Capítulo 03 – A Vilã Inverte a Ampulheta – Parte III

A Vilã Inverte a Ampulheta

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

A Vilã Inverte a Ampulheta – Parte III


A alegre Aria agarrou o pedaço da ampulheta. Embora a ação tenha feito com que vários pedaços afiados cavassem sua pequena e frágil palma, não foi a dor, mas o alívio alegre que a lembrou de que estava vivendo uma segunda vida.

Gotas de sangue escarlate caíram no chão, pingando e condensando-se gradualmente. Era tanto o remorso quanto o veneno da mulher perversa que desejava vingança.

‘Eu nunca vou te perdoar.’

Lentamente, Aria abriu a mão e sorriu.

O sorriso era tão parecido com o de um santo benevolente que até o tremor de Jessie parou.

* * * * *

“Parece que Aria tem estudado muito ultimamente.”

Vários dias se passaram desde que Aria havia voltado ao passado, e o recital claro e transparente de poesia de Aria enchia a sala de jantar. Como resultado, o conde Roscent elogiou Aria pela primeira vez.

A condessa, que sorriu naturalmente, fingiu com inteligência o brilhantismo de Aria: “Ela gostava de ler vários livros durante nossa vida pobre, e é por isso que está exultante com as oportunidades de aprender.”

Uma mentira. Aria nem tinha aprendido a comer de forma limpa até os dezesseis anos. Ela nunca havia tocado na capa de um livro antes de entrar no condado, que tinha passado de forma semelhante na sua vida depois disso também.

Ela preferia brincar a ler, e vestir-se com luxo era seu prazer. Isso também acontecia porque era tudo o que ela sabia fazer.

Quando era muito jovem e ignorante, lembrava-se de como tropeçara em alguns dos poemas de que o conde gostava e os memorizara diante de seu estado de cansaço, mas quem recebera qualquer elogio sempre fora Mielle.

Era natural que Mielle, que podia recitar os poemas como canções, fosse mais elogiada que Aria, que recitava poemas mecanicamente, como um livro, como agora.

“É um famoso poema transmitido de geração em geração no condado do Conde Roscent. Foi escrito pelo primeiro conde, e foi o primeiro poema que aprendi quando tinha quatro anos. O último verso, a resposta da mulher a ‘A Mulher que Eu Amo’, não é bem conhecido, mas somente quando os dois se tornam um é que o poema está completo.”

Com a mão direita no peito, Mielle recitou o poema com calma e clareza. Havia uma sensação de satisfação nos olhos de quem a observava. A mãe de Aria, a condessa, também olhou para ela com uma expressão elogiável. Ela parecia a atriz principal que sucedeu à atriz coadjuvante otimista.

“… e vou reunir meu admirável coração e espalhar tudo em seu futuro!”

Quando ela terminou seu recital de poesia, houve uma salva de palmas na sala de jantar. Ao contrário do passado, onde ela cerrou os dentes de inveja e ciúme, Aria se juntou ao público desta vez. Com as bochechas coradas e um sorriso tímido saindo de sua boca, Mielle se tornou a verdadeira protagonista daquele dia.

Como sempre, foi uma honra que ela tirou de Aria. Uma honra que sempre voltaria para a garota nobre ao invés de ficar com a garota de origens humildes.

Pode ser que devido à presença de Aria houvesse mais elogios sendo feitos a Mielle. Seria um elogio dizer que tudo isso foi um esforço coordenado para pisar no orgulho mesquinho de uma garota estúpida, então Aria decidiu reclamar a glória que foi roubada dela.

Já que não era de Mielle para começar.

Os aplausos pararam e Aria, a atriz coadjuvante, perguntou sem perder o sorriso e a compostura: “Que belo poema, Mielle. Mas você sabe o quê?”

Essa pergunta repentina fez com que os olhos de Mielle se arregalassem.

Aria continuou gentilmente, pois era óbvio que Mielle não sabia, “O fato é que este poema foi criado pelo irmão do primeiro conde, que tentou assassiná-lo. Esta foi a razão pela qual este poema não foi famoso. Porque o primeiro conde não queria que o poema se espalhasse.”

Essa foi a razão pela qual Aria decidiu não memorizá-lo, porque ela queria adicionar essa informação… mas ela decidiu testar sua sorte mesmo assim.

“Lembro-me de que não faz muito tempo que esse poema foi proibido, pois havia uma metáfora embutida nele desejando uma maldição para a família.”

O belo rosto de Mielle rapidamente endureceu como gelo, porque o poema que ela recitou com tanto orgulho também podia ser visto como uma maldição contra a família. Depois de alcançar sua primeira vitória, Aria teve que resistir a rolar no chão de tanto rir.

Era o completo oposto do passado.

Ela queria ser reconhecida por alguma coisa, então contratou um tutor para preparar aquele poema. Foi então que seus olhos brilharam de expectativa e ela recitou a resposta que havia muito preparara na presença do conde, que voltara depois de ter estado muito tempo fora a negócios. Mas seus olhos ficaram instantaneamente sem vida com as inúmeras críticas severas que se seguiram.

Não demorou muito depois que o conde entrou na sala que esse incidente aconteceu, e a pessoa que a criticou era ninguém menos que seu irmão, Cain.

Ele era quatro anos mais velho que Aria e tinha aprendido muito ao frequentar a academia, então ele usou esse conhecimento para pegar no pé de tudo o que Aria tentou fazer.

‘Ele deve saber de tudo isso.’

No entanto, desta vez, ele manteve a boca fechada o tempo todo, não querendo insultar sua irmã. Não, pode ser que, no passado, ele quisesse machucar Aria assim como Mielle.

Para confirmar isso, Aria apenas revirou os olhos e verificou o rosto de Cain. Ele estava olhando para Aria com a boca firmemente fixada. Agora que Mielle havia sido humilhada, parecia que ele estava infeliz com a situação.

Aria sorriu sem jeito e decidiu fingir defender Mielle, já que não queria ser abertamente odiada.

“Mielle tem apenas treze anos, então é incrível que ela tenha sido capaz de memorizar o poema inteiro.”

No entanto, o clima não diminuiu, pois estava claro que Mielle havia memorizado e recitado aquele poema agora de uma maneira bastante tola.

‘Quão embaraçoso seria para ela repreender a filha de uma prostituta rasa que nasceu e foi criada nas camadas mais baixas da sociedade sem nem mesmo saber o que Aria conhecia?’

O conde, que havia avisado a filha em vão pela primeira vez, encorajou todos a continuarem comendo enquanto ele erguia o garfo. Aria, que sorriu como uma criança para seu novo pai, pegou a carne cortada e a levou à boca.

A refeição daquele dia foi muito satisfatória.

A primeira coisa que Aria fez depois de voltar ao passado foi contratar um tutor. Ela era de origem inferior e não aprendera boas maneiras até que estava prestes a morrer. Por causa das coisas que tinha ouvido e aprendido na última década de sua vida, ela tentou usar gestos elegantes sempre que podia, mas não o fez.

Não houve necessidade disso porque ela manteve a boa aparência de sua mãe. Sua mãe roubou o coração do conde apenas com sua beleza, e era por isso que não importava o quão precipitada e imprudente ela agisse, Aria sempre teve incontáveis ​​pretendentes. Uma beleza que se embebedava apenas de olhar era essencial para uma grande festa.

Embora tivesse ouvido as críticas e vulgaridades crescentes lançadas em suas costas com o passar do tempo, ela não tinha pensado em aprender nada porque havia muitos que amavam sua aparência, então Aria não sentiu a necessidade. Ela tinha sido humilhada várias vezes em festas, mas a cada vez, um bando de homens defendeu Aria.

Pensando bem, não tinha ajudado muito. Eles haviam feito isso para ter uma noite com ela, não para amá-la ou cuidar dela. Assim como as mariposas pulando em direção a uma luz, os homens foram cativados por sua aparência, perseguindo uma fantasia que poderia queimar em um flash a qualquer momento.

No entanto, com o passar do tempo, os homens que seguiram Aria logo seguiram seus caminhos elegantes e aristocráticos e começaram a se envolver com outros em seu círculo e, finalmente, nenhum permaneceu ao lado de Aria. Claro, alguns homens que confessaram que realmente a amavam vieram à mente, mas ela não sabia se essas palavras eram verdadeiras.

‘Sim, se surgir a oportunidade, veremos o que acontece se eu testar esses idiotas.’


Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Rolar para o topo