Capítulo 164 – Interlúdio 5

Supreme Magus

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Interlúdio 5


Tradutor : Eduard0 | Revisor: Eduard0

Ninguém jamais teria acreditado em Milea Genys, se ela contasse como antes de se tornar a Imperatriz Mágica do Império Górgonas, ela era apenas uma mágica de segunda categoria de origem humilde.

O que diferenciava Milea de seus colegas, era que, apesar de não ter sido considerada digna de ser aceita em uma das grandes academias, nunca deixara de acreditar na infinita magia potencial que possuía.

Desde criança, lia as histórias dos Magos do Império até conhecê-las de cor.

– “Muitos deles têm um passado obscuro, foram considerados lixo durante a maior parte de suas vidas, até encontrarem o caminho da grandeza. O que descobriram, também o consigo encontrar. O talento não é apenas inato, é preciso desenvolvê-lo. Deve haver uma maneira de romper meus limites! ” –

Então, Milea decidiu seguir a liderança deles em vez de aceitar um emprego servil, como os outros graduados da academia menor, o Basilisco Vermelho, que ela frequentava. Milea não visitou as cidades natal dos Reis Magos, nem viajou pelos lugares registrados em suas biografias.

– “Os deuses sabem quantas pessoas viajaram por esses locais. Se houvesse alguma pista, isso já seria conhecido. Na pior das hipóteses, o primeiro a encontrar seus legados os levou para si”. – Ela pensou.

Então, Milea decidiu apostar tudo em rumores e lendas, na esperança de encontrar o núcleo proverbial da verdade. O que ela encontrou, em vez disso, foram armadilhas para turistas e trotes que custaram a maior parte de suas economias e, em mais de uma ocasião, quase sua vida.

Após meses de viagens inúteis, ela havia perdido mais de dez quilos, os cuidados com a higiene pessoal e a maior parte de sua confiança em relação à humanidade.

Ela não era uma beleza, mas uma garota nova e ingênua de dezesseis anos tinha um forte fascínio por certos homens e, como viajava sozinha, Milea era frequentemente considerada uma presa fácil. Pelo menos até que ela se revelou um mago e deixou seus agressores crocantes e bem assados.

Um dia, ela ouviu falar de uma montanha amaldiçoada, da qual ninguém jamais retornou. Alguns rumores falaram sobre um espírito maligno morando em uma caverna, outros afirmaram que nas encostas das montanhas havia uma porta de entrada para o mundo subterrâneo.

Quando ela manifestou interesse em visitar esse lugar, ninguém se ofereceu para acompanhá-la e os moradores tentaram desencorajar Milea. Na sua experiência, isso foi uma vantagem. Isso significava que realmente havia algo.

Chegar ao destino com um feitiço de vôo provou ser uma brincadeira de criança. Não havia vestígios de monstros, os pássaros gorjeavam alto, enquanto corvos e esquilos se aproximavam sem medo, deixando-a abraçá-los até que eles perdessem o interesse pelo novo visitante.

A vegetação ao redor era tão exuberante que Milea achou que devia ser a brincadeira mais elaborada que ela já havia sofrido. Mais do que amaldiçoado, o lugar parecia fora de um conto de fadas.

A caverna estava à vista, a trilha que levava a ela estava livre de ervas daninhas, como costumava ser usada. Quando ela se aproximou, um arrepio percorreu sua espinha. A caverna estava perfeitamente arqueada, enquanto as paredes e a calçada eram muito lisas para serem naturais. A curiosidade tomou conta dela, então, depois de ativar um feitiço para iluminar o caminho, Milea entrou.

O corredor não era alto, com cerca de 2 metros de altura e tão estreito que apenas uma pessoa de cada vez podia Ela tomou nota desses detalhes para se acalmar.

Quem morava lá não podia ser muito grande, e no caso de ser forçada a escapar, estar em menor número ou cercada não era um problema em um espaço tão fechado. O túnel se estendia para baixo por várias centenas de metros e, quando ela finalmente chegou ao fim, ela não podia acreditar em seus olhos.

Milea estava em uma biblioteca maior que sua cidade natal. Era uma sala circular única, com estantes de livros que se estendiam por vários andares, ligadas por escadas e elevadores encantados.

A cúpula da biblioteca tinha um teto de vidro, do qual Milea podia ver o sol, pois o primeiro andar tinha portas de vidro que davam para a madeira.

A coisa toda não fazia sentido, ela deveria estar no subsolo. Milea afastou suas dúvidas, usando seu feitiço de voo para explorar a biblioteca.

Tomos e pergaminhos foram organizados em ordem de tópicos.

Entre eles, ela encontrou livros antigos escritos em idiomas desconhecidos, grimórios lendários que deveriam estar perdidos na história e até mesmo livros recentes, como os livros didáticos de sua academia.

Então, seus olhos encontraram uma lombada de livro com a inscrição “Grimório de Magus Lochra asa prateada” talhada em letras douradas. Ela pegou, abrindo uma página aleatória e descobrindo que não estava escrita em código.

Ela passou as horas seguintes sentada em um dos muitos sofás, tentando aprender com seu amado Magus, o principal da magia moderna. No entanto, a única coisa que ela entendeu foi que, apesar de todos os seus estudos e dos séculos de progresso mágico após a morte de asa prateada, a sabedoria do Mago ainda estava além do alcance de Milea.

Milea ficou realmente tentada a levar alguns livros como lembrança.

– “Mesmo que eu me mostre incapaz de aprimorar minhas habilidades mágicas, sempre posso vendê-las e me contentar com a vida.

Apenas um desses livros provavelmente vale mais do que toda a academia do Basilisk Vermelho”. –

No final, porém, ela decidiu colocar o grimório de volta e sair de mãos vazias.
– “Mesmo que eu conseguisse vendê-los, em vez de ser morto, esses pobres livros se tornariam o troféu de algum idiota pomposo. Aqui, em vez disso, eles podem ajudar alguém como eu, mas com mais talento, a alcançar seus sonhos”. –

“Bem pensado, humano!”
Antes que ela pudesse se virar para descobrir o dono daquela voz, o espaço ao redor de Milea ficou turvo, piscando-a na frente do dono da casa. A nova sala era tão grande quanto a anterior, mas, em vez de estantes de livros, estava cheia de ouro, platina e pedras preciosas, a menor das quais era do tamanho de seu punho.
Lingotes, moedas e jóias foram empilhados aleatoriamente, formando pequenas colinas, cercando uma montanha literal de tesouros, no topo da qual havia a maior criatura que ela já vira.
A forma de Leegaain era tão grande que era impossível para Milea ver todo o seu corpo. As escamas negras do dragão eram maiores e mais grossas que um escudo de torre. O corpo inteiro de Milea mal tinha o tamanho de uma de suas garras.
Ela não conseguia desviar o olhar dos olhos amarelos da criatura, as pupilas uma fenda vertical, semelhante à de um gato. Seu batimento cardíaco era ensurdecedor, enquanto o simples ato de respirar produzia vendaval forte o suficiente para forçá-la a procurar abrigo atrás de uma pilha de ouro.
“Eu sinto Muito.” Disse depois de perceber sua angústia. “Eu quase esqueci como os humanos são frágeis.”
O barulho parou e o vento também.
“Você entrou em minha casa e agiu como hóspede, e isso merece uma recompensa. Você não chegou aqui em um frenesi justo para matar a fera, nem agiu como um saqueador, dando ao conhecimento o respeito que merece”.

Agora que o medo estava deixando seu corpo, Milea podia notar as protuberâncias ósseas em sua cabeça, parecendo uma coroa, e a curva suave das enormes asas membranosas descansando em suas costas.

“Escolha uma coisa, em minha casa. Seja riqueza, conhecimento ou uma arma, é sua.”

“Eu quero conhecimento!” Ela deixou escapar antes que o dragão mudasse de idéia.

Leegaain riu de satisfação, era realmente um sujeito interessante.

“Nomeie um livro, e ele será seu.”

“Eu não quero um livro. O conhecimento que eu quero é seu. Por favor, me ensine como me tornar um Mago!”
Leegaain ficou pasmo, isso era algo que não havia previsto.

“Que assim seja.” Ele assentiu.

***

Nos meses seguintes, Leegaain ensinou a Milea o segredo dos Despertos.

“Poucos Magos da história não eram Despertos. O princípio por trás disso é simples, mas alcançá-lo é incrivelmente raro. Não importa quão forte seja um núcleo de mana, ele não pode gerar um fluxo forte o suficiente para ser detectado.

A única maneira de despertar é ser capaz de perceber a energia do mundo que nos cerca e deixá-la fluir dentro de você. ”

Milea estava sentada de pernas cruzadas, com os olhos fechados, enquanto Leegaain estava enrolado ao seu redor, reunindo uma enorme quantidade de energia mundial através do Revigoramento (AN: sua versão do Revigoramento. Vou usar termos que você já conhece por uma questão de simplicidade), para facilita a percepção dela.

“Existem apenas duas maneiras de se tornar um Desperto.” Ele continuou explicando, seu tom dando a Milea um ritmo a seguir durante a respiração dela.

“O primeiro é sentir a energia do mundo sozinho. O evento é muito improvável, a menos que você atinja um estado de iluminação, encontre um lugar muito mais abundante do que o normal da energia mundial ou seja um recém-nascido.

Os recém-nascidos são coisas vazias. A mãe lhes dá vida, o mundo lhes dá mana. Se eles pudessem ser ensinados, criar um Desperto seria fácil.

A segunda maneira, é ser despertado por um guardião como eu. É assim que meus velhos amigos Tyris e Salaark criam seus novos brinquedos, dando-lhes poder, mas não conhecimento. Eu sou diferente deles. Eu não me importo mais com nenhum país.

Eles me traíram, então eu os abandonei em troca. ”

Milea realmente queria saber do que Leegaain estava falando, mas tinha medo de perder o foco.

“O Império Górgona pode morrer no fogo pelo que eu me importo. Não o incendiarei, mas também não o extinguerei. Mas discordo.
Os únicos inimigos Despertos são os outros Despertos, sejam eles humanos, evoluídos de bestas mágicas ou ainda piores abominações. Assim como nós, as abominações vieram de todos os tipos e formas, assim como os Guardiões nascem, então eles crescem em Eldritchs.
As abominações mais perigosas são aquelas que conseguem possuir um corpo adequado, seja animal ou humano. Aqui está o que você deve ter cuidado com … “

Aviso do Tradutor:

Vento_Leste

Vento_Leste

Rolar para o topo