Capitulo 19: Universidade (3)

O Vilão Quer Viver

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

“Onde você está? Onde você foi?”

A situação foi encerrada e, um tempo depois, ouvi uma voz jovem vinda de dentro da floresta enquanto colocava minhas facas de arremessar na minha pasta.

“Onde você está?!”

“Ela montou uma bengala[1]Estou confuso nessa parte, não sei se mandou a Ifren com uma bengala ou outro metal e voou para longe, presidente.”

“Huh!”

Seus olhos se arregalaram quando ela percebeu o diabo com um buraco na cabeça.

“Você já fez isso!”

“…”

Tentei limpar o sangue do meu rosto com Clean, mas o mana no sangue resistiu à minha magia. Não tive escolha a não ser enxugá-lo com um lenço e jogá-lo fora.

“Como esperado de um mago de Yukline! Você acabou de matar um demônio! Que magia você usou? Ah! O metal parecia ter penetrado essa parte dele… isso é, por acaso, causado pelo [Tempestade de Espadas Furadoras[2]nome ridículo esse] que eu criei?!”

“Que nome infantil.”

Minha voz soou inconscientemente aguda, fazendo com que o presidente jogasse a cabeça para trás, surpresa.

“O, o quê? Todo mundo disse que era bom! ”

“Quem você pensa que ousaria dizer uma verdade tão dolorosa ao presidente?”

Eu me virei após dizer isso. Eu a ouvi murmurar em resposta.

“S-sério? Isso realmente não é bom? ”

“Sim.”

“Ah…”

Ela ficou taciturna. Seu hábito de fingir ser imatura me deixou desconfortável, mas o que aconteceu depois disso foi uma cena cheia de sangue. O presidente pegou o corpo do demônio e jogou-o fora.

Thwaaang—!

Ele roçou meu ombro antes de cair no chão, sua carne e sangue espirrando por todo o lugar.

“O [Tempestade de Espadas Furadoras] não é um bom nome…”

O presidente murmurou indiferentemente, e eu caminhei calmamente no meio da carnificina. Graças à psicocinese, nem uma única gota de sangue conseguiu respingar em mim. Quando desci a montanha, muitos magosjá estavam reunidos em frente à torre.

Lembrei-me de Ifrin. Contra minha vontade, agi com violência demais. Peguei o mago mais próximo de mim e imediatamente perguntei sobre ela.

“Ei, deveria haver um mago estreante-”

“Professor Chefe Deculein.”

Uma voz estranha me interrompeu no meio da frase. Olhei em volta, encontrando um homem bonito com uma voz suave.

“Como você tem estado?”

Eu imediatamente o identifiquei assim que vi seu cabelo loiro dourado e terno de noivo. Ele era um indivíduo conhecido, associado à Igreja, conhecido por ser mais fiel e dedicado do que qualquer outra pessoa.

Terpe.

“Os magos nos salvaram. Eu gostaria de lhe perguntar sobre a situação interna em particular, Professor Chefe. ”

Terpe era um homem bonito e de bom coração, mas pela postura de Deculein, sua presença era bastante incômoda. Afinal, ele ajudava aqueles que guardavam rancor contra ele.

“Em vez disso, converse com o presidente. Não sei por que, mas ela explodiu seu corpo. ”

“Ah. Eu vejo.”

Assentindo, Terpe olhou para os magos com um sorriso e entrou na montanha enquanto os que estavam atrás dele olhavam para mim com medo. Eu os chamei.

“Julie, Ferit, Rondo.”

“… Sim, Sim.”

Julie respondeu com uma expressão tensa.

“O outro está bem?”

“O que? Ah, sim! Ifrin está agora no hospital universitário-”

“Bom.”

Eu me virei sem ouvir o resto, pois meu cansaço mental era bastante severo. Nunca havia desejado tanto voltar para casa como agora, mas ainda não podia ir embora. De longe, ouvi os professores me chamando enquanto corriam para o meu lado.

“Professor Chefe! Você está bem?!”

Pós-processamento, relatórios imperiais, papelada e cooperação com a Igreja… tive vontade de fugir quando me lembrei do trabalho que estava se acumulando.

#02#

Chirp, chirp, chirp, chirp—

Enquanto a luz do sol penetrava pelas janelas, Ifrin abriu os olhos ao som do canto dos pássaros.

“…”

Ela piscou sem expressão para o teto branco. Olhando em volta, ela imediatamente deduziu estar no hospital universitário.

“Você está acordada.”

Uma voz amigável fez cócegas em seus ouvidos, tão quente quanto o sol. Surpresa, Ifrin sentou-se rapidamente.

“Prazer em conhecê-la. Sou Terpe, o sacerdote da Catedral Euref. ”

“… Terpe?”

Terpe respondeu, olhando para ela com um sorriso.

“Você cresceu bastante, Ifrin Luna.”

“… Você me conhece?”

Ainda suspeitando dele, a sobrancelha dela franziu.

“Conheço seu pai. Ele era meu conhecido. Eu te vi muito nas fotos que ele me mostrou. ”

“… É assim mesmo.”

Ela naturalmente ficou na defensiva ao ouvi-lo mencionar seu pai.

“Vim aqui hoje para perguntar sobre a Montanha das Trevas, mas…” Terpe sorriu suavemente. “Eu não acredito que você entendeu direito o que aconteceu lá.”

“… É embaraçoso o suficiente, fui afetada por um feitiço mágico—”

“O professor Deculein a salvou do feitiço do diabo.”

“Oh, certo…”

“A Montanha das Trevas foi fechada enquanto a Igreja, com a Torre, investiga seu interior.”

Ifrin levou as mãos ao rosto. Como esperado, não foi um sonho. Deculein realmente a ajudou.

‘Ser lamentável.’

Sua voz fria ainda persistia em seus ouvidos.

“Mas, fora isso, gostaria de perguntar a você, filha do meu velho amigo…”

“Espere um minuto. Amigo? Meu pai?”

“Sim. Talvez tenha sido unilateral, mas sei o que ele passou. Se você precisar de ajuda—”

“Não.”

Ela balançou a cabeça sem hesitar. Terpe ficou um pouco surpreso.

“Tudo bem.”

Deculein e ela. Esse nó era algo que ela precisava desfazer sozinha. Ninguém tinha permissão para interferir em sua vingança. Ela teve que punir o próprio Deculein, pelo menos pela morte de seu pai.

“Não, eu não quero contar com você. Você também não deve se intrometer nos meus negócios, Sr. Terpe. ”

Terpe riu silenciosamente de sua determinação.

“Deixando isso de lado… você gostaria de continuar descansando?”

“O quê?”

“Hoje é quarta-feira e são 14h45. Já se passaram exatamente 36 horas desde que o incidente aconteceu. ”

Aconteceu na terça-feira à meia-noite, mas já era quarta-feira quando ela recobrou a consciência. Ifrin ponderou distraidamente, pensando que ela estava perdendo algo. Terpe a lembrou disso.

“Hoje é a aula do Professor Deculein. Claro, ninguém dirá nada se você descansar, mas o orgulhoso Professor ainda reconhecerá sua ausência… ”

“… Ah!”

Ifrin saltou de pé.

“Ms. Luna, estudar é bom, mas não se esforce demais. Você ainda está mentalmente enfraquecida.”

“Ah, sim! Tenha cuidado com o seu caminho também, Sr. Terpe! ”

“Hmm? Hahaha. Sim, obrigado. Tome cuidado.”

Ifrin deixou imediatamente o hospital universitário.

“Leve seu remédio com você!”

Ela ignorou a voz e saiu em disparada. Levaria quinze minutos para chegar à torre se corresse.

“Hoo-ha! Hoo-ha! ”

Em sua corrida desesperada, ela conseguiu chegar ao seu destino às 2:55. Sem fôlego, ela abriu a porta da Classe A no terceiro andar e, ao entrar, ficou nervosa.

“Huh?”

O lugar parecia diferente. A sala de aula era mais ampla, com cada aluno tendo uma longa mesa mágica com elementos como solo, areia, fragmentos de madeira e água colocados em cima dela.

“Ifrin! Aqui!”

Julie ergueu a mão. Assentindo, Ifrin parou ao lado dela.

“Você está bem? Fui visitar, mas você não acordou. Isto é sério?”

“Não, estou bem. Já faz um tempo que não durmo bem. ”

Ela sofria de insônia desde que seu pai se matou. Ela não dormia mais do que quatro horas por dia durante três anos, então era muito revigorante.

“Estou nas minhas melhores condições.”

“É bom ouvir isso…”

A porta principal logo se abriu e o professor Deculein entrou. Com ele estava um mago baixo que ela não conhecia.

“Prazer em conhecê-lo. Sou o Professor Assistente Allen. ”

“?!”

Todos ficaram surpresos com o anúncio repentino, especialmente Ifrin. Tornar-se um professor assistente significava que eles não precisariam mais da permissão de Deculein para voar, visto que poderiam apenas usar seu registro acumulado.

Foi por isso que Deculein nunca teve um professor assistente antes. Até seu pai trabalhou sob o comando de Deculein como um escravo até os trinta anos. Ao imaginar seu pai então, ela sentiu um puxão na nuca. Um professor assistente estava na frente de todos eles. Ele nunca teve um professor assistente antes, fazendo-a questionar por que ele decidiu encontrar um agora.

“Como eu disse na semana passada, hoje também é um momento para aprender.”

Ifrin ficou tonta por um momento, então ela beliscou a coxa para se firmar.

“Vou te dar cinco tarefas que vão permitir que você utilize minhas lições. Os resultados serão refletidos em suas notas, então leve-os a sério. ”

Então, o Professor Assistente Allen se moveu ativamente e colocou um relógio em cada mesa mágica.

“As tarefas que você vai realizar são as seguintes.”

Snap[3]estalo-!

Ele estalou o dedo. As tarefas flutuaram no ar. O primeiro foi [Fogo Fátuo], seguido por [Engolidor de Névoa] e, em seguida, [Metal Ascendente] –

“Você tem três horas. Começa.”

Os magos rapidamente aqueceram sua magia. Ifrin também rapidamente colocou a mão sobre os elementos da mesa. Em primeiro lugar, [Fogo Fátuo].

Ela rapidamente entendeu o jeito, já que era apenas uma combinação das técnicas do fogo e das propriedades do vento.

‘Não, um pouco de magia… não, não é, em vez de magia…’

O professor assistente Allen passou por ela. Ela, sem saber, olhou para ele com olhos penetrantes.

Clang—!

Naquele momento, o circuito foi desconectado e sua magia quebrada. Ela mordeu os lábios ao sentir dor no pulso. Sua pulseira estava queimando, sinalizando que algo estava errado.

“Oh, espere um minuto.”

… Ela sabia que havia feito algo errado, mas não conseguia decifrar o que era. Sua cabeça doía. Sentindo-se inquieta, ela abaixou a cabeça por um momento para se acalmar, mas…

“Verificação de tempo [Fogo Fátuo]. Quatro minutos e um segundo. ”

‘Já?!’

Ifrin olhou em volta para descobrir quem era. Sem surpresa, era Sylvia. Sylvia arrumou a mesa com [Fogo Fátuo] e já estava trabalhando na segunda tarefa. Ifrin recomeçou rapidamente, mas era difícil se concentrar.

“… Ugh!”

Foi tão estranho. Seu mana estava se movendo como ela desejava, mas com o estômago vazio, sua mente estava tremendo. Seu mana suado se espalhou. Ela calculou mal sua fórmula e seu circuito foi destruído mais uma vez. Apesar de quão duro ela praticou, não importa o quanto ela tentou, nada saiu do seu jeito. Quanto mais baixa sua confiança, mais difíceis se tornam as tarefas.

Uma voz ainda persistia em seu ouvido como um ciclo vicioso.

‘Mendiga, mendiga, mendiga, mendiga, mendiga, mendiga, mendiga, mendiga, mendiga…’

Ela não deveria se preocupar com isso. Não havia razão para pensar nisso. Afinal, não era verdade.

“Por que eu… por que diabos sou uma mendiga?”

Sem fôlego, a expressão de Ifrin refletia suas dores de cabeça. Ao desmaiar, Sylvia olhou para o lado.

“… Hmmph.”

Uma leve respiração vazou por seus lábios indiferentes. Os magos não eram insensíveis, compostos ou duros. Eles eram muito frágeis, quebradiços e não podiam nem mesmo controlar suas próprias emoções, o que os tornava nada além de perdedores vacilantes e imperfeitos. No espírito da magia, eles eram fracos e ondulados.

“Você está realmente fora da corrida agora, Ifrin.”

Sylvia chamou a atenção com seu suspiro baixo.

“… Estreante Sylvia. Vinte e cinco minutos e quinze segundos. Todas as tarefas foram concluídas. ”

Ela cumpriu as tarefas em menos de meia hora. Elementos perfeitamente combinados estavam em sua mesa, cheios de magia.

“Professor.”

Deculein se aproximou dela após o chamado de seu professor assistente e olhou os resultados de seu desempenho. Sylvia estava um pouco nervosa. Havia também uma ponta de vergonha devido ao incidente obsceno que ocorreu na última vez em que se encontraram.

“Sylvia.”

A voz de Deculein soou.

“Sim.”

Ela estava preparada para replicar. Ela não teria se inscrito para essa palestra em primeiro lugar se não fosse pela ovelha negra que a mantinha sob controle. Mas…

“Estes são perfeitos. Você pode ir.”

Em vez disso, ela recebeu um elogio inesperado. Os olhos de Sylvia ficaram maiores. Ao mesmo tempo, ela sentiu o olhar de Ifrin sobre ela. Ela olhou para ela de propósito. As mãos de Ifrin tremiam enquanto ela abaixava o olhar apressadamente. Mesmo assim, não houve progresso em suas tarefas.

“…”

— Você não precisa ficar com ciúme. Você nem mesmo precisa se preocupar, pois, é um estágio que você nunca poderá alcançar. Continue olhando para mim de baixo.

“Obrigada.”

Sylvia fez uma reverência a Deculein e saiu da sala de aula. Ao passar por Ifrin para se gabar, ela notou algo peculiar. Ifrin tremia como um cachorrinho assustado. Só então Sylvia percebeu o que estava sentindo. Excitação.

Como a mendiga desmaiou foi tão revigorante que ela não aguentou.

#02#

“Julie, você pode ir.”

“Rehin, você pode ir.”

“Eharon, você pode ir.”

Os magos na sala de aula estavam diminuindo. De 150 a 100, 50, 25 e ainda… Ifrin havia concluído apenas uma tarefa. Não havia nenhuma dúvida sobre isso. Ela era a última no ranking agora.

“…”

Sua mente já estava em branco. Ainda assim, ela não desistiu. Com força, ela espremeu a magia. A pulseira e o mana ressoaram ferozmente, mas o [Engolidor de Névoa] não mostrou sinais de se manifestar.

Tuk— Tuk-tuk—

Ela tentou liberar qualquer mana que restasse dentro dela, mas seu corpo não conseguiu se segurar por mais tempo. Seu nariz sangrou, fazendo com que fluidos vermelho-escuros caíssem no solo esculpido em sua mesa.

“Dren, você pode ir.”

Nesse ínterim, sua voz continuou a preencher o salão.

“Lawton, você pode ir.”

Conforme as pessoas iam saindo, uma a uma, suas mãos tremiam e seus joelhos ficaram dormentes.

“Cain, você pode ir.”

Ela se sentia como se estivesse vivendo um pesadelo. Ao mesmo tempo, era uma realidade frustrante que ela não poderia passar por um sonho.

“Doian, você pode ir.”

E finalmente…

“Eurojan, você pode ir.”

“Sim!”

O último com ela passou. Ela foi deixada sozinha.

“…”

Ela não queria desistir, mas já havia acabado antes que ela pudesse continuar a luta. Ifrin baixou os braços.

Tap!

Ela então deixou cair o rosto na mesa. Suja e com manchas de sangue em seu rosto, sua mente permaneceu em branco.

Tiquetaque— tique— tique—

A sala de aula inteira estava vazia.

Tiquetaque— tique— tique—

“Professor Chefe, o tempo acabou.”

A voz do professor assistente Allen ficou turva ao fundo.

“Vou indo agora.”

“Sim. Então eu vou ficar e… ”

Ela não conseguia ouvi-los conversando. Ela nem sabia por quê. Talvez o sangue tivesse coberto seus ouvidos.

Thwang, thwang.

Ifrin bateu na mesa com a testa, o corpo cheio de vergonha. Ela se culpava por não conseguir fazer isso. Ela clamou vingança por seu pai, saiu de casa, prometendo nunca mais voltar para casa até cumprir a promessa. Agora, entretanto, ela se sentia patética por ser incapaz de completar tarefas tão simples.

Ela enterrou o nariz na mesa e chorou.

Tiquetaque— tique— tique—

A única coisa que não tinha desaparecido no mundo era o som do relógio.

Tiquetaque— tique— tique—

Quanto tempo passou dessa forma? Quanto tempo ela passou sozinha?

Tiquetaque— tique-taque—

Ifrin ergueu lentamente a cabeça. A sala de aula estava escura. A noite havia chegado.

“… Ugh.”

Ela enxugou o nariz e os olhos. Todos os tipos de lixo estavam grudados em seu rosto. Ela tentou limpar tudo com as mangas, mas só fez uma mancha ainda maior em seu rosto.

Ela estava uma bagunça total.

“Ugh…”

Ela soltou um suspiro próximo ao desespero. A palestra já havia acabado. Não, acabou há muito tempo. Mais importante, ela estragou tudo.

“… Hoo.”

Seus sentimentos de dúvida e derrota estavam prestes a explodir. Seu corpo inteiro estava pesado, tanto que ela não conseguia nem mover as pernas corretamente.

“…”

Quando Ifrin deu um passo para trás para voltar aos dormitórios, seus olhos se arregalaram enquanto ela olhava casualmente para a plataforma. Seus lábios cobertos de areia se abriram sem querer.

“Huh…?”

Ele ainda estava na mesa de aula. Como de costume, ele estava olhando para ela com uma postura ereta. Ela não percebeu que ele ficou para trás. O som de sua voz inundou seus ouvidos.

“… 5 horas e 47 minutos.”

Seus olhos azuis eram a única luz na escuridão, e dentro desses olhos, ela parecia patética e fraca.

“Ifrin Luna.”

Ainda com frio, mas ele tinha um tom completamente diferente da noite anterior. Sua voz a aqueceu. Ela não conseguia mais ouvir o chilrear do relógio.

“Por quanto tempo você vai me deixar esperando?[4]Eita, mostrou quem manda. Só faltou botar a bengala na mesa e mandar medir

Foi como se o próprio tempo tivesse parado.

Notas

Notas
1 Estou confuso nessa parte, não sei se mandou a Ifren com uma bengala ou outro metal
2 nome ridículo esse
3 estalo
4 Eita, mostrou quem manda. Só faltou botar a bengala na mesa e mandar medir

Aviso do Tradutor:

Croollly

Rolar para o topo