Supreme Magus – Capítulo 27

Capítulo 27
Aniquilação
Tradutor: Eduard0|| Revisor: Eduard0


Com essas palavras, pai e filho se viraram bem a tempo de ver Lith passar por eles, parando apenas quando ele já estava na frente de Nana.

Agora que ele estava perto o suficiente, Nana percebeu que o corpo de Lith estava coberto de cortes e contusões. Alguns eram bastante profundos, mas já haviam sido tratados de maneira grosseira com magia de luz. Eles ainda estavam sangrando, mas a vida de Lith não estava em perigo.

“O que em nome dos deuses aconteceu com você? Até onde eu sei, as estradas para a vila são seguras.” Nana não perdeu o pânico brilhando na expressão dos dois nobres na frente dela.

Lith ainda estava curvado para baixo, com as mãos nos joelhos, tentando recuperar o fôlego.

“Era realmente necessário se infligir a todos aqueles ferimentos antes de vir aqui?” Solus perguntou, ainda preocupado com Lith.

“Sem dor sem ganho.” Lith respondeu telepaticamente. “Sair ileso de uma luta na estrada ou lutar sozinho contra cinco cavaleiros, teria sido muito suspeito. Essas feridas servem a dois propósitos.”

Primeiro a deixar Nana com raiva o suficiente para fazer o que deve ser feito. Segundo e mais importante, para evitar mais investigações. Se há algo que essa bagunça provou, é que muita atenção é ruim. Quanto mais alto eu fico, mais perigos terei que enfrentar.

No momento, não tenho apoio. Tudo o que existe entre minha família e o Barão é Nana. Eu não posso protegê-los o tempo todo. Foi um golpe de sorte que eles tiveram que me atingir.

No futuro, devo tomar cuidado para não atravessar as pessoas erradas, pelo menos até conseguir energia ou apoio suficientes. Não me importo com mágica ou riqueza se não tiver com quem compartilhar. Ninguém jamais será tirado de mim. Nunca!”

A conversa toda com Solus durou apenas um segundo.

Ainda ofegante e ofegante, Lith contou a ela sobre a emboscada.

“Quando eu estava vindo para cá, cinco cavaleiros tentaram me coagir a desistir da minha escola de magia. Quando me recusei a me submeter, eles tentaram me matar! Graças aos deuses, consegui matar o líder deles antes que chegassem muito perto.

Com ele morto, a formação deles se desorganizou e eu consegui matá-los antes que eles me matassem. ”Lith fungou, cobrindo os olhos com a mão, fingindo estar lutando contra as lágrimas.

“Deuses, eu não sei, eu consegui fazer isso. É tudo um borrão.”

Nana executou habilmente uma série de sinais de mão antes de dizer “Vinire Lakhat!”

Uma esfera quente de luz mágica envolveu o corpo de Lith, curando todos os seus ferimentos.

“É o suficiente, Lith. Eu posso facilmente imaginar o resto.” Nana acariciou sua cabeça, tentando confortá-lo.

“Você fez o seu melhor para tratar suas feridas, antes de correr aqui para me alertar contra essa escória nobre.” Ela levantou a bengala, apontando-a para o rosto do barão com um jeito intimidador.

“Por favor, senhora Nerea, não se apresse em julgar, eu …”

“Chega de sua falsa bajulação!” Nana estava cheia de raiva.

“Você quer que eu acredite que toda a sua conversa sobre respeito e pontualidade e o ataque à vida do garoto que está acontecendo hoje, no mesmo momento, é apenas uma pura coincidência? Quão estúpido você pensa que eu sou?”

O barão Trahan se ajoelhou, com as mãos no chão em submissão.

– Por favor, senhora Nerea, acredite na minha boa fé. Não sei nada sobre isso. O garoto ainda está assustado e traumatizado, talvez sua memória sobre o ataque esteja confusa. Além disso, ele não tem nenhuma prova. Não se apresse, nem tome decisões antes de considerar todos os fatos “.

A visão de seu pai, ajoelhado diante de um plebeu, chocou Ricker profundamente. No entanto, ele manteve a calma o suficiente para lembrar o que estava em jogo, então se ajoelhou também, implorando misericórdia.

“Boa-fé, meus idiotas enrugados! Encontrei nobres suficientes para entender como sua classe pensa e o quanto você valoriza a vida de um plebeu. Acho que …”

Nana parou de falar, Lith estava puxando seu braço repetidamente. Ela sabia que ele era inteligente o suficiente para entender que ela estava lutando por ele. Por interrompê-la assim, Lith deve ter tido excelentes razões.

Ele estava lhe mostrando cinco apitos de prata, um dos quais com marcas queimadas. Nana pegou um e começou a examiná-lo.

Ela mal precisou de um segundo para reconhecer o brasão da família Trahan gravado em seu topo.

“Muito bem, Lith.” Ela sussurrou. “Mesmo diante do perigo, nunca deixe suas emoções obscurecerem seu julgamento. Essa é a maneira de um verdadeiro mágico.”

Ela estava sorrindo gentilmente para ele, como uma avó orgulhosa das realizações de seu neto. Então, sempre de costas para os Trahans, ela rapidamente executou alguns sinais complexos antes de sussurrar “Ekidu Ruha”.

Os olhos de Nana brilharam brevemente pretos com energia escura.

Ekidu era a raiz da palavra mágica para a magia das trevas, como Vinire para a magia da luz ou Infiro para a magia do fogo.

Ela estava lançando um feitiço sombrio, Lith não podia esperar para ver seus efeitos. Ao mesmo tempo, porém, o modo como ela usou o feitiço o deixou confuso.

“Por que se dar ao trabalho de fazer sinais com as mãos e usar palavras? Nana sabe magia silenciosa, eu já a vi fazer isso.

Ela não podia simplesmente fazer isso silenciosamente na frente deles? Não acredito que ela esteja usando um feitiço complexo que exija muita cautela apenas para os fracos. “

Nana se virou, cutucando pai e filho com a bengala.

“Ela acabou de acertá-los com seu feitiço.” Solus notificou Lith. Tudo aconteceu em um instante, sem liberar nem uma centelha mágica. Se não fosse pelo sentido de mana de Solus, Lith teria perdido completamente.

“Chega dessa charada. Você quer provas? Isso é suficiente?”

Ela empurrou o apito prateado na frente do rosto do barão, que ficou vermelho, depois branco e finalmente verde. Ele teve que usar todo o poder de autocontrole necessário para se impedir de vomitar em pânico.

“Agora saia da minha frente! Se alguma coisa acontecer com meu aprendiz ou sua família, mesmo que um deles quebre a unha, é você quem pagará o preço.”

Os dois se levantaram, correndo em direção à diligência sem dizer uma palavra. Lith ficou ao mesmo tempo chocado e decepcionado com o comportamento de Nana.

“Tanto por seu ódio pelos nobres. Quem teria pensado que depois de tudo o que passasse, ela ainda seria tão misericordiosa? Merda!”

Nana foi à padaria, para conversar com o cocheiro que estava comendo alguns doces enquanto esperava por seu mestre.

“Ei, garoto” O homem estava na casa dos vinte e poucos anos, cerca de 1,77 metros. Ele tinha cabelos loiros e um rosto gentil e perfeitamente barbeado. “Qual é o seu nome?”

“Andy”. Ele respondeu enquanto mordiscava um bolinho de creme.

“Andy?” Nana levantou uma sobrancelha. “Deuses sejam minhas testemunhas, é um nome realmente estranho.”

Andy deu de ombros.

“Na verdade, é apenas um apelido. Melhor do que meu nome real, no entanto. Muitas pessoas acharam Hasa Diga Eebowai muito difícil de pronunciar.”

Nana ficou pasma.

“De qualquer forma, para que você precisa de mim, Lady Nana?”

“Você parece um homem legal, então aqui está um conselho amigável. Traga seu mestre de volta para casa o mais rápido possível, e então encontre um novo emprego.” Ela piscou.

Andy deixou cair o creme como se estivesse quente, curvando-se profundamente para Nana antes de correr para a diligência.

Nana voltou para sua casa, abrindo a porta para deixar Lith entrar.

“E agora?” Ele mal reprimia sua decepção. “Esperamos pelo próximo passo?”

Nana riu com vontade.

“O próximo passo deles? Eles cairão mortos antes de chegarem a sua casa pomposa. Para o que você acha que o feitiço das trevas era? Eu só queria evitar fazer barulho na frente de toda a vila.”

Lith de repente se sentiu muito estúpido.

“Bem jogado! Isso lhes ensinará uma lição.” Ele finalmente pôde suspirar de alívio.

“Longe disso.” Nana disse com um tom gelado. Ela entrou em seus aposentos particulares, rapidamente seguida por Lith.

A casa de Nana era muito parecida com a de Lith, mas a sala de jantar era menor e, em vez de três quartos, havia apenas um. As outras duas salas eram ocupadas por uma sala de estudos e um laboratório alquímico.

Ela entrou na sala de estudo, abrindo uma das gavetas da mesa com uma chave que usava no pescoço. Nana então pegou um pano embrulhado, revelando um amuleto de prata.

Tinha uma pedra preciosa grande no centro, com glifos arcanos gravados por toda parte.

Lith não precisava da visão da vida para saber que era um item mágico.

– Este é um amuleto de comunicação. Todo membro da associação de magos recebe um. Agora, dê-me um minuto para fazer um relatório completo sobre a tentativa do barão Trahan na vida de meu discípulo.

Eles odeiam quando algum nobre pequeno mexe conosco. Antes de colocar de volta na gaveta, toda a sua linhagem será apagada. Isso ensinará a todos aqueles malditos nobres uma lição. “

Lith curvou-se profundamente para Nana, desculpando-se interiormente por duvidar de sua personagem.

“Mestre, seu discípulo aguarda seu comando.”

O relatório foi realmente breve. Uma vez ativado, o amuleto gerou um pequeno holograma 3D de um careca de meia-idade, sentado atrás de uma mesa limpa e organizada.

Tudo o que Nana teve que fazer foi apresentar seu discípulo, dizer que o nome do nobre e do mago do outro lado já havia começado a dar instruções.

No entanto, Nana fez uma breve descrição dos fatos, mostrando os apitos de prata como prova. Lith pôde ver pela expressão do homem que ele não se importava com esses pequenos detalhes.

Ele ainda tomou nota de tudo, até mesmo de alguma maneira examinando os apitos através do amuleto.

Depois que tudo foi dito e feito, Nana deu a Lith suas primeiras tarefas.

“Comece lendo ‘O básico da mágica’. É o livro que você tentou emprestar há três anos.” Lith assentiu.

“Leia com atenção, se houver algo que você não entenda, sinta-se à vontade para me perguntar. Caso haja um cliente, espere que eu termine. Se não houver emergência, eu responderei, caso contrário, você terá que esperar.

Você pode usar minha sala de estudo. Quando você terminar o básico, darei a você seu livro de mágica de primeiro nível. “

Lith correu de volta à sala de espera, buscando seu prêmio. Depois de se sentar atrás da mesa, com o livro grosso à sua frente, ele não pôde evitar pensar em todos os anos passados na faculdade.

Ele voltou a ser um estudante, um sentimento familiar e tranquilizador.

Lith afastou o emocionalismo e abriu o livro, lendo-o no prefácio do autor.

“Meu nome é Lochra Silverwing. Sou conhecida como a feiticeira mais sábia do reino Griffon, e também a única da minha geração a alcançar o título de Magus …”

“O que diabos é um Magus? Não é apenas um sinônimo de mago?” Lith fez uma pausa por um segundo, anotando mentalmente a pergunta sobre a hierarquia dos mágicos.

“… quero dedicar este livro a todas as minhas leitoras, na esperança de que possam fazer bom uso dele e liberar seu potencial superior.

Em um mundo flagelado por guerras travadas por homens, é da maior importância para nós, mulheres, manter nossa posição de liderança no campo mágico. Que nossas mentes calmas acalmem a fúria selvagem que habita em seus corações. “

“Que porra é essa ?!” Lith xingou, pulando da cadeira.

Ele correu direto para Nana, o livro ainda na mão, com extrema necessidade de explicações.

“Desculpe ser a única essa a quebrar essa tradição com você, mas é a verdade.” Nana riu.

“Como os homens são mais fortes fisicamente, as mulheres são mais aptas à magia. É a natureza das coisas.” (veja o capítulo 12 para mais detalhes)

“Me fode de lado!” Lith gritou interiormente, entre Solus rindo.

“Isso significa que eu começo com o pé traseiro?” Foi o que ele realmente disse.

“Sim, pequeno diabrete. Seja no reino Griffon, no império Górgona ou nas tribos do deserto da Areia Sangrenta, geralmente as mulheres desempenham a maioria dos papéis-chave nas várias associações de magos. Mesmo eu nunca esperava ter um discípulo masculino.

Quando eu participei da academia de magia, 70% dos estudantes eram do sexo feminino. Eu não acho que as coisas mudaram muito. Se você apontar para os melhores lugares, elas serão sua maior competição “.

“Ótimo.” Lith sentiu-se desanimado. Ele não era o tipo de homem para discriminar, ele desprezava os humanos, independentemente do sexo. O que o desanimava era a ideia de estar mais uma vez no lado perdedor da vida.

“Não é rico, nem talentoso, nem bonito. Eu até consegui ser do sexo mágico mais injusto. Apenas esplêndido.” Ele pensou.

“Pronto pronto.” Nana bateu na cabeça dele. “Não fique deprimido. A história está cheia de magos muito poderosos. É o talento que mais importa, não o gênero. Um dia você pode até se tornar um magus.”

“Ah, sim. Eu quase esqueci, essa foi a minha segunda pergunta. O que é um Magus?”


Capítulo Anterior|| Índice|| Próximo capítulo

Rolar para o topo