Selecione o tipo de erro abaixo

Por mais que Lith tentasse se conter, sua mente continuava voltando no tempo, para aquela noite terrível. Então, um dos invasores percebeu o colar de ouro de Elina e conduziu seu cavalo enquanto estendia a mão para arrancá-lo.

Infelizmente para ele, Elina pegou Aran para se certificar de que ele não fugisse em pânico e estava segurando a criança nos braços. Tudo o que Lith pôde ver foi uma mão apontada para o pescoço de sua mãe e um carro correndo contra seu irmão mais novo.

A sombra de Lith ganhou vida quando ele piscou na frente do bandido com Guerra entre as mãos, enquanto a lâmina furiosa ainda estava envolta em chamas esmeralda de sua invocação.

Um único golpe foi tudo que Lith precisou para abater o cavalo e seu cavaleiro. Eles não derramaram uma gota de sangue graças ao fogo e às trevas que percorriam a Guerra. Os cadáveres se transformaram em uma névoa fina antes mesmo de tocar o solo como se nunca tivessem existido.

Ao mesmo tempo, a obscuridade em torno de Lith se espalhou como um sol negro e infectou com espírito e magia negra todas as outras sombras que tocou. Não importa se eles pertenceram a um poste de luz, um prédio ou uma pessoa, todas as sombras se juntaram e envolveram a área.

“Feche os olhos deles! Eles não devem ver isso.” Isso foi tudo que Lith conseguiu dizer antes de piscar novamente.

Para os invasores, era como se estivessem sob o ataque de um exército inteiro. Lith parecia estar em todos os lugares ao mesmo tempo, atacando sem qualquer aviso e matando muitos com apenas um golpe de sua lâmina ou mão.

A escuridão tornava impossível ver além de alguns metros, então os invasores diminuíram a velocidade e se reagruparam para não deixar nenhum ponto cego. Seus cavalos eram bem treinados e tinham visto magia o suficiente para não entrar em pânico.

Manter a cabeça fria enquanto assumia uma formação perfeita não os poupou de seu destino. Foram os cavalos, não os homens que formaram o círculo, que deixaram bastante espaço atrás deles para que Lith aparecesse e os decapitasse todos de uma vez com um movimento circular de sua lâmina.

“Lá!” Uma mulher de trinta e poucos anos apontou para Lith com sua varinha, liberando uma torrente de raios de nível três.

Seus camaradas seguiram seu exemplo, evocando uma tempestade violenta antes que Guerra ainda tivesse que cortar o último pescoço. Para prosperar na dureza do norte. violência e bravata não eram suficientes.

Até os bandidos eram bem treinados e equipados.

Lith tentou e falhou em ativar a Dominância. Os raios eram muitos e rápidos para sua técnica amadora. Mesmo seu núcleo azul junto com seu domínio sobre a magia do ar não era suficiente para controlar tantos feitiços poderosos ao mesmo tempo.

No entanto, ele não estava sozinho.

A lâmina furiosa tentou apoiar a Dominação de seu mestre, mas não tendo ideia de como a habilidade funcionava, a espada também falhou. Mesmo assim, Guerra captou as intenções de Lith e ativou a habilidade do Mundo dos espelhos que Orion havia infundido na lâmina após aperfeiçoar o encantamento.

Esse feitiço foi impulsionado pela força de vontade de Lith e Guerra, permitindo-lhe absorver a tempestade dentro da lâmina por uma fração de segundo antes de enviá-la de volta contra seus lançadores após reforçar os feitiços com a mana de Lith.

Cada raio agora era tão poderoso que matava seu alvo, apesar dos invasores usarem proteções encantadas.

Os saqueadores restantes não conseguiam ver nada, mas ainda podiam ouvir os gritos de morte e reconhecer as vozes familiares. Além disso, cada um deles sabia o que significava o cheiro de ozônio misturado ao de churrasco.

“Nós fomos armados! Jambel tem magos. Recuar! Nós devemos …” O homem que liderava o ataque congelou de horror quando sua própria sombra cobriu sua boca com uma mão enquanto o sufocava com a outra.

O choque de ver seu próprio rosto se contorcer em uma careta de ódio, olhando para ele através dos buracos brancos que substituíram seus olhos, o tornou incapaz de resistir. Vendo a massa negra atacando seu líder, os invasores pensaram que era um morto-vivo.

Eles se lançaram na sombra, apenas para matar seu camarada.

“O que diabos é essa coisa?” Uma mulher perguntou ao perceber que seu machado não encontrou resistência ao passar pela sombra viva.

Seu horror se transformou em desespero quando mãos negras emergiram do solo, arrastando os cavalos e seus cavaleiros enquanto sugavam sua força vital. Só então eles notaram os olhos brancos pertencentes ao exército invisível que os cercava.

Quando o sol voltou, não havia mais vestígios dos invasores. Até mesmo o jovem entre os braços de seu irmão mais velho estava tão em forma como um violino.

“Você está bem?” Lith voltou ao lado de sua família enquanto sua raiva fazia as nuvens cobrirem o céu e baixava a temperatura em vários graus.

“Sim.” Raaz assentiu, meio assustado e meio orgulhoso de seu filho.

Para a maioria deles, foi a primeira vez que o viu como um lutador em vez de um Curandeiro. Eles haviam ouvido as histórias de Lith sobre suas lutas, mas nem mesmo os hologramas os haviam preparado para a brutalidade que um único golpe de guerra provocava.

Aran e Leria ainda choravam, enquanto os trigêmeos haviam dormido durante os acontecimentos como se nada tivesse acontecido.

“Traga-os para casa e proteja-os até meu retorno. Já vi esse esquema no passado. Metade dos bandidos atinge o alvo, enquanto a outra metade mantém os portões da cidade abertos.” Lith disse a Tista e Nalrond antes de se desviar para a entrada de Jambel.

As ruas estavam em chamas porque os saqueadores colocaram tudo em chamas para forçar a milícia a dividir o foco. Entre as casas em chamas, os cidadãos feridos e os inimigos lutando pelo controle das paredes, o Barão Wyalon estava com as mãos ocupadas.

Lith apareceu acima dos portões, entendendo o que acontecera à primeira vista. A primeira onda se disfarçou como mercadores e derrubou os porteiros enquanto o resto de suas forças saíam correndo de seu esconderijo.

A julgar pela rapidez e eficiência que eram, os invasores prepararam cuidadosamente o assalto, aprendendo a rotina dos guardas e esperando o momento em que a segurança fosse mais relaxada, meio-dia.

Muitas cidades se acostumaram a lutar principalmente contra mortos-vivos, e com o sol brilhando acima de suas cabeças, os guardas se sentiram muito confiantes.

Lith reconheceu muitos dos soldados caídos. Alguns eram parentes daqueles que ele curou, outros ele mesmo curou. Ele começou a respirar regularmente, conjurando com Revigoramento um pilar de luz azul que conectava o solo com as nuvens de tempestade.

A cada respiração que ele dava, a tempestade ficava mais forte. Com cada respiração que ele dava, ele separava aliados de inimigos.

“Mjolnir!”

Lith ergueu as mãos e um raio natural o atingiu. Ele percorreu seu corpo, sem causar nenhum dano, pois foi dividido em incontáveis raios que atingiram suas marcas com precisão cirúrgica.

A corrente formou um maremoto que varreu o solo e atingiu até mesmo aqueles que ainda lutavam dentro das muralhas da cidade. No entanto, apenas os invasores morreram. A batalha e o trovão terminaram em uníssono.

Lith abaixou os braços, fazendo as nuvens desaparecerem junto com a mana que as controlava. Ele desceu lentamente, precisando apenas de um aceno de suas mãos para apagar o fogo e resgatar aqueles que permaneceram presos em suas próprias casas até aquele momento.

“Você viu isso, filho?” Barão Wyalon disse a Kotu enquanto eles prestavam primeiros socorros aos feridos. “É por isso que não há necessidade de orações. Você não precisa olhar para o céu para ver os deuses. Eles já andam entre nós.”

Picture of Olá, eu sou o Dogone!

Olá, eu sou o Dogone!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥