Capítulo 166 – Retribuição

Supreme Magus

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Retribuição


Tradutor: Eduard0 // Revisor: Eduard0

O uso de colares de escravos marcou uma das páginas mais sombrias da história do Império Gorgon.

Milea era jovem, mas não estúpida, ela dificilmente poderia culpar as ações de Leegaain, especialmente considerando que também usaria uma se as coisas não mudassem para melhor.

Levou alguns dias para encontrar coragem para perguntar ao dragão sobre um de seus piores medos.

“Leegaain, qual é a origem de monstros violentos como goblins, orcs ou trolls? Eles evoluíram erroneamente de bestas mágicas ou são feitos pelo homem?” A pergunta assombrou sua mente depois de ler alguns livros.

Vendo o ultraje de seu Mentor em relação aos humanos, ela começou a duvidar de seus parentes mais e mais, especialmente depois que Milea descobriu que, além de raras exceções, os mortos-vivos eram todos criados artificialmente por humanos.

“Alguns deles, sim. Os seres humanos realizaram inúmeras experiências tentando roubar bestas mágicas sua magia. Os mortos-vivos são simplesmente um subproduto de sua busca pela imortalidade.
Aqueles que você mencionou, no entanto, são o que nós Guardiões chamamos de Caídos. Raças que perderam a maioria de suas habilidades mágicas descendo no galho errado da árvore evolucionária.
Como os humanos continuam fazendo, se você me perguntar.
Por que, o que você achou? ”

“Eu esperava que eles fossem o resultado do trabalho das abominações, para destruir a humanidade e governar o mundo.” Ela corou de vergonha. A ideia parecia incrivelmente boba agora que ela havia dito em voz alta.

Leegaain sorriu suavemente para ela, batendo na cabeça de Milea com um de seus dedos gigantes.

“Garota, não se engane. O mundo está em perigo somente se vocês decidirem assim. Abominações são desastres mágicos naturais, eles não conspiram contra ninguém, nem se preocupam com a dominação do mundo. Eles só se preocupam com a sobrevivência.”

***
Dois anos depois, Milea deixou o covil de Leegaain, com um novo conjunto de roupas e uma capa que a cobria da cabeça aos pés.

Seu núcleo de mana não era mais amarelo, mas azul brilhante, e assim que seu corpo terminasse de se adaptar às mudanças, ela estaria pronta para transformá-lo em violeta.
Depois de expulsar a maioria das impurezas em seu corpo, ela se tornou mais rápida, mais forte e mais resistente do que a maioria das bestas mágicas.

O motivo de seu disfarce foi que durante esses anos, não foi apenas o seu núcleo de mana que mudou. Ela havia entrado como uma garota magricela, de 1,52 metros de altura, com cabelos crespos e rebeldes, e saiu como uma mulher de 1,75 metros de altura, cabelos compridos e ondulados, com tons de mel e mais vinte quilos todos nos lugares certos.

Milea não era deslumbrante, mas ainda assim era uma beleza. Mesmo entortando centenas de quilômetros de cada vez, ela precisava descansar e não queria fazer um massacre a caminho de casa.

Suas realizações permitiram que ela ingressasse no Conselho de Magia do Império Gorgon com apenas 23 anos de idade, tornando-se o membro mais jovem de todos os tempos. Aos 27 anos, ela foi coroada Imperatriz Mágica, e seu governo começou.

***
Império Gorgon, uma semana antes de Lith ser convocado para o acampamento.

Após mais de um mês de investigações infrutíferas, os espiões de Milea descobriram os detalhes sobre a situação em Kandria. A existência de uma praga altamente infecciosa frustrou seus planos de invasão. Os relatórios falavam sobre isso como algo que desafiava a lógica e todas as regras da magia da luz, deixando pasmos até seus melhores curandeiros. Atacar agora era suicida.
Se a praga pudesse se espalhar o Reino Griffon poderia usar os cadáveres infectados como projéteis, transformando o exército de magos que o Império havia passado anos para treinar no hospital de campanha mais caro já criado.

No lugar deles, era o que Milea teria feito se estivesse encurralada.

Enquanto a praga estava contida, era problema deles, ela não tinha interesse em fazer a sua própria. Até onde Milea sabia, ela era a única Desperta no Império.
Leegaain se recusou a criar outros, e ela não confiava em ninguém o suficiente para passar seus segredos.

Se a rainha e os outros sete Despertos a seu serviço ainda não haviam resolvido a crise, Milea estava com medo do que poderia acontecer se a situação escapasse ao controle de seus vizinhos.

Ela estava confiante em encontrar uma cura, seu Mentor a treinara bem. O problema era quanto tempo levaria e quão exposta a praga deixaria o Império enquanto ela não estivesse disponível.

Por esse motivo, ela retirou todos os exércitos nas fronteiras e alertou todos os melhores médicos, curandeiros e alquimistas para que ficassem prontos, se necessário.

Ela lia os relatórios juntamente com os arquivos médicos roubados repetidamente, tentando entender a natureza da infecção, mas sem sucesso. Magos falsos eram fontes não confiáveis, a única maneira de descobrir a verdade era examinar um dos infectados.

Isso ou se apossar daquele que projetou toda essa bagunça.
“Sua Majestade, o prisioneiro está pronto para ser entregue a você a qualquer momento que desejar.”

Milea acenou com a cabeça com um suspiro. Ela ordenou que revistasse cuidadosamente Hatorne após sua captura. Milea havia previsto que o alquimista genial teria deixado seu país de origem e tentado alcançar um dos pequenos estados que cercavam os três grandes países.

Nesse lugar, suas habilidades teriam sido muito apreciadas, permitindo que Hatorne reconstruísse sua vida do zero e nunca mais a visse de volta.

Atravessar o deserto de sangue foi suicídio, apenas as tribos sabiam maneiras seguras de evitar tempestades e monstros, e se o pegassem, a morte seria o melhor final que Hatorne poderia esperar.

Sua única opção era atravessar o Império Gorgon, subornando seu caminho até a fronteira. Hatorne descobrira às suas custas que o Império era muito menos corrupto que o Reino, sendo pego em questão de horas após sua chegada.

Coirn Hatorne entrou na sala do trono, as mãos algemadas atrás das costas, acorrentadas com os tornozelos na cintura. As inúmeras horas gastas trabalhando em seus experimentos a deixaram com as costas curvadas, o que tornou difícil de andar sem bengala.

Ela parecia ter pelo menos setenta anos de idade, com cabelos brancos imaculados em um corte de cabelo curto. Suas roupas estavam em boas condições, apesar da viagem e da prisão. O que mais impressionou Milea foram os olhos.

O rosto de Hatorne estava cheio de rugas, parecendo uma teia de aranha, mas seus olhos eram jovens e cheios de energia. Mais importante, eles eram frios e sem alma, como se ela estivesse no controle.

Milea olhou para ela com a visão da vida, descobrindo vários itens mágicos que haviam escapado à detecção. Mais tarde, ela os examinaria para determinar se o gênio Hatorne era o culpado ou a incompetência de seus atendentes.

“Sua Majestade, você é realmente tão bonita quanto os rumores dizem.” Hatorne nem tentou esconder a inveja em sua voz. Milea tinha mais de trinta anos, mas ainda não tinha envelhecido um dia após os vinte anos.

“Poupe-me suas sutilezas. Prove que você pode ser útil ao Império e viverá, caso contrário, eu a mandarei de volta sem descer as escadas novamente.” Milea apontou para a varanda.

Hatorne zombou de suas palavras, cuspindo em desgosto.

“Você não pode ser tão estúpida, se você conseguiu alcançar o status de Imperatriz. O que você já sabe deve ser suficiente para me conceder uma passagem segura pelo seu Império cem vezes, se não para que você me implore para permanecer aqui. ”

Milea estalou os dedos, erguendo Hatorne como uma boneca de pano com magia espiritual e fazendo-a chegar perto da varanda a uma curta distância. De repente, Hatorne não se sentia mais tão confiante, valorizava sua vida acima de tudo.

“Espere! Eu posso lhe dar poções que podem quebrar a vontade de qualquer homem, parasitas que transformam o mago mais poderoso em um pedaço de carne, armas escondidas que não podem ser detectadas. Não é o suficiente?”
Outro estalo e Hatorne parou de se mover.
“O que você está me oferecendo são novas formas de escravidão, doenças que podem arrasar um país, ferramentas que até os mais humildes idiotas poderiam usar para matar um mago poderoso. Apenas uma dessas coisas poderia destruir o mundo como o conhecemos!”

Milea não podia acreditar em seus próprios ouvidos.
“Armas não matam homens. Homens matam. Sou apenas um artesão, não sou responsável pelo que os outros fazem com minhas criações.”
“É aí que você está errado!” Milea ficou indignada. “Você cria sem pensar nas consequências, vendendo pesadelos para quem puder pagar. Poder sem controle é a maior loucura.”

“Tolo ingênuo, com a minha ajuda você poderia ter governado o mundo. Em vez disso, escolheu morrer por seus ideais patéticos!”

Hatorne empurrou um dos dentes com a língua, liberando da boca uma enxurrada de agulhas envenenadas, cada uma encantada com uma pequena variedade que permitiria ignorar a magia do ar.

Milea simplesmente levantou a mão, bloqueando todos eles no ar, como se o tempo tivesse parado. Hatorne ainda estava chocado quando as agulhas se viraram e dispararam novamente, atingindo-a até a morte.

Milea destruiu o cadáver e os pertences de Hatorne pessoalmente. O legado de um monstro desses não poderia sobreviver.
***
Império Gorgon, o dia em que Lith matou as três garras.
“Por que você está olhando tão intensamente para a janela?” Milea perguntou.
“Porque algo desconhecido está acontecendo e está confundindo os Guardiões.” Leegaain respondeu, batendo com o dedo na garra na moldura. Depois que Milea se tornou imperatriz, ela conseguiu convencê-lo a dar uma segunda chance ao Império.
O acordo era o mesmo do passado, conhecimento, não poder, em troca de qualquer lei ou regulamento que ele quisesse implementar ao longo do tempo.

“Não sabe como?” Milea considerava seu mentor quase onisciente e onipotente, algo desconhecido para ele não poderia ser uma boa notícia.

“Veja você mesmo.” A mão humana de Leegaain tocou sua testa, permitindo que ela compartilhasse sua visão.

Muito longe, em algum lugar dentro do Reino Griffon, a energia do mundo infiltrava-se violentamente em uma pequena figura, enquanto a pequena figura emitia um pilar de escuridão que o mundo aceitava como seu.

“Esse é o começo da tribulação mundial. Alguém foi reconhecido pelo mundo e sua oferta foi aceita”.

“Alguém está se tornando um guardião?” Milea quase chocou com o pensamento.

“Céus, não. Nem mesmo perto, mas é um começo. Há incontáveis ​​tribulações a cada ano, e elas acabam em fracasso. O que é desconcertante é que a escuridão é típica de uma abominação, mas não é. A tribulação é a que geralmente acontece com bestas, mas não é. A mana em que se baseia parece humana, mas … ”

“Não é.” Milea pegou sua deriva. “Então, o que você vai fazer sobre isso?”

“Nada. Quem quer que seja, é pouco mais forte do que você era quando me encontrou. Além disso, não me importo com o que faz, desde que não mexa com meu território. É problema de Tyris, não meu.”
***
Reino de Griffon, a tenda de Lith.
Desde o início da tribulação, as Garras estavam sofrendo dores excruciantes. A escuridão que os cercava não estava comendo sua força vital como deveria, se estava roubando sua vida.

Eles envelheciam décadas a cada segundo, suas unhas e cabelos crescendo sem parar a comprimentos absurdos.
“Por favor pare.” Uma das mulheres conseguiu implorar com uma voz rouca, seu corpo seco e magro como um cadáver mumificado.
“Cale a boca e morra!” Lith respondeu, tornando o pulso de energia ainda mais forte. Ele não se importava mais com informações, seus números ou a identidade do contratado. Ele queria que todos eles morressem, não importa se jovens ou velhos, nobres ou comuns.
Ele ficou cansado da loucura da humanidade; era necessário um abate. Sem que ele soubesse, o mundo havia atendido sua ligação e estava considerando a oferta.
A energia se uniu a seu redor, formando uma aura que parecia uma figura muito maior, envolta em fogo e sombras, com garras nas mãos e asas nas costas, antes de se dissipar. Nenhum vestígio foi deixado dos garras, a tempestade de energia desapareceu tão rápido quanto havia chegado, deixando Lith e Solus perplexos.

Aviso do Tradutor:

Vento_Leste

Vento_Leste

Rolar para o topo