Capítulo 225 – Descobertas

Supreme Magus

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Descobertas


Tradutor: Eduard0 | Revisor: Eduard0

Reino de Griffon, a masmorra subterrânea de Tyris.

“Por favor, me diga que você encontrou tempo para ir e verificar a anomalia desta vez.”

Leegaain estava queimando de curiosidade.

“Sim, eu fiz.” Tyris assentiu sem tirar os olhos dos registros dos arquivos dos últimos dez anos. Ela estava investigando aqueles que tinham acesso aos restos da loucura de Arthan, na esperança de encontrar uma pista sobre o cérebro por trás da ameaça de abominação.

“Não foi nada de especial. Era um híbrido masculino da Abominação humana, exatamente como sentimos pela primeira vez. A única coisa estranha é que ele passou por uma tribulação semelhante à nossa. O segundo teste foi sobre autocontrole, como bestas evoluindo “.

“O que aconteceu então?” Leegaain estava ansioso para ouvir a história toda.

“Eu não sei.” Ela deu de ombros. “Eu saí enquanto ele estava no meio de uma elaborada tentativa de suicídio. Ele escolheu trocar sua vida para resgatar alguém da morte. Não tenho tempo a perder com as pequenas coisas. Ele falhou na tribulação ou conseguiu salvar seu amigo, de qualquer maneira ele está morto agora. ”

“O que?” Leegaain pulou de surpresa, o impacto combinado de suas quatro garras no chão enviou um pequeno tremor através do castelo do Império Gorgon. Seus habitantes entraram em pânico, pois castelos flutuantes não deveriam ser afetados por terremotos.

“Tyris, velho amigo, depois de ouvir suas palavras, estou quase tentado a governar um país pela primeira vez em minha longa vida. Parece que entre guerras civis, pragas, deuses da morte e a disputa interna entre os nobres e os Coroe sua vida deve ser realmente emocionante.

“Caso contrário, como diabos você poderia evitar a existência de uma nova forma de vida que já passou por duas tribulações em um período tão curto de tempo? E se ele sobrevivesse? E se ele não fosse material do Guardião, mas algo completamente diferente?

“Pouquíssimos seres conseguem passar pela segunda tribulação. Conseguir segurar seus próprios desejos é uma das coisas mais difíceis de fazer. Poderíamos provavelmente ter um ser que poderia ficar do lado das Abominações e perturbar permanentemente o equilíbrio em nossas mãos.

“Se a anomalia ainda está viva, devemos absolutamente vigiar suas próximas tribulações para entender o que diabos está acontecendo. Um Guardião humano já seria uma notícia chocante o suficiente, muito menos um híbrido!”

Tyris congelou por um segundo. Além de suas piadas estúpidas, as palavras de Leegaain sempre tiveram grande significado.

“Talvez você esteja certo.” Ela respondeu tentando esconder seu erro.

“Eu me lembro que ele usava um uniforme da academia Griffon Branco. Vou mandar alguém para ficar de olho nele, caso seus medos se tornem realidade, podemos eliminá-lo antes que ele se torne muito perigoso.”

***

Durante os dias seguintes, a vida foi agitada para a maioria dos escalões superiores do Reino Griffon. Inúmeros batedores foram enviados ao Deserto do Sangue para procurar o paradeiro de Balkor. Matá-lo era a maneira mais segura de impedir que o próximo ataque acontecesse.

Os Alquimistas da Associação dos Magos estavam tendo dificuldade em estudar as toxinas extraídas dos mortos-vivos. A cada ano que passa, o deus da morte os torna mais complexos e difíceis de limpar. Se não o acompanhassem, seus antídotos se tornariam inúteis.

Dessa vez, os curandeiros haviam coletado um grande número de amostras de tecido dos mortos-vivos capturados. Isso lhes permitiu descobrir os fragmentos de Abominação misturados com a carne, causando um alvoroço no campo da pesquisa. Até aquele momento, as abominações eram simplesmente consideradas outra espécie de monstro, uma evolução distorcida de bestas mágicas.

No entanto, graças ao esforço de Balkor para estabilizá-los e à experiência de dez anos dos curandeiros reais na preservação das amostras, os cientistas humanos conseguiram obter uma compreensão mais profunda de sua natureza.

Pesquisar abominações tornou-se a principal prioridade. Ajudaria os Guardiões a criar novas matrizes defensivas capazes de enfraquecer, se não matar, os escravos de Balkor.

Os quatro restantes das seis grandes academias precisavam desesperadamente de funcionários. Entre os feridos, os mortos e os que se demitiram para procurar um emprego menos perigoso, como caçar dragões ou desarmar bombas explosivas, havia muitas classes sem assistência.

A sombra de Balkor tornava o serviço de professor em uma academia menos uma posição de prestígio e mais como uma sentença de morte.

Entre os diretores, Linjos havia conseguido a ponta curta do bastão novamente. Ele não apenas precisou encontrar magos confiáveis ​​para substituir os Professores que perdeu durante o ataque, mas foi constantemente incomodado pelos outros Diretores.

Seu plano salvou suas academias, suas carreiras e, o mais importante, suas vidas.

Eles não o viam mais como um pirralho jovem e arrogante que se tornara o diretor mais jovem de todos os tempos porque ele era o novo projeto de estimação da rainha. Eles finalmente reconheceram seu valor e o brilho de sua mente.

Eles estavam dispostos a deixar de lado seu orgulho, juntamente com os costumes antigos, muitas vezes pedindo conselhos a Linjos sobre quem contratar e como mudar suas academias para melhor.

Ele ficou muito lisonjeado com todas as atenções deles, mas foi forçado a passar metade do tempo cuidando das academias, em vez da própria. No entanto, Linjos só podia sorrir e suportar, sabia que era uma oportunidade única na vida.

Se ele conseguisse obter sua confiança e cooperação, o sistema da academia poderia finalmente ser mudado para sempre. Uma vez que o Conselho dos Diretores tomou uma decisão, os nobres só puderam cumprir.

Resolveria um dos assuntos mais prementes que atormentavam o Reino por anos. Claro, ainda levaria décadas para resolver todos os detalhes e conquistar o suficiente das antigas famílias nobres para impedir que outras sabotagens acontecessem, mas ainda assim seria um grande começo.

***

Casa Ernas, cinco dias após o ataque

A condição de Lith estava melhorando a cada dia. A febre se foi e, graças aos cuidados constantes que ele recebeu de ambas as famílias e de Solus, seu corpo encolhido estava lentamente voltando ao normal.

No entanto, ele ainda parecia um homem velho e não dava sinal de que acordaria tão cedo. Jirni provou ser uma anfitriã incrível, fornecendo à família de Lith os melhores quartos e tudo o que eles precisavam.

Ela demorou um pouco, mostrando-os pela casa aos poucos e contando a história.

Phloria passou muito tempo com Rena e Tista, já que elas a ajudavam a cuidar de Lith ou a obrigavam a fazer uma pausa e descansar enquanto Elina e Friya a ajudavam.

Quando Lith recuperou os sentidos à tarde, ele já sabia do seu fracasso. Sua última lembrança antes de desmaiar era do núcleo ainda rachado de Protetor. Mesmo queimar sua força vital não foi suficiente para reparar danos tão extensos, não com seu próprio núcleo já funcionando com fumaça e seu corpo à beira do colapso.

No entanto, ele teve que perguntar.

– “Solus, protetor …”

“Sim, ele se foi.” Ela respondeu, evitando cuidadosamente mentir para ele. “Sinto muito por sua perda.” Ela chorou lembrando as palavras de despedida de Protetor. Ela teve que encontrar uma maneira de passá-los para Lith.

“Eu sabia. Por mais que eu trabalhe, por mais que eu tente, sempre falho quando realmente importa.” – Lágrimas corriam por suas bochechas, eram o primeiro sinal de vida em mais de cinco dias.

“Lith, você está acordado?” Normalmente, ele ficaria surpreso ao ouvir a voz de Phloria, mas agora ele estava cansado demais para se importar. Sua mente continuou repetindo os últimos momentos da vida de Protetor. A dor o dominou novamente, fazendo-o sentir como se seu coração estivesse se apertando em um vício.

“Sim.” Lith não conseguiu reconhecer sua própria voz. Era rouca e fraca, como um silvo. Ele tentou se levantar, mas seus braços estavam fracos demais para a tarefa. A tentativa quase o fez desmaiar de esforço excessivo.

Lith respirou fundo, mas mesmo assim era demais para sua condição atual. Ele sentiu seus pulmões queimarem e tossiu incontrolavelmente. Ele ouviu os passos de alguém fugindo e sentiu alguém ajudando-o a deitar-se confortavelmente.

Lith reconheceu o perfume de Tista assim que ela se aproximou.

“Não se esforce, irmãozinho. Sua condição está melhorando a cada dia, mas você precisa descansar. Papai estará aqui em breve.”

Lith ficou triste demais para perguntar por que Phloria estava em sua casa ou o que havia acontecido com ele. A única coisa em que ele conseguia pensar era encontrar uma maneira de fazer a dor parar. Desde seu renascimento, ele se certificara de manter todos e tudo sob seu controle.

Ele sabia que não seria capaz de suportar o que havia acontecido com Carl novamente. Sua inesgotável fome de poder havia começado como uma maneira de escapar da loucura que seu ciclo de morte e renascimento representava.

Com o tempo, o amor que ele desenvolveu por sua família transformou-o em uma maneira de criar um pequeno ecossistema em que ele era deus e todos aqueles com quem ele se importava estavam seguros.

Primeiro, ele cuidou da fome, depois curou Tista e se livrou de todas as ameaças que o novo mundo representava para sua família. Bestas mágicas, criminosos procurados, abominações, ele cuidara de todos, permanentemente.

Com todo sucesso, Lith tinha ficado mais confiante em seu plano até conseguir se assegurar de que, desde que seguisse esse padrão, tudo ficaria bem.

A morte de Protetor esmagara essa ilusão, destruindo as crenças nas quais ele baseara toda a sua existência até aquele momento.

Ele continuou chorando, não apenas por Protetor, mas também por si mesmo.

– “Se alguém tão forte como Ryman morreu tão facilmente, não há como eu manter minha família em segurança. Eles são todos tão fracos. É apenas uma questão de tempo até eu perder todos eles. Qual é o sentido de me esforçar tanto se eu estou destinado a falhar? Não importa o que eu faça, só posso atrasar o inevitável. “-

Seu constante choro e soluço foram interrompidos apenas pela tosse.

Raaz chegou ao lado da cama, segurando-o contra o peito para acalmá-lo.

“Dói tanto? Você quer algum remédio para dor? Por favor, fale comigo. Diga-me o que há de errado.”

Ele estava segurando as lágrimas. Raaz nunca tinha visto Lith tão fraco, tanto física quanto mentalmente. Ele temia que sua condição pudesse ser ainda mais grave do que parecia, mas ele não sabia o que fazer.

Foi a primeira vez que seu filho precisou de sua ajuda, mas Raaz se sentiu completamente inútil. A única coisa que ele podia fazer era permanecer forte na frente dele. Ele não queria se juntar à lista das preocupações de Lith.

“Não é o meu corpo que dói, pai. É a perda. Meu único amigo de verdade morreu hoje.”

Phloria sentiu-se magoada com essas palavras, mas ficou calada. O relacionamento de Lith com o monstro evoluído parecia profundo e ele estava claramente confuso, acreditando que ainda era o segundo dia do ataque.

Antes que seu cérebro pudesse perceber o que estava fazendo, Lith deixou tudo sair. Contando a Raaz sobre como ele e Protetor haviam lutado quando ele ainda tinha quatro anos, como eles se tornaram amigos quando ele tinha oito anos depois que ele matou Gerda, e como a partir daquele momento eles passaram mais e mais tempo juntos.

Ele contou a ele como Protetor o havia ensinado a ser um caçador melhor, sobre todas as criaturas que eles haviam lutado juntos para manter os bosques de Trawn e suas famílias em segurança até Lith se juntar à academia.

Mesmo que ele conseguisse deixar Solus e os Despertos fora de sua história, todas as lembranças que ele compartilhava pioraram a dor. Lith adivinhou tudo o que tinha feito com Protector.

“Quando nos conhecemos, pensei em transformá-lo em pêlo quente para o inverno. Depois que ele tentou se tornar meu amigo, eu o menosprezei, apenas considerando-o como um meio para um fim. Explorei sua gentileza de trazer comida para nossa mesa e manter nossa família segura.

“Quando eu entendi que ele era muito mais do que uma ferramenta, nunca lhe disse o quanto ele era importante para mim. Quão precioso era ter alguém com quem eu pudesse compartilhar meu fardo, alguém com quem eu pudesse falar sobre todas as coisas que eu tinha que manter segredo de você e da mãe para impedir que você se preocupe.

“Agora é tarde demais. Eu falhei com ele na única vez que ele precisava de mim e agora ele está morto. É tudo minha culpa. Ele não teria deixado a floresta de Trawn se eu não falasse sobre a academia.

“Ele não teria morrido se eu não fosse fraco demais para salvá-lo. Ele nunca saberá como sinto muito por todas as coisas ruins que pensei sobre ele, nem como conhecê-lo mudou minha vida. Tudo isso aconteceu por causa de minha fraqueza e covardia.

Eu deveria ter morrido. ”

Lith era incapaz de aceitar que algumas coisas eram inevitáveis, que a vida não era um jogo em que ele pudesse salvar e carregar até obter o resultado desejado. Ele precisava de alguém para culpar e sua primeira escolha foi ele mesmo.

Todos os que estavam na sala ficaram chocados até os ossos. Os eventos que Lith considerou boas lembranças foram o pior pesadelo dos pais. Ele confessou sinceramente como havia colocado sua vida em risco uma e outra vez, revelando que a riqueza de sua família era construída sobre uma pilha de mentiras e ossos.

Aviso do Tradutor:

Vento_Leste

Vento_Leste

Rolar para o topo