Supreme Magus – Capítulo 42

Capítulo 42
Não há descanso para os ímpios
Tradutor: Eduard0|| Revisor: Eduard0

Quando Lynna acordou, ela descobriu que não estava mais em seu quarto. A lua estava coberta de nuvens e, com apenas a fraca luz das estrelas, ela não conseguia descobrir sua nova localização.

Lynna só sabia que estava agora em campo aberto. A brisa fria da noite e a sensação áspera da terra sob suas mãos não deixaram espaço para dúvidas. Quando seus olhos começaram a se ajustar à penumbra, ela notou algumas formas humanóides caídas no chão, a apenas alguns metros de distância.

Feliz por não estar sozinha, ela rastejou lentamente em direção a eles, enquanto tentava se lembrar do que acabara de acontecer. Lynna estava prestes a sacudir seus companheiros de quarto, quando a lua brilhou através das nuvens em movimento, revelando que eram esqueletos.

Lynna começou a gritar e, quando reconheceu as camisolas que estavam usando como aquelas que vira inúmeras vezes nas amigas, ela se transformou em um grito agudo.

Ao seu redor, várias figuras começaram a se mover e gemer. Ela tentou fugir, mas tropeçou em algo macio e mole, caindo no chão. Quando ela abriu os olhos novamente, estava olhando para uma lápide onde estava gravada:

“Aqui jaz Croblan Lark, amado pai e marido.”

De repente, Lynna percebeu o que era aquele lugar, por que parecia tão familiar. Esse era o cemitério da família de Lark, todos os antepassados do conde Lark em seu descanso eterno.

Naquele momento, ela se lembrou de tudo: o envenenamento, a maçaneta torcida, o fantasma. Ela queria acreditar que tudo era um pesadelo, mas seu pé ainda doía depois da queda. Lynna estava prestes a perder a cabeça, quando o luar revelou que as figuras em movimento não estavam mortas-vivas, mas outros membros da equipe que ela conhecia muito bem.

Na verdade, dois deles eram seus cúmplices, Zamon, o segundo mordomo mais velho depois de Poltus, cuja lealdade estava apenas com a condessa, e Bisya, uma jovem empregada plantada há alguns anos para vigiar os aposentos particulares do conde.

Os três foram encarregados pela condessa de garantir seu retorno ao poder, eliminando todos os obstáculos possíveis. Foi apenas graças à ajuda de Zamon e Bisya que ela conseguiu passar despercebida o alimento na comida, mesmo quando não deveria estar na cozinha.

Confiando na autoridade de Zamon ou no charme de flerte de Bysia, ela conseguiu concluir todas as tarefas que lhe foram atribuídas depois que a condessa forçou a partida.

Havia também mais dois funcionários com eles. Refia, um jovem manobrista com quem ela costumava trabalhar, e Olmund, um dos muitos mordomos da casa.

“Lynna, é você?” Bisya parecia confusa, balançando a cabeça, tentando recuperar o foco. “Esse seu grito quase fez minha cabeça explodir.”

“Onde estamos em nome dos deuses? Por que não estou no meu quarto? Lembro-me claramente …” A voz de Zamon foi cortada, o sangue escorrendo de seu rosto quando ele se lembrou dos últimos eventos.

“A conta!” Ele exclamou.

Com essas palavras, todos os cinco congelaram no lugar, varridos pelo terror causado pelo encontro não natural.

“O conde está de volta!” Refia disse com uma voz embargada.

“E os deuses sabem o porquê, mas ele acredita que eu sou responsável por sua morte!”

Logo todos começaram a olhar em volta, encontrando os cadáveres de seus companheiros de quarto. Suas roupas estavam ilesas, enquanto seus corpos pareciam envelhecer séculos.

“Rorryk, por que isso aconteceu com você?” Olmund sente-se de joelhos, perto dos restos de seu amigo mais velho, chorando desesperadamente.

“Cale a boca, seu tolo!” Zamon forçou a boca a fechar com a mão.

“Caso você não tenha notado que estamos em um cemitério! É melhor não acordar, o que pode mentir eternamente.” Zamon não se atreveu a emitir mais do que um sussurro, ele era muito supersticioso.

Normalmente Lynna zombava dele por sua covardia, mas naquela noite era diferente. Ela podia sentir suas tripas se contorcendo e se transformando em medo, seu corpo implorando para que ela fugisse.

De repente, o chão tremeu e um fogo violento irrompeu de uma cova aberta.

Túmulo de Trequill Lark do conde.

“Como você pode fazer isto comigo?”

O espírito do conde emergiu lentamente das chamas.

“Prepare-se para ser julgado por meus ancestrais.”

Dos túmulos próximos ao Conde, três esqueletos surgiram, desenterrando-se até a cintura.

“Assassinos!” Lamentou a voz de um velho.

“Traidores!” Gritou a voz de uma mulher.

“Vermin!” Disse a voz de um homem.

Os três esqueletos estavam lutando para se libertar do abraço da Terra, enquanto anunciavam seu veredicto. A sujeira, as roupas esfarrapadas que eles usavam ficavam rasgando.

“O dado está lançado!” O espírito do conde disse com uma voz profunda sobrenatural.

“Confesse!” Ele estava apontando o dedo para Refia, que de repente se sentiu empurrado no chão por uma força invisível.

“Eu sou inocente! Eu juro!” Ela disse, soluçando incontrolavelmente.

Os três esqueletos começaram a lamentar como um, em uma cacofonia de vozes indistinguíveis. Suas órbitas vazias emitiam um brilho vermelho, como uma vela acesa por dentro e, como o conde, lágrimas de sangue começaram a fluir infinitamente ao longo de suas maçãs do rosto.

“Mentirosa!” O conde gritou e Refia foi arrastado pela força invisível em direção à cova aberta do conde, cujas chamas começaram a subir e rugir alto.

Os outros tentaram segurá-lo pelos braços, mas a força do espírito era muito forte. Quando Refia foi jogado no poço de fogo, ela emitiu um grito desumano, enquanto as chamas mudaram de vermelho brilhante para um roxo sinistro.

“Ele me servirá no mundo subterrâneo, para expiar seus pecados.” Disse o espírito do conde.

“Confesse!” Desta vez, ele estava apontando para Olmund, que prontamente obedeceu.

“Confesso! Confesso! Fui eu roubando os ferrolhos, explorando meu dever de inventário. É por isso que nunca houve o suficiente.”

“E como você expia?” Disse o espírito, seus olhos reduzidos a duas fendas flamejantes.

“Sinto muito! Eu juro!”

“Palavras não são suficientes!” Os cadáveres no chão surgiram, suas órbitas repletas de luz vermelha. Eles ergueram Olmund com as mãos esqueléticas sobre a cabeça e o jogaram na cova.

“Rorryk, por quê?” Foi seu último grito antes de desaparecer nas chamas.

Antes que o fantasma pudesse julgar, Lynna se ajoelhou profundamente, de cabeça no chão, pedindo perdão.

“Eu confesso! Fui eu envenenando você, e esses dois são meus cúmplices!” Ela disse apontando para os dois sobreviventes.

Zamon e Bisya tentaram dar um passo atrás, mas os esqueletos haviam retornado, cercando-os novamente.

“Por sua causa, meus filhos estão sozinhos neste mundo!” O fantasma chorou de dor.

“É apenas uma questão de tempo antes que eles se juntem a mim na morte! Como você expia?”

“Sinto muito! Fui estúpida, não tenho provas. Joguei fora o veneno e queimei todas as cartas de sua senhoria.”

“Então se queime!” Lynna foi então arrastada por seus companheiros de quarto mortos na cova, apenas as chamas acabaram com seus gritos.

Zamon e Bisya também se ajoelharam, indo direto ao ponto.

“Eu posso salvar seus filhos!” Gritou a jovem empregada. “Eu não sou idiota, nunca confiei nessa merda, tanto quanto posso jogá-la. Guardei todas as suas cartas, suas ordens, no caso de ela ter quebrado sua palavra! Mantenho todas debaixo de uma tábua solta na despensa da cozinha . “

“Como eu fiz! Além disso, eu sei onde ela mantém escondida toda a sua correspondência pessoal.” O velho mordomo se apressou a acrescentar, temendo se tornar inútil para o seu sequestrador.

“Ela ordenou o veneno meses atrás! E tem muito mais! Está tudo em um compartimento secreto bem embaixo da cama. Eu juro, isso é tudo que eu sei! Por favor, tenha piedade desse velho tolo!”

“Magnífico!” Disse o conde com seu habitual tom alegre e entusiasmado, batendo palmas de prazer.

De repente, ele não parecia de outro mundo. Os esqueletos caíram como bonecos cujas cordas foram cortadas, o fogo se apagou e o conde desceu ao chão com um baque alto o suficiente para ser ouvido.

“Isso foi tudo …” Zamon não podia acreditar em seus olhos.

“Uma farsa?” Poltus completou a frase para ele. “Sim, velha doninha. Eu sabia que você sempre fazia mal.” Os servos traidores conseguiram dar um rosto à voz do velho esqueleto.

“Jadon, Keyla, seja um querido e vá recuperar as evidências. Nesse momento, não posso confiar em mais ninguém.” Os herdeiros do conde vieram logo depois de Poltus, assentindo, antes de voltarem para casa.

Sabendo que estava condenado, Zamon ainda encontrava forças para vigiar a cova aberta, descobrindo que todos ainda estavam vivos, apenas amarrados e amordaçados por tentáculos da terra.

Pensando no que aconteceria com ele e sua família, o velho mordomo ficou cheio de arrependimento. Os longos anos de serviço leal, as economias de uma vida, todos esses planos cuidadosos para sua aposentadoria, se despedaçaram com suas esperanças de um amanhã melhor para seus filhos.

**************

Lith suspirou de alívio, ele poderia finalmente sair ao ar livre. Se pudesse, ele lhe daria um tapinha nas costas, os resultados haviam excedido em muito suas expectativas.

Como Solus não conseguia encontrar nada nos quartos restantes, Lith a fez seguir Lynna dia e noite, anotando todos aqueles com quem ela estava mais em contato, para reuni-los juntos para o ato final.

Que, a propósito, tinha sido um incômodo para organizar. Para evitar estragar sua cobertura, Lith só podia recorrer à magia de tarefas e feitiços até o nível três, como o feitiço flutuante que ele aplicara ao conde.

Ele havia explicado tudo em detalhes ao conde, para evitar que se assustasse ou se surpreendesse com os efeitos especiais que tinha em mente. Lith, é claro, disse que moveria os esqueletos com magia do ar, enquanto ele estava realmente usando magia espiritual.

O truque das lágrimas de sangue foi fácil, o sangue de galinha que ele impediu de coagular com a magia da luz, enquanto usava a magia da água para fazê-lo descer pelas maçãs do rosto, passar atrás da orelha e pelos cabelos para obter um efeito de fluxo interminável.

Os passos simples eram fáceis, mas manter todos aqueles feitiços ativos ao mesmo tempo, manipular chamas, sangue, esqueletos, fora bastante cansativo, mesmo com a ajuda de Solus. Ela cuidara de metade do palco, mas a mana que ela usava era de Lith.

Eles eram como dois mergulhadores com um único tanque de oxigênio.

O conde também ficou muito feliz com o resultado.

“Ah! Ah! Ah! Eu sempre soube que a magia é incrível! Voar foi uma experiência memorável. Sem mencionar o rosto deles!” O conde Lark ria como uma criança depois de uma brincadeira bem-sucedida.

“Você deveria ter visto os rostos deles! Inestimável! Eu nunca me diverti tanto na minha vida.” Ele deu um tapinha no ombro de Lith, cobrindo-o de pó branco.

“Quem imaginaria que velhas histórias de fantasmas dos meus livros poderiam ser tão eficazes. Com um pouco de sintonia aqui e ali, é claro!”

“Por ser um sapateiro com dois sapatos, o Conde é um trapaceiro.” Lith pensou. “Apesar de ser tão avesso à tortura, ele não teve escrúpulos em assustar tantas pessoas. Acho que ele nunca ouviu falar sobre tortura psicológica.”

Assim que puseram as mãos nas provas incriminatórias, o conde Lark imediatamente usou seu amuleto de comunicação para entrar em contato com o Departamento de Direito e Ordem do rei para enviá-los.

O recepcionista garantiu que eles colocariam a papelada no topo da lista e que enviariam investigadores reais para esclarecer o caso.

Traduzido da linguagem burocrática, significava que o caso do conde levaria dias, em vez de semanas. Lith não se arriscaria, não depois de mostrar tanto talento, e pediu que o conde fizesse com que toda a família viesse à propriedade no dia seguinte.

Ele também lhes enviou algumas roupas que havia preparado com antecedência. Nesse palácio, o garoto mais baixo e estável estava mais bem vestido que eles, mesmo que usassem seus melhores ternos.

Quando chegaram, de um jeito ou de outro, todos os funcionários foram reunidos para ver em primeira mão a misteriosa mulher que gerou o suposto quinto filho do conde.

Eles expressaram muita admiração pela beleza de sua mãe e irmãs, e até Raaz recebeu muitas atenções.

Quando Lith enviou Solus para verificar se o boato finalmente desapareceu, ela respondeu com uma risada interminável e uma história inacreditável.

Segundo seu relatório, a família agora estava dividida em duas facções.

O primeiro, que ela apelidou de #TeamLith, foi liderado por Poltus, que se recusou a se afastar de sua teoria inicial.

“Quem pensaria que uma cabeça-de vento como o Conde também poderia ser tão intrigante? Não apenas ele conseguiu uma amante tão bonita e jovem, ele também teve a inteligência de escolher uma mulher cujo marido se assemelha tanto a ele que ele nunca suspeite que o filho não é dele! Aquela bruxa da condessa não pode segurar uma vela com uma mulher tão linda. “

O segundo, #TeamRaaz, foi liderado por Hilya. Ela era a chefe da equipe da cozinha, o primeiro chef e também o rival mais antigo da Poltus em termos de autoridade e habilidade de fofocas.

– Você ficou senil ou o quê? O conde é muito nobre e cavalheiresco para trapacear, mesmo com uma bruxa tão traiçoeira! Claramente, ele teve um caso antes do casamento deles, e Sir Raaz é o filho desse amor.

Isso significa que não apenas ele é o quinto filho do verdadeiro conde, mas também que o jovem mago e suas lindas irmãs são todos seus sobrinhos secretos! É por isso que ele se importa tanto com o garoto, e por que os trouxe todos aqui agora que a condessa está morta para acabar com toda a linhagem!

Que nobre da parte dele! Ele provavelmente os protegeu das sombras todos esses anos, para mantê-los a salvo do ciúme e da ira de sua esposa. “

Lith não sabia se ria ou chorava.

“Como diabos chegamos a isso?”

“Desculpe.” Solus encolheu os ombros. “Parece que a equipe do conde tem o hobby de fazer tudo relacionado a nobres parecer sórdido. Pensar mal de algo faz com que até coincidências pareçam interessantes, você não acha?”

Lith balançou a cabeça em desespero.

“Pobre mãe. Ela é apenas um triângulo amoroso proibido de se tornar o personagem principal de um daqueles filmes de garotas que me fizeram passar tanta raiva há alguns anos atrás na Terra.”


Capítulo Anterior|| Índice|| Próximo capítulo

Rolar para o topo