Capítulo 12 – Passe para o Inferno

Bruxo Inumano

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Passe para o Inferno


Tradutor:<impronunciável>

 

“Estou disposto a ser seu cachorro. Só não tire minha casa de mim. Isso é tudo para mim!” o velho implorou. Lágrimas continuavam saindo de seus olhos que estavam sangrando em vermelho agora.

O ruivo sorriu ao se aproximar do velho. Ele se apoiou sobre um joelho diante do homem enquanto tocava suas bochechas.

“Oh cara, eu não sabia sobre isso. Eu nunca teria intimidado tanto você se soubesse o quão triste é sua vida”, disse ele suspirando.

O velho assentiu ao ver a preocupação no rosto do ruivo. Ele achou isso um tanto suspeito, mas ele só podia acreditar.

O ruivo deu um tapinha na cabeça do velho gentilmente antes de se levantar.

Bang!

O velho tinha acabado de enxugar os olhos embaçados; no entanto, antes que pudesse ter uma visão clara, ele ouviu um tiro.

Uma bala penetrou em sua cabeça, deixando um grande buraco em seu crânio. Seus olhos permaneceram abertos em choque quando o velho caiu no chão, morrendo instantaneamente.

Lúcifer parou de olhar para a cena comovente. Ele não se importava com o que quer que essas pessoas fizessem, mas o barulho da arma atraiu sua atenção.

Ele olhou para o pequeno grupo apenas para encontrar o velho caído no chão. O sangue estava saindo de sua cabeça.

O ruivo estava rindo ali perto. Uma arma estava em sua mão, que ainda apontava para o velho.

Bang! Bang! Bang!

O ruivo disparou mais três tiros, apesar de saber que o velho já estava morto, como se não tivesse o suficiente.

Ele não parou de rir como um louco enquanto atirava. Sua risada ecoou nos arredores. Ele ficou tão feliz que pessoas desavisadas podem ter entendido mal e pensado que era o dia do casamento do ruivo.

“Hahaha, seu idiota! Você realmente pensou que o deixaríamos viver? Por que eu deveria me preocupar com a sua vida lamentável?” o homem declarou enquanto apertava os olhos.

“Devíamos apenas vender a casa dele e conseguir mais dinheiro”, disse um dos homens.

“Sim. Mesmo se for uma casa de lixo, devemos ser capazes de conseguir alguma coisa”, o homem ruivo sorriu.

Além desses poucos homens, nem uma única pessoa estava nas ruas.

Nenhum dos cidadãos queria se envolver com as gangues. Eles não queriam morrer. Todos se trancaram dentro de suas casas.

“Pobre coitado, ele nem sabia que fomos nós que roubamos o dinheiro da casa dele. Foi tão divertido ver suas expressões enquanto ele morria”. Outro cara começou a rir enquanto chutava o corpo do velho.

“Vamos entrar na casa. Afinal, ela pertence a nós”, disse o ruivo ao começar a caminhar em direção à casa. Um dos dois homens restantes seguiu o homem ruivo para dentro.

A terceira pessoa era um homem de cabelos escuros que havia ficado do lado de fora. Ele tirou um maço de cigarros do bolso.

Ele puxou um cigarro do maço e o colocou nos lábios antes de acendê-lo com um isqueiro.

“Essa é a vida,” o homem de cabelos escuros deixou escapar com um sorriso no rosto.

Lúcifer apenas deu uma rápida olhada no cadáver, mas não houve mudança em suas expressões. Ele não parou e continuou andando.

Ele se sentiu um pouco zangado, no entanto. Do jeito que aqueles caras riram, ele pôde ver um vislumbre daquele cientista louco neles. Havia um desejo dentro dele de matar aquelas pessoas, mas havia outro desejo, que dizia para não se importar.

Essas eram formigas. Por que ele deveria se importar? Ele estava em conflito, mas decidiu ignorar. Era como se ele só precisasse de uma faísca para explodir.

Infelizmente, essa faísca veio mais cedo do que o esperado quando os olhos do homem de cabelos escuros pousaram em Lúcifer. Ele não sabia que sua ação seguinte seria sua passagem só de ida para o inferno.

*****

Os olhos do homem de cabelos escuros pousaram em Lúcifer. Lúcifer estava vestido com roupas largas, o que parecia um tanto engraçado.

“Ei, criança! Venha aqui!” Ele chamou Lúcifer.

Lúcifer ignorou as palavras e não parou.

Quando o homem de cabelos escuros viu Lúcifer ignorá-lo, seu sangue começou a ferver. Ele perdeu o controle de suas palavras, o que seria seu maior arrependimento em breve.

“Você, pequeno bastardo! Estou falando com você! Ouça-me, seu filho da p …”

Ele ainda não tinha terminado a frase quando um raio negro atingiu o crânio do homem.

Seu corpo caiu no chão imediatamente quando ele morreu. Mas isso não foi suficiente. O que ele disse era intolerável! Ele ousou falar mal da mãe de Lúcifer, que era seu limite.

Lúcifer correu em direção ao homem de cabelos escuros que jazia morto no chão. Seu crânio estava preto carbonizado.

Lúcifer parou diante do cadáver. As palavras que este homem acabara de dizer agora ainda ecoavam em sua cabeça. Ele ergueu o pé direito e pisou na cabeça do homem de cabelos escuros, esmagando seu crânio.

Ele não parou. Ele continuou pisando de novo e de novo, mas sua raiva não parava. Não foi o suficiente. Ele precisava de mais!

Ele olhou para a direita em direção à pequena casa onde os dois parceiros deste homem de cabelos escuros haviam entrado.

Tradutor:

Impronunciável

Impronunciável

Rolar para o topo