Capítulo 56: Rotina (1)

O Vilão Quer Viver

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

A última ordem de Deculein foi “esperar” em janeiro.

Havia centenas de informantes na época. Eles estavam baseados em Oklan, no submundo e em outras áreas sombrias.

Ren era um dos principais pilares da organização.

No entanto, as ordens de Deculein foram interrompidas em algum momento, deixando-os sem orientação ou apoio.

Sem dinheiro – o fator que os unia – para sustentá-los, seus números diminuíram de três para dois dígitos em um mês. Outro mês depois disso, apenas dois deles sobraram.

Cada um deles foi para lugares diferentes.

Ren e Enen não tinham outro lugar para ir.

Os irmãos permaneceram na caverna suja, esperando, por precaução, o retorno de seu mestre.

É claro que as razões materiais influenciaram sua decisão. Como o número de membros havia diminuído, eles pensaram que a remuneração prometida também aumentaria significativamente…

Ren e Enen lavaram a sujeira de seus corpos e usaram os ternos que Deculein comprou diretamente de uma alfaiataria. Esses foram os primeiros tecidos de alta qualidade que eles sentiram roçar em sua pele.

Depois disso, eles apararam os cabelos no salão.

O enfeite provou ser seu melhor disfarce.

Ren e Enen entraram na mansão Yukline como pessoas completamente diferentes.

Deculein os apresentou como seus ‘novos servos diretos’. Ao mesmo tempo, o armazém construído em seu vasto terreno foi cuidadosamente remodelado para se tornar uma residência particular.

“… Huh.”

Enen, o mais jovem dos dois, olhou para a mansão com surpresa em seus olhos. Foi a primeira vez em sua vida que ela moraria em uma residência tão limpa, colorida e refrescante.

“Posso ter um cachorro aqui.”

“Oh meu Deus, esta mansão tem um quintal na frente e nos fundos.”

Esse lugar realmente existia no continente?

“… Você não deveria ter feito isso”. Ren repreendeu Enen, mas ela não respondeu.

A bochecha que ele deu um tapa ainda estava inchada.

“Machucou?”

“Por que não?”

“… Ainda assim, você não deveria dizer coisas assim. Pelo menos na frente do mestre.”

Embora não fossem pagos por seis meses, eles persistiram em cumprir as ordens que ele havia dado.

Se não tinham o que comer, comiam ratos e faziam tudo sozinhos porque não tinham dinheiro para contratar gente.

“Você ainda acredita no mestre?” Enen perguntou.

Ren balançou a cabeça.

“Não.”

Deculein mostrou misericórdia para Louina, que não era uma nobre de verdade.

No entanto, ele ainda não tinha esquecido o rosto que Deculein mostrou quando o ex-chefe da família Yukline morreu.

Naquele momento, ele estava definitivamente… encantado.

Seu rosto se contorceu com um êxtase insuportável, exibindo uma expressão que tornava Ren incapaz de determinar se ele estava sorrindo ou chorando.

“Ainda estou desconfiado dele. Nunca sabemos se ele vai se livrar de nós após nos usar.”

Ele era um homem que aceitava a morte de seu pai com felicidade, uma existência perigosa que carecia da chave que separava os humanos dos demônios.

“Ainda assim, o mestre não é hostil ao nosso clã. E ele cumpriu sua promessa.” Enen respondeu.

Ren engoliu em seco enquanto olhava para a bolsa em seus braços.

Deculein dobrou a quantia que prometeu a eles.

Ele carregava atualmente cerca de 5 milhões de Elnes[1]23 031 594,17 reais. Foi a primeira vez em seus 21 anos de vida que teve tanto dinheiro.

“… Vamos ficar com 10.000 Elnes”, disse Enen. “Então vamos dar o resto para nossa família.”

“Precisamos de 10.000 Elnes?”

“O quê? Trabalhamos duro por sete anos. Devemos ser recompensados ​​também. Apenas dez mil. Eu não quero mais do que isso.”

Ren mordeu o lábio, ponderou sobre isso, então acenou com a cabeça.

“… OK.”

A família de Ren e Enen era grande. Mesmo que eles não fossem parentes de sangue, eles eram todos família. A existência deles foi a razão pela qual eles não abandonaram seu último fio de esperança chamado ‘Deculein’.

Não importava se estava podre ou tinha sido descartado pelos céus. Mesmo quando seu futuro parecia sombrio, eles se arrastaram e se agarraram ao fio, tudo pelo bem de…

“Faremos isso.”

A Caixa Vermelha.[2]Plot twist 

#02#

[Olá, olá ~

Maho aqui! A chegada desta carta o surpreendeu? Mesmo que não tenha, por favor leia até o fim!

No momento em que este artigo foi escrito, eu já havia chegado em segurança a Yuran, graças a você!

Todos os meus dias em que estou acordada têm sido pacíficos e calmos desde então, mas às vezes me encontro lembrando do passado, o que faz meu coração afundar.

Se não fosse por você naquela época, professor, eu já teria virado cinzas.

Oh! Cinzas! Ugh! Fico com medo só de pensar nisso ~ Lembra disso significa que eu não seria capaz de escrever cartas, falar e comer doces, afinal!

Mais uma vez, muito obrigado!

Oh! Tive notícias de Charlotte. Você disse ser um acordo?

Um acordo… Se você colocar assim, toda essa provação parece muito mais fria, mas eu definitivamente senti seu coração quente! Acredito que você não me ajudou apenas pelo que pode ganhar comigo. De qualquer forma, se eu puder ser de alguma ajuda para você um dia, então farei o meu melhor para atendê-lo!

Na preparação para aquele dia, comecei a aprender habilidades com a espada e a estudar magia. Embora ainda estou fraca, não quero continuar sendo um fardo ~

Tirando isso, da última vez, você disse que eu não precisava mais atuar, certo? Eu não posso te dizer o quão surpresa fiquei ao ouvir isso. Fiquei muito, muito surpresa! Seriamente!

Mas você sabe, meus sentimentos não eram falsos. Por favor, apenas saiba disso.

Finalmente…

Oh, certo. Desta vez, começaremos um grande projeto no Principado de Yuren. É centrado no desenvolvimento regional e acredito que excelentes perspectivas o aguardam.

Afinal, eu mesmo planejei!

Se você quiser, pode investir nisso. Se você pensa que não tem potencial, simplesmente ignore minha oferta ~ Na verdade, não estou pedindo investimento porque temos dinheiro suficiente!

Oh! Charlotte está aqui!

Comecei a escrever às duas da manhã, mas já são sete. Há muito mais coisas que quero lhe dizer, mas terei que encurtar esta carta.

Responda ~ Enviarei outra carta da próxima vez ~

De: Princesa Maho de Yuren

Para: Professor Chefe Deculein, meu salvador.]

Sentado no escritório, li a carta de Maho. Foi escrito de uma forma parecida com a forma como ela falava.

Foi muito fofo, ao contrário do meu ‘trabalho’ atual.

“Como pode uma carta ser tão barulhenta?”

Eu sorri e coloquei na gaveta.

Peguei o livro de registro que Ren me deu depois.

Meu rosto enrijeceu.

[Exploração do território por Leviron]

[Detalhes da remessa da família Belard]

Deculein estava vasculhando as fraquezas de todos os tipos de nobres. Ele também ordenou a execução de dezenas de atos malignos.

Foi ele o responsável por acelerar a queda de Oklan na pobreza. Ele planejava comprar aquele terreno por um preço baixo.

Eu não sabia o porquê, mas a razão para isso provavelmente era grande o suficiente para ativar o [Homem de Grande Riqueza].

“…”

Eu ainda não tinha certeza do que o passado Deculein tinha feito, além disso. Eu não conseguia nem começar a imaginar quanto dinheiro aquele bastardo jogou no escuro.

Como Ren e Enen, eu não tinha certeza se deveria ver nosso relacionamento como uma grande ajuda ou toxicidade que deveria ser eliminada imediatamente.

Agora que eu estava em seu corpo, não podia simplesmente encobrir, esconder ou ignorar. Essas sementes lançadas um dia germinarão à vontade. Portanto…

“… Não tenho outra escolha a não ser usar o que ele deixou para trás.”

Torcer o carma de Deculein em uma direção que conduzisse à busca principal foi o melhor que pude fazer.

TOC, Toc-

“Mestre. Julie está aqui.” Roy disse atrás da porta.

Meu corpo se moveu instintivamente ao ouvir essas palavras. Eu já estava bem na frente da porta quando voltei aos meus sentidos.

Virei a maçaneta e abri.

Do outro lado da porta estava Julie de armadura. Seu cabelo branco limpo foi deixado desamarrado, criando quedas feitas de pó de neve caindo em cascata atrás dela.

“… Você está bem?” Os lábios de Julie tremeram quando ela tentou sorrir desajeitadamente.

Eu ri baixinho.

“Entre.”

“Não. Eu não posso-”

“Eu disse entre.”

“… OK.”

Julie tentou entrar, mas eu a bloqueei imediatamente.

“…?”

“Mudei de ideia. Vamos conversar lá fora.”

“…”

Percebi um pouco tarde demais que também precisava parar de me sentir assim.

Julie simplesmente assentiu.

“Tudo bem.”

“O que te traz aqui?”

“Recebi uma missão.”

“Uma missão?”

“Sim…”

Julie juntou as mãos, se contorcendo no lugar.

“Isso é… você vê, eu tive uma oportunidade inesperada de me tornar o educador da cavalaria do imperador, certo?”

“Certo. Vossa Majestade emitiu sua tarefa?”

“Sim. Ela disse que o Príncipe Kreto quer seu autógrafo… se possível.”

Julie estendeu um livro para mim. Quando vi a capa, meu rosto corou por um momento.

Os escritos do Velho Deculein. Foi muito constrangedor.

“Eu não posso fazer isso.”

“Oh. É assim mesmo?”

“…”

Julie aceitou minha resposta com muita facilidade enquanto eu olhava o livro de cima a baixo.

Tive pena do Deculein do passado, mas usar seu papel como combustível de fogueira teria sido muito menos desperdício do que colocar seus escritos nele.

Ele provavelmente sabia por quê. Ele deliberadamente distorceu as teorias nele para fazê-lo parecer mais complicado e difícil antes de publicá-lo.

“Por favor, avise o príncipe que irei apresentar uma emenda em breve. Vou dar a ele uma cópia assim que for lançado. Claro, com meu autógrafo.”

“… OK. Obrigada.”

Julie fez uma reverência cavalheiresca. Ela colocou a mão direita na frente do ombro esquerdo e dobrou o corpo em um ângulo.

“Então, eu vou.”

Ela saiu sem falar muito. Eu também não chamei por ela.

No entanto, em meio a sua retirada, suas pernas pararam de se mover, fazendo seu cabelo branco esvoaçar. Ela parecia estar pensando sobre algo além da minha consciência.

“Hum…” Ela murmurou. Não muito depois, ela se virou para mim.

“… Você gostaria de jogar xadrez?” Ela perguntou timidamente. Ambas as bochechas estavam vermelhas.

Eu já sabia o que aconteceu entre ela e a imperatriz.

“Certo.”

Eu precisava praticar de qualquer maneira.

Eu tinha lido alguns livros de xadrez e visto muitas anotações jogadas por mestres, mas não havia melhor treinamento do que colocar o que aprendi em prática.

“Me siga.”

Eu a conduzi até uma cadeira no jardim da mansão, sob a sombra de uma árvore. Julie sentou na cadeira e olhou e piscou para mim em pura confusão.

Ela estava esperando por um tabuleiro de xadrez. No entanto, em vez de conseguir um, criei-o puxando pedras do chão e decorando-o cuidadosamente com folhas e flores.

Coloquei todo meu coração nisso.

“Uau. Isso é incrível.”

O jeito que ela olhou para ele com admiração infantil era fofo.

“Vamos começar.”

“Sim.”

Ela colocou as mãos nos joelhos e respirou fundo.

“Vou começar.”

Tap-!

Julie moveu uma peça com um rosto desnecessariamente determinado.

“Xeque-mate.”

Derrotada em 15 minutos.

Eu consumi apenas 300 mana.

“… O que aconteceu?”

Ela olhou ao redor do tabuleiro de xadrez, uma mistura de choque e confusão em seus olhos. Ela não tinha ideia de como a situação acabou assim.

“Olhe. Você não deveria ter movido seu bispo aqui. Era muito cedo para fazer isso.”

Eu gentilmente a ensinei.

Julie assentiu, aparentemente convencida de que cometeu um erro.

“Eu vejo. Isso é impressionante. Foi um movimento que eu nunca imaginei. Por acaso, se não estou sendo muito rude, mais uma partida…”

“Certo.”

“Obrigada!”

Uma partida se tornou duas partidas, e duas partidas se tornaram três.

Julie me desafiou quatro vezes consecutivas, mas foi derrotada antes mesmo de representar uma ameaça para mim.

“Você é muito ruim nisso.”

“… Sinto muito.”

“Continue mostrando esse seu lado decepcionante o tempo todo. Vamos nos separar mais facilmente assim.” Brinquei, fazendo com que os olhos de Julie se arregalassem enquanto ela me encarava. Ela fez beicinho, o que me fez sentir como se minhas palavras a entristeceram.

“É mesmo… Mas na minha Ordem dos Cavaleiros, estou classificada entre os três primeiros…”

“Você parece ter talento. Enfim, vamos encerrar o dia. Você e eu temos que trabalhar.”

“Entendi!”

Levantei-me quando ela respondeu vigorosamente ao meu elogio.

“Você pode ter este tabuleiro de xadrez e peças. Melhore enquanto se lembra da derrota de hoje.”

“Oh, uau. Obrigada!” Julie respondeu com um sorriso. Ela parecia preferir presentes com valor sentimental em vez de presentes preenchidos apenas com valor material.

#02#

Epherene dormia no sofá da sala do clube.

“Haha…”

Ela lambeu os lábios e sorriu docemente, um perfume fragrante entrando em suas narinas e um sabor de carne avassalador se espalhando por sua boca.

“Roahawk, seu bastardo… venha aqui… hehe… seu gordinho…”

Ela se jogou e caiu do sofá de felicidade.

“… Ugh!”

Seu cóccix caiu primeiro no chão de mármore. A dor percorreu seu corpo quando ela se levantou.

“Uau. É embaraçoso.” Ela suspirou. Devido ao desabamento do terceiro dormitório após o incidente, três dias atrás, ela foi forçada a ficar na sala do clube por um tempo, já que não tinha onde morar.

Ela estava frenética até ontem. Suas anotações estavam em sua bolsa, o que foi um alívio, já que estava com ela quando o incidente aconteceu, mas ela quase perdeu todas as cartas de seu pai.

Felizmente, ela os encontrou ilesos, graças à magia que os revestiu.

“Ahhhh ~” Epherene bocejou e foi ao banheiro.

Splash, splash—

Após respingar água no rosto, ela voltou para a sala do clube e abriu seu caderno para estudar, já que os exames estavam chegando. Antes que ela pudesse, no entanto, a porta se abriu.

Ifi! Veja isso!”

Não apenas Julia, mas também Ferit, Rondo e os outros membros do clube entraram.

“O quê?”

“Olha!”

Eles espalharam uma grande foto sobre a mesa.

Era uma fotografia vertical do terceiro dormitório, que desabou completamente. Todos os escombros ao redor foram removidos.

“Não gostei do fato de terem atacado primeiro, sabe? Mas de qualquer maneira, olhe para isso! Essas marcas pretas aqui.”

Julia pegou uma caneta e conectou as marcas no local, formando uma fórmula mágica.

Ela infundiu mana nele assim como faria com qualquer outra fórmula, fazendo com que a magia se manifestasse.

Uma frase apareceu diante deles.

[Aguarde a retribuição das Cinzas. Chegará o momento em que sua fraqueza será explorada.]

“Olha só! Isso não é uma declaração de guerra?”

“… De jeito nenhum.”

Foi um pouco assustador, mas um pouco improvável.

Não importa o quão poderosos os Cinzas fossem, eles não ousariam atacar a Torre da Universidade Imperial.

“O que você quer dizer de jeito nenhum?! Olha só. Até a estrutura de sua fórmula é completamente diferente do que aprendemos na torre!”

“…”

Isso era verdade. Ele usava uma fórmula espiral incomum que se desviava da norma. Pelo que ela ouviu, os Cinzas costumavam usá-lo.

“Não devemos contar ao professor?”

“Eu também acho… mas ele acreditará em nós?”

“Ainda temos que dizer a ele! Se não o fizermos, mais plebeus morrerão! Esses covardes. Eu nem sei por que somos nós que estamos sendo atacados, considerando que os aristocratas eram os mais culpados.”

Epherene entendeu os sentimentos de Julia. Com base apenas nas atitudes dos professores, ela percebeu rapidamente que eles não mudariam a menos que interviessem.

“OK. Vamos pelo menos contar a ele. Isso não é uma coisa ruim, certo?”

#02#

“Saia! Pare com essa besteira. Já tenho muitas coisas acontecendo! Saia daqui antes que eu dê uma penalidade ao seu clube!”

Bang-!

Relin bateu a porta, a rajada de vento que isso criou bagunçando suas vestes e cabelos. Julia cerrou os dentes.

“Aquele professor gordo, nossa…”

“Veja? O que foi que eu disse? Temos que fazer isso sozinhos. Acredito que cresci muito magicamente esses dias, sabe? Então-“

“Não, Ifi. Ainda resta um. ‘Aquele’ professor.”

De Ciare a Relin, todos os professores de nível médio fecharam suas portas para eles, mas sabiam que ainda tinham mais uma opção.

Eles se entreolharam e engoliram em seco.

[Professor Chefe Deculein]

… Suas mãos estavam úmidas de suor. Só de olhar para a placa de identificação em sua porta a fez respirar e bater mais rápido.

“Ssghnn…” Epherene respirou fundo. Atrás dela, os membros do CRMC aplaudiram. Ela… Não, juntos, eles bateram na porta.

TOC, Toc-

A porta se abriu. A princípio, ela pensou que Deculein a tivesse aberto, mas, na verdade, ela se abriu sozinha. Era quase como se já estivesse entreaberta.

“Huh…?”

Através da abertura, Epherene empurrou a cabeça para dentro.

Uma mulher de cabelo curto vasculhava o escritório de Deculein.

Epherene gritou. “Quem é Você?!”

“Ahhh! Sinto muito! Eu não fiz nada!”

A mulher tropeçou enquanto gritava. Ela ficou tão assustada que as lágrimas começaram a se formar em seus olhos enquanto ela olhava para eles.

“… O quê?” Ela logo franziu a testa, no entanto.

“Quem são vocês-“

Thud-!

Só então, um livro de feitiços que caiu da gaveta bateu contra sua cabeça.

“Ai!” Ela gemeu, tendendo ao ponto dolorido em seu couro cabeludo. Sua dor logo se transformou em raiva, que a mulher expressou em gritos, com os olhos bem abertos e as sobrancelhas franzidas.

“Puta que pariu!”

Surpresa, Epherene e seus companheiros do clube recuaram.

“Quem é Você?! Não se aproxime ou vou denunciá-la!”

“O que você quer dizer com quem?! Sou a irmã mais nova do dono deste escritório! ”

“… O quê? Irmã mais nova?”

“Sim! Você me assustou! A verdadeira questão aqui é: quem é você?! Venha aqui!”

Epherene apressadamente abaixou a cabeça enquanto Yeriel fingia querer bater neles.

“Oh, um… sinto muito. A porta estava aberta.”

“Esqueça. Sou um veterano muito mais velho que você, certo? Por que você veio aqui? Não, antes disso, qual é o seu nome?”

Yeriel apontou para Epherene, coçando a cabeça como se ainda doesse.

“É…”

“Responde rápido. Não me irrite. Isso ainda dói. Apresse-se antes que eu reivindique uma indenização por danos! ”

“… Meu nome é Epherene.”

“… O quê?”

Naquele momento, o rosto de Yeriel endureceu.

“Epherene Luna?”

“Sim.”

“…”

Ela pareceu perdida em pensamentos por um momento. No momento em que ela recuperou o sentido, ela já havia esquecido sua raiva.

“Sou Yeriel. Por que vocês vieram aqui? “

“Huh? Oh. Isso é…”

Naquele momento…

Ding-!

Do lado de fora da porta aberta, eles ouviram a chegada do elevador. Apressadamente, Yeriel fechou a porta do escritório.

“Esconde-se!”

“Huh? Porquê? Por que você está se escondendo? Você disse que era irmã dele.”

“Não, quero dizer, vim aqui secretamente sem contar a ele! Poxa! Por que ele voltou tão cedo?”

Yeriel se infiltrou no escritório para descobrir a verdade por trás dos rumores que circulavam sobre o sequestro de Louina por Deculein.

Não importava o quanto ela pensasse nisso. Se Louina desaparecesse, não havia outro suspeito plausível além de Deculein. Mesmo que ela não quisesse duvidar dele, ela não tinha escolha a não ser suspeitar dele.

Foi muito difícil de imaginar, mas se realmente fosse Deculein quem fez isso, ela teria que inventar uma contramedida…

“Hum, podemos apenas sair-“

“Pare de falar e se esconda já!”

Yeriel se escondeu sob a mesa de Deculein. O espaço abaixo era bastante amplo e era surpreendentemente difícil de ser pego.

Seguindo seu exemplo, cada um dos membros do CRMC encontrou um lugar para se esconder.

Notas

Notas
1 23 031 594,17 reais
2 Plot twist

Aviso do Tradutor:

Croollly

Rolar para o topo