Capítulo 177 – Encontro Inesperado

Supreme Magus

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Encontro Inesperado


Tradutor: Eduard0 // Revisor: Eduard0

Quando o grupo acordou, o número de bocejos instantaneamente colocou todos em alarme. Eles perceberam instantaneamente que ninguém havia ficado de guarda, deixando-os completamente indefesos, exceto pela presença de seu supervisor teoricamente neutro.

Phloria e os outros sentiram-se muito envergonhados, mas nada se compara à exaustão e nojo que ainda permaneciam em suas mentes. Apesar de usar a magia das trevas para limpar a boca e os dentes antes de dormir, eles ainda podiam sentir o gosto de vômito e sangue.

“Como vocês se sentem agora?” Perguntou Phloria.

“Como um pano sujo.” Friya respondeu, fazendo os outros concordarem.

“Bons deuses Lith, você realmente faz coisas assim para viver?”

“Sim, faz parte do trabalho.” Ele assentiu. – E logo também fará parte do seu, exceto, talvez, por Quylla. Friya, Phloria, você é Cavaleiro Mago, suas espadas não são feitas para assustar ou proteger, mas para matar.

Yurial, como um senhor feudal e um diretor, você terá a vida de seus inimigos e aliados em suas mãos. Quylla, mesmo se você optar por se tornar um acadêmico, como o professor Marth ou Manohar, ainda precisará saber como se defender. ”

O grupo ponderou sobre as palavras de Lith e as implicações do teste. Eles haviam treinado por anos em manequins ou com parceiros de treino, nunca entendendo completamente para que eram suas habilidades.

Linjos estava forçando seus alunos a colocá-los em prática, a experimentar as consequências de suas escolhas até aquele momento, antes de decidir qual caminho eles queriam seguir em sua vida futura.

“Antes de sairmos, há mais alguma coisa que Quylla e eu precisamos saber sobre nossas novas armas?” Friya perguntou. Não havia culpa ou ressentimento em sua voz, mas Phloria se sentia culpada de qualquer maneira.

“Desculpe por não ter contado antes.” Ela corou de vergonha.

– “Deuses, eu sou tão estúpida.”
Phloria pensou.
“Agora eu deveria ser não apenas o líder deles, mas também sua irmã mais velha. Não ensiná-los sobre as lâminas personalizadas dos Ernas foi um grande erro do meu lado.” –

“É só que meus … quero dizer, os presentes de nosso pai e esse exame me deixou tão estupefato que esqueci completamente. Nossas armas foram forjadas e encantadas usando uma técnica secreta da família Ernas.

Isso os torna extraordinariamente afiadas, permitindo que até mesmo uma arma leve como a sua rapieira corte e fure. Você não está mais limitado a facadas. Contanto que seu oponente não use armadura pesada, você também pode cortar.

Também os torna resistentes o suficiente para cortar rochas sem riscos. Por último, mas não menos importante, eles têm uma capacidade limitada de alterar o tamanho para se adaptar a espaços confinados sem prejudicar o usuário. Eu não sei os detalhes, no entanto. Eu não sou um mestre de forja.

Quylla, sua faca longa pode se transformar em uma espada curta, se você precisar de alcance extra na batalha. ”

Quylla assentiu, tentando a arma sozinha. Seus movimentos eram desajeitados, mas a lâmina era leve e fácil de usar, dando-lhe uma sensação de segurança.

“Posso ver, por favor?” Lith estendeu a mão para Friya, que lhe passou a espada dela.

Lith usou revigoramento na arma, estudando seu complexo pseudo núcleo. Ele ainda não era um espadachim, mas até ele podia apreciar sua obra. Ele o usou contra uma pequena pedra, que era facilmente perfurada produzindo um som prateado.

A lâmina estava incólume e, com a Visão de fogo, depois de dar as costas para a fogueira, ele pôde ver a lâmina inteira ficar verde por um segundo.

“Não sei como seu pai conseguiu o deslocamento em massa, mas tenho uma ou duas idéias sobre o resto. A arma é encantada com a magia do ar, fazendo-a vibrar ao acertar e aumentando a eficácia da borda.”

Além disso, não acho que seja mais resistente do que uma lâmina normal, mais como absorve impactos e dissipa sua energia como calor através da magia da terra. ”

Lith ficou impressionado com os efeitos que o mestre de forja poderia aplicar. Escudos cinéticos e armas vibratórias eram coisas que ele só lera em livros de ficção científica.

“Bem, duh!” Phloria respondeu.
“Todo mundo sabe que eles estão encantados com a magia do ar e da terra, mas não como. Além disso, eu não entendi uma palavra da tagarelice que você acabou de dizer.”

Lith suspirou, ele não podia explicar o que eram energia cinética e potencial, nem como a frequência da vibração poderia afetar a matéria sólida. Todos eram termos que não existiam no novo mundo.

Teria sido como tentar explicar a televisão para alguém que não sabia sobre eletricidade ou ondas, então ele deixou o assunto e devolveu a arma a Friya.

“Eu tenho algo a dizer.” Yurial entrou na conversa.

“Como estamos em uma masmorra, é melhor evitar usar magia de fogo. Para começar, não há muito ar, então poderíamos sufocar se consumirmos muito. Além disso, apesar das bolas de fogo serem o melhor amigo de um mago, ambos as chamas e o barulho poderia ricochetear nas paredes.

Apenas o barulho poderia nos ensurdecer, sem mencionar que apenas o lançador seria imune aos efeitos diretos do feitiço, enquanto o resto do grupo sofreria com o calor. Afinal, foi assim que o termo ‘fogo amigo’ foi cunhado “.

Yurial sentiu que ele tinha que provar ser útil para resgatar sua honra. Até agora ele estava tão desamparado quanto Quylla, mas ela era apenas uma curandeira sem especialização. Sem mencionar que ela era três anos mais nova que ele.

“Todos esses são bons pontos.” Phloria assentiu. “Agora precisamos coordenar nossas ações, não podemos repetir os erros anteriores.”

O grupo passou a hora seguinte fazendo planos e preparativos para o resto da viagem.

Na nova formação, Phloria andaria no meio, pronto para bloquear qualquer inimigo que chegasse. Quylla foi incumbida de segurar o mapa e anotar seus movimentos, já que era a única pessoa ao lado de Lith que sabia escrever com magia da água.

Friya e Yurial trocaram de posição, permitindo-lhe ajudar facilmente Phloria ou proteger Quylla. Não demorou muito para encontrar outro grupo de goblins, mas desta vez as coisas foram muito diferentes.

Phloria acendeu o escudo da torre bloqueando o caminho, enquanto Quylla e Friya usavam magia de primeiro nível para cortar e esfaquear seus agressores com estilhaços de gelo e lâminas de ar. Algumas das criaturas tinham estilingues e arcos, mas seus projéteis eram facilmente desviados pelo escudo aéreo de Yurial.

Eles conseguiram limpar o corredor logo após a luta, mas Friya e Quylla vomitaram novamente. As feridas feitas pela magia eram ainda mais terríveis do que as feitas pelas espadas, e elas ainda tinham que se acostumar com tripas derramadas e tocos sangrentos.

Quanto a Phloria e Yurial, seu orgulho era mais forte que a náusea.

Nas horas seguintes, eles encontraram cada vez mais ninhos de goblins, melhorando a cada encontro, a ponto de nenhum inimigo conseguir mais alcançar o escudo de Phloria. No entanto, Lith ficou decepcionado.

Eles sempre faziam uma bagunça na caverna, precisando de vários feitiços cada para fazer o trabalho.

“Deixe-me dar um brinde, pessoal.”

Graças à visão da vida , Lith sabia que eles estavam prestes a encontrar outro ninho composto por cerca de vinte goblins, então ele entendeu.

“Você já limpou ninhos maiores, então isso não deve influenciar sua pontuação. Por favor, observe.”

Lith deixou os goblins correrem em sua direção, sem resistência, até que ele bateu uma vez com seu cajado, fazendo a umidade da caverna se fundir em uma camada de água no chão. Uma segunda torneira transformou-a em gelo.

Os goblin não tinham noção de gelo, então continuaram atacando, caindo de cabeça no chão por causa da superfície agora escorregadia e incapaz de se levantar. Uma terceira torneira transformou o gelo em lâminas que afundavam em seus olhos, corações e cérebros, matando-os no local.

O grupo estava admirado, com a boca aberta pela surpresa.

“Essa foi a primeira mágica?” Yurial perguntou, ainda não acreditando em seus próprios olhos.

“Sim. É por isso que nenhum canto, nenhum sinal de mão, nenhum aviso para o alvo.”

Depois de verificar com a visão da vida que não havia mais ninguém por perto, Lith voltou, encarando seus amigos.

“Você é como eu era até alguns anos atrás. Você usa magia como um taco, em vez disso como um bisturi. Se usado corretamente, o feitiço mais simples pode ter o efeito mais destrutivo.”

“Lady Nerea lhe ensinou magia assim?” Phloria não pôde deixar de admirar suas habilidades.

“Não. Eu tive … um encontro de sorte.” Lith não tinha outra maneira de explicar seu domínio da magia. Ele havia aprendido com as lutas da vida e da morte contra Irtu e Gerda (*), e lutando ao lado do protetor.

Se ele não tivesse conhecido tantas bestas mágicas, ele não seria metade do mago que era.

Lith os deixou refletir sobre suas palavras, retomando sua posição na linha de trás.

Mesmo que a luta estivesse ficando mais fácil, ainda era cansativa tanto fisicamente quanto psicologicamente, então o grupo descansou novamente, desta vez com uma ordem de guarda adequada. Lith não dormiu, apenas fingiu, usando o revigoramento para recuperar suas forças.

Quando eles começaram a se mover novamente, passaram por vários corredores e cavernas, às vezes terminando em becos sem saída, mas nunca perdendo o caminho graças ao mapa. Eles continuaram encontrando traços de lutas passadas e os ossos de goblin mastigados, mas não encontraram inimigos.

Phloria podia sentir a tensão no ar, eles estavam entrando no território de um predador maior.

“Espera!” Yurial disse, parando o grupo.

“A próxima esquina é muito estreita. Se formos atacados ao atravessá-la, o grupo será dividido ao meio, dificultando a coordenação adequada”.

“Eu sei, mas não é como se pudéssemos torná-lo mais amplo ou ver através das paredes.” Phloria respondeu.

Lith sorriu interiormente, já que ele acabara de fazer isso com a visão da vida.

“É verdade, mas podemos montar o quadro adequadamente. Só é uma emboscada se você não souber.”

Yurial lançou uma série após a outra, marcando suas fronteiras com verdadeira magia para tornar mais fácil para seus companheiros de equipe localizá-las. Quando ele terminou, Phloria deu vários passos na frente dos outros, mantendo o escudo na frente dela e pronto para recuar.

Ela espiou por trás da esquina, descobrindo um pequeno corredor que levava a outra curva acentuada. Phloria estava prestes a sinalizar para os outros seguirem em frente, quando ouviu sons de batalha.

Houve gritos em uma linguagem gutural que ela não conseguiu identificar. A fonte do barulho continuava se aproximando, até que um grupo de humanóides veio correndo em sua direção.

Eles eram todos muito altos, com mais de 2 metros de altura, com corpos musculosos que poderiam ter passado para os humanos se não fosse a pele esverdeada, os cabelos ruivos espetados e as orelhas e nariz compridos e pontudos.

“Ogros!” Phloria gritou.

“Um-pha!” Gritou um ogro, apontando para ela com um dedo na garra.

Ao contrário dos goblins, eles usavam roupas, principalmente a pele de outros ogros, goblins e tudo o que costumavam comer no almoço. Um ogro usando um colar feito de crânios de pequenos animais balançou um enorme bastão em direção ao esconderijo de Phloria.

“In-foi!” Uma bola de fogo voou do bastão, deixando Phloria apenas tempo suficiente para dar um passo atrás e se esconder atrás do escudo da torre antes de ser engolida pela explosão. Seu escudo mágico quebrou, mas ainda levou o peso do feitiço.

Seu uniforme foi queimado em mais de um ponto, e seus ouvidos estavam tocando, dificultando Phloria a manter o equilíbrio. Friya argumentou, enquanto Quylla começou a curar sua amiga ferida e Yurial lançou outra série.

Assim que os ogros entraram na primeira série, Yurial a ativou, transformando o espaço em uma tempestade que queimou muitos, e relâmpagos os atacaram de todas as direções. Até os sobreviventes não saíram ilesos.

Os ogros já estavam ansiosos pelo raro sabor da carne humana quando a segunda Matriz se ativou, transformando o chão em areia movediça e os afogando.

– “Sim!” Pensamento de yurial. “Uma vitória limpa, sem ter que atacar nem uma vez. Guardiões mandam!” –

O xamã ogro era tão esperto quanto cruel. Ele havia sobrevivido à tempestade, usando os outros ogros como escudos de carne, enquanto lançava um feitiço protetor de terra apenas para si, proteger os outros exigiria tempo e compaixão, e ele não possuía os dois.

Ele também sobreviveu à areia movediça usando os outros como trampolins, brandindo seu bastão como um taco em direção ao inimigo mais próximo, Friya.

Apesar de ser ferido e menor que os outros ogros, o xamã ainda bate com a força de um cavalo que chuta, quase quebrando o escudo mágico do impacto.

Friya estava em desvantagem, o oponente era mais pesado, mais forte e tinha um alcance de ataque mais longo do que ela, já que o bastão tinha mais de 2 metros de comprimento. O xamã seguiu com um chute, pegando-a despreparada e fazendo-a cair. no chão.

O xamã sorriu, avançando e pronto para esmagar seu crânio como um melão.

“Joruna Harti!”

As lanças de gelo de Quylla perfuravam o ogro de todos os lados. O sangue borbulhou instantaneamente de sua boca enquanto seus joelhos atingiam o chão, não tendo mais força para ficar de pé.

Lith sentiu-se lisonjeado, o feitiço se parecia muito com o suas lanças de checkmate.

“In-foi!” O xamã teceu seu cajado uma última vez, sem vontade de morrer sozinho.

Infelizmente, Yurial já havia completado uma matriz muito pequena que negava a magia do fogo. Ele o preparara desde o momento em que notara que um dos inimigos era louco o suficiente para usar magia de fogo dentro do corredor.

O xamã olhou para o seu bastão com uma expressão estupefata, a dor da traição de seu único amigo verdadeiro mostrou em seu rosto áspero.

Friya expressou suas condolências ao perfurar a cabeça em um movimento fluido.

O grupo estava prestes a comemorar, quando outra coisa passou pela esquina.

Parecia um jacaré, mas era humanóide. Ele estava sobre duas pernas, com pelo menos 2,5 metros de altura, sem considerar a cauda.

Usava um cinto no qual estavam penduradas várias bugigangas, enquanto suas mãos empunhavam um machado de duas cabeças e um machado de martelo, respectivamente. Mastigava o que parecia ser a coxa ainda sangrando de um ogro.

Ele olhou para eles com um olhar brincalhão, antes de tirar a coxa da boca e dizer:

“Ah, carne fresca!”

Aviso do Tradutor:

Vento_Leste

Vento_Leste

Rolar para o topo