Selecione o tipo de erro abaixo

No quarto do Palácio Imperial.

O quarto silencioso foi preenchido apenas com o som da respiração e o cheiro forte de remédio.

— Por que não estou melhorando?!

Yovanes gritou em direção ao médico imperial com uma cara carrancuda.

Seus dedos magros tremiam por semanas com seus lábios frágeis.

— Eu também não tenho certeza. Tenho usado o medicamento corretamente…

— Você está tentando me matar.

Yovanes, que ergueu a voz, finalmente começou a tossir em acessos.

Cada respiração era dolorosa, e se ele demonstrava um pouco de emoção, tossia assim, tornando cada dia doloroso de suportar.

— Uh, Vossa Majestade, venha e tome o remédio…

O médico imperial, que estava tão intimidado e cauteloso, rapidamente pegou um frasco de remédio quando Yovanes começou a tossir.

— Ah..Você…

Yovanes, que mal engoliu alguns goles do remédio, agarrou o médico imperial pelo colarinho.

— Sa-Salve, Sua Majestade!

O médico fechou os olhos com força e estremeceu.

— Agora, faça o remédio… Se você não quiser morrer…

Ele começou a tossir novamente e viu sangue vermelho em seus olhos. Eventualmente, depois de beber outro frasco de remédio que o médico lhe deu, ele começou a respirar facilmente novamente.

— Haa…

Olhando para as costas do Doutor como se ele estivesse correndo para fora do quarto.

Fez-se silêncio novamente no quarto.

— Ah…

Yovanes estava isolado.

Ele não estava dizendo que estava preso por alguém.

Só que ninguém veio visitar Yovanes.

Yovanes estava sendo esquecido.

— Que sujeito ingrato.

Olhando como se estivesse matando alguém em seu quarto, Yovanes puxou a corda ao lado da cama com força.

— Você chamou, Sua Majestade?

A dama de honra Otua desapareceu repentinamente um dia, e a jovem principal de honra, que ocupou o lugar recentemente, perguntou com a cabeça baixa.

— Traga o Segundo Príncipe.

Por ordem de Yovanes, a empregada demorou um pouco.

Era porque agora, bem começando a tarde, o Segundo Príncipe devia estar ocupado trabalhando.

— Sim, Sua majestade.

Mais uma vez, a criada saiu educadamente do quarto.

Depois de um tempo.

— Você chamou, Sua Majestade?

Quando Perez entrou e cumprimento, Yovanes sorriu descontroladamente.

— Disseram que você está muito ocupado.

Perez não respondeu.

Foi porque já tinha ouvido pela empregada que Yovanes estava muito aborrecido.

Nenhuma das pessoas que compareceram a Yovanes não estava do lado de Perez.

— Você acha que esse poder pertence a você?

Yovanes foi muito sarcástico.

— Com minhas palavras, você não será nada imediatamente.

Eu ainda tenho o poder.

— … Eu sei.

Perez respondeu em voz baixa.

Diante dessa aparição, Yovanes ergueu o canto da boca novamente e disse.

— Traga um chá.

— … vou chamar a empregada imediatamente.

— Não, traga você mesmo.

Se Perez e Yovanes são próximos, não é muito complicado.

Independentemente do status, fazer chá para alguém de quem você gosta era uma expressão de afeto e respeito.

Mas Yovanes agora tentava humilhá-lo, ordenando que lhe trouxesse chá em vez de sua criada.

— Por quê? Você não pode?

Yovanes perguntou a Perez, que ficou em silêncio.

Perez, que pareceu um pouco falso por um momento, respondeu.

— … Não, não é isso. Por favor, espere um momento.

Depois de abrir a porta e pegar água quente com sua empregada, Perez começou a preparar o chá diretamente ao lado da cama de Yovanes.

Yovanes olhava para cada movimento de Perez com a intenção de repreendê-lo imediatamente se ele cometesse algum erro, mas, no final, não havia razão para criticar.

Não foi até que a água do chá verde claro foi colocada em uma xícara de chá com um baque, que Yovanes desviou o olhar e bebeu o chá.

O aroma refrescante das flores estimulou seu nariz.

— Naquela época… Era o chá que eu bebi antes do início da conferência.

— Está certo.

Yovanes estava interiormente pasmo.

Era porque beber chá parecia tornar um pouco mais fácil respirar.

Yovanes disse a Perez, que estava parado sem chá e com a mão atrás das costas.

— Segundo Príncipe, venha duas vezes por dia e traga este chá para mim.

Foi um pedido ridículo.

Perez estava fazendo todo o trabalho do imperador em seu lugar.

E agora ele quer que o príncipe venha duas vezes por dia fazer chá.

Mas Yovanes foi atrevido.

Se Perez se recusasse, ele pretendia atrasar a nomeação do Príncipe Herdeiro usando isso como desculpa.

— Eu farei isso.

Mas Perez acenou com a cabeça em um tom calmo.

— Estarei de volta amanhã de manhã. Descanse.

Quando Perez o cumprimentou e saiu do quarto, Yovanes foi deixado sozinho novamente.

Mas, ao contrário de antes, Yovanes estava sorrindo.

Aí ele puxou o barbante mais uma vez para chamar a empregada e disse.

— Peça ao presidente Killian para passar por aqui amanhã de manhã.

 Não serei esquecido assim.

Yovanes pensou, se contorcendo novamente.


Meu pai e eu saímos da mansão e chegamos à praça Lombardi, exatamente em frente ao chafariz.

Era uma fonte que estava seca porque era inverno, mas era um símbolo da praça e as pessoas aglomeravam-se em volta dela.

— Você gostaria de sentar aqui por um minuto?

Meu pai sentou-se perto da fonte e bateu no assento ao lado dele.

Sentei-me na cadeira apontada por meu pai.

— Você pode ver aquela árvore ali? Quando chega a primavera, as flores desabrocham naquela árvore. E quando o vento sopra, as pétalas sopram por todo o caminho até aqui.

Meu pai disse com um grande sorriso no rosto.

— E aqui eu conheci Shan pela primeira vez.

— Minha mãe?

Fiquei um pouco surpresa e perguntei novamente.

— Sim, eu estava sentado aqui desenhando aquela árvore cheia de flores. E conheci Shan.

Como se tivesse voltado àquela época, papai cruzou os olhos e sorriu.

— Por ali… Sim, Ela caminhou olhando direto para mim daquela estrada. E ela parou na minha frente e perguntou ‘Você gosta de desenhar?’.

— Você se lembra de tudo isso?

— Bem, essa é a primeira coisa que sua mãe me disse. E na verdade…

Meu pai sorriu um pouco timidamente e coçou a bochecha.

— Me apaixonei desde a primeira vez que a vi.

— Oh, amor à primeira vista!

Foi uma anedota que eu nunca tinha ouvido na minha vida anterior e nesta vida, até agora.

— Achei que deveria te contar isso um dia, Flore, o que acha?

— Bom! Eu também estava um pouco curiosa.

Porque meu pai raramente fala sobre minha mãe.

Só soube que ela morreu pouco depois de me dar à luz.

Mas era algo que eu não conseguia nem perguntar ao meu pai sem avisar.

— Então, vamos comer primeiro?

Meu pai perguntou, assumindo a liderança.

Levantei-me rapidamente e caminhei com meu pai.

E onde chegamos era um restaurante pequeno e decadente.

À primeira vista, era um local com um ambiente que parecia ser um restaurante com uma história.

Como era bom o cheiro da comida fluindo, meu estômago roncou inconscientemente.

Com familiaridade, meu pai abriu a velha porta de madeira e sentou-se perto da janela.

— Dois ensopados, por favor.

Quando fez o pedido, uma mulher de meia-idade que estava servindo comida com diligência, veio com uma grande tigela redonda cheia de ensopado e cheia de carne.

Enquanto eu engolia minha saliva enquanto observava o guisado fumegante, uma mulher de meia-idade que trouxe uma cesta de pão para acompanhar o guisado perguntou ao meu pai.

— Huh? Você me parece familiar.

— Haha. Eu costumava ser um regular há muito tempo.

Quando meu pai sorriu confortavelmente, a mulher de meia-idade bateu palmas ruidosamente e deu-lhe as boas-vindas.

— Oh meu Deus, sim! Achei que você parecia familiar! Você sempre esteve com uma pequena senhora, não é?

— Sim, está certo.

— Entendo. Esta é sua filha, não é?

A mulher de meia-idade disse enquanto olhava para mim.

Para ser sincera, eu estava um pouco nervosa.

Era um restaurante não muito distante da mansão Lombardi.

Ela pode reconhecer meu rosto.

— Você se parece com a sua mãe!

No entanto, ela era uma mulher de meia-idade sem nenhum sinal disso, e ela estava simplesmente feliz.

— Eu não deveria tratar um visitante regular assim depois de muito tempo. Espere um minuto!

Depois de dizer isso, a mulher de meia-idade, que estivera ocupada visitando sua cozinha, segurou uma torta de maçã recém assada nas mãos.

— É por minha conta! Coma ensopado e sobremesa!

A mulher de meia-idade, que deixou palavras tão agradáveis, voltou a trabalhar ocupada.

— É agitado, não é?

Meu pai olhou em volta do restaurante barulhento e me perguntou.

Na verdade, não.

Na minha vida anterior, eu também trabalhei duro em um restaurante como este, onde os plebeus se reuniam enquanto trabalhavam duro.

— Sempre há algo que meu pai diz. Os cidadãos de Lombardi não deveriam conhecer os rostos da família Lombardi.

— Você está dizendo que posso ficar confortável e que nem liga para quem está encontrando?

— Sim, de fato, os cidadãos de Lombardi fazem.

Meu pai disse isso e me encorajou a experimentar o ensopado.

— Uau, é delicioso!

Mesmo sendo um pouco cedo para o jantar, eu esperava que a comida neste restaurante estivesse boa depois de ver tantas pessoas.

O cozido quente estava mais delicioso do que eu pensava.

— Era a comida favorita de Shan.

Meu pai disse isso quando começou a comer com tanto prazer.

No final, meu pai e eu até esvaziamos a torta de maçã que ganhamos de graça e saímos do restaurante.

— … hã?

Mas quanto mais eu andava, mais estranho ficava.

— Para onde vamos agora, pai?

— Estaremos aí em pouco tempo.

E, finalmente, paramos de andar em um beco em uma área residencial onde as pessoas comuns viviam juntas.

— Aqui estamos, Flore.

Meu pai apontou para uma pequena casa no canto.

Uma linda casa com telhado vermelho e uma parede de tijolos rasa.

Um pequeno jardim que parece primavera ficará esverdeado quando os dias ficarem mais quentes.

— Esta é a casa onde Shan e eu vivemos juntos até entrarmos na mansão.

— Ah…

Eu não podia acreditar

Olhei para o meu pai que olhava para a casa com saudade, e depois virei a cabeça.

Descendo a rua, vi uma padaria que estava fechando depois de um dia de negócios.

‘Flore Perry’

Quando eu tinha apenas onze anos, era a padaria onde Laurel e eu íamos comer sanduíches.

E bem na frente dela, eu vi o prédio onde eu morei na minha vida anterior.

— Aqui estamos.

Mais uma vez, olhei para a casa onde meu pai e minha mãe moravam.

Era uma casa familiar.

Porque eu andava por esta rua todos os dias.

Na minha vida anterior, vivi sem saber que a casa cheia de lembranças de minha mãe e meu pai estava tão perto.

Então, meu pai disse, apontando para a padaria da Flore Perry.

— O pão daquela casa é muito delicioso. Shan adorou. Vamos nos encontrar bem cedo na próxima vez. Há um menu secreto que só os clientes habituais conhecem!

Eu não pude dizer nada.

Meu pai me deu um tapinha de leve no ombro e riu enquanto ficava parado.

— Então devemos entrar?

Picture of Olá, eu sou o Babi.Bia!

Olá, eu sou o Babi.Bia!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥