Capítulo 57: Rotina (2)

O Vilão Quer Viver

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Yeriel se escondeu corretamente, mas Epherene e os outros membros não conseguiram encontrar um bom lugar que os impedisse de serem encontrados. Freneticamente andando ao redor da sala, eles decidiram ir para a opção mais próxima que tivessem, não importa o quão ruim fosse o local para se esconderem.

Um se escondeu atrás da porta, outro se escondeu atrás de um cabide, e Epherene fez-se flutuar e se agarrou ao teto como uma estrela-do-mar usando [Psicocinesia] em si mesma.

Slam

Deculein abriu a porta, fechou-a atrás de si e pendurou o casaco no cabide sem levantar um dedo.

“Professor! Como devemos proceder com a aula comum esta semana?”

“Basta deixar a papelada e ir embora.”

“Sim senhor!”

Ele entrou com seu professor assistente, mas Allen logo saiu. Não muito depois, Deculein parou no meio do escritório.

Todos prenderam a respiração.

“…”

Deculein, aparentemente imerso em pensamentos, momentaneamente inclinou a cabeça para cima, encontrando Epherene no teto.

“Ah… Ahahaha…”

Epherene riu amargamente no momento em que foi descoberta. Olhando apaticamente para ela, Deculein desmontou sua magia.

Whoa!”

Antes de Epherene cair, ela diminuiu sua queda usando [Manipulação de Fluido], permitindo que ela pousasse sem dor.

Deculein ficou um pouco surpreso, considerando que ele consumiu 300 mana apenas por interferir na [psicocinese] de Epherene.

Ela só mostrou seu talento no início do semestre, mas seu nível de conclusão em magia ainda era de um iniciante.

Considerando que as próprias habilidades de Deculein também haviam melhorado até certo ponto durante esse tempo, ela cresceu muito rapidamente.

Era porque ela era uma personagem nomeada?

Ele sentiu algo próximo ao ciúme, mas rapidamente ignorou.

“… Todos vocês, saiam.”

Deculein chamou os outros membros do CRMC.

“…”

Não muito tempo depois, quatro estreantes se viram diante do Professor Chefe, que os estava encarando atentamente.

“A intrusão no meu escritório é motivo para punição disciplinar e, em casos extremos, expulsão.”

“M-me desculpe!”

Julia foi a primeira a gritar e se ajoelhar. Epherene, Rondo e Ferit seguiram seu exemplo.

“Não há necessidade de desculpas. Apenas me diga o motivo para fazer isso.”

“Oh isso é…”

Epherene pensou sobre a situação deles.

Yeriel estava escondido sob a mesa de Deculein. Se ela a entregasse, eles seriam capazes de se livrar dos problemas de alguma forma. No entanto, ela era leal demais.

“Queríamos mostrar isso a você.”

Ela tirou uma foto do bolso e deu a Deculein, que usou [psicocinese] para recebê-la.

“… Depois que ativamos essa fórmula, ela exibiu uma mensagem no ar. ‘Aguarde a retribuição das Cinzas. Chegará o momento em que sua fraqueza será explorada’.”

“Um aviso das cinzas?”

“Sim. Presumindo que seja isso, vimos avisá-lo o mais rápido possível.”

Ele olhou atentamente para a fotografia.

Epherene acreditou que ele iria reagir da mesma forma que os outros professores.

Afinal, as Cinzas eram seu calcanhar de Aquiles.

“… Vale a pena atenuar as circunstâncias atuais.”

No entanto, sua resposta excedeu em muito as expectativas dela. Ele até acenou com a cabeça, deixando-os saber que ele entendia por que eles se infiltraram em seu escritório.

“Mesmo assim, os invasores devem ser punidos. Além disso…”

Sua presença ainda parecia gélida, mas sua voz claramente se suavizou. Deculein olhou para eles.

“Este não é um problema com o qual os estreantes deveriam se preocupar. Mesmo se as ‘cinzas’ estiverem envolvidas, apenas professores ou superiores devem lidar com isso.”

“… Os outros professores nem se importaram em nos ouvir.”

Epherene cerrou os punhos de raiva.

“Eu sei. Isso é de se esperar daqueles cachorros velhos.”

Sua declaração surpreendeu a todos na sala.

“Mas há muitos outros professores nesta torre.”

A maioria, senão todos, dos antigos professores da Torre da Universidade Imperial permitiram que suas habilidades mágicas estagnassem, uma vez que se concentravam principalmente em suas pesquisas e projetos.

No entanto, entre os novos professores que tinham acabado de entrar na casa dos 20 anos estavam personagens de nome de confiança, como Jennifer de Harmony, Kelodan, o porta-óculos e Grant.

“Encontre Kelodan. Ele poderá ajudá-lo.”

No jogo, Kelodan foi criado para ser o assistente do jogador durante os primeiros estágios de sua jornada.

Ele lideraria Epherene e seu clube também.

“Vou te dar um ponto de penalidade. Além disso, você pode não reconhecer esta descoberta como uma conquista do seu clube.”

“… Sim. Obrigado.”

“Você pode ir.”

Epherene e os outros saíram de cabeça baixa.

Deculein deu a volta e sentou-se na cadeira do escritório, depois olhou para a foto que lhe deram.

#sistema-roxo#

[Aguarde a retribuição das Cinzas. Chegará o momento em que sua fraqueza será explorada.]

[Evento de chefe intermediário de Rank 5: Barão das Cinzas]

◆ Recompensa de morte do chefe intermediário

– Catálogo de um item

– Moeda da loja +2

#sistema-fim#

Parecia grandioso, mas não era necessariamente especial.

O próprio Deculein era um chefe intermediário e havia dezenas de outros com esse título.

No entanto, este evento em particular foi bastante difícil.

Sem a ajuda de terceiros Nomeados, como os professores, o jogador teria que superá-lo com alunos Nomeados.

Nesse aspecto, esta torre teve o maior problema.

Não havia nenhum ‘jogador’.

Um jogador era um estranho que utilizava o sistema e podia reunir personagens Nomeados como suporte.

“Não há nada que eu possa fazer sobre isso.”

Deculein saiu do escritório para fazer os preparativos.

Cerca de cinco minutos se passaram antes que Yeriel escapulisse da mesa.

“Uau. Isso é um alívio.”

Ela estava prestes a tirar a poeira de seu corpo quando percebeu que não havia poeira. Seu irmão tinha um nível louco de limpeza.

Ela pensou que ele provavelmente se transformaria em um fantasma que assombraria as pessoas até que limpassem seus respectivos territórios.

Yeriel suspirou e abriu a porta.

Yeriel.”

“Kyaaaaaaaaaah—!”

Uma voz bem ao lado dela fez seu coração parar, quase a fazendo convulsionar enquanto se agarrava ao chão.

Deculein olhou para ela, seus olhos aparentemente achando suas ações patéticas.

“O que está acontecendo?”

“Oh, oh, não, nada… Você deveria ter dito algo se soubesse! Puxa, meu coração…”

“Perguntei o que está acontecendo.”

Ele a ajudou a se levantar, então removeu tudo em suas roupas com [psicocinese].

Yeriel, fazendo beicinho, gaguejou. “… E-ei. Sobre a Louina… ”

“Você está falando sobre Louina de McQueen?”

“Sim. Só estou perguntando isso por precaução, mas você não a sequestrou, certo? Há rumores de que você fez isso, mas isso é besteira, não é?”

Ele não disse nada. Ele nem mesmo fingiu ouvi-la.

Yeriel corrigiu suas palavras.

“Você não a sequestrou, não é?”

“… Ouvi dizer que Louina seria libertada em breve.”

“Huh? Volte novamente?”

“Saia.”

Deculein entrou em seu escritório, deixando Yeriel do lado de fora. Sozinha, ela ponderou em torno de suas palavras.

Louina seria libertada em breve.

Louina seria libertada em breve.

Louina seria libertada em breve.

Seus olhos se arregalaram, finalmente percebendo a nuance contida em suas palavras e tom.

“Aquele bastardo louco…!”

Isso significa que ele a sequestrou!

#02#

… Sylvia estava estudando magia em sua mansão.

[Deculein: Teoria dos Elementos Puros]

[Deculein: Análise de Desastre Mágico]

[Deculein: Magia para ver através da lógica]

[Deculein: Série Aplicada]

A versão organizada das palestras de Deculein foi dividida por assunto em sua estante. As notas nas quais ela estava absorta também eram uma revisão de suas palestras.

TOC, Toc-

Sua concentração foi interrompida.

Sylvia olhou para a porta quando ela se abriu, revelando um rosto familiar.

Glitheon.

“… Ohh! Você estava estudando? ” Ele riu e coçou a bochecha.

Ela estreitou os olhos para ele, mas logo balançou a cabeça.

Era hora de fazer uma pausa de qualquer maneira.

“Hahaha. Isso é bom, querida. ” Ele entrou e olhou ao redor do quarto dela, franzindo a testa para os cadernos em sua estante.

“… Deculein?”

“Sim.”

“Ouvi boatos de que as palestras do Professor Principal são famosas na Torre da Universidade, então acredito que você se esforçou muito para organizá-las.”

“Sim. Isso ajuda muito”. Ela disse calmamente, mas ela ainda se sentia descontente no fundo.

“Acredito ser melhor aprender coisas práticas com ele do que teóricas.”

“Ele também vai nos ensinar isso. Começaremos esta semana.”

“… É assim mesmo?”

Glitheon não conseguia mais prever as habilidades de Deculein.

Três dias atrás, ele quebrou a barreira do diabo sozinho, então rumores sobre sua habilidade prática de combate também se espalharam pelo mundo mágico.

Mesmo a presidente não negou sua destreza.

“O verdadeiro poder de combate do professor Deculein, eu acredito, está logo abaixo do meu! Foi fantástico!” Ela disse em uma entrevista.

Ele estava logo abaixo de Adrienne, um monstro que logo se tornaria uma arquimaga.

No início, essas palavras provavelmente soaram apenas como uma besteira para bajulá-lo, mas muitos jovens magos logo acreditaram, ficando com medo dele.

Afinal, as ações de Deculein até agora não foram convencionais.

Kiiiek…

A porta se abriu novamente. Enquanto Glitheon e Sylvia olhavam para ela, Ghilland, o meio-irmão de Sylvia, emergiu.

“Veio uma batata também”, disse Sylvia.

“… Eu não sou uma batata!” Ghilland bateu a porta e gritou.

“Mini batata.” Ela respondeu, sua expressão permanecendo a mesma.

“Eu disse que não sou-!”

Enquanto seus dois filhos conversavam, Glitheon os ouvia sem pensar muito enquanto olhava para o caderno de arte na cama de Sylvia.

“…”

Ele enrijeceu.

Abrindo por curiosidade, ele encontrou um rosto que não queria ver desenhado nele.

Não havia apenas um ou dois deles.

Cada página estava ocupada por… Deculein.

Glitheon largou o bloco de notas. Com uma mistura de sentimentos persistindo dentro dele, ele olhou para Sylvia, que ficava dizendo ‘batata’.

“Docinho.”

“Sim?”

“Vou ao cemitério. Você quer vir comigo?”

“Eu já fui.”

“… Eu vejo.”

Glitheon forçou um sorriso.

“Então eu irei sozinho. Dê-se bem com seu irmão.”

“Leve a batata também.”

“Eu não sou uma batata!”

“Há uma batata muito barulhenta aqui.”

Ele saiu, deixando as duas crianças para trás.

“…”

Glitheon sentiu-se atordoado por algum motivo. Parecia que o mundo inteiro estava se afastando dele.

“Podemos ir, meu senhor?”

Ele nem mesmo respondeu às palavras do motorista.

Pouco depois, o carro se moveu e logo chegou ao cemitério.

“Chegamos, senhor.”

Glitheon saiu do carro e desceu o caminho do cemitério, levando emoções que abalaram toda a sua alma.

Depois de alguns momentos, ele parou em frente a uma lápide.

[Sierra de Ellemin Iliade]

Estava limpo e o gramado ao redor estava bem cuidado.

Claro, foi obra de Sylvia.

“… É complicado.”

Glitheon, de joelhos, murmurou para a laje de pedra.

O desenho de Deculein feito por Sylvia.

Isso significa adoração e afeto?

Ou era respeito?

Se não foi isso, foi apenas uma fase da infância?

Ele nem mesmo queria fazer uma distinção ou mesmo pensar sobre isso, por falar nisso.

Ele fechou os olhos por um momento.

“Acredito que perdi você porque mereci, Sierra…”

Como pai, ele queria negar a realidade, mas Glitheon era totalmente realista.

“… Novamente, eu vim com um método que você não gostaria.”

Eventualmente, quando ele abriu os olhos mais uma vez, um sorriso sombrio apareceu em seus lábios distorcidos.

“Mas eu não penso que seja ruim. No final, graças a você, nossa filha e clã se tornarão ainda maiores.”

Glitheon colocou uma única flor em sua lápide.

“Você deve ter me deixado, já que está cansada de mim, mas… eu sou um Iliade.”

Sierra não queria ser enterrada no território de sua família.

Até seu último suspiro, ela se arrependeu de ter se tornado a esposa de um velho obcecado por magia.

“Se você estava cansada de mim ou me odiava, sua linhagem… nunca mudaria.”

Assim como Yukline aniquilou demônios, Leviron reinou sobre os mares e Freyden derreteu no calor…

Para Iliade, a ambição em si era seu ‘sangue’.

“A criança que você ama, afinal, carrega a linhagem Iliade.”

Se ela tivesse um ‘inimigo’ adequado, um ‘oponente’ que ela gostaria de destruir, Sylvia poderia crescer mais rápido do que agora.

Ela poderia chegar mais perto de se tornar um Arquimaga em um estado muito mais rápido.

Essa provação seria o suficiente para torná-la mais forte do que ela poderia suportar.

“Você não tem que me perdoar. Você não tem que entender.”

Glitheon sabia disso melhor do que ninguém.

“Se eu pudesse ser seu combustível, ficaria feliz em me jogar no fogo dela.”

O cabelo loiro brilhante de Sylvia e o temperamento inato eram os mesmos da descrição dos antigos membros de seu clã. Ela era uma jóia nascida com o sangue Iliade mais espesso.

Sua própria existência serviu como a personificação de sua linhagem.

“Então, desta vez…”

Um desejo secreto que foi passado de geração em geração ao longo dos 200 anos de história de seus ancestrais – a posição de Arquimago.

Alguns chamavam de obsessão e desprezavam obstinação, mas Glitheon sempre pensou que sua vida era apenas um vaso feito para isso.

“Seja o combustível.”

Glitheon se lembrou da morte de Sierra.

As mãos de Deculein não estavam limpas de sua queda.

Ele não conseguiria dizer com orgulho que não estava envolvido no fim dela.

… Não.

Mesmo se Glitheon dissesse que Deculein matou sua esposa, ele não conseguiria refutar.

Afinal, essa era a verdade, bem como a morte e o assassinato sendo o destino de Iliade e Yukline.

“Graças a você, a quem minha filha ama, poderemos realizar nosso desejo.”

Não importa o que Sylvia sentisse por Deculein, tudo isso seria lenha para as chamas de ‘Iliade’.

Ela se tornaria uma luz mais intensa do que agora, surgindo como o sol que iluminava o mundo.

(…) Se isso ainda não bastasse, se até mesmo o corpo de sua esposa morta fosse insuficiente, ele estava disposto a dar sua vida por essa causa.

“Deculein matou você, Sierra. Precisamos usar essa informação a nosso favor.”

Uma tocha que ardia ferozmente, danificando-se a si mesma.

Essa foi a resolução de Iliade…

*#02#

De manhã cedo, no carro de Ren.

Olhei para o assento ao meu lado.

“…”

Louina forçou seu olhar para fora da janela do carro quando uma lágrima caiu de seus olhos.

Eu não tive pena dela nem um pouco.

Mesmo assim, mostrei um pouco de simpatia ao usar à força minha experiência como Kim Woojin.

“Não fique muito chateada.”

“…”

Ela rapidamente virou a cabeça.

“Por cinco anos, você teve a oportunidade de crescer nos limites da Yukline. Você pode chamar isso de bênção.”

“Uma bênção?!”

Ela parecia surpresa, tanto que gaguejou, mas não me importei.

Sua história foi bastante impressionante. Ela se formou na academia cedo, foi recomendada pelo ex-presidente e começou a trabalhar em uma torre mágica quatro anos antes da maioria.

Pelo que eu sabia, porém, os últimos dias de Louina não foram tão bons. Se seu ‘enfraquecimento’ começasse imediatamente, a família McQueen seria atacada.

Portanto, pode ser mais seguro para ela estar ao meu lado.

“Cinco anos não é tanto assim. Em termos de salário… Você estará ganhando cerca de 400 milhões por ano.”

“…”

“Você pode ganhar 400 milhões por ano sozinho? Se você acredita que pode, você não é objetiva o suficiente e deve mudar sua mentalidade.”

Louina mordeu os lábios em silêncio. Não muito depois, o carro chegou à sua mansão.

“Também vou recomendá-la como professor visitante. Não haverá nada mais para alcançar onde você trabalha, então apenas trabalhe na Torre da Universidade Imperial.”

Louina abriu a porta e colocou os pés no chão.

“… Você sabe,” ela então olhou para mim. “Já estava pensando em fazer isso.”

SLAM-!

Louina fechou a porta.

“…”

Abri a janela, acenando para ela enquanto ela se retirava para sua mansão.

“Pare.”

“O que há de errado, chefe?”

Louina foi sarcástica.

“Novamente.”

“… O que você quer dizer, chefe?”

Encarei Louina em silêncio. Ela se aproximou enquanto zombava de mim e fechou a porta do carro novamente.

Slam-!

Não foi muito diferente de sua primeira tentativa.

“Novamente.”

“Humpf.”

Slam-!

“Novamente.” Minha voz ficou séria.

“…”

Louina parou abruptamente de falar. Ela então finalmente abriu novamente e, desta vez, fechou-a silenciosamente.

“Bom trabalho.”

Só então a elogiei.

“…”

“Me responda.”

“… Obrigada, chefe. Você terminou?”

“Terminei.”

Saímos imediatamente. Louina, refletida no espelho retrovisor, estava olhando para ele enquanto Ren se afastava.

Eu não conseguia nem imaginar como ela se sentia, tendo que suportar uma promessa tão humilhante como uma maga.

#02#

Em uma segunda-feira ensolarada, com o sol do verão iluminando o mundo inteiro, eles realizaram uma sessão de treinamento na Montanha das Trevas.

Devido a recentes incidentes, ela havia sido chamada “Montanha do Diabo” sendo rejeitada. No entanto, as orientações vieram diretamente da Família Imperial.

[Certifique-se de treinar pelo menos uma vez por mês. Evitar o medo nunca deve fazer parte do arsenal de um mago. Se você evitar o diabo, um dia não será capaz de lutar com ele novamente—]

Foi a ordem da imperatriz Sophien.

“É um treino livre. Se alguma coisa acontecer, relate ao meu aço[1]Falando das shurikens voadoras.”

Felizmente, Deculein era o responsável hoje.

Deculein levitou aços de madeira por toda a Montanha das Trevas. Se algo acontecesse, eles poderiam pedir ajuda.

Foi um dos usos versáteis do aço de madeira que foi dotado com [Mão de Midas].

“Sim!”

Os estreantes ficaram alegremente aliviados. Sua habilidade de combate já foi comprovada.

Portanto, eles acreditavam que não importava que monstros, feras, fantasmas ou demônios aparecessem, o professor chefe Deculein os mataria facilmente.

Até a presidente avaliou seu poder de luta como inferior ao dela.

Seu treinamento começou.

“… Ei, mendiga. O que você está fazendo aí?”

Em um rio na encosta da montanha.

Epherene virou a cabeça enquanto pegava um peixe. A gangue de Lúcia estava rindo dela.

“Pescaria.”

“Quem não sabe disso? Por que você está se comportando assim? Você está tentando mostrar sua falta de estabilidade financeira?

“É porque eu quero comer. Você é estúpida?”

“… Suspirar.”

Eles não sabiam o quão delicioso era o peixe capturado na Montanha das Trevas e o quanto isso ajudava na mana de alguém.

“Puxa, aquele mendiga. Ei, vou te dar dinheiro, então compre algo para comer.”

“Eu vou levar. Obrigada.”

“… O quê? Uau, olhe para ela. Oh, só caia fora!”

Os nobres passaram por Epherene, chocados. Ela teria se sentido afortunada se isso fosse tudo que eles fizessem, mas a pedra que a sustentava se moveu de repente.

“Uh!”

Splash—!

Ela caiu no riacho, o som de suas risadas ecoando não muito longe.

“Poxa! Eu realmente odeio eles…”

Epherene suspirou e agarrou seu arpão novamente.

Com isso, ela pegou dois peixes.

“Estou com sorte.”

Ela removeu suas tripas, removeu suas escamas, espetou-os e fez uma fogueira para cozinhá-los. Enquanto praticava suas habilidades de sobrevivência, uma sensação estranha cruzou sua mente.

“…?!”

Seu corpo inteiro formigou como se eletricidade estática surgisse de dentro dela.

“O que foi isso…?”

Sua intuição a fez sentir como se suas têmporas estivessem prestes a explodir.

Epherene se levantou.

Pat— Pat—

Slurp.

“Oh, estou começando a babar.”

Ela sentou-se novamente ao som do peixe sendo cozido.

Ao fazê-lo, um arbusto próximo balançou e um hóspede indesejado apareceu além dele.

“Quem está aí? Não faça nada estranho. Estou de olho em você.”

Olhando para ela, ela logo identificou a figura que se aproximava.

“… Epherene sua arrogante.” Ela semicerrou os olhos para ela.

“… Sylvia?”

“O que você está fazendo aqui?”

Epherene inclinou a cabeça. “O quê? Apenas algumas horas se passaram. Nossa sessão de treinamento já terminou?”

“Estúpida. O treinamento não é o problema aqui…”

Sylvia parou por um momento e observou a carne sendo cozida. Seguindo seu olhar, Epherene estendeu um dos dois espetos para ela.

“Quer comer? Tem um gosto bom.”

“…”

Esquecendo o que ia dizer, Sylvia sentou-se em uma pequena pedra. Suas roupas pareciam tão sujas que parecia que ela já estava aqui há muito tempo…

“Você pode ficar com isso. Cozinhei direito.”

“OK.”

Os dois comeram juntos.

Chomp-

Epherene deu uma mordida e seu corpo tremia de êxtase. Sylvia fechou os olhos silenciosamente.

“É tão bom…”

A refeição delas provou que os peixes da Montanha das Trevas eram muito saborosos.

Não tanto quanto um Roahawk, no entanto.

– Segunda melhor opção, então?

Chomp— Chomp—

Eles devoraram sua comida às pressas.

Notas

Notas
1 Falando das shurikens voadoras

Aviso do Tradutor:

Croollly

Rolar para o topo