Supreme Magus – Capítulo 112

Capítulo 112
Monstro de Lith
Tradutor: Eduard0|| Revisor: Eduard0

Solus não tinha ideia do que Lith havia feito, para ser exato, qualquer um deles.  A criatura na frente deles não estava morta nem viva, seu senso de mana nunca havia percebido nada assim.

Um núcleo normal era uma massa de pura mana, que poderia ser usada para interagir com a energia mundial para dar vida aos feitiços.  Os seres despertados pareciam ser os únicos capazes de usar a mana pura para obter vários efeitos, como revigoramento ou magia espiritual.

O núcleo negro de uma abominação, em vez disso, era uma forma mais forte, porém corrompida, de mana, que constantemente exigia grandes quantidades de energia mundial apenas para não se dissipar.  Para fazer isso, as abominações ganharam poderes únicos.

O Murchar que eles enfrentaram no passado, tinha a capacidade de drenar a força da vida, mesmo à distância.  A coisa da planta poderia dividir sua consciência para ultrapassar e consumir a vegetação circundante enquanto procurava por presas de animais.

Isso teve um preço, no entanto.  Ambos provaram ter um conjunto de habilidades mortal, mas limitado, a ponto de perder a capacidade de usar magia em todas as suas formas.
O núcleo sanguíneo que Lith acidentalmente criou estava completamente fora da experiência deles.  Era uma massa composta por sangue e magia das trevas, com os restos do núcleo de mana de Raghul de alguma forma mantendo tudo unido.

Baseado no que Solus podia ver, tinha uma natureza física e mágica.  O núcleo do sangue estava completamente desarrumado, sem equilíbrio interno ou estrutura adequada.  Ele se expandia e encolhia continuamente, mudando de esférico para elipsóide, às vezes não tinha forma alguma.

Era uma criatura do caos e, como tal, não era para durar.  A cada segundo, reorganizava o corpo do
hospedeiro e a si próprio, causando enormes quantidades de tensão no cadáver de Raghul.

Quando ele estava vivo, ele era um homem bem construído, de estatura média, cabelos pretos curtos e cavanhaque bem aparado da mesma cor, que ajudaram a suavizar seus traços quadrados.
Agora, seu rosto estava deformado em um grito perpétuo de dor, o nariz afiado afundou em seu rosto até restarem apenas as narinas.

  A pele continuava apodrecendo, ficando verde e descascando, revelando o tecido muscular por baixo antes de se regenerar e recomeçar.
O corpo inchou rasgando as roupas encantadas, seus braços ficaram mais longos e deformados, o suficiente para tocar o chão, as pernas dobradas para trás com um ângulo não natural.
– “Isso definitivamente não é um vampiro. O que diabos eu fiz?”  –

O jovem Byk fugiu sem pensar duas vezes, sentindo o perigo iminente.

A criatura começou a assobiar, observando Lith com os olhos cheios de ódio e desprezo.  Ele se moveu com uma velocidade incrível, nem mesmo usando a fusão de ar ao seu extremo Lith conseguiu evitar a investida.

Os dedos de Raghul se tornaram garras afiadas de dez centímetros de comprimento, que facilitaram o trabalho do protetor de coração de ferro de Lith e da fusão da terra.

As garras em forma de gancho cortaram verticalmente, arrancando profundamente seu peito.  Pedaços de carne do tamanho de um dedo atingiram o chão, enquanto o sangue espirrava.  Tudo aconteceu tão rápido que Lith sentiu dor apenas quando ele já estava se movendo para evitar um segundo ataque.  O choque foi tão intenso que em outra situação poderia tê-lo desmaiado, mas com sua vida em risco, força de vontade e instinto de sobrevivência lhe permitiram aguentar, mesmo que mal.

Lith podia sentir o sangramento rítmico em seu peito a cada batida de seu coração em pânico, encharcando suas roupas.  Era como ter um ferro quente em brasa devastando sua carne, enquanto agulhas de gelo picavam a pele ao redor, dando-lhe uma sensação entorpecente que se espalhava lentamente.
Ele conseguiu evitar o segundo golpe, mas apenas porque de repente a criatura se distraiu, tornando o balanço desleixado e previsível.  Ele explorou a abertura para se distanciar e curar suas feridas.

Para sua surpresa, as marcas das garras estavam cheias de magia negra, tornando a recuperação muito mais lenta e menos eficaz que o normal.  A criatura, em vez disso, havia escolhido os pedaços de carne, brincando com eles com entusiasmo.

Ele inclinou a cabeça para o lado, fazendo a maioria dos cabelos de Raghul cair como folhas de outono ao vento, parecendo ter percebido algo importante.  Então os trouxe à boca, devorando-os.
– “A boa notícia é que, seja o que for, não é um vampiro. A má notícia é que não tenho idéia de como derrotá-lo.”  Lith usou fusão de luz, tentando neutralizar a energia escura que infectava a ferida.

“Você pode fugir ou parar por um tempo. Não pode viver por muito tempo.”  Solus apontou.  –
Ela podia ver claramente o núcleo do sangue desmoronando, a força que percorria o monstro era demais para seu corpo, apesar de todas as mudanças pelas quais passou.

  Todo movimento, todo ataque o danificaria tanto quanto a Lith.
Talvez fosse porque a criação do núcleo sanguíneo tivesse sido puramente acidental, talvez porque a criatura estivesse vulnerável ao sol, mas, sendo inconsciente, não se importava.

Qualquer que fosse o motivo, a ingestão de carne crua mal atrasara seu processo de decomposição.
Após o cabelo, toda a pele foi eliminada, deixando os músculos expostos, úmidos e brilhantes sob o sol do meio-dia.

Todos os dentes foram substituídos por presas, dando-lhe uma aparência estranha.

A criatura gritou de fúria, notando que Lith havia escapado, forçando-a a decidir se caçaria o criador pelo qual sentia um ódio profundo, ou os indefesos Rodimas.  O doce cheiro de sangue pingando e o delicioso sabor da carne resolveram o problema.

Enquanto Lith e Solus ainda conversavam, menos de dois segundos após o primeiro sangue, o pesadelo começou.


Capítulo anterior | Índice | Próximo capítulo

Rolar para o topo