Supreme Magus – Capítulo 109

Capítulo 109
Lutando 2
Tradutor: Eduard0|| Revisor: Eduard0

– “Por que você o matou?”  Solus perguntou surpreso.
“Seis contra um é um pouco demais, não podemos perder nenhuma chance de empatar.”
“Então por que você deixou o outro viver antes?”
“Um ataque de dois estágios, em que o primeiro é direcionado a um alvo aleatório e o segundo a seus socorristas é uma tática clássica de guerrilha. Eu não apenas o derrubei, mas também deixei uma bola de fogo pronta, caso alguém tentasse libertá-lo.  . Dividir e conquistar.”  –
Assim como os pingentes de gelo tinham perdido os sinais vitais de Terion, a bola de fogo tinha sido intencionalmente fraca.  Apesar do efeito impulsionado pela barreira, Terion e Recca estavam incapacitados, mas vivos.
Eles estavam gravemente queimados, mas os caçadores restantes podiam vê-los claramente se contorcendo de dor.  Lith fez isso de propósito, forçando seus oponentes a escolher entre abandonar seus companheiros ou cair duas vezes pelo mesmo truque.
Eles não tinham como saber se havia outra bola de fogo pronta para explodir.
– “Você me assustou, naquela época. Por um momento, pensei que você tinha ficado … macio.”  Solus hesitou antes de terminar a frase.  Parecia absurdo empurrá-lo para se tornar mais gentil, apenas para se preocupar sempre que ele não era cruel.
“Como eu disse antes, mesmo que eu decida mudar, minha opinião sobre as pessoas não mudará. Especialmente sobre aqueles que tentam matar a mim sem uma razão.”  –
No tempo necessário para que a conversa acontecesse, o cadáver do lanceiro ainda não tocara o chão.
“Seu desgraçado!”  A mulher corpulenta pegou duas espadas curtas do amuleto dimensional, correndo em direção a Lith, decidida a vingar seus companheiros.  Nas mãos, as armas se moviam agilmente como facas, cortando o ar com um som de assobio.
Ambos os lutadores se moveram em alta velocidade, pegando um ao outro de surpresa.
– “Ele é mesmo humano?”  – Ambos pensaram.
Enquanto a velocidade de Lith vinha da fusão do ar, o mercenário era na verdade uma mulher normal, nem mesmo um mago.
Entre suas muitas propriedades defensivas, suas roupas também eram equipadas com gemas alquímicas que podiam melhorar seus reflexos e força, sem ter que beber uma poção.
Apesar de ser mais rápido, Lith estava tendo dificuldades para evitar os ataques que chegavam.  Seus braços eram quase tão longos quanto as pernas dele, e para piorar as coisas, qualquer arma ou escudo que ele conjurasse durasse apenas alguns golpes antes de quebrar.
– “Parece que ela não me subestima mais. Eu tenho que inventar alguma coisa, rápido.”
“Cuidado com as lâminas, elas estão encantadas”, apontou Solus.  “Duvido que seu uniforme possa oferecer qualquer tipo de proteção contra eles.”  –
Cerrando os dentes com a notícia, Lith viu o mercenário varrer o chão com a perna dela, forçando-o a pular.
Seu plano era dar um chute na baliza enquanto o oponente ainda estava no ar.  Em vez de cair como ela esperava, Lith correu para frente, chutando o rosto com os dois pés, forçando-a a dar um passo para trás com o nariz ensanguentado.
Explorando essa abertura, Lith se aproximou, batendo a perna direita no chão, com força suficiente para quebrá-la.  A força do chute foi transmitida para o joelho e, dobrando-o, foi amplificada e transmitida para a cintura, coluna vertebral e ombro, liberando-a pelo punho direito, bem no esterno, fazendo-a deslizar vários metros para trás.  um som de estalo.
Apesar de todas as suas proteções mágicas e físico superior, o soco proporcionado pela fusão do ar, terra e fogo havia quebrado vários ossos, tornando a respiração terrivelmente dolorosa.
Os dois membros restantes da equipe de mercenários, Rodimas e Raghul, usaram essa troca curta para se posicionar atrás dele, travando Lith em uma formação triangular.
Ele não precisava se virar para saber que eles provavelmente estavam lançando algum feitiço para dar à companheira o segundo que ela precisava para transformá-lo em carne picada.  Eles ainda tinham que perceber que sua luta já havia terminado.
Lith atacou novamente, desta vez em seu queixo, nocauteando-a antes de ativar o feitiço de terceiro nível armazenado em seu anel mágico, Checkmate lanças.
De repente, o ar se encheu de pingentes de gelo tão grossos quanto uma pequena árvore, rodeando os Rodimas de todas as direções, deixando-a sem saída.  Jurando interiormente, Rodimas cancelou seu feitiço, realizando no  último segundo troca para salvar sua vida.
Os dois encontraram suas posições invertidas, agora Lith era o único sob o granizo de gelo, mas além de seu orgulho ferido, ele não tinha nada a temer.  Xeque-mate Spears parecia um nome excessivamente pomposo para um feitiço que ainda não tinha sido xeque-mate de alguém nem uma vez.
Sendo feito de sua própria magia, os dardos gelados passaram por ele como se ele fosse um fantasma.
Enquanto isso, Raghul completou seu feitiço, um Mago de Batalha de nível cinco, o mais rápido que ele conhecia.  Gerou várias esferas de água que atuariam como ataque e defesa ao mesmo tempo.
Eles eram capazes de bloquear ou amortecer feitiços de ar, fogo e terra, e se um inimigo os tocasse, eles invadiriam seus pulmões, afogando-o.  Raghul só manteve um punhado deles para se proteger, enviando os restantes para matar Lith.
Como verdadeiros encantamentos mágicos, eles foram capazes de perseguir suas presas, desde que permanecessem na linha de visão do lançador.  Geralmente, a única saída era fugir ou matar o lançador.
Ainda no quarto ano, Lith não fazia ideia de que tipo de feitiço era.  Não ousando subestimar o oponente, ele fez o que parecia ser a coisa mais lógica a fazer.
Ele usou magia espiritual para agarrar Rodimas e a mulher corpulenta, jogando-as nas esferas que chegavam para ver o que aconteceria.
Raghul não podia acreditar em seus olhos, o garoto estava usando seus companheiros de equipe como escudos de carne.  Ele não era um novato, ele já havia perdido mais de um aliado durante um trabalho, às vezes sacrificando-os para cumprir uma missão.
Mas isso era demais, ele teve que escolher entre manter sua defesa ou matar dois de seus amigos mais queridos por nada.  Ele podia ver a água entrando à força por seus narizes e bocas, Rodimas em pânico gritos reduzidos a um punhado de bolhas.
Antes que ele pudesse decidir o que fazer, Lith se aproximou o suficiente para nocauteá-lo com um único soco.  As esferas de água se abriram, libertando seus prisioneiros.
Lith acabara de nocautear Rodimas também, para decidir com calma o que fazer com eles e como obter as informações que queria, quando percebeu que o jovem Byk havia retornado.
“Que gentileza sua, me abandonar assim depois que eu salvei sua vida.”  Lith disse com um tom áspero.  O Byk bufou, esfregando os focinhos na perna como agradecimento.
“Pare de se fazer de bobo. Eu sei que você pode conversar. Eu não vim aqui por acaso, mas porque algumas dríades me contaram sobre um encontro predestinado.”  O Byk inclinou a cabeça para o lado, achando difícil entender essas palavras.
“Então, me diga. Você deveria ser meu verdadeiro amor, meu melhor amigo ou o quê?”


Capítulo anterior | Índice | Próximo capítulo

Rolar para o topo