Selecione o tipo de erro abaixo

Os magos do Império levaram um ano para limpar os campos e tornar as Planícies do Dragão adequadas para o cultivo novamente. Como a maioria dos territórios além de Palaron haviam sido ocupados pelas forças mortos-vivos e também estavam sob reconstrução, eles não podiam gastar um centavo para ajudar no Vale do Dragão.

Eles estavam ocupados demais consertando os danos sofridos durante a guerra para se preocupar com os outros. Isso tornou o vale dependente de Palaron, o que permitiu à cidade aumentar seus lucros em várias dobras.

O submundo local também estava passando por uma era de ouro. Grandes fluxos de dinheiro significam mais oportunidades de corrupção e aumento do dinheiro para proteção. A concessão de um contrato público poderia facilmente transformar um comerciante em um pequeno nobre, de modo que muitas pessoas estavam dispostas a pagar para lubrificar as engrenagens da burocracia.

Palaron era uma cidade modelo do Império. Seus campos cultivados eram cercados por grandes paredes feitas de pedra cinza escura com mais de 12 metros de altura. Os campos cultivados ficavam a quilômetros de distância das muralhas da cidade, mas eram protegidos e fortemente guardados não menos do que a própria Palaron.

Os fazendeiros moravam na orla externa, para cuidar do gado e do campo a qualquer momento. Todos eles foram treinados no uso da luz e da magia da terra para serem capazes de cuidar sozinhos de todas as emergências menores.

Depois das muralhas da cidade, na orla externa, ficava a área residencial para os magos e o exército, para que eles pudessem intervir prontamente, não importando se o ataque inimigo viesse de dentro ou de fora.

Cada edifício foi construído em pedras sólidas e encantadas, e conectado aos outros distritos com seu próprio Portal. Era a área mais luxuosa e cara da cidade. Além dos funcionários públicos, apenas os verdadeiramente ricos podiam pagar uma casa ali.

A borda do meio era o distrito comercial, onde todas as negociações aconteciam. As guildas de comerciantes tinham seus escritórios construídos em madeira de lei, enquanto os pequenos comerciantes operavam em pequenos prédios do tamanho de um supermercado.

Cada bloco tinha seu portal, tornando a borda do meio o lugar onde as pessoas normais viviam.

A borda interna foi ocupada pelo distrito da luz vermelha da cidade. Era para ser as favelas, mas o desemprego não era uma coisa no Império. A saúde pública deixava todos em forma como um violino e enquanto alguém estivesse disposto a trabalhar duro, havia muito o que fazer, mesmo antes da guerra com os mortos-vivos.

As únicas pessoas que não tinham um emprego honesto eram as que não procuravam. Jogo, prostituição, traficante, todos tinham sua base de atividades nas favelas. Enquanto as pessoas estivessem vivas, elas teriam vícios.

Em vez de perder tempo proibindo-os, o Império simplesmente os tornara parte do sistema e recebia impostos até deles. Havia um ditado em Palaron, afirmando que o escritório de impostos era muito mais assustador do que o próprio exército e mais bem financiado também.

Apesar da aparência sórdida da borda interna, a corrupção real ocorreu na borda do meio e era para lá que os dois híbridos da Abominação se dirigiam. Como todos os membros longevos de qualquer raça, eles tinham um pseudônimo no Império com um registro limpo e identidades autênticas.

Entrar em Palaron sempre foi a parte fácil. Sair depois de cometer qualquer tipo de crime, no entanto, era outra história. Bytra e Zoreth escolheram o Dragão Empinado como sua base de operações.

Era um dos melhores estabelecimentos na borda do meio, classificado mais alto que a Enseada do Dragão e o Dragon Chow.

“Sou eu ou todo mundo é obcecado por dragões por aqui?” Perguntou Bytra.

Ela não foi lá por menos de uma década, mas tudo mudou. Até mesmo seu prato favorito, o guisado Rewille, havia sido renomeado guisado de Leegaain.

“Meu velho não esconde sua existência.” Zoreth respondeu. “Desde que Milea se tornou a Imperatriz e o convenceu a retornar, o Império Górgon basicamente se tornou o Império do Dragão.

“Todo mundo está tentando sugá-lo e os escalões superiores não mudaram o nome do país apenas porque reescrever todos os mapas custaria uma fortuna.”

“Eu entendo isso, mas por quê? Nem mesmo duas horas atrás, você me disse que o Guardião não se intromete com atividades humanas. Por que eles são tão obcecados por ele?” Bytra disse.

“Porque, nas raras ocasiões em que o faz, papai faz milagres e não pede nada em troca. Quando os vivos do continente Jiera e sua praga tentaram invadir o Império, ele cuidou de ambos sozinho.

“Quando uma praga do trigo quase causou fome em todo o Império, ele a curou e até restaurou as plantações afetadas. Às vezes, as pessoas conseguem uma audiência com ele e a tradição diz que todos encontraram as respostas que estavam procurando.” Zoreth disse.

“Uau, seu velho parece realmente impressionante.” Bytra assobiou de admiração.

“Para encurtar a história, eles o sugam porque temem que Leegaain vá embora assim que a Imperatriz morrer ou se aposentar.” Zoreth ignorou o elogio. “Todo mundo sabe que ele veio apenas por Milea e está tentando mudar de ideia sobre o Império.”

O Dragão Empinado era uma taverna aconchegante feita de sequóia, iluminada e aquecida por pedras mágicas. A enorme lareira servia apenas para criar um ambiente descontraído, especialmente no inverno.

Era mobiliado com mesas quadradas que podiam acomodar quatro pessoas no máximo e cadeiras confortáveis acolchoadas. Os garçons se moviam entre as mesas, trazendo pratos e bebidas da cozinha.

Havia um balcão na parede leste com várias banquetas de bar e era reservado para os bebedores pesados.

Peles de animais e representações de dragões decoravam as paredes. Uma lei não escrita do Império afirmava que todas as reproduções do Dragão deveriam representar uma única escala ou o corpo inteiro.

Montar a cabeça de um dragão em uma parede, mesmo que falsa, foi o suficiente para que o responsável fosse linchado por uma multidão enfurecida.

“Então, o que está fazendo aqui, exatamente?” Bytra perguntou depois que um garçom fofo entregou seu ensopado e uma cerveja vermelha junto com uma piscadela. “Quero dizer, podemos matar alguns chefes da máfia, mas isso só criaria um vácuo de poder e guerras territoriais.

“Claro, isso criaria uma oportunidade de esvaziar seus cofres e sair impune, mas um grande tesouro só é bom para quem quer se estabelecer, enquanto precisamos de um fluxo constante de dinheiro.”

“Às vezes me pergunto como você sobreviveu tanto tempo.” Zoreth suspirou. “É claro que não estamos aqui para bancar o carrasco. As pessoas não se submetem a você só porque você as encara e não podemos permanecer em Palaron para cuidar dos negócios.

“O Mestre já fez contato com os locais e montou um parlay para nós. Como eu disse antes, estamos aqui para facilitar uma tomada hostil.”

“Significado?” Bytra estava confusa. Ela convidou uma garçonete para que seu parceiro também fosse servido.

“Mercados negros e rotas ilegais exigem que magos poderosos sejam estabelecidos, caso contrário, é impossível evitar as medidas de segurança do Império. Este não é o Reino Griffon, nobres não existem e nenhum título é hereditário.” Zoreth disse.

“No Império, os magos são tão conceituados que o crime paga bem menos do que ser um funcionário público, então subornar é quase impossível. Sem mencionar que a punição por traição é indescritível.

“Portanto, como não há magos desonestos, o submundo de Palaron dependia das Cortes de Mortos-Vivos. Após a invasão de Jiera e a revolta de Veeza, no entanto, o Império está vasculhando seus territórios em busca de mortos-vivos e até mesmo os criminosos não confiam neles.

Picture of Olá, eu sou o Dogone!

Olá, eu sou o Dogone!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥