Capítulo 227 – Consequências

Supreme Magus

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Consequências


Tradutor: Eduard0 | Revisor: Eduard0

Depois que o discurso de Raaz fez Lith perceber como ele era egocêntrico, o cansaço o dominou, fazendo Lith adormecer novamente.

Quando ele acordou, apenas sua mãe estava ao lado dele.

“Mãe, o que aconteceu comigo? Posso ter um espelho?” Perguntou Lith.

“Isso é algo que você deveria nos dizer, bebê.” Elina ficou feliz em vê-lo acordado novamente tão cedo. A febre finalmente se foi.

“Seus professores dizem que você estava bem quando o deixaram no leito de morte de Protetor, mas quando o encontraram, você já estava em um estado terrível. Você se recuperou muito nos últimos cinco dias, mas eu não me olharia no espelho se eu estivesse como você estava ”

“Por favor, quero ver o preço da minha tolice com meus próprios olhos.” Lith apertou a mão dela.

Quando Elina conjurou um espelho d’água na frente dele, Lith nem se encolheu.

Apesar de todas as poções e tratamentos que ele havia recebido, ele ainda estava gravemente abaixo do peso. Ele não tinha mais careca, seu cabelo estava crescendo muito bem, mas ainda estava grisalho. Apenas seus olhos estavam inalterados, frios e indiferentes.

– “Solus, posso usar o Revigoramento?”

“Eu não sei”, ela respondeu. “Seu núcleo está perfeitamente bem, mas seu corpo me preocupa. Depois de queimar grande parte de sua força vital, a maioria dos seus tecidos saudáveis ​​ainda está se recuperando. Você ficou com principalmente impurezas. Receio que, ao me recuperar tão rápido, você possa desencadear um avanço . “-

A mente de Lith assentiu. Seria impossível explicar a cura da noite para o dia, liberando ainda mais impurezas na frente das testemunhas.

“Acho que finalmente sou tão feio por fora quanto por dentro.” Ele cruelmente riu de si mesmo.

“Você se importa de me contar o que aconteceu?” Elina mudou de assunto. No passado, ela experimentara a dor da perda e o quão difícil poderia ser para alguém tão jovem enfrentá-la.

– “Entre a morte de seu melhor amigo e sua condição atual, não há como dizer como ele deve estar se sentindo. É melhor para ele compartilhar o que o está sobrecarregando. Isso deve ajudá-lo a se recuperar.” – ela pensou.

Pela primeira vez, Lith foi honesto com ela e contou como ele havia tentado salvar Protetor, dando tudo o que tinha e muito mais.

“Não há necessidade de me repreender. Agora eu sei que o que fiz foi estúpido e inútil, assim como eu.”

“Não, você está errado de novo.” Elina estava deitada na cama ao lado dele, abraçando-o com força.

“Estúpido? Sim. Imprudente? Claro, mas não foi inútil. Você fez isso por amor porque se importava com ele. Eu faria o mesmo por qualquer um dos meus filhos se tivesse a oportunidade. Nenhum pai deve sobreviver mais que seus filhos, é uma dor grande demais para suportar “.

Lith assentiu. Carl era mais um filho que um irmão, sua morte ainda o assombrava. Ele conjurou outro espelho d’água para se olhar atentamente. Talvez tenha sido o resultado de seu feitiço fracassado, talvez tenha sido por causa do luto, mas pela primeira vez, Lith sentiu sua idade pesando sobre ele.

Ele se sentia velho e cansado. Cansado demais para continuar lutando uma batalha perdida. Ele pensou em deixar a academia. Estar lá todos os dias o lembrava de Protetor, também não sabia como Linjos o puniria por seu comportamento.

Ele também pensou em abandonar sua família para sempre. Significaria não mais correntes, nem mais laços, nem mais fraquezas. Ele já era alto o suficiente para passar por um adulto e com seu talento mágico, o dinheiro não seria um problema.

Solus estava profundamente assustada com sua condição mental. Ela podia sentir a mente dele oscilando de desespero para raiva, a calma de Lith era apenas uma aparência. Ela passou os últimos dias pensando no que fazer.

Dizer a ele a verdade elevaria seu espírito, mas e a longo prazo? E se um de seus parentes morresse repentinamente ou estivesse além da salvação? Apesar de todo o seu poder, apesar da força que crescia a cada dia, Lith estava longe de ser invencível.

Solus havia notado logo depois de ser hospitalizado que seu corpo estava se reconstruindo mais forte do que antes, o problema era sua mente. Foi quebrada novamente, agora outra cicatriz profunda estava gravada em sua alma, mas também representava a oportunidade para ele mudar.

Solus não queria que ele se tornasse um santo ou um herói, nem esquecesse seu passado. Ela só queria que ele vivesse sua vida sem deixar a morte de Carl afetar todas as escolhas importantes que ele fez.

– “Ele precisa aprender que amar alguém significa saber quando deixá-lo ir.

Não sei mais o que sinto por ele. Pode ser o amor ou o desejo infantil de uma filha pequena que quer que seu pai seja só para ela. Não sei nada sobre relacionamentos humanos fora do que ele me ensinou.

Talvez eu esteja com medo da ideia de que possamos nos separar quando ele tiver uma namorada de verdade, em vez de uma namorada do ensino médio. Mesmo que seja amor, e mesmo que ele retorne esses sentimentos, não tenho nada a oferecer. Eu poderia ter chorado e implorado para que ele não estivesse com Phloria, mas teria sido cruel e egoísta.

Ela pode dar a ele tudo o que não posso. Um ombro para chorar, o calor de um abraço real, talvez um pouco de amor. Eu não me importo com o que ele escolhe fazer, desde que ele não se castigue por medo de ser ferido. “- Ela pensou .

– “A vida com certeza tem um senso distorcido de ironia. É apenas graças ao passado de Balkor que minha família está tão fortemente protegida, mas é também por causa dele que Protetor morreu. Devo lembrar de agradecê-lo antes de matar todos e tudo o que ele ama na frente de seus olhos. “- Lith pensou.

A partir desse dia, Lith finalmente pôde começar a comer comida de verdade, em vez de ser forçado a beber poções enquanto dormia. Levou menos de dois dias para poder andar novamente, mesmo que precisasse de ajuda para fazê-lo.

Lith teria gostado de uma bengala, mas sempre havia alguém oferecendo o braço para ele, para não deixá-lo sozinho nem por um segundo.

Mesmo que seu corpo estivesse se recuperando rapidamente, seu trauma psicológico estava apenas piorando. Desde que recuperara a consciência, seus olhos continuavam agindo de forma estranha. Se ele olhasse para alguém por tempo suficiente, Lith começaria a ver coisas estranhas.

Na primeira vez, aconteceu com Phloria, já que era ela quem passava mais tempo com ele. Ela estava lhe contando o que havia acontecido com a academia e o Reino Griffon enquanto ele estava inconsciente quando viu uma mão invisível cortar sua garganta.

Sangue derramado por toda parte, deixando Lith incapaz de se mover do choque. No momento em que ele piscou, Phloria estava bem novamente, como se nada tivesse acontecido. Então, ele a observou envelhecer décadas a cada segundo que passava.

Phloria se transformou em uma mulher bonita, depois em uma senhora madura e em uma velha com um sorriso gentil. Lith sentiu como se estivesse vivendo um pesadelo, mas ficou ainda pior quando ela se transformou em um cadáver, seu velho corpo começou a apodrecer enquanto pulgas e larvas se deleitavam em sua carne até restar apenas um esqueleto.

Lágrimas escorriam por seu rosto.

“O que há de errado? Você está com dor? Há algo errado com seu corpo?” Perguntou Phloria.

Piscando voltou tudo ao normal novamente.

– “Solus, o que diabos está acontecendo?” Ele ficou chocado demais para responder às perguntas preocupadas de Phloria. Ele precisava saber se o que estava vendo era real ou se era apenas loucura penetrando em sua mente.

“Nada aconteceu.” Ela respondeu sem entender o motivo da pergunta. –

Depois de verificar suas memórias, Solus também não tinha ideia do que tinha visto. Ambos verificaram seu corpo e cérebro, mas além dos efeitos posteriores de sua tentativa de salvar Ryman, não havia nada de novo.

Então, Lith observou o coração de Phloria sendo perfurado por uma espada, sua cabeça cortada por um machado. Ele foi forçado a vê-la morrer de uma maneira diferente repetidamente, e não havia nada que ele pudesse fazer.

Aconteceu da mesma forma com todos, sejam membros de sua família, da família Ernas ou de seus funcionários. Logo Lith não aguentou mais e manteve os olhos fechados a maior parte do tempo, fingindo estar cansado.

– “Minha mente está me enganando ou isso é algum tipo de poder novo que desenvolvi? Ver a morte das pessoas próximas a mim sem nenhuma indicação sobre como parar, parece mais uma maldição do que um poder. Solus, diga eu a verdade.

Estou perdendo a cabeça? ”

Solus hesitou em responder, ela sabia o quão frágil era sua psique.

“Eu acho que sua mente está escorregando, sim. Eu não sei se está tudo na sua cabeça ou está de alguma forma relacionado à sua condição atual, mas acredito que você está se torturando. De uma maneira muito distorcida e cruel, você está tentando acostumar-se com o pensamento de que mais cedo ou mais tarde, todo mundo morre.

É como se seu subconsciente estivesse lhe mostrando que algumas coisas são inevitáveis ​​e não há nada que você possa fazer sobre isso. “-

As palavras de Solus faziam sentido. Lith ainda estava em conflito entre encontrar uma maneira de esconder todo mundo que amava longe do mundo para impedir que se machucassem ou apenas cortar seus laços com sua vida atual. Se ele estava sozinho, não tinha nada a perder.

No entanto, o pensamento de passar o resto de sua vida sozinho fazia a morte parecer atraente. Poder e imortalidade não tinham significado para ele por si mesmos, eram apenas um meio para um fim. O fim de Lith sempre foi encontrar um lugar onde ele pertencia e viver uma vida feliz e tranquila.

Ele tinha apenas doze anos e já havia experimentado mais batalhas até a morte do que a maioria dos soldados profissionais da Terra. Lith não estava disposto a desistir da vida novamente, mas ele não sabia mais pelo que estava lutando.

***

Depois que ela voltou para casa, Friya estava dando a ela toda prática de espadachim. Ela tinha muitos pensamentos passando pela cabeça para praticar magia. Ela decidiu cumprir sua promessa e usar esse inesperado tempo livre para conhecer Orion melhor.

Orion estava muito feliz. Foi a primeira vez que sua filha adotiva pediu sua ajuda. Ele sabia que era apenas uma questão de tempo até Quylla se juntar a eles também. Aquelas duas eram inseparáveis.

Eles passaram o primeiro dia passando pelas formas básicas. Somente quando Orion entendeu qual era o nível de habilidade dela, ele decidiu que estilo era mais adequado para Friya. Ao longo dos anos de sua carreira militar, ele se tornou proficiente na maioria das armas.

A partir do segundo dia, Quylla entrou na prática como Orion havia previsto. Ele mandou vários de seus subordinados para sua casa para usá-los como parceiros de treino de Friya enquanto ele ensinava autodefesa a Quylla.

“Eu sei que você não gosta de brigar, pequenina …” Ele acariciava a cabeça dela toda vez que ela aprendia um novo movimento.

“… mas não há como dizer quando isso pode ser útil.”

Quanto a Friya, seus fundamentos eram sólidos. Ela estudou com um bom mestre por anos, afinal. O que faltava era experiência prática. Orion arranjou oponentes de diferentes gêneros para ajudá-la a aprender como adaptar seu estilo de acordo com a situação.

Lutar contra alguém menor ou maior que Friya exigia ajustes que ela precisava executar em uma fração de segundo, caso contrário, um oponente habilidoso o suficiente poderia tirar proveito dessa abertura para colocá-la no pé traseiro desde o início.

Quando Orion corrigia os erros de Friya durante uma sequência ou uma postura, ela apenas respondia: “Obrigado, pai.” Com um sorriso que quase o levou às lágrimas. Até aquele momento, ela o chamara apenas pelo primeiro nome.

Orion estava feliz que Friya estava começando a aceitar sua nova família.

Havia apenas dois pontos negativos em passar um tempo de qualidade com suas duas novas filhas. A primeira foi que Phloria não estava disposta a se juntar a eles, passando o tempo todo cuidando de Lith.

Orion sentia muita falta dos bons velhos tempos, quando a pequena Flor dele só tinha o pai nos olhos e ignorou todos os pirralhos que Jirni mandou em seu caminho. Naquela época, eles tinham a mesma mente, pensando apenas em magia e espada.

Claro, ele tinha que sofrer diariamente as irritações diárias de Jirni toda vez que ela falhava, mas manter seu bebê seguro valia o preço. Agora ele e a esposa haviam mudado de posição. Jirni agora se vangloriava o dia todo e só podia se preparar para o pior.

O segundo era que muitos de seus subordinados olhavam para Friya com olhos luxuriosos. Orion teve que admitir que ela era quase tão bonita quanto Phloria. Seus olhos paternais ainda se recusavam a aceitar que, embora Phloria fosse uma garota muito fofa, Friya era uma verdadeira beleza.

As minúsculas gotas de suor durante os exercícios fariam o rosto de Friya brilhar sob a luz do sol.

Seus longos cabelos negros emolduravam seu rosto, destacando sua pele clara e olhos castanhos claros. Juntamente com a graça e elegância de seus movimentos, ela era realmente uma visão de se ver.

Na maioria das vezes, bastava Orion pigarrear para lembrar aqueles idiotas de sua presença. Às vezes, ele era forçado a tomar o lugar de Friya para mostrar a ela o que ela estava fazendo de errado e limpar o chão com as suas roupas.

Ele fez isso apenas para fins educacionais, é claro. Friya precisava aprender suas formas, enquanto os outros tinham seu próprio lugar no mundo.

Aviso do Tradutor:

Vento_Leste

Vento_Leste

Rolar para o topo