Supreme Magus – Capítulo 123

Capítulo 123
Terminus
Tradutor: Eduard0|| Revisor: Eduard0


As opções de Arjîn eram limitadas. Sendo contra um colega mágico, ele duvidava que Hatorne empregasse bloqueios comuns.
O mercado ilegal era sua maior fonte de renda, ela deveria ter estabelecido alarmes e medidas de segurança para se livrar de intrusos ou destruir todas as evidências incriminatórias, caso algo desse errado.
Arjîn não era cabeça-quente, nem a missão tinha um prazo, então ele concedeu seu tempo, esperando dois dias para ter sua oportunidade.

Chegou na forma de uma remessa de caixas, que dois jovens entregaram após estacionar sua carruagem no beco da entrada de serviço. Finalmente, a porta foi aberta por dentro, permitindo que as mercadorias fossem trazidas pelos guardas e correios.
usando visão da vida, Arjîn verificou os arredores em busca de testemunhas e depois do prédio para garantir que a inteligência que ele possuía estava correta. Não havia guardas escondidos lá dentro, e isso eram boas notícias.
Se Arjîn quisesse, ele poderia ter pulado e matado todos em apenas dois segundos.
Os cadáveres não eram um problema, ele podia armazená-los em seu amuleto dimensional, e o sangue também. Um simples pulso de energia escura apagaria todos os vestígios do massacre.

Mas isso significaria matar dois inocentes em potencial, sem mencionar que a carruagem e as caixas deviam chamar a atenção, uma vez que eram perfeitamente visíveis da estrada principal.
Arjîn esperou os guardas voltarem e, no último segundo, quando a porta estava prestes a ser fechada, ele piscou para dentro.

O estilete de Arjîn cortou a coluna do homem do crânio, matando-o no local. Antes que o segundo guarda, um homem volumoso de meia-idade, pudesse reagir, Arjîn piscou novamente, aparecendo atrás dele e colocando a mão direita na boca do guarda antes de cortar a garganta de orelha a orelha.

Nem mesmo uma gota de sangue chegou ao chão, Arjîn conseguiu capturar tudo com magia da água e armazená-lo em seu amuleto dimensional. Então, ele começou a procurar nos cadáveres, encontrando um conjunto de chaves e objetos pessoais.
A julgar por sua aparência, o guarda de meia-idade não era casado nem tinha família. Sob o peitoral, suas roupas estavam sujas com manchas de comida dos dias anteriores, faltando alguns botões que ele nunca se importou em substituir.
Seus pertences chegavam a um conjunto de dados de jogo e um odre já meio vazio, apesar de ainda ser de manhã. Todos os sinais de que o homem estava se soltando, sem se importar com o mundo.

O outro guarda era mais jovem, mais limpo, com um medalhão de formato oval em volta do pescoço, no interior havia quatro iniciais inscritas em um coração.
Arjîn usou a magia do ar para raspar sua nuca e a magia da água para remover a cicatriz falsa, aplicando ao mesmo tempo alguns maquiagem para parecer o máximo possível a sua vítima antes de vestir suas roupas.
– “Desde que alguém não chegue perto o suficiente, seria difícil me reconhecer como um intruso. Mesmo que isso aconteça, a surpresa deve me dar um ou dois segundos, o suficiente para me livrar do bastardo intrometido”.

Depois de selar os corpos em seu amuleto dimensional, Arjîn usou a magia da terra novamente, desta vez examinando o edifício por dentro. Como ele suspeitava anteriormente, havia sido protegido contra sondagem externa, mas a partir daí ele conseguiu perceber uma grade desconhecida de túneis e salas logo abaixo da loja.

Arjîn deixou o armazém, indo em direção à entrada mais próxima. Ele lamentou não ter tido a oportunidade de procurar as caixas atrás dele, mas agora ele estava no relógio. Seu objetivo era obter todas as evidências de que precisava, antes de explodir o local ou fugir depois de escrever uma nota de desculpas.
Graças à visao da vida ele pôde ver que a porta à sua frente não possuía propriedades mágicas. No entanto, quando ele encontrou a chave certa, ele usou a magia espiritual para desbloqueá-la, apenas para estar seguro.

De acordo com o projeto, a loja ocupava o primeiro andar do edifício, sendo composta pelo espaço de exposição de mercadorias de valor médio-baixo para o público ver, o armazém, para estocar as matérias-primas não classificadas e um amplo corredor, conectando os dois com as instalações dos funcionários.

Abaixo do nível da rua, deveria ser apenas o laboratório alquímico e o cofre, contendo produtos de alta qualidade e ingredientes raros.
Graças à magia da terra, Arjîn não teve problemas em encontrar a alavanca oculta para abrir o caminho para os túneis. A estrada foi disseminada com alarmes e armadilhas, mas entre a magia real e a visão da vida, ele foi capaz de passar por elas, mal diminuindo a velocidade.


Construir um laboratório mágico no subsolo era incomum, mas não sem precedentes. Ao lidar com feitiços poderosos e componentes voláteis, era de suma importância que a instalação fosse perfeitamente isolada de forças externas.
Se energias selvagens místicas entrassem, seja qual for o motivo, durante uma etapa crucial, o melhor cenário seria perder horas, se não dias, de trabalho e todos os recursos empregados. No pior cenário, todo o laboratório iria explodir.
Um bom isolamento por meios mágicos era muito, muito caro. Por isso, mágicos mesquinhos ou carentes escolheriam a opção subterrânea para aliviar o fardo de suas carteiras.


Arjîn agradeceu sua boa sorte por Hatorne não ter percebido que seu ardil era uma faca de dois gumes. Por um lado, isso permitiu que ela construísse um laboratório sob o laboratório, longe de olhares indiscretos, sem levantar suspeitas.
Por outro lado, porém, ele via visão da vida que ela tinha sido realmente mesquinha. O laboratório real era pouco isolado, e isso significava que Hatorne não poderia ter colocado nenhum tipo de poderoso dispositivo mágico em sua vizinhança sem arriscar sua própria vida.


Como ele esperava, a partir de então, as armadilhas e alarmes eram apenas de natureza mecânica, facilitando muito o trabalho dele. Enquanto ele se  aprofundava, Arjîn percebeu subitamente por que a segurança era tão frouxa.

Os corredores eram grandes o suficiente para que dois adultos mal conseguissem andar lado a lado e iluminados magicamente para que não houvesse esconderijo. Entrar era relativamente simples, mas se ele fosse descoberto, sair seria quase impossível.
O teto baixo tornava o vôo inútil; o espaço apertado impedia o uso da agilidade para fugir. Força e números seriam muito mais importantes em uma luta em comparação com velocidade e magia.

O primeiro quarto que encontrou foi um salão de luxo, com um tapete caro cobrindo todo o chão e sofás e poltronas de veludo vermelho dispostos em torno de uma longa mesa de madeira de cerejeira.
– “Deve ser onde ela discute negócios com seus clientes ‘especiais'”.

Arjîn notou várias caixas de madeira sobre as mesas, cada uma delas com uma fechadura mágica muito complexa já ativada, exceto uma. Ele reconheceu o padrão das runas. Era uma variação de uma fechadura muito popular entre contrabandistas e espiões.

Ele se permitiu ser aberto por quem sabia a combinação certa, não apenas por quem imprimiu sua magia, mas um único erro e a caixa implodiria, destruindo seu conteúdo.
Esta versão parecia ser mais complicada e perigosa, explodiria em vez de implodir. Arjîn guardou todos eles em seu amuleto dimensional, na esperança de encontrar uma maneira de invadi-los mais tarde.
Ele também pegou a caixa destrancada e, depois de mover alguns móveis para obter o máximo de espaço possível, colocou-a no chão, apertando o botão de abertura.
A caixa cresceu do tamanho de um grande armário, contendo beckers, hastes de vidro, frascos e vários queimadores.

Também estava cheio de engrenagens conectadas a braços mecânicos que pareciam ter sido projetados para segurar e manusear os artigos de vidro de laboratório que ainda não haviam sido arrumados.
Era uma maravilha de magia e ciência como Arjîn nunca sonhara.

– “Seja o que for, deve ser a versão desmontada do que está nas outras caixas. Se apenas o vidro já estivesse pelo menos cheio com os ingredientes, minha missão seria tão boa quanto feita. Como é, a questão permanece. Para que diabos é isso? “
Ele comprimiu novamente, guardando-o também.
O salão leva a outro pequeno corredor, idêntico ao anterior. Depois de verificar com a magia da terra e a visão da vida por armadilhas ou guardas escondidos, Arjîn avançou, determinado a encontrar a última peça do quebra-cabeça.

Seus passos não produziram nenhum som, permitindo que ele ouvisse os inimigos que chegavam, mas ele não encontrou ninguém.

À sua esquerda, ele encontrou outra porta, diferente de qualquer outra no prédio. Era grosso e acolchoado, feito para impedir que algo saísse, mas não tinha nenhum cadeado. Isso despertou sua curiosidade, então, depois de voltar ao seu traje encantado e se preparar para o pior, ele lentamente abriu a porta.
O que ele viu foi tão assustador que até um veterano endurecido como ele não pôde deixar de sentir calafrios percorrendo sua espinha.
A sala era pequena, cinco metros (16 pés) de largura e dez metros (33 pés) de comprimento, com correntes saindo das paredes e do chão. À primeira vista, poderia parecer uma prisão, mas estava tudo errado.
Não havia prisioneiros pendurados, apenas cadáveres. Um parecia ter explodido por dentro, o peito aberto em dois por uma única ferida enorme, que nenhuma arma ou fera conhecida deveria ter sido capaz de infligir.

Outro foi queimado até a morte, enquanto o vizinho estava congelado e, apesar de o quarto estar longe de frio, não mostrava nenhum sinal de degelo. Depois de verificar os dois, Arjîn entendeu que a morte deles não fazia sentido.

Não foi o resultado de qualquer feitiço ou evento natural, respectivamente fogo e gelo os devoraram por dentro. O último cadáver era ainda mais estranho que os outros.
O que ele supunha ter sido um homem velho agora tinha o rosto desfigurado pela agonia. Os olhos reviraram mostrando apenas o branco.
O cadáver tinha as veias viradas de um azul brilhante, e eles estavam esbugalhados, como se fossem explodir a qualquer momento.
Quando Arjîn tocou o corpo para examiná-lo melhor, o velho recuperou os sentidos, choramingando uma oração quase silenciosa.
“Por favor me mate.”
Arjîn saltou para trás da surpresa, ativando instintivamente a Visão de Vida. Não apenas o velho estava vivo, mas todos os corpos acorrentados, mesmo na morte, continuavam emitindo uma assinatura de mana. O que quer que os tivesse matado ainda estava ativo.
– “O que em nome dos deuses essa louca fez?” –
Arjîn guardou os corpos, os magos reais teriam muito o que explicar.
Então, ele verificou o velho novamente. Ele estava claramente sentindo muita dor, sem condições de se mover e Arjîn não era curador. Recentemente, ele havia se tornado um Desperto, desenvolvendo com verdadeira magia apenas os feitiços aos quais já estava apto.
“Sinto muito, velho, mas seu corpo ou o de seus companheiros pode ter a chave para evitar um grande desastre. O Reino honra seu sacrifício.”
Arjîn estalou o pescoço, dando-lhe uma morte indolor, mas assim que ele fez, as correntes começaram a piscar com energias mágicas.
Mesmo sem entender como, ele sabia ter disparado algum tipo de alarme. Arjîn avaliou que, entre os corpos e as caixas, ele ganhara o suficiente. Estava na hora de sair de lá.
Sem que ele soubesse, não era um alarme, assim como o quarto não era uma prisão. Era apenas mais um laboratório, com um tipo diferente de porquinho-da-índia. As cadeias simplesmente alertaram os assistentes que estavam na hora de coletar os dados.
Arjîn correu de volta usando fusão de ar, diminuindo a velocidade apenas para evitar as armadilhas. De repente, um homem com um traje de bruxo e alguns guardas apareceram em um canto, conseguindo soar o alarme no momento em que avistaram o intruso.
Amaldiçoando sua má sorte, Arjîn se lançou para a frente, seus estiletes fizeram pouco trabalho aos guardas e ao mago, que morreram antes de ter tempo de lançar um único feitiço. Cada vez mais guardas inundavam os corredores, morrendo como formigas sob os estiletes de Arjîn, seus cadáveres empilhados o mais rápido que chegavam.
O alarme continuou ecoando no prédio, forçando um assistente a alertar sua amante.
“Senhora Hatorne, há um intruso no laboratório de Kandria.” Sua voz estava cheia de pânico.
“Até onde ele foi? O que ele levou?” A voz velha e rouca era mais irritada do que preocupada. Eles a perturbaram durante um ponto crucial em sua última experiência.
“Nós não sabemos. Ele está prestes a sair do laboratório subterrâneo. Não sei quanto tempo poderemos detê-lo. Por favor, ajude-nos!”
“Ajudar você? Um bando de idiotas incompetentes e ingratos? Vocês estão demitidos!”
Coirn Hatorne tirou uma pérola de vidro de seu amuleto dimensional, esmagando-a sob os calcanhares. Um segundo depois, uma poderosa e controlada explosão irrompeu do laboratório subterrâneo, transformando tudo e todos em um raio de cinco metros (16 ‘) da loja em cinzas.
Então ela pegou seu amuleto comunicador, informando seu cliente.
“Lukart, velho peido, eu tenho boas novas e tenho más notícias. A má notícia é que um intruso estragou seu pequeno plano mestre. Tive que destruir tudo para impedir que ele escapasse.”
“Quais são as boas notícias?”
“Eu ainda não terminei, seu idiota. Meu antigo aluno, Professor Reflaar, veio recolher sua ordem e provavelmente também está morto. Se eu estou certo, e geralmente estou, o invasor foi enviado aqui da Rainha.
A morte do professor é cronometrada, eles provavelmente vão pensar que ele era um dos seus cachorros. Além disso, não sei se houve mais de um invasor ou o que eles descobriram.
O último lote está perdido ou na mão do inimigo, se eu fosse você, eu me apressaria. Se eles descobrirem o conteúdo, você falhará antes mesmo de começar. “
A voz do arquimago Lukart estava cheia de raiva e impaciência, ele teria enterrado vivo aquela velha bruxa anos atrás, se tivesse a chance. Mas Hatorne era inteligente demais e sabia demais.
“Eu ainda estou esperando as boas notícias.” Ele rugiu.
“O laboratório estava seguro.”


Capítulo anterior | Índice | Próximo capítulo

Rolar para o topo