Capítulo 45: Hadekain (3)

O Vilão Quer Viver

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Bem diante dos olhos de Charlotte, os assassinos explodiram em fragmentos enquanto o aço de Deculein girava mais de dezenas de vezes por segundo, esmagando a área e jogando carne humana ao redor.

O resultado foi o mais desastroso possível.

Charlotte cobriu os olhos de Maho com a mão e puxou-a para perto quando ela tentou se afastar.

“Vamos, por quê?”

“Você não deveria ver isso, princesa.”

A situação ainda era terrível.

Alguns de seus inimigos escaparam de seu ataque com segurança, e o ‘deanant’, o mais perigoso de todos, ainda nem havia aparecido.

“…”

Charlotte levantou sua espada, embora segurá-la sozinha causasse dor em seu ombro direito devido a um ferimento que ela escondeu da princesa.

“Charlotte”, Deculein chamou. Ele os estava observando, segurando sua bengala.

“Vá embora com a princesa. Eu seguirei. Se você ficar aqui muito tempo, a princesa também será colocada em perigo.”

“… Você realmente acha que pode lidar com eles sozinho?”

“Saia.”

Charlotte hesitou, mas acabou concordando. Eles não estavam em uma situação em que ela pudesse insistir em lutar juntos.

Ela ergueu Maho quando um de seus subordinados os alcançou, que deveria servir de escolta.

“Capitã. Permita-me ficar para trás e ajudar o Professor”, Roen propôs.

“… OK.”

Quando Charlotte se virou com Maho, ela finalmente sentiu claramente o aumento da energia demoníaca. Não muito longe deles, o deanant lentamente apareceu.

Embora em forma humana, sua silhueta era fraca como o pôr do sol.

Isto é uma variante de demônios e fantasmas que se fundiram. O que dificultava lutar era seu físico sólido imbuído de propriedades líquidas.

Charlotte correu, deixando o deanant para trás enquanto controlava sua velocidade ao mesmo tempo. Se ela fosse muito rápida, arriscaria transformar a princesa em uma viciada em magia negra.

“… Fweew.” O deanant assobiou provocadoramente. “Até onde essas duas mulheres podem correr?”

Deculein apertou à força sua bengala. Do fundo de sua consciência, o ódio e o desprezo instintivos abundavam, mas eram toleráveis.

“Você nunca conseguirá matar meu vessel com seu aço não mágico.” O demônio zombou dele rindo, seu tom soando rouco como se sua garganta tivesse sido queimada. “Bem, não é como se a magia pudesse me matar também.”

Como disse, o aço comum não funcionou contra isso. A magia momentânea não poderia extinguir seres semelhantes a líquidos ou gasosos.

Tentar fazer isso não diferiria de tentar cortar ou queimar o ar.

Para se livrar dele, a qualidade de mana de uma pessoa deve ser extremamente alta. Eles também precisariam levar em consideração o cânion em que estavam, o que forçaria uma grande quantidade de mana a se espalhar devido à concentração da magia negra.

O deanant sabia e tirou proveito desse fato de forma excelente.

“…”

Deculein fechou os olhos.

Ele planejou o caminho do “aço de madeira” com base em sua amplificação de mana e velocidade de recuperação, planejando como destruiria seu oponente até o último detalhe. Sua previsão e estimativa da batalha chegaram a 30 minutos no futuro.

Whoooong

A bengala Yukline de Rockelock começou a esquentar enquanto ele a enchia com sua mana, seu sangue aparentemente deixando-a tão furiosa quanto ele.

Eventualmente, Deculein abriu os olhos, que agora brilhavam azuis. O reitor ainda estava do outro lado do campo de batalha.

Ele traçou uma linha imaginária na estrada não muito longe dele, o que faria com que o Enxame de Aço executasse fielmente seu conceito e design.

Thud.

O deanant deu um passo, e as mãos de Roen imediatamente ficaram úmidas de suor.

Thud.

O demônio acreditava em si mesmo.

No entanto, Deculain sabia como matá-lo.

Thud.

Deu mais um passo, com o qual cruzou a ‘linha’.

Um flash de luz fria atingiu o lado direito do deanant como um raio.

Roen não conseguia ver. Mesmo Deculein não conseguia acompanhar seus movimentos com os próprios olhos.

Seus aços de madeira executaram um design preconcebido em vez de agir de acordo com sua vontade.

Ninguém se moveu, quase como se o tempo de todos, exceto suas armas, tivesse sido pausado.

Swiiiiiiiish-!

O deanant sentiu sua garganta sendo perfurada. No entanto, nem mesmo uma gota de sangue fluiu.

Um dos aços de madeira de Deculein então desceu rapidamente, abrindo caminho da clavícula até a virilha. Outro se curvou transversalmente, seguindo em linha reta do púbis direito inferior do demônio até a axila esquerda superior.

Seu terceiro, quarto e quinto aços de madeira rasgaram suas vértebras em cada nó, enquanto o sexto e o sétimo cortaram seus pulsos, o oitavo e nono amputaram suas pernas.

Seu décimo e décimo primeiro rodaram por todo o corpo.

No físico do deanant, eles gravaram linhas sólidas, cujas extensões liberavam fumaça.

Em pouco tempo, ele sentiu sua visão mudar enquanto observava seu próprio corpo sendo dilacerado por vários objetos de aço enquanto o mundo girava.

Não muito depois, o décimo segundo aço de madeira veio vagarosamente, decepando a cabeça do deanant. Em seguida, perfurou seus globos oculares e estilhaçou seu cérebro.

O décimo terceiro e décimo quarto aço correram soltos em seu vassel.

“…”

Aproveitando a situação, seus inimigos passaram por Deculein e tentaram perseguir Charlotte, mas ele os destruiu facilmente usando suas armas.

As lâminas voadoras moveram-se rapidamente e voltaram aos seus postos. Até mesmo Roen percebeu o choque e a perplexidade que seus oponentes sentiram.

“Professor! A-ali! ” O cavaleiro gritou, apontando para o deanant, que se debateu e estava prestes a recuperar sua forma.

Deculain estava calma.

“Não faça barulho.”

Ele sabia como matá-lo.

Foi simples.

“Eu só tenho que matá-lo até ele morrer permanentemente.”

Seus aços de madeira voltaram a atacá-lo, repetindo infinitamente o mesmo processo que destruiu o deanant.

Atordoado, Roen não podia fazer nada além de admirar o poder destrutivo de Deculein.

#02#

Charlotte e Maho correram para os campos, cruzando o desfiladeiro com segurança até chegarem às fronteiras de Yuren.

No entanto, mesmo assim, sua jornada foi repleta de dificuldades.

Seus perseguidores estavam esperando por eles e, das sombras, eles avançaram.

Charlotte lutou, sem prestar atenção à dor que percorria seu corpo e tentava aleijar o braço direito.

“───!”

A aura de espada surgiu da lâmina de Charlotte, fragmentando a carne e os ossos de seus oponentes.

Não muito depois do início da batalha, ela ouviu um grito vindo de trás deles.

“Eles estão aqui!”

Os cavaleiros do grão-duque chegaram.

Eles não podiam entrar nas fronteiras do Império. Consequentemente, como prometeram a Charlotte, eles serviram como reforços no limite das fronteiras de Yuren.

Os cavaleiros avançaram sem hesitação, acabando impiedosamente com a vida daqueles que caçavam a princesa.

Com a maré da guerra a seu favor, ela suspirou de alívio e verificou Maho, que ainda estava em seus braços.

“Você está bem, princesa?”

“… Sim. Sinto-me um pouco enjoada, mas estou bem. Blargh—”

“Esse é um dos primeiros sintomas do vício em magia negra, mas neste nível, ainda não é nada para se preocupar. Você deve ficar bem em breve.”

“Aaaaaaaah—!”

Os cavaleiros não permitiam que nenhuma presa escapasse, mesmo que os capturados optassem pelo suicídio.

Swiiiiich—!

Quanto mais carne eles cortavam, mais silenciosa sua vizinhança ficava. Não muito depois, apareceu Ghiland, ministro do Interior de Yuren e tio de Maho.

“Maho.”

“Oh! Tio!” Maho gritou e foi correndo até ele, que a olhou com ar de desculpas.

“Já faz muito tempo. Por favor, perdoe-nos por não podermos fazer nada além de esperar por você aqui. Não tínhamos outras opções.”

“Tudo bem. Está tudo bem ~ Conheço a situação. Em vez disso, estou grata por você ter vindo. Obrigada.”

Maho estava brilhante como sempre. Ghiland acariciou sua cabeça e olhou para Charlotte, que estava cuidando de seus ombros doloridos.

“Charlotte.”

“Sim?”

“Obrigado pelo seu trabalho árduo. Vocês dois são os únicos sobreviventes?”

“… Não.” Charlotte balançou a cabeça.

Deculein disse que eles iriam atrás deles, e Charlotte acreditou em suas palavras.

“Esperarei aqui.”

Ghiland acenou com a cabeça. Enquanto esperavam a chegada dos outros, eles se reagruparam e enterraram seus irmãos de braço caídos.

Enquanto o vento frio soprava, o tempo passava.

Trinta minutos.

Uma hora.

Duas horas.

“Vamos voltar.” Ghiland colocou a mão no ombro de Charlotte.

“…Oh! Lá! Lá!”

Maho apontou para o horizonte distante, onde dois homens podiam ser vistos caminhando sob a noite acromática que tornava vaga a linha entre a terra e o céu.

Charlotte suspirou de alívio.

“Você está seguro!”

Maho correu para encontrá-lo primeiro.

Deculein ainda estava encharcado no rescaldo da batalha. Seu rosto estava rígido, mas ele logo sorriu e baixou a cabeça educadamente.

“Obrigado por sua preocupação, princesa.”

“Que alívio. Uau. Obrigado, professor, realmente—”

“Princesa.”

Ele colocou os lábios ao lado da orelha dela e sussurrou.

“Não há necessidade de atuar agora.”

A expressão de Maho endureceu ligeiramente.

Ele conhecia a verdadeira personalidade de Maho.

Claro, seu comportamento moleca não era uma mentira.

No entanto, seu comportamento inocente e ingênuo era.

Ela tinha plena consciência de quais aspectos dela podiam induzir a simpatia e aumentar suas chances de sobrevivência.

“…”

Os olhos de Maho se arregalaram enquanto ela encarava Deculein, que continuava sorrindo para ela sem dizer uma palavra.

Charlotte veio. “Ei. Vocês…”

“Meu trabalho aqui está feito. Deixarei o relatório para você, Roen.”

“Sim! Tudo bem!” Roen endireitou as costas com as palavras de Deculein.

Ele estava cheio de dúvidas apenas um dia atrás, mas agora ele agia como um leal. Até seus olhos estavam cheios de admiração e respeito por Deculein.

Charlotte acenou com a cabeça. “… Obrigada. Jamais esquecerei esse favor – não, esse ‘acordo’”.

Deculein se virou sem responder.

Ele ainda não tinha descansado, mas ainda não mostrava o menor sinal de cansaço.

Ele estava tão cheio de graça como quando se conheceram.

“Charlotte”, Ghiland chamou enquanto olhava para as costas de Deculein.

“Sim?”

“Essa pessoa é uma escolta?”

Roen respondeu em seu lugar.

“Sim. Esse é Deculein, Professor Chefe da Torre da Universidade Imperial. Ele sozinho matou dezenas de perseguidores e aniquilou um deanant.”

“… Um deanant? Quero dizer, naquele desfiladeiro de fenda?”

Roen assentiu com orgulho.

“Sim.”

“Isso é possível?”

“Vi com meus próprios olhos. A magia do professor Deculein diferia da dos magos comuns.”

Roen olhou para longe com uma expressão cheia de emoção. Maho seguiu seu olhar.

“Ele tratou o deanant como se ele estivesse brincando com um brinquedo. Nenhum dos ataques do monstro funcionou contra ele enquanto ele exibia o epítome da magia de combate contra um oponente quase invencível…”

Com o elogio de Roen, Ghiland e os cavaleiros do arquiduque olharam para ele de uma maneira diferente.

No horizonte escuro, o Chefe Yukline avançou com dificuldade.

#02#

#sistema-roxo#

[Missão Independente Completa]

◆ Moeda da loja +4

◆ Mana +30

#sistema-fim#

O Cavalo Vermelho já estava esperando por mim quando saí do desfiladeiro. Antes de subir em suas costas e retornar, dei outra olhada na entrada do desfiladeiro.

Minha velocidade de recuperação de mana dentro do desfiladeiro foi rápida o suficiente para usar todo o meu aço de madeira e [Mão de Midas].

Além disso, quatro de meus aços de madeira ganharam propriedades durante as seis horas que levei para percorrê-lo.

No entanto, purificar e aceitar o mana naquele lugar colocou uma carga pesada no meu corpo e rapidamente consumiu meu poder mental, fazendo-me sentir que o contágio de sua personalidade estava ficando mais forte.

Eu não queria passar mais tempo lá do que o necessário.

“Vamos voltar para Hadekain.”

O Cavalo Vermelho galopou rapidamente.

No entanto, quando tirei uma soneca na sela, ele reduziu a velocidade, aparentemente ciente do meu cansaço.

Fechei os olhos por um tempo e, quando os abri novamente, já estávamos no castelo Hadekain.

“… Hmm.”

Não tinha intenção de vir aqui.

Mas como eu estava aqui de qualquer maneira, decidi dar uma olhada no quarto de Deculein.

“Ei.”

“…Oh! Meu soberano chegou!”

Deixei o Cavalo Vermelho para um guarda próximo e entrei no castelo, onde disse a um servo que me guiasse até o quarto de Deculein.

“Está aqui?”

“Sim.”

“Já faz um tempo desde a última vez que visitei. Já esqueci a entrada do andar. De qualquer forma, você pode ir e descansar agora.”

Eu abri a porta. Revelando uma sala limpa que não era fora do comum. Porém, algo na estante chamou minha atenção.

[ ─ ]

Era um caderno sem título que não tinha nada escrito, mas minha [Visão] me disse que era “especial”. Eu não teria notado se não fosse.

“…”

Eu então subi para o escritório do senhor do castelo.

TOC, Toc-

Agarrei a maçaneta e girei.

“Que diabos!”

Assim que abri a porta, ouvi uma voz forte e clara.

Yeriel.

Ela franziu a testa e olhou para mim.

“Bata antes de entrar!”

“Eu fiz.”

“Espere por uma resposta!”

Ao me aproximar dela, percebi que ela estava desenrolando algo com um lápis e um caderno sobre a mesa.

“O que você estava fazendo?”

“… Essa coisa em Academia Mágica.”

‘Academia Mágica’ era um diário mágico. Não seria exagero dizer que foi uma ‘prova mágica’. Simplesmente não era perceptível, já que os leitores estavam se divertindo enquanto resolviam as questões e testavam uns aos outros.

Naturalmente, houve casos em que aprenderam algo no processo de resolução dos problemas, então não foi totalmente inútil. Além disso, também registrou as questões mágicas levantadas pelos arquimagos do passado, chamado ‘Millennium’.

Eu nem pensei em resolvê-los, já que era uma perda de tempo para mim.

“Deixe-me ver. O que você estava resolvendo?”

“…”

Yeriel o entregou sem dizer uma palavra, e eu resolvi o problema usando [Entendimento], que foi extremamente útil para encontrar respostas. Quanto mais limitado era o campo, mais direto se tornava o problema, consumindo menos mana.

Mesmo assim, usei 2.000 mana para apenas uma pergunta. Sem pensar muito, escrevi a resposta na caixa.

Naquele momento…

#sistmea-roxo#

[Pequena missão: Resolvendo questões acadêmicas]

◆ Mana +2

#sistema-fim#

“… Huh?”

“O que é?” Yeriel perguntou categoricamente.

“… Não é nada.”

Minha mana aumentou em ‘2’.

Retornei ao diário sem dizer uma palavra, e os olhos de Yeriel ficaram maiores assim que ela viu minha resposta.

“Ei! Por que você escreveu isso?!”

“Me sinto cansado. Eu vou dormir.”

“O quê? Ei! Estou resolvendo esse problema há duas horas—!”

“Você demorou duas horas tentando responder, mas resolvi em um minuto.”

“E daí?! Você está se exibindo?”

Eu sorri e saí do escritório, após o que a ouvi dizer: “Puxa, sério—! O que há de errado com ele-!”

Mas não me senti chateado.

No momento, mesmo 2 de mana já eram preciosos demais para mim…

#sistema-roxo#

[Mana: 1.419 / 3.419 (+800)]

[Qualidade de Mana: 5]

#sistema-fim#

#02#

O Principado de Yuren não estava sujeito à interferência de nenhum rei ou imperador, pois era um país que sucedeu no duque de um ‘reino já aniquilado’.

Desenvolveu uma cultura própria graças à sua localização geográfica, voltada para um mar a sudoeste e uma cordilheira a nordeste. Devido à importância do comércio, seus bancos também se desenvolveram. Além disso, ‘Artran’, uma academia que nutriu criadores de literatura, arte e música, foi um produto único do Principado.

Tarde da noite no castelo Lucangel, a residência do grão-duque.

O irmão do grão-duque, o ministro do Interior Ghiland, chamou Charlotte ao seu escritório.

“Ministro. O que está acontecendo?”

“… Como está Maho?” Ghiland parecia sério.

“Ela acabou de ir para a cama”, Charlotte respondeu com uma cara bastante cansada.

Ghiland soltou um suspiro e apontou para a cadeira. “Sentar-se. Tenho algo para dizer a vocês dois.”

Ansiosa, Charlotte obedeceu.

“O que é?” Ela perguntou, mantendo a compostura tanto quanto possível, apesar de pensar que ele poderia estar anunciando sua recusa em deixar a princesa ficar aqui.

“Não fique muito surpresa.”

No entanto, o que Ghiland queria discutir era algo que ela nunca ousara imaginar.

“O arquiduque quer que Maho o suceda.”

“… Huh?” Charlotte o olhou fixamente, incapaz de compreender o que ele acabou de dizer. As palavras dele eram tão absurdas que ela pensou ter adormecido de cansaço e agora estava sonhando.

“O que faz aquilo…?”

“Ele parece ter se decidido antes mesmo de Maho enviar a carta. Quero dizer, ele não pode realmente confiar em seu neto, afinal.”

“Não, não, eu não entendo. Isso significa que… a princesa será a próxima arquiduquesa…?”

“Isso mesmo.” Ghiland riu amargamente.

“Isso é possível?” Charlotte perguntou, ainda surpresa.

“Claro que é. Maho é um descendente direto do grão-duque. Três anos atrás, ela também era a segunda na linha de sucessão de seu trono.”

“Mas a princesa não será capaz de suportar o peso da coroa.”

Ghiland balançou a cabeça com as palavras de Charlotte.

“Você é muito ingênua.”

“Sinto muito?”

“Deixando isso de lado, essa informação ainda é altamente confidencial. Apenas o arquiduque e as pessoas nesta sala sabem disso.”

“Oh, tudo bem. Claro, é…” Charlotte assentiu, sentindo uma dor de cabeça surgindo.

Depois de um tempo, entretanto, sua testa começou a se enrugar enquanto um pensamento crescia dentro dela.

“O que é?” Ghiland perguntou.

Naquele momento, uma faísca brilhou em sua mente.

“…Oh!”

“…!” Ghiland estremeceu com o som repentino.

“De jeito nenhum.” Ela se lembrou de Deculein.

Deculein sabia que Maho só poderia sobreviver se ela fosse para Yuren.

Ele também se referiu a essa colaboração como um ‘acordo’.

Naquela época, ela acreditava e aceitava com o rancor dele contra o Reino Reok em mente, mas, na verdade, a própria expressão “acordo” era absurda.

Em primeiro lugar, a transação foi estabelecida com base na premissa de benefício mútuo.

Mas Maho, uma princesa abandonada pelo reino, não podia dar nada a ele.

“O que está errado?” Ghiland perguntou, ficando ainda mais curioso sobre sua mudança interior.

Charlotte, que havia se tornado mais séria, perguntou. “Alguém mais sabe disso, ministro?”

“Claro que não. O grão-duque só me falou sobre isso hoje.”

Charlotte sentiu arrepios por todo o corpo.

As palavras de Deculein para ela antes de repetidas em seus ouvidos.

‘Sou uma pessoa extremamente política. Além disso, quando se trata de assuntos que envolvem inteligência e discernimento, você sabe que sou muito melhor do que você.’

Se então…

Ele fez tal acordo levando todas essas circunstâncias em consideração, adivinhando a relação entre o Arquiduque e Maho, calculando a dinâmica e os conflitos entre o reino e o Principado e, finalmente, prevendo a conclusão de que a princesa poderia suceder ao trono?

Se ele realmente…

“… Monstro.”

Até onde ele havia pensado? Quão sofisticados e precisos eram seus pensamentos e recursos …

“O que? Eu?”

Charlotte voltou aos seus sentidos. Ghiland estava olhando para ela com olhos estreitos.

“Não, não.”

“Você finalmente expressou seus pensamentos. Direito. Eu sinto muito. Nem fiz nenhum esforço diplomático para salvar Maho, mas já estou lhe contando outro assunto sério. Você não está errada em pensar em mim como um monstro.”

“Não. Não é isso-“

“O suficiente.”

“Não—”

“Você pode ir.”

“Não. Escute-me…”

Aviso do Tradutor:

Croollly

Rolar para o topo