Selecione o tipo de erro abaixo

Lith usou o Revigoramento em uma pintura para estudar seu pseudo núcleo e descobriu que tinha controles muito simples.

“Honestamente, espero que as pinturas não sejam portas dimensionais. Se você estiver certo, podemos ser cercados a qualquer minuto. Além disso, não temos ideia de quantas vezes essas coisas podem ser usadas.

“Se entrarmos muito fundo e descobrirmos que seu pseudo núcleo foi gasto em nosso caminho de volta, não teríamos como sair de Huryole. ‘ Solus pensou enquanto mantinha seu sentido de mana ativo.

Lith estremeceu ao perceber o quão tolo era seu desejo. Felizmente, a magia dimensional dentro das pinturas não tinha a intenção de ser um meio de transporte. Ao imprimir as pinturas com mana, Lith poderia explorar apenas as salas que eles representavam, ampliando e reduzindo à vontade.

‘Esta é uma espécie de sala de controle de câmeras.’ Ele pensou. Depois de mexer nos controles por um tempo, Lith descobriu que a função de diminuir o zoom permitia que ele visse onde ficava cada sala em Huryole e as direções para onde ela levava.

– Foi assim que aqueles caras conseguiram sair tão rápido. Solus o apontou para uma pintura que retratava outro corredor cheio de telas de vigilância.

Algumas das imagens foram organizadas de forma a formar um caminho que levasse para fora.

‘A boa notícia é que podemos seguir o exemplo deles e nos movermos mais rápido, a má notícia é que quem tropeçar naquele corredor encontrará uma saída e bagunçará nosso plano.’ Lith estava ampliando todas as imagens de vigilância na sala para ver se alguma delas levava à Forja ou ao laboratório de Alquimia.

Infelizmente para ele, a maioria das áreas representadas estava desconectada entre eles, então não lhe deram nenhuma pista para onde ir e ganhar a sorte grande.

‘Meu conselho é seguir o caminho dos mortos-vivos. Isso nos permitirá avançar rapidamente e nos livrar de todos aqueles que podem bloquear nosso caminho de volta. Dois pássaros com uma pedra.’ Solus sugeriu.

Lith assentiu e estudou brevemente todas as pinturas antes de sair. Ele permaneceu em cada quarto apenas o tempo suficiente para dar a Solus tempo para escanear tudo com senso de mana por relíquias valiosas.

Não importa quantas vezes ele o visitasse, Huryole sempre era assustador. O lugar lembrava a Lith da academia a tal ponto que ele quase podia ver os alunos sentados nas salas de aula, praticando magia nos laboratórios e intimidando os fracos nos banheiros.

No entanto, tudo estava vazio e silencioso até que não fosse mais. Por alguma razão, todas as portas permaneceriam fechadas até que alguém as abrisse e cada quarto fosse à prova de som. Os inimigos viriam a qualquer momento de qualquer direção sem aviso prévio.

Lith saiu do banheiro e entrou no Jardim da Loucura. Ele já tinha estado lá no passado, mas desta vez ele sabia para onde ir a seguir. A área do jardim era uma das maiores que ele já conheceu, com tantas portas que até Solus precisava de um mapa para não se perder.

Eles se estendiam por várias centenas de metros, cobrindo uma área tão grande quanto uma pequena aldeia. Foi também um dos lugares mais perigosos da academia perdida. Uma área verde significava plantas, que por sua vez significavam comida, e comida era um luxo inestimável dentro de Huryole.

Aqueles que alcançaram os Jardins nunca partiriam até serem mortos e reagiriam a qualquer intruso com extremo preconceito. No entanto, o lugar não tinha recebido o nome pela violência que causou, tanto quanto pelo que aconteceu quando um dos proprietários ficou com a barriga cheia por um tempo.

Finalmente livres de sua fome, humanos, bestas mágicas e mortos-vivos seriam dilacerados entre a necessidade de companhia e o medo de perder o que tinham. Lith os testemunhou várias vezes chorando como bebês enquanto se abraçavam, faziam sexo ou até se comiam vivos.

Apenas alguns viveriam o suficiente para perceber que haviam acabado de trocar um inferno por outro e retomariam sua busca pela saída. Todos os outros permaneceriam com a mente e o corpo presos nos Jardins da Loucura.

Lith usou a magia do ar para flutuar a alguns centímetros do solo e a magia das trevas para cancelar seu cheiro. Sua armadura Skinwalker mudava suas cores de acordo com o ambiente, tornando Lith quase invisível.

Enquanto se movia pelos Jardins, Lith deixou várias bombas escondidas dentro de pequenas bolsas, caso precisasse recuar rapidamente e não tivesse tempo para sutileza ou violência.

A próxima sala era uma biblioteca de sete andares, cheia de livros até a borda.

‘Pena que não podemos usar as Sentinelas da torre para verificar seus títulos, nem podemos simplesmente armazená-los dentro de nossa dimensão de bolso.’ Lith suspirou interiormente com a ideia do tesouro de conhecimento que estava deixando para trás.

– Levaria horas de qualquer maneira. Solus respondeu. ‘Este lugar deve pertencer a uma época em que os itens dimensionais não eram comuns. Desloque um livro mesmo que seja uma vez e estará perdido para sempre.

Ela folheou os títulos dos tomos que encontraram no caminho, mas eles eram triviais ou sem sentido. Como “Noções básicas de autodefesa” ou “Como cozinhar seu vizinho”. Se os Jardins se estendiam horizontalmente, a biblioteca se estendia verticalmente, como uma torre composta de estantes.

Lith ficou surpreso por não encontrar ninguém no caminho e acreditou que, pela primeira vez, a sorte estava sorrindo para ele. No entanto, a verdade era muito pior. Mortos-vivos eram os únicos capazes de construir uma aliança duradoura entre si simplesmente porque não podiam se alimentar uns dos outros.

Em vez disso, bestas imperadoras, humanos e plantas dariam as boas-vindas a seus próprios parentes como se fossem cheeseburgers fumegantes. Culpa era uma palavra sem sentido em Huryole, pois a vítima renasceria em poucas horas.

Depois de viver dentro da academia perdida por alguns dias, o único sentimento que importava era a fome.

“Parabéns.” Disse uma voz masculina quando Lith chegou ao fim do caminho conhecido.

“Você ligou para o escritório do diretor e ganhou seu lugar na Academia Arthan.”

Lith não tinha ideia se ficava mais assustado com a pessoa à sua frente falando a linguagem comum moderna ou por ouvir o nome do Rei Louco falado com deferência em vez de rancor.

O homem na frente de Lith usava uma ampla túnica dourada de mago e tinha cerca de 1,60 metros de altura. Ele parecia estar na casa dos cinquenta e poucos anos, tinha longos cabelos castanhos e barba com listras vermelhas por toda parte.

“Como você fala minha língua e do que diabos você está falando?” Lith disse enquanto fingia estar com medo.

“Solus, análise.” Ele realmente pensou enquanto usava a conversa para tecer seus melhores feitiços.

‘Quem quer que seja esse cara, ele tem um núcleo de mana violeta brilhante e uma força vital, então ele é humano. Ainda assim, ele compartilha a mesma assinatura energética de Huryole, então, infelizmente, estamos conversando com o hospedeiro do Legado Vivo que controla o lugar.

– Tenha muito cuidado. Se ele for como eu, você está falando com a besta a quem pertence o ventre em que você está. Solus preparou alguns feitiços enquanto tentava entender se o objeto amaldiçoado tinha alguma fraqueza que ela pudesse explorar.

“Muitas pessoas chegam à nossa instituição todos os anos e não importa quanto tempo fiquem, elas falam, falam e falam. Eu tinha todo o tempo que precisava para ouvir e acompanhar o mundo exterior.” A um aceno do homem aparentemente amigável, um holograma de Lith conversando com o general Vorgh apareceu no meio da sala.

Picture of Olá, eu sou o Dogone!

Olá, eu sou o Dogone!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥