Supreme Magus – Capítulo 118

Capítulo 118
Meia Verdade
Tradutor: Eduard0|| Revisor: Eduard0


Lith imediatamente se arrependeu de seu último experimento.
– “Droga, meu corpo ainda está fraco. Mesmo que meu núcleo ainda esteja ciano, os efeitos da mudança são semelhantes ao processo de evolução. O revigoramento não tem efeito. Eu preciso de um descanso real para me recuperar.”

“Sua mente também não está se saindo melhor. Você ainda está usando seu traje de caçador, se você não o mudar, não só levantaria muitas perguntas, mas duvido que eles o deixem entrar na academia.” Solus apontou. –
As mangas de couro estavam reduzidas a pedaços, o peito apresentava um buraco gigante, como se alguém tivesse tentado arrancar seu coração, os protetores de metal tinham pedaços inteiros ausentes e entre as manchas de sangue e as impurezas, parecia que Lith havia roubado as roupas de um campo de batalha .
Amaldiçoando interiormente sua própria estupidez, Lith voltou abaixo da linha das árvores, trocando as roupas no ar através do bolso dimensional.

Depois de atravessar os portões do castelo, ele foi parado pelo recepcionista, exigindo ter o dispositivo de socorro de volta. Era o mesmo homem de meia idade que lecionara Lith naquela manhã.
Ao vê-lo com as mãos e o rosto sujos por ter dormido no chão, com o fôlego curto e a expressão preocupada, o recepcionista supôs que ir sozinho não fazia bem ao arrogante aluno do quarto ano.
Seus olhos castanhos brilhavam de orgulho, enquanto um sorriso condescendente quebrava sua barba espessa.
“Parece que você teve que experimentar por si mesmo o quão duro o mundo está lá fora. Nem todo mundo pode ser um herói, agora você sabe disso.”
Lith olhou para ele como um louco, ele já tinha esquecido dele, então essas palavras não faziam sentido para ele.

“Pronto pronto.” O funcionário continuou, confundindo sua confusão com vergonha. “Pelo menos você saiu vivo sem precisar pedir ajuda. Além disso, lembrou-se do meu conselho e voltou antes do pôr do sol. Perceber seus erros e aprender com os idosos é fundamental na sua idade.”
Normalmente Lith já o reconheceria, ponderando se tentava envenenar o núcleo de mana do escrivão à distância com magia espiritual.
Mas preocupado como ele estava, ele apenas fingia estar ouvindo, acenando de vez em quando. Lith estava tão cansado que até pensar era uma luta. Desde que vira o fim da visão, ele estava tentando juntar as peças.

Tudo o que ele queria era tomar um banho curto para se livrar de toda a sujeira, suor e sangue que sujavam seu corpo e depois dormir por uma semana inteira, mas a cena de seus pais assassinados e suas irmãs gritando por ajuda assombrou sua mente.
– “De acordo com a visão, os passos dos eventos são: 1) os mercenários matando Nok. E isso está fora de cena. Depois 2) depois disso, eles deveriam fazer uma entrega, de alguma forma ligada à queda da academia.
Acho que essa parte era metafórica; para derrubar o castelo, seria necessário um terremoto de pelo menos oito na escala Richter. O que levaria a 3) uma guerra civil e 4) à destruição de Lutia.
Não está claro se isso aconteceria por coincidência ou porque irritei alguém em particular, mas isso não importa. Se minha alma é um idiota tanto quanto eu, a razão pela qual isso me mostrou tudo isso é porque mais do que tudo, quero salvá-las. Certo, Solus? “” Sim, isso faz sentido, especialmente a parte da merda. Acho que salvar filhotes fofos e milhares de inocentes não é realmente o seu estilo … “Ela tinha um tom desanimado. Depois de tudo o que esperava que ele encontrasse amor ou amizade verdadeiros, mais uma vez era apenas uma razão egoísta. Para ela, Lith e sua alma eram de fato, uma combinação feita pelos céus.

“Foda-se os inocentes! Eu não sou o herói de ninguém. Um mundo que, apesar de ter bilhões de pessoas, só pode ser salvo por alguém corajoso e burro o suficiente para se sacrificar por estranhos, é um mundo que não merece ser salvo.” –
Na privacidade de seu quarto, Lith pegou o amuleto da comunicação, pensando exatamente o que dizer à marquesa Distar.
Ele não conseguia dormir antes de se certificar de que os eventos que assistira ainda não haviam acontecido, mas se ele ligasse para ela, precisaria derramar o feijão sem ter a oportunidade de inventar uma história crível.
A verdade era perigosa demais para ele, e ligar para ela no dia seguinte destruiria sua credibilidade. Quem, em sã consciência, levaria a sério alguém que precisasse de uma soneca antes de denunciar uma ameaça ao Reino?
Mas, sem dormir, ele teve dificuldade em se concentrar, sem falar em ser convincente enquanto falava besteira. Foi outro paradoxo do tipo catch-22
Cansado demais para encontrar uma solução, ele simplesmente fez a ligação.
A marquesa respondeu quase imediatamente, sentada atrás de uma mesa luxuosa repleta de livros e folhas de papel. Ela estava com o cabelo solto, sem penteado específico, vestindo algo entre um pijama e calça de moletom.

Ela parecia quase tão cansada quanto ele, seu aborrecimento era visível tanto quanto audível.
“Você de novo. O que aconteceu desta vez?”
“Sinto muito incomodá-la
a essa hora, sua senhoria, mas preciso saber se está tudo bem com minha família. Trago notícias graves.”
A última frase, juntamente com o desespero em sua voz, mudou sua atitude em um piscar de olhos.
“Eu já recebi o relatório de hoje, mas deixe-me verificar agora.”
A comunicação permaneceu aberta, mas sua imagem desapareceu por alguns segundos.
– “Essa coisa pode colocar em espera?” –
“Todos os presentes e representados, o céu ainda não caiu.” Ela disse com um leve sorriso.

“Agora, o que você estava dizendo sobre notícias graves?” Ela se apoiou com os cotovelos na mesa, os olhos arregalados.
“Antes de começar minha história, sua senhoria, você acredita em sobrenatural? Coisas como almas, destino e assim por diante?” Lith estava desesperadamente tentando encontrar uma maneira de não parecer um maníaco delirante.
“Criança, você está começando a parecer meu marido quando ele me pediu em casamento. Se você acabou de me incomodar por causa de uma garota, isso é inapropriado. Não importa o que você acredite agora, quem você conheceu não é o certo.”
Amaldiçoando interiormente sua pobre escolha de palavras, Lith correu para explicar.

– “A melhor mentira é uma meia-verdade. Aqui vai tudo.” –
Ele contou como conseguiu salvar uma dríade por pura sorte e que ela o recompensou com uma visão sobre o desejo de seu coração. Seguindo as instruções dela, ele encontrou um grupo de caçadores lutando até a morte com um poderoso necromante Byk defendendo seu filhote.
Nesta versão da história, ele era apenas um espectador, e Kalla fez todo o trabalho duro.

Por fim, à beira da morte, um dos caçadores ainda vivos, depois que Lith tentou salvá-la, mudou de idéia, lamentando suas escolhas de vida e dando a ele uma caixa de madeira e uma carta codificada, revelando a ele que ela foi concebido para dar a alguém dentro da academia, mas havia morrido antes de lhe dizer quem.
“Uma dríade precisando de sua ajuda?” Ela riu muito das despesas dele.
“Ela não lhe deu algo mais prático do que uma visão boba? Eu não sei, o coração dela ou algum tesouro terrestre?”
“Eu recusei o coração dela.” Lith explicou fazendo a marquesa quase engasgar com sua próxima risada. “Sou jovem demais para um relacionamento e ela era muito chamativa para uma academia. Mas ainda tenho saques, quero dizer recompensas.”
Ele pegou o resgate que a dríade loira pagara para salvar a vida de sua irmã.
“Eu não consigo vê-los assim. Coloque-os sobre a gema do amuleto, por favor.” Ela não sabia o que pensar. Até agora, a história era estranha demais para ser inventada.

Quando Lith fez as instruções, os vários tesouros naturais flutuaram no ar. A luz da pedra os envolveu como um scanner 3D, dando à marquesa uma imagem em tamanho real que substituiu a de Lith.
– “Existe algo que essa coisa não pode fazer?” Lith ficou pasmo com a segunda função desconhecida do dia. “Por que ele não pode fazer um café decente? Sinto tanta falta de café que poderia matar por uma xícara.” –
“Pelos deuses e seus filhos, eu acredito em você! Agora guarde esses tesouros e não mostre a ninguém. Eles são muito preciosos. Muitos diriam muito para alguém como você tê-los.” Lith viu a ganância em seus olhos, mas era um risco calculado.
Para aprofundar sua história, ele descreveu em detalhes a Abominação da planta, nerfando-a o suficiente para tornar plausível que o conjunto normal de habilidades de Lith a derrotasse.
“Se você ainda tem alguma dúvida, há um pedaço inteiro da floresta que ficou completamente careca. Levará meses para recuperar um pingo de verde”.
A marquesa olhou para ele com renovada admiração.

“Ouvi grandes coisas sobre seu pequeno time, mas sinceramente não esperava muito deles. É incrível para os alunos do quarto ano, não importa quão talentosos, reprimir um monstro”
“Tudo graças ao trabalho em equipe.” Mesmo meio adormecido, Lith percebeu que uma arma que ele desconhecia completamente acabara de dar um tiro no próprio pé.


Capítulo anterior | Índice | Próximo capítulo

Rolar para o topo