Supreme Magus – Capítulo 110

Capítulo 110
Desespero
Tradutor: Eduard0|| Revisor: Eduard0

O Byk riu, uma luz divertida em seus olhos.
“Que a Grande Mãe me poupe de destinos tão terríveis. Sem ofensa, mas para ser um parceiro decente, você é magro, pequeno demais, sem pelos e humano demais.”
Graças à sua sensibilidade de mana recentemente encontrada, Lith percebeu que o Byk não estava realmente falando.  Estava usando a magia do ar para transformar os sons da floresta em palavras para ele entender.
“Nenhuma tomada. Para ser honesto, fico feliz em ouvir isso. Até onde eu sei, estou interessado apenas em mulheres humanas. Só de pensar em outra coisa estava me assustando.”  Ele respondeu.
“O que é um amigo?”  O Byk perguntou rindo.
“Excelente pergunta.”  Lith suspirou.  “Em teoria, alguém cuida de você tanto quanto você. Alguém em quem confiar durante momentos ou em que você estiver com problemas.”
“Parece uma mãe ou um líder da matilha.”
Talvez fosse porque era jovem, ou talvez apenas porque era um animal, mas Lith teve a impressão de que a conversa não estava indo a lugar algum.
“Você sabe alguma coisa sobre o castelo?”  Lith apontou para os pináculos da academia, claramente visíveis acima da linha das árvores.
“A montanha artificial? Claro, todo mundo sabe disso. É o lugar onde os filhotes de pêlo branco como você moram.”
Lith estava prestes a enfrentar-se frustrado, mas o Byk fez uma pergunta estranha.
“Agora que você mencionou, pode me explicar por que seus companheiros de esconderijo ficaram loucos?”
“Do que você está falando?”  Lith respondeu confuso.
“Até o inverno passado, o pessoal da floresta e o homem das montanhas coexistiam pacificamente. Claro, de tempos em tempos acontecia uma grande luta, mas essa é a natureza do deserto. As vidas fortes, os fracos morrem.”  Encolheu os ombros.
“Mas agora as coisas são diferentes. Os peles brancas vagam pela floresta sem comida ou ervas, agora nos caçam ativamente, tentando nos matar. E quando digo isso, quero dizer jovens bestas mágicas, se não ninhadas.”
Essa notícia não fazia sentido.  De acordo com o que Selia disse a Lith no passado, um filhote não tinha valor de mercado, vivo ou morto.  A pele era muito áspera em comparação com um espécime adulto, e ninguém jamais conseguiu domar um.
Os animais mágicos não eram apenas poderosos, eles também tinham força de vontade.  Se um filhote fosse alimentado e tratado adequadamente, logo poderia escapar, ou pelo menos morrer tentando.  Caso contrário, eles simplesmente morreriam de fome ou de abuso.
Além disso, matar um filhote estava destinado a provocar a ira de seus pais; era um alto risco de nenhum movimento de recompensa.  Um caçador vagabundo pode não se importar, mas para os alunos da academia era suicídio fazê-lo.
Eles poderiam encontrar os animais novamente durante um exame, ou pior ainda, quando sozinhos, e isso significaria obter uma nota baixa por receber a ajuda de um professor ou a morte.
“Felizmente, a maioria deles é furtiva como uma tempestade, então apenas alguns foram mortos. Depois de retaliar, o Senhor da floresta nos disse para nos afastarmos, para tentar resolver as coisas com o Senhor da montanha.
Mas então as coisas pioraram.  Mais e mais estranhos chegaram, fortes o suficiente para matar adultos. “O Byk apontou para os caçadores inconscientes com seu focinho. Lith podia entender como esses eventos estavam relacionados ao diretor. Era uma manobra em pinça, para tornar a academia perigosa por dentro e por fora.  Se um aluno morresse ou desaparecesse na floresta, especialmente durante um exame, colocar a culpa em Linjos seria brincadeira de criança.
O que ele não entendeu foi por que tais eventos estavam ligados à sua própria alma.  Ainda havia algo errado, ele podia sentir que a visão ainda não se revelara.  O coração de Lith começou a bater forte no peito.
Um medo irracional estava picando sua mente como inúmeras agulhas, suor frio cobrindo seu corpo.  Ele não tinha ideia do que deveria fazer ou encontrar, mas sabia que a janela da oportunidade estava prestes a fechar.
A única carta que restava para jogar eram os caçadores.  Ainda estava em plena luz do dia, e ele não podia ser descoberto ou interrompido, então trocou de roupa novamente e lançou o feitiço zumbido ao redor deles.
Agora, não importa o que ele fizesse ou o quanto eles gritassem, ninguém os ouviria.  E mesmo se alguém tropeçasse nele, tudo o que veria era um caçador matando a caça.
Ele acordou todos eles com um jato de água gelada.  Eles descobriram que tinham as mãos e os pés presos dentro da terra abaixo deles, que Lith havia se transformado em pedra.  Suas bocas estavam cheias de barro, impedindo-os de falar.
Lith os revistara um a um, mesmo na boca, pegando todos os itens encantados ou alquímicos que possuíam, deixando apenas suas roupas.  Eles estavam à sua completa mercê, mesmo lançando a primeira mágica seria incrivelmente difícil.
Ele removeu a mordaça da mulher corpulenta, ela era a menos propensa a saber algo útil, por isso era a escolha perfeita para dar o exemplo para as outras duas.
“Me liberte e lute como um homem, se você ousar, seu idiota!”  Ela cuspiu nele, seus cabelos castanhos molhados dançavam loucamente enquanto lutava para se libertar, ignorando a dor de suas fraturas.
A resposta de Lith foi atacar diretamente o esterno quebrado, fazendo-a tossir sangue, a agonia nublando seus olhos com lágrimas.
“Você perdeu lutando três contra um, quando estava em sua condição máxima. Estar livre ou preso não mudaria o resultado”.  Ele disse tentando esconder a necessidade desesperada de informações.
“Diga-me quem são vocês e o que estão fazendo aqui.”
Ela riu na cara dele, mostrando um sorriso lupino de desafio.
“O homenzinho está dentro do cronograma, uh? Faça o seu pior. Me mate, eu não dou a mínima. Espero que seu mestre lhe dê a morte de um cachorro pelo seu fracasso.”
Outro calafrio invadiu o corpo de Lith, as imagens do táxi excruciante viajaram apenas para encontrar o cadáver de Carl empurrando-o para a beira, fortalecendo-o o suficiente para permitir que o abismo que habitava dentro dele vagasse mais uma vez.
“Você acabou de cometer seus dois últimos erros. Primeiro, eu não sirvo nenhum mestre, depois você não tem idéia do que é o meu pior. Eu sou um curandeiro.”  Essas palavras foram feitas para ser uma ameaça, mas ela achou hilário.
“Um curandeiro? Então me cure para que eu possa arrancar sua cabeça do seu maldito pescoço.”
Lith retirou a luva da mão direita, colocando-a no estômago cinzelado, logo acima do plexo solar.
“Se você quer me foder, esse é o lugar errado, garoto.”  Lith a ignorou.
“Você vê, um curandeiro é obrigado a conhecer o corpo humano melhor do que qualquer outra pessoa. Nós sabemos como lidar com o máximo de dor enquanto mantemos nosso paciente vivo.”
Depois de usar Revigoramento nela, ele localizou seu núcleo de mana.  Segundo o professor de alquimia, enviar mana para o corpo de outra pessoa era como injetar veneno.  Lith agora estava curioso para ver o que aconteceria se ele injetasse sua mana diretamente no núcleo de mana dela.


Capítulo anterior | Índice | Próximo capítulo

Rolar para o topo