Capítulo 20: Memórias do Passado

Um Monstro Voraz

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Capítulo 20: Memórias do Passado

Tradutor: Asu | Editor: Asu

Para escapar da armadilha que eles planejaram, preciso quebrar uma das verificações de segurança. Para isso eu tenho múltiplas escolhas, mas o mais possível é incapacitar os guardas ou removê-los. A primeira solução pode ser feita se eu pudesse envenená-los, mas o problema é que sua comida e água são vigiadas durante todo o dia e até durante toda a noite. Não é como o açougueiro que está dormindo durante a noite.

Falando do açougueiro, ele realmente tem uma vida pobre. Minha ação misteriosamente o transformou em inimigo público. Todas as coisas terríveis que fiz estão nas costas dele. Os pássaros e o orfanato são agora um assassinato em massa cometido por um seguidor demoníaco. O açougueiro, que muitos achavam respeitável, era na verdade um louco. Ele primeiro testa seu veneno no pássaro e depois de ver o efeito, decide destruir o orfanato. Vendo medo e preocupações se espalhando pela cidade, ele decide vender uma carne infectada para trazer ainda mais caos. Ouvi dizer que ele foi rapidamente executado pela manhã e que agora a população está segura. Mas, enquanto os plebeus estão no escuro, ainda vejo muitos guardas e padres.

Isso significa que é um árdil para deixar a população calma enquanto mantém uma pressão sobre mim. Não esperava que o prefeito fosse tão cruel e esperto. Preciso ter muito cuidado com aquele homem. Ouvi dizer que os magos e os alquimistas, para evitar qualquer problema, trouxeram a cura do veneno do açougueiro. Embora fosse inesperado, eu estava no início confuso. Será que eles realmente conseguiram criar uma cura tão rapidamente? Mas aparentemente, o comerciante local e nobres tinham ido a uma reunião na Prefeitura onde tinham visto o veneno dentro de uma garrafa. E o efeito da cura foi suficiente para fazer toda a ameaça desaparecer. Isso é outra coisa que eu tenho que tomar cuidado. Mas enquanto curaram meu veneno, aquele era muito mais fraco que o que tenho agora.

A eficiência dos poderes dentro de Ronta é muito assustadora. Eu pensei que eles seriam impotentes, mas eu tenho que reajustar meu plano. A única coisa boa é que, dentro dos esgotos, eu posso ouvir com segurança a conversa e ouvir as últimas notícias. Eles não têm como me impedir de saber tudo o que eles tornaram público. Mas, para as coisas mantidas no escuro, eu só posso pensar sobre isso e me preparar de acordo com minhas estimativas. Isso significa que a segurança em cada saída de Ronta será muito melhorada. Preciso fazer um pânico geral para permitir minha fuga na confusão ou criar um incidente tão grande, tão grande, que os guardas serão mobilizados e eu possa avançar com uma luta em potencial. Se o meu « Criar Veneno Nível 8 » tocar em um guarda, ele está morto.

Agora, qual é o alvo que eu posso escolher? O castelo? Preciso alcançar o prefeito para ser eficaz e como ele parece muito inteligente, ele não se moverá sem uma proteção sólida. A Igreja? Aquele maldito padre deve ser capaz de curar meu veneno rapidamente. Para a Torre dos Magos é a mesma coisa, esses alquimistas parecem realmente brilhantes, inventando uma cura tão rapidamente. Talvez fosse falso, mas eles ainda conseguiram identificar tudo o que eu fiz. Sobra a Guilda dos Aventureiros. Mas o número de pessoas entrando e saindo é muito importante. E suas habilidades são desconhecidas, talvez eles pudessem sentir minha presença graças aos espíritos ou os ladrões e patrulheiros vão me ver. Mas se eu conseguir criar o caos dentro do prédio deles, todos fugirão mais rápido do que um rato deixa um barco afundando.

Então eu preciso acertá-los com força. Vamos primeiro esperar a noite e chegar a um bom ponto de observação nas proximidades. Preciso envenenar uma pessoa importante, não necessariamente o Mestre da Guilda, já que ele deveria ser o mais forte dentro. Mas pelo menos um dos intendentes ou o recepcionista. O rosto que todo aventureiro vê todos os dias, a pessoa com quem ri, chora ou briga. Agora só preciso esperar.

Durante dois dias, notei um padrão. Pouco antes da meia-noite, um jovem entra no prédio e um anão vai ao restaurante local e depois volta para a Guilda. Estranho, eu pensei que todos os anões tinham barbas grandes, então por que ele não tem uma. Talvez estivéssemos errados na Terra, anões nem sempre protegem a barba como se fosse seu ancestral. Então, ao meio-dia, é a vez do jovem deixar a Guilda, ele então come em um bar próximo e vai para uma pousada, visivelmente bêbado. Isso significa que há pelo menos duas pessoas se revesando para garantir o serviço dentro da Guilda. E o jovem toda noite traz uma garrafa com ele, uma garrafa que ele comprou em algo chamado ‘Escudo e Espada’. Preciso saber se ele compra a mesma coisa todas as vezes ou se gosta de mudar a bebida.

Ele só compra uma bebida chamada ‘Vinho da Costa Verde’. Eu teria chamado de vodca se fosse na Terra porque tem um alto teor alcoólico. Ou as pessoas da Costa Verde estão acostumadas com esse tipo de bebida. Mas já que ele compra a mesma coisa todas as noites, posso alveja-lo. Logo após sua morte, os aventureiros entrarão em pânico e tentarão deixar a cidade. A Guilda é a mais próxima do Portão Norte, então eu deveria sair pelo Portão Sul. Não posso subestimar a reação do prefeito. Meu único problema é o fato de que o ‘Escudo e Espada’ nunca fecha. Minha missão será difícil, mas quem notará um pequeno rato.

Aqueles prédios feitos de madeira são todos iguais. A cada nível eu sou mais rápido para cavar um buraco. Parece que estou no depósito. Agora preciso procurar minha bebida. Passo muito tempo antes de finalmente encontrar 8 garrafas. Já que não sei qual delas será pega, enveneno cada uma delas. Então eu destruo ligeiramente uma parte dos rótulos onde o nome estava escrito em cada garrafa. Assim, quando o jovem sair deste prédio, saberei se ele pegou uma das minhas garrafas. Isso me permitirá fugir da cena do meu futuro crime.

Logo quando finalmente chego ao meu esconderijo, vejo o ignorante saindo e, em sua mão, sua futura morte. Chegou a hora de deixar Ronta para sempre.

(Bem, pelo menos ele não poderia saber que foi envenenado. Não como o outro humano que comprou carne azul. Há um orfanato dizimado, um bando de pássaros caindo dos céus e sua melhor ideia era comprar uma carne azul. De qualquer forma, será que ele sobrevive? Quero dizer, ele está trabalhando na Guilda dos aventureiros, as chances de sobreviver com todas as poções locais e padre são bastante altas.)

Cantarolando, Martin estava chegando ao seu posto quando ouviu atrás dele a visão de Audrea. Ele já pode ouvir reclamações sobre a garrafa na mão.

“O que foi Audrea? Quer provar aquele Vinho da Costa Verde de novo? Lembro-me do rosto que você fez naquela época.”

“Oh cale-se Martin, você tem sorte que o pai não te demitiu por estar bêbado.”

A anã estava claramente chateada com essa memória. É verdade que um anão é altamente resistente ao álcool, mas esse vinho é o produto de um demônio. Ela desmaiou bebendo metade da garrafa.

“E eu não estou bêbado, eu precisaria beber a garrafa toda para isso. Eu só tomo um pequeno gole de vez em quando, para me fazer ficar acordado. É difícil esperar pacientemente que algo aconteça, especialmente perto do amanhecer.”

“Então você já vai beber? Agora?”

“Por que não?”

E logo depois de dizer isso, Martin começa a abrir a garrafa e bebe um terço de seu conteúdo. Mas, logo após o terceiro gole, ele cospe tudo na cara de Audrea. Que grita.

“Por Thorall, você realmente precisa fazer isso? Tenho que me lavar agora. Martin? Ei, Martin?”

Ele não podia responder às perguntas dela, porque o veneno já o silenciou. Ele estava tremendo e tentando salvar Audrea, avisando-a. Mas ele só podia vê-la ficar perto dele enquanto o veneno estava se infiltrando nos poros da anã. Em uma última tentativa antes de morrer, ele grita mais uma vez antes de se afogar em seu sangue. Aquele grito, mesmo que fosse fraco, conseguiu chegar a Lansco. Temendo o pior, o Mestre da Guilda só podia ver Martin sangrando sangue negro e o rosto assustado de sua filha que estava tremendo incontrolavelmente.

Sem esperar mais um segundo, ele rapidamente a agarrou e correu em direção à casa do Arcebispo Mathews. Na sua chegada, os guardas que tentavam bloqueá-lo foram repelidos e ele violentamente destruiu a porta. Mathews estava, naturalmente, acordado por causa de todo o barulho que o anão tinha criado. Mas só depois de ver Audrea em seu braço e seu rosto pálido vazio de vida ele percebeu o que aconteceu. Mesmo que ela estivesse morta, ele tentou todas as grandes orações, toda a bênção que ele conhecia. Ele até implorou à própria Deusa para salvar a filha do Mestre da Guilda. Mas a única coisa que ele podia ouvir como resposta era o pai chorando ao lado do corpo.

“Sinto muito, Irissa, sinto muito. Eu não deveria tê-los deixado escapar. Eu deveria ter lutado com você, Irissa. Você estava tão orgulhosa de nossa filha. Você disse que um de nós precisa ficar vivo. Deveria ter sido você. Você deveria ter renunciado às Barbas de Ferro depois do nascimento dela. Não deveria ter sido eu. Eu sinto muito. Eu sinto muito. Você confiou em mim. Desculpa.”

Tradutor:

Asu

Asu

Rolar para o topo