Capítulo 47 – As Dificuldades de Um Vírus

Transmigrado como um Vírus

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

 

Capítulo 47 – As Dificuldades de Um Vírus

Tradutor: Otakinho

 

Um pouco mais de um minuto se passou desde que comecei a procurar por Elena, quando cheguei em um local que havia sido bloqueado por um líquido vermelho e viscoso.

Sua textura gelatinosa se contorceu calmamente enquanto aumentava de tamanho para bloquear o caminho.

Dentro do gosma da criatura, algo semelhante a uma bola de boliche flutuou.

Suspirando, eu levantei meu machado de batalha.

(Essa coisa veio do nada…)

[Detecção de Perigo II] e [Detecção de Presença I] ativaram-se e avisaram-me.

Eu já tinha visto algo com uma aparência semelhante antes.

Mesmo que o tamanho fosse diferente, este Slime era igual ao que eu encontrei na floresta.

Aquele objeto parecido com uma bola de boliche dentro seria o núcleo.

Afinal de contas, esses eram os níveis mais baixos da masmorra, demônios adequadamente fortes começariam a sair.

Enquanto eu pensava nisso, o Slime disparou um ácido poderoso como uma saudação para mim.

Isso me lembrou de uma pistola d’água; enfrentá-lo de frente pode ser fatal.

Determinando a trajetória do ácido, corri para frente com meu escudo levantado e postura abaixada.

Manter distância me forçaria a uma batalha defensiva e eu não tinha a opção de perder tempo.

Eu iria avançar, não importava o custo.

Enquanto corria, um ácido forte atingiu meu escudo e membros, criando uma fumaça branca enquanto eu sentia uma dor ardente.

Evitei lidar com isso quando o [Supressão de Dano II] entrou em ação.

A quantidade de dano causado era facilmente lidada com [Regeneração I], além disso, eu precisava estar na ofensiva de novo.

Sem parar, me aproximei enquanto manipulava mana no machado de batalha por meio dos sintomas [Manipulação Mágica I] e [Controle Mágico I].

O maçante machado de batalha cinza começou a brilhar fracamente.

Eu já conhecia a fraqueza do Slime, foi algo que tive que aprender na floresta.

Esse conhecimento provavelmente serviria em variantes mais fortes também.

Saltando da posição, eu mergulhei em direção ao Slime enquanto balançava o machado de batalha.

Durante isso, certifiquei-me de espalhar o vírus.

> Característica Adquirida [Resistência ao Ácido I]

> Característica Adquirida [Manipulação Física II]

> Sintoma Adquirido [Regeneração II]

> Sintoma Adquirido [Resistência a Condições Anormais II]

> Sintoma Adquirido [Secreção Ácida II]

No momento em que os sintomas apareceram, o Slime explodiu, espalhando-se por toda parte.

Ele não fez nenhum movimento e caiu em uma poça de gosma.

Aparentemente, um único ataque com carga mágica destruiu seu núcleo.

Fiquei surpreso com a facilidade com que foi, embora provavelmente tenha sido causado pelos buffs extremos de força física que eu tinha em mim mesmo.

Apesar de me expor a uma grande quantidade de ácido, o dano que sofri na verdade foi insignificante.

O ácido derreteu até o osso, mas [Cura II], [Regeneração II] e [Regeneração Natural I] já haviam iniciado o processo de cura.

Além disso, eu estava grato por [Força de Vontade I] e [Vitalidade I] por me permitirem suportar a dor, se não fosse por eles, eu poderia não ter sido capaz de realmente resistir ao ataque de ácido e, potencialmente, poderia ter morrido.

A [Sorte I] que recebi de Elena também ajudou bastante.

Embora meu equipamento tenha derretido efetivamente em nada.

A armadura de couro que eu usava tinha sido danificada além do reparo, o machado de batalha que eu tinha infundido com poder mágico agora estava quebrado e meu escudo de madeira estava arruinado.

Jogando todos eles fora, aliviei meu fardo.

Eu precisava de uma nova armadura.

Eu tinha muito poucas armas restantes e minha armadura havia sumido, deixando apenas tecidos finos na parte inferior e superior do meu corpo.

Explorar a masmorra em tal estado não seria uma boa ideia, então seria bom que um Demônio pudesse convenientemente passar por ali.

Ao ter esses pensamentos, senti uma forte presença atrás de mim, no fundo do corredor.

Naquele momento, uma massa de luz azul entrou em meu campo de visão.

Foi uma chama que assumiu uma forma Humanoide que apareceu quando olhei para o caminho.

(Puxa, acho que tudo é possível em um mundo de fantasia…!)

A Chama Humanoide começou a cuspir chamas assim que me encontrou, mostrando o quão pacífico pretendia ser.

Eu duvidava que estivesse aqui para virarmos amigos.

Embora eu não soubesse o que era, provavelmente era um demônio de algum tipo.

Esquivando-me das chamas que se aproximavam, empurrei o fogo com a lança do Homem-Lagarto.

A ponta da lança perfurou a Chama Humanoide, mas parecia não ter causado nenhum dano.

A mesma coisa aconteceu quando eu balancei de lado também.

(Que problemático, é o tipo de inimigo contra o qual os ataques físicos não funcionam.)

Jogando de lado a lança queimada e quebrada, desembainhei minha faca.

Dando um passo para trás, evitei as chamas que tinham chegado perto.

Adivinhando, um ataque cheio de poder mágico seria o mais eficaz contra ele, na mesma linha dos Esqueletos e Slimes, a Chama Humanoide parecia seguir esse tipo de padrão.

Enquanto eu infundia minha faca com energia mágica, eu a joguei.

A faca voou diretamente para a cabeça da Chama Humanoide, mas desta vez, ela não penetrou.

A Chama Humanoide gritou, agarrando sua cabeça enquanto se deformava.

Eventualmente, as chamas diminuíram cada vez mais, eventualmente desaparecendo sem nenhum sinal de reviver.

Na minha pressa, esqueci de infectar o vírus de maneira adequada.

Não, o próprio monstro parecia realmente ter queimado o vírus com suas chamas.

Talvez o vírus não conseguisse lidar com grandes quantidades de calor.

Embora possa ter sido possível infectar o Demônio com várias tentativas, era algo que eu deveria tentar apenas depois de salvar Elena

Eu ponderei enquanto inspecionava minhas roupas chamuscadas.

Elena tinha me dito que ela não tinha nenhum talento mágico, então em um ambiente tão hostil ela só tinha acesso a ataques físicos com sua espada.

Naquele momento, ouvi um rugido e um grito de mulher ecoando à distância.

À medida que aguçava meus sentidos, fui capaz de avaliar a direção geral do ruído.

Eu não sabia se era a voz de Elena, mas não podia ignorar.

Eu precisaria ir e dar uma olhada de qualquer maneira.

Aviso do Autor:

Otakinho

Otakinho

Boa Leitura S2 S2
Rolar para o topo