Supreme Magus – Capítulo 98

Capítulo 98
falhas
Tradutor: Eduard0|| Revisor: Eduard0

Quando alguém ouvia falar da Câmara do Conselho do Rei, geralmente sua mente pensava na sala do trono.
Com mais de vinte metros (66,6 pés) de comprimento e mais de dez metros (33,3 pés) de largura, um único tapete de seda vermelho com bordas bordadas em ouro que vai das portas duplas de três metros (10 pés) de largura até os dois degraus que distanciava o chão onde estavam os nobres e o criado para a família real.

Dessa forma, mesmo sentados em seus tronos de ouro, esculpidos para se parecer com um grifo desenfreado, eles poderiam desprezar todos os presentes, reafirmando seu status e autoridade.

Toda a sala era iluminada por lustres de cristal, alimentados por magia, não deixando espaço para sombras ou necessidade de manutenção.

Nas paredes, tapeçarias magicamente encantadas recontavam repetidamente os grandes feitos que o rei atual havia realizado para serem considerados dignos de seu poder.

Tanto o piso quanto os pilares da sala eram feitos de mármore com veios de ouro, o material mais precioso e robusto disponível no Reino Griffon.
E que alguém estaria completamente errado.

A sala do trono era perfeita para realizar eventos sociais ou premiar um general ou nobre em particular. Mas quando se tratava de segredos de estado, era um pesadelo de segurança.

Entre a entrada principal, as passagens dos criados, as passagens secretas e as varandas para os espectadores, circulando pela sala, um pequeno exército de espiões poderia facilmente passar despercebido, mesmo depois de vasculhar o local inteiro com um pente de dentes.

A verdadeira Câmara do Conselho estava localizada nos apartamentos particulares do rei, dentro de uma torre fortemente vigiada. A sala tinha cerca de 6 metros (20 pés) de comprimento e 4 metros (13 pés) de largura, com apenas uma mesa redonda e cadeiras de madeira como móveis.

A mesa redonda não significava que todas as opiniões tinham a mesma importância; era simplesmente a única maneira de ser ouvida de todos os lados da sala sem a necessidade de gritar sem parar.

Além dos móveis, a sala estava vazia, sem janelas e apenas uma entrada. O chão e as paredes eram de um cinza pálido; não havia cor fora a das pedras mágicas das quais a sala era feita.

A maioria das assembléias duraria horas e, dada a natureza sensível dos sujeitos que exigiam a aprovação direta do rei, a discrição era de vital importância.

Todo o lugar estava encantado para impedir a espionagem, por meios convencionais ou mágicos, sem mencionar todas as proteções necessárias para evitar que todo o alto comando fosse morto de uma só vez.

Naquele dia em particular, a Câmara do Conselho não era ocupada por ministros ou generais, mas pelos escalões superiores da Associação dos Magos. Em tais ocasiões, era dever da rainha presidir o debate.

Para que a Coroa tivesse controle absoluto sobre questões políticas e mágicas, as responsabilidades foram compartilhadas como tais. O do casal real mais versado nas artes mágicas se tornaria o chefe da
Associação dos Magos.

O outro seria responsável por todo o poder militar e supervisionaria as atividades dos ministros. Juntos, eles teriam todas as chaves do Reino.

A rainha Sylpha usava um simples vestido de cetim azul da manhã, com mangas compridas cobrindo os braços. Apesar de ter mais de cinquenta anos, era difícil pensar nela um dia depois das trinta.

Com seu queixo quadrado e feições afiadas, ela não podia ser considerada bonita, mas a aura de confiança e poder que ela exalava, combinada com suas maneiras perfeitas, ainda a deixava encantadora.

“Vossa Majestade, ainda não conseguimos encontrar Linnea.” Disse um careca de meia-idade com um cavanhaque cinza. “Temos certeza de que ela ainda não cruzou as fronteiras. Ela nunca deixaria seus filhos para trás.”


A rainha dilatou as narinas em aborrecimento. Recentemente, ela só receberia más notícias.
“E? Eu quero resultados, não hipóteses! Se você não a encontrar, ela pode ter desertado para as tribos da Areia Sangrenta, agora sobre o Império Gorgon? É verdade que eles estão desenvolvendo a magia da clarividência? “

A idéia de seu pior inimigo ser capaz de espioná-los a uma distância segura, fez com que a rainha perdesse o sono por causa disso.

“Sim e não.” Sniggered uma velha com longos cabelos brancos, realizada em um rabo de cavalo. “Sim, eles gastaram milhares de moedas de ouro para satisfazer a obsessão do imperador por profetas, videntes e toda essa informação sobre prever o futuro.

Não, porque até hoje todos os chamados “médiuns” eram apenas fraudes. Alguns deles eram realmente nossos agentes, que conseguiram drenar quantias consideráveis antes de desaparecer “.

“Finalmente, algo dá certo!” Ela bateu a mesa com o punho forte o suficiente para fazer várias taças caírem.

“E as grandes academias?” Um silêncio constrangedor caiu na sala, instantaneamente arruinando seu bom humor.

“Sua Majestade, talvez você deva reconsiderar sua linha de ação.” Disse uma mulher alta de meia-idade, com cabelos ruivos curtos.

“Muitas mudanças ao mesmo tempo são difíceis de aceitar. Seria melhor implementá-las uma a uma ao longo do tempo.”

“Um por um ao longo do tempo.” A rainha ecoou, tamborilando com os dedos delgados no apoio de braço.

“Diga-me, querida Bolna, há quanto tempo a Associação dos Magos tenta mudar as regras de maneira fácil e agradável, para evitar inquietação?” Seu tom era calmo e amável, fazendo com que os presentes estremecessem.

A rainha era muitas coisas, mas amável não era uma delas. Como qualquer político de raça pura, ela era capaz de esconder suas emoções e pensamentos sempre que necessário, mas sua natureza era a de uma mulher ardente, apaixonada por tudo o que fazia.

Ao falar sobre assuntos do estado com seus conselheiros, ela não media palavras nem perdia tempo com gentilezas. Sua calma significava que uma tempestade estava chegando.

“Mais de quarenta anos.” A mulher engoliu um pedaço de saliva, forçando-se a responder sem tremer.
“Mesmo antes da minha coroação, sim. E quantas regras foram realmente alteradas até agora?”
“Nenhum.”
“Última pergunta. Quantos Magos em potencial perdemos durante todo esse tempo?” Sua voz ficou fria como uma pedra.
“Pelo menos quatro.” Incapaz de retornar o olhar da rainha, Bolna baixou os olhos.

“Todos eles desertaram fazendo um juramento de vingança.”

“Deixe-me ver se entendi.” A rainha afastou a cadeira, levantando-se. Ela era uma mulher de estatura média de 1,62 metros (5’4 “) de altura e uma constituição esbelta.

Apesar de estar preso em um chignon, o longo cabelo preto ainda revelava seu presente misterioso para as artes místicas, com todos os seis tons de cores marcando-a como abençoada por todos os deuses da magia.

“Perdemos quatro exércitos de um homem por nada além de rancores mesquinhos, e sua ótima idéia é manter o ‘bom trabalho’?” A rainha se moveu tão rápido que se podia pensar que ela tinha piscado, mas o borrão atrás dela contava uma história diferente. Ela simplesmente andou.

“Você acha que quando o deus da morte retornar do Deserto do Sangue, liderando o exército de mortos-vivos que ele vem criando por todo esse tempo, ele se vingará pouco a pouco com o tempo extra ou apenas matará todos nós?”

Sylpha disse enquanto a levantava pelo pescoço com apenas uma mão, apesar de Bolna ser mais alta e dobrar seu peso. Ninguém se atreveu a interferir. Todos os presentes eram arquimagos muito poderosos, mas havia uma razão para Sylpha ser a rainha.

Ela era capaz de lançar vários feitiços quase sem demora, movendo-se mais rápido que um animal selvagem e rasgando metade de um cavaleiro totalmente armado com as próprias mãos. Muitos suspeitavam que ela era realmente um dragão em forma humana.

“Fazer a mesma coisa repetidamente e esperar um resultado diferente é a própria definição de loucura”. Ela aproximou o rosto roxo de Bolna.

“Seus mestres deveriam ter treinado você melhor.” Sylpha apertou o punho, produzindo um estalo, antes de jogar o corpo em um canto da sala. A cabeça de Bolna estava agora inclinada em um ângulo não natural, com os membros esparramados sob o pesado manto mágico.

“Agora que nos livramos do espião entre nossas fileiras, não devemos mais perder tantos agentes”. Ela disse voltando para a cadeira.
“Bolna era uma espiã ?!” Todos ficaram chocados com as notícias, questionando e discutindo o que acabara de acontecer.
“Sim ela era.” A rainha esfregou a testa com uma expressão triste. Ela parecia cansada e magra, sem deixar vestígios de seu vigor anterior.

“As famílias antigas têm seus homens e mulheres plantados em todos os lugares. Academias, Tribunal, até a Associação dos Magos não estão fora de seu alcance. Eles sabem que eu investi muito dinheiro e energia no Griffon Branco.

Se meu projeto falhar, será apenas comigo. Eu ficaria sem escolha, mas deixaria tudo como está, esperando que meu sucessor tenha mais habilidade e sorte. Eu posso até ser forçado a renunciar como chefe da Associação dos Magos e deixar a posição para um dos meus filhos.

Eu já tenho muitas falhas nos ombros, outra com tanto significado e minha autoridade e papel seriam grandemente diminuídas. Até eu questionaria minha competência “.

Os assessores da rainha não sabiam o que dizer, então esperaram em silêncio que ela se recuperasse.

“Os relatórios de Bolna eram todos falsos. A agitação está crescendo, muitos tiraram seus filhos das notas baixas ou foram expulsos como ataques pessoais. Eles não aguentam mais não estar no controle”.

Tirou várias pastas de um anel dimensional, passando-as para os velhos bruxos, para que pudessem ver com os olhos o quão terrível era a situação. De acordo com os documentos e as conversas transcritas, o Reino estava à beira de uma guerra civil.

Os novos nobres, aqueles que haviam conquistado status graças a seu talento e realizações, sejam de natureza militar ou mágica, não estavam mais dispostos a viver suas vidas sob o calcanhar de um sistema injusto.

Os antigos nobres, ao contrário, sentiam sua posição ameaçada e temiam perder alguns de seus privilégios, ou pior ainda, serem obrigados a compartilhar recursos que até aquele momento eram exclusivos.

As duas facções estavam agora muito próximas em número e poder, era apenas uma questão de tempo até que o velho equilíbrio desmoronasse.

“Eu sei que, apesar de serem leais à coroa, muitos de vocês realmente não apóiam minha ideia.” Sylpha suspirou.

“Mas preciso que você entenda o quanto está em jogo. Não importa quais sejam suas crenças pessoais, se o Griffon Branco for apenas mais um fracasso, teremos uma geração na melhor das hipóteses, antes que o Reino mergulhe no caos.”


Capítulo anterior | Índice | Próximo capítulo

Rolar para o topo