zona careca na floresta e enviar uma equipe de observação.

Lith colocou a mão livre no chão, usando a magia da terra para procurar os restos das vítimas da Abominação. Alguns metros abaixo, ele encontrou um cemitério, onde numerosos esqueletos estavam reunidos.

Lith levou apenas aqueles pertencentes a bestas mágicas, ignorando restos humanos e animais.

– “Segundo o professor Wanemyre, eles podem ser usados para forjar armas e armaduras de durabilidade superior, que também podem receber encantamentos muito mais fortes do que o normal. Com tudo isso, eu poderia equipar um batalhão.”

“Como diabos alguém cria algo fora dos ossos? Não faz sentido.” Solus objetou. “Entendo que eles podem ser difíceis, mas sempre devem ser baseados em carbono”. “Me bate.” Lith encolheu os ombros. “Me dê uma folga, ainda estou no primeiro ano de especialização.” –
Depois de guardar tudo na dimensão embaçada, seus olhos caíram em seu equipamento desgastado. O traje de caça estava cheio de buracos do tamanho de um polegar, enquanto as braçadeiras de metal estavam danificadas a ponto de serem inúteis.
Felizmente, ele tinha um traje sobressalente.

Infelizmente, também foi o último.
Depois de trocar de roupa rapidamente, Lith voou vários quilômetros antes de parar para decidir o que fazer com o lótus vermelho. Ele não podia colocá-lo no espaço de armazenamento, nem consegui-lo por duas boas razões.

A primeira foi que ele não confiava em algo vivo para estar tão perto de seus órgãos vitais. A segunda era que, mesmo que fosse realmente inofensivo, o lótus vermelho não sobreviveria caso ele tivesse que liberar novamente a aura escura ou qualquer tipo de magia de si mesmo.
Por mais precioso que fosse, nada era mais importante que a própria vida.

O lótus vermelho era um fardo ainda pior do que qualquer outro companheiro que ele já teve.
O único ponto de referência que ele conhecia era a academia, então ele decidiu enterrá-lo perto da entrada, esperando que, ao voltar, tivesse planejado uma maneira de contrabandear o interior despercebido.

No entanto, o plano apresentava uma falha enorme. Colocar uma flor perto da terra fértil era potencialmente uma receita para o desastre.

E se a Abominação ainda estivesse viva e pronta para reaparecer assim que tivesse nutrientes suficientes?
Lith teceu todos os feitiços da escuridão que ele poderia usar de uma só vez, antes de deixar o lótus vermelho entrar no pequeno buraco que ele cavara.

Mesmo antes que o lótus vermelho pudesse tocar o chão, começou a criar raízes que caíam, enquanto a própria terra se movia para cima, lembrando estranhamente a Lith a “Criação de Adão” de Michelangelo.

Assim que se tocaram, as raízes ficaram mais grossas, transformando-se rapidamente em trepadeiras que envolviam o lótus, montando o que parecia um corpo humanóide. Lith ativou os feitiços, conjurando energia escura suficiente para transformar todo o pedaço de terra em um terreno baldio, mas não os disparou.

A Abominação nunca teve um corpo humanóide, também em vez de morrer, a vegetação próxima prosperou. Incontáveis botões de flores floresceram ao mesmo tempo, folhas amarelas ficaram verdes mais uma vez.
Lith fortaleceu os feitiços e acenou novos, indiferentes à beleza ao seu redor.

Quando a coisa parou de crescer, Lith se viu olhando para a mulher mais linda que ele já tinha visto. Seus grandes olhos vermelhos brilhavam à luz da manhã como rubis magistralmente cortados.

Tudo em seu rosto era perfeito, desde os traços delicados até os lábios carnudos.
Ela tinha cabelos grossos e despenteados, vermelhos como folhas de bordo durante o outono, que lhe davam um fascínio selvagem e desenfreado.

Além disso, o fato de ela estar completamente nua, não deixando nada para a imaginação sobre suas curvas suaves e cheias não doeu.

A única coisa que traiu sua natureza não humana foi a pele verde clara.

“Apenas me dê um bom motivo.” Os punhos de Lith agora ficaram pretos devido à enorme quantidade de energia escura que eles mal continham. O ar ao seu redor estava tão cheio de magia mortal que a criatura em seu estado debilitado mal conseguia respirar.
“Eu sou uma dríade.” Ela disse como se isso explicasse tudo, com uma voz tão clara quanto uma fonte da montanha.

“Eu não ligo.” Lith fez a energia escura avançar, não deixando uma saída.
“Eu sou um dos protetores desta floresta. O monstro que você matou roubou e corrompeu meus poderes para prolongar sua existência.” Ela estava começando a ficar assustada, essa não era a reação usual que ela geralmente evocava em homens humanos.

“Ainda não é uma razão.”
“Eu posso te recompensar.” Ela mordeu o lábio inferior jogando sua última carta.
“E em que bolso exatamente você guardaria algo de valor no seu traje de aniversário?” A massa escura só precisava de um último empurrão para obliterá-la.

“Em nome da Grande Mãe, que tipo de homem trata desta maneira uma donzela que ele acabou de salvar?” Seu salvador parecia impossível de agradar e completamente imune ao seu charme.

Infelizmente para a dríade, o núcleo de Lith havia se estabilizado o suficiente para superar até sua paixão por Nalear.

Naquele momento, seu coração estava frio como gelo.
“Um que não pensa com a cabeça abaixo, e não confia em alguém que ele acabou de conhecer apenas porque ela tem um rosto bonito. Agora me dê um bom motivo. Não vou pedir três vezes.”

“Porque nós podemos ajudá-lo.” Disse uma terceira voz.

Outra dríade emergia lentamente de um carvalho próximo, com as mãos erguidas em sinal de rendição. Antes de largar o lótus vermelho, Lith havia ativado a Visão de Vida, caso outra criatura trocadora de corpo aparecesse da flor.

Por isso, ele não perdeu a chegada da segunda dríade, permitindo-lhe atingi-la com os feitiços armazenados em suas mãos.

A nova dríade tinha cabelos louros loiros, usando o que parecia um vestido branco de algodão leve, deixando apenas seus delicados ombros e braços expostos. Sua figura era mais esbelta que a da outra dríade, mas não menos atraente.

“Se algo acontecer comigo, a cabeça de leitura fica no inverno.” A vontade de Lith era a única coisa que bloqueava a barragem de energia escura, como um interruptor de homem morto.

A dríade loira tirou vários tesouros naturais da árvore. Alguns tinham visto nos livros, outros eram completamente novos. Mas cada um deles, não importa se frutas, flores ou raízes estavam cheias de energia mágica.

Vendo que ele ainda não estava se mexendo, a dríade loira levou a mão esquerda ao peito. Uma pequena flor de lótus amarela apareceu e, através da visão da vida, ele pôde ver que ela havia perdido uma grande parte de seu poder mágico.

“Isso faz parte do meu coração.” Ela entregou a ele. “Enquanto você tiver, minha vida está em suas mãos.”

– “É verdade.” Solus confirmou. “Existe uma conexão clara entre eles. É como se ela lhe entregasse seu núcleo de mana.”
Lith capturou o lótus amarelo com magia espiritual, enviando sua vontade através dele.

Obedecendo a sua ordem silenciosa, a dríade loira se ajoelhou. O sentimento que ele teve foi fortalecedor e repulsivo ao mesmo tempo.
Ter esse grau de controle sobre outro ser senciente estava claramente errado.
“Como você pode me ajudar?” Ele sentiu apenas a verdade nas palavras dela.

“Podemos encontrar uma maneira de consertar sua alma.”


Capítulo anterior | Índice | Próximo capítulo

Rolar para o topo