Selecione o tipo de erro abaixo


『 Tradutor: Otakinho 』

Golem Fantasma Costurado.

O Golem Fantasma Costurado parecia uma boneca de pano do tamanho de uma palma. A metade esquerda tinha a forma de um homem, enquanto a metade direita tinha a forma de uma mulher. Todo o seu corpo estava cheio de pontos e marcas de linha. Seu corpo era preto e manchas de sangue estavam por toda parte. Seu rosto era composto por um único olho sangrento.

Três guardas fantasmas seguiriam este Golem no momento em que fosse criado com sucesso. Era o único meio de ataque do Golem.

Os três guardas fantasmas eram existências incorpóreas; eles não poderiam ser afetados por ataques físicos. Além disso, levariam consigo um pedaço da alma do alvo toda vez que passassem pelo corpo do alvo. Eles poderiam então selar esse pedaço dentro do corpo do Fantasma Costurado.

Uma vez que o número de pedaços atinja uma certa quantidade, o Golem poderia ativar o Anexo da Alma uma vez. Seria capaz de assumir o controle do corpo do alvo por um curto período. A taxa de sucesso do Anexo da Alma dependia da diferença de Espírito entre o Golem e a criatura alvo. Quanto mais forte for o Espírito do alvo, menor será a taxa de sucesso. Se o Espírito do alvo fosse o dobro do Golem, então o anexo falhará!

Greem largou o cristal do conhecimento e pensou no Golem. Ele não pôde deixar de ficar surpreso com a vastidão e a estranheza do mundo da magia. Um Golem Fantasma Costurado como esse não era forte, mas era excepcionalmente estranho e imprevisível. Um oponente poderia facilmente ser derrubado se não tivesse meios de lidar com ele.

Este cristal de conhecimento deveria ter vindo das mãos de uma classe conhecida como Mestre da Alma.

Mestres da Alma não eram uma raça. Eles eram uma classe única.

Eles poderiam ser de qualquer raça ou forma de vida, e a especialidade de sua classe era a habilidade de dissecar e cortar almas para usar na criação de todos os tipos de servos de almas. Esses pedaços de alma que cortaram de suas próprias almas possuíam uma conexão estreita que nenhuma magia poderia cortar; eles nunca precisaram se preocupar com o fato de seus servos de alma se voltarem contra si mesmos.

Os servos criados por esses pedaços eram etéreos. Eles poderiam ignorar todas as defesas físicas e atacar diretamente a alma e a consciência mental do inimigo. Além disso, os servos de alma eram um com seu mestre, tornando o ato de controlá-los extraordinariamente natural e confortável. Não haveria atraso no pensamento e na ação, mesmo quando controlado remotamente.

No entanto, as fraquezas desses servos eram tão aparentes quanto os seus pontos fortes. Se fossem destruídos, causaria danos à alma do mestre das almas. Tal lesão exigiria muito tempo para se recuperar. O mestre da alma enfrentaria até mesmo o risco de ter sua alma dispersa e sua consciência mental exterminada, especialmente se muitos de seus servos de alma fossem destruídos de uma só vez.

Os servos da alma eram espadas de dois gumes. Risco e poder vieram de mãos dadas!

Greem agora possuía conhecimento do método para criar o Golem Fantasma Costurado e a cerimônia de anexo à alma depois de ler o cristal de conhecimento. Era inteiramente possível para ele criar este Golem com sua habilidade e poder atuais. Após um momento de hesitação, Greem guardou o cristal do conhecimento e silenciosamente começou a avaliar a relação custo-benefício desse Golem.

…………

Pântano das Mágoas.

Barro e poças imundas estavam por toda parte.

Olhando à distância, a única coisa que preenchia a visão seria a lama de cor escura e a água preta acumulada no chão. Qualquer coisa mais distante estava obscurecida por uma espessa camada de névoa. Era difícil ver longe neste ambiente.

A névoa era espessa e a terra estava silenciosa.

No entanto, perigos inimagináveis ​​e morte surgiram neste silêncio.

Caçadores astutos e sinistros podem estar escondidos sob cada pedaço do Pântano das Mágoas. Eles se esconderam silenciosamente sob as águas turvas e pungentes, esperando a chegada de suas presas.

Esses pedaços eram frequentemente conectados entre si por túneis estreitos no fundo. Permitindo-lhes mudar de posição ou recuar sem alertar ninguém. A presa só sentiria o perigo se aproximando no momento em que os caçadores atacassem com as mandíbulas ensanguentadas abertas.

Um barulho alto quebrou o silêncio neste mundo.

A perna de um dragão grosso e escamoso pisou em uma poça, espalhando água e lama por toda parte.

“Droga.”

Draconato Asa xingou em voz alta enquanto puxava a perna dianteira com muita dificuldade.

Sua voz alta viajou longe nos pântanos silenciosos, mas Asa não se importava.

Pois ele era um Draconato!

Se os dragões fossem os nobres governantes de Lance, então eles, os servos desses dragões, seriam nobres de vários status. Os Draconatos eram os guerreiros mais fortes incontestáveis ​​em qualquer terra, e antes de qualquer espécie, em Lance. Eram os cobradores de impostos mais rigorosos e os executores mais justos da lei.

Nenhum nativo ousava ofender um nobre Draconato, mesmo que fosse apenas um guerreiro Draconato comum ou um batedor. Quanto a atacar um Draconato? Esse era um crime imperdoável que resultaria no extermínio de toda a tribo!

Assim, o Draconato Batedor Asa não precisava se preocupar, mesmo enquanto caminhava pelo desconhecido Pântano das Mágoas. Ele até foi contra os princípios de ser um batedor ao deixar escapar tal barulho.

Estranhamente, Asa não foi atacado pelas criaturas do pântano escondidas nos arredores, mesmo depois de ter feito tanta comoção. Em vez disso, fez com que os animais mergulhassem em pânico e escapassem para longe através dos túneis.

Um sorriso malicioso apareceu no rosto comprido e afiado de Asa quando viu as bolhas subindo das poças turvas.

Ele arrastou seu corpo grande e pesado e começou a caminhar rapidamente pela estrada de terra mais sólida.

Aqui no Pântano das Mágoas, era preciso ser capaz de reconhecer qual pedaço de terra poderia ser pisado e qual continha um buraco embaixo. Caso contrário, seria fácil ficar preso em toda aquela lama. Isso também teria sido um grande insulto para Asa, já que ele era um batedor.

Um grande exército marchava descaradamente a apenas trinta e cinco quilômetros atrás dele.

Como o batedor que enviaram, Asa precisava eliminar todas as emboscadas possíveis no caminho do exército. Por outro lado, também precisava afugentar aquelas criaturas incômodas do pântano, caso interrompessem o progresso do exército.

Na verdade, não havia nenhuma criatura em Lance que ousasse emboscar tal exército. Asa ainda se lembrava da última emboscada. Já fazia mais de trinta anos.

Um homem-lagarto atacou um cobrador de impostos, tendo enlouquecido pelos pesados ​​impostos. O homem-lagarto jogou lama no Draconato. Assim, toda aquela área foi limpa. Seja a tribo dos homens-lagarto ou a tribo dos kobolds, tudo que pudesse ficar sobre duas pernas foi massacrado pelos Draconatos.

Desde então, todas as tribos nativas de Lance se escondiam freneticamente dos Draconatos, com medo de ofendê-los acidentalmente.

Os batedores não precisavam se preocupar com aquelas tribos nativas aterrorizadas quando saíam em expedições. Em vez disso, tiveram que tomar cuidado com as muitas criaturas mágicas selvagens na região.

Eles eram seres primitivos poderosos, sem inteligência para diferenciar entre aqueles que podiam provocar e aqueles que não podiam. A principal tarefa de Asa era afugentar essas criaturas!

Asa caminhou mais um quilômetro e meio no pântano úmido e escuro antes de parar.

Isso não estava certo. Algo não estava certo neste lugar!

Quieto. Silêncio sem precedentes. Mesmo os pequenos sons das pítons deslizando nas folhas podres e das sanguessugas borbulhando nas águas turvas não podiam ser ouvidas.

A enorme área pantanosa tornou-se incomumente silenciosa, quase como se todos os seres vivos aqui tivessem morrido de repente.

Morte…

Asa sentiu algo errado com seu corpo quando esta palavra apareceu em sua mente.

Ele rapidamente deu dois passos para o lado, inclinou o corpo e abaixou a cabeça. Só agora percebeu que havia sido atingido.

Uma aura quase intangível de névoa cinzenta subiu da poça abaixo, poluindo as escamas de Asa e transformando-as em uma cor cinza. À medida que a névoa ficava cada vez mais densa, a taxa com que o cinza corroía o corpo de Asa aumentava. Rapidamente se espalhou pela metade superior do corpo.

O que era isso?

Toxina? Uma criatura viva? Ou a estranha habilidade de alguma criatura mágica?

O cérebro de Asa estava girando rapidamente. Seu treinamento constante como batedor já o estava levando a fugir da névoa cinzenta. Asa soltou um rugido abafado ao escapar para uma estrada de terra próxima. A luz ofuscante do fogo explodiu de suas escamas.

O físico robusto de Draconato deu a Asa uma resistência mágica excepcional. O veneno biológico comum não seria capaz de causar danos letais a ele. Ele já estava reunindo forças e planejando seu contra-ataque ao escapar da armadilha do inimigo.

No entanto, um intenso torpor tomou conta de sua mente enquanto ele estimulava ferozmente o sangue dentro de seu corpo.

Asa tropeçou alguns passos e quase caiu no chão.

Suas pernas de dragão, anteriormente robustas, balançavam e tremiam. Elas não podiam mais suportar seu enorme peso.

Droga! Que veneno é esse? Por que é tão forte?

Asa mais uma vez rugiu furiosamente. Ele ergueu o machado de metal pesado bem acima de sua cabeça e pretendia disparar uma bola de fogo feroz no ar para alertar o exército Draconato atrás dele.

Infelizmente, enquanto erguia seu corpo com grande esforço, uma silhueta, magra e murcha, apareceu de repente em sua visão embaçada.

“Tire uma soneca! Durma com os anjinhos! Você deveria apenas tirar uma soneca agora que me encontrou, a Bruxa Venenosa Endor.”

No segundo seguinte, uma dor intensa percorreu cada parte de seu corpo e se reuniu para destruir a consciência de Asa, como se a figura diante dele o tivesse amaldiçoado com sucesso.

Clang!

O machado de metal caiu no chão, e o grande corpo do Draconato desabou lentamente, espalhando ainda mais água suja nos arredores.

O corpo murcho da Bruxa Venenosa Endor se aproximou do batedor depois que ela o derrubou. Ela casualmente fez um movimento de agarramento e a maior parte do veneno foi extraída de seu corpo. No entanto, ela manteve parte do veneno no crânio do Draconato. Dessa forma, o Draconato não seria capaz de acordar facilmente.

“Venha, leve-o de volta para a base!”

A voz de Endor não era muito alta, mas imediatamente causou comoção nos arredores.

A sujeira voou e a água espirrou em algumas grandes áreas próximas. Uma dúzia de grandes máquinas de construção saíram do pântano para se aproximar da bruxa com passos pesados.

As máquinas de construção avançaram, ergueram o Draconato inconsciente e correram para as profundezas da névoa, tudo sob o comando de um Goblin sentado bem acima de uma máquina aberta.

Endor ergueu seu rosto velho e sinistro para olhar na direção de onde o batedor veio.

“Os subordinados daquela dragonesa vieram rápido! Parece que teremos que lutar com eles aqui no Pântano das Mágoas.”

A Bruxa Venenosa Endor puxou o capuz sobre a cabeça mais uma vez depois de murmurar para si mesma e desapareceu silenciosamente do local.

[Combo: 20/25]

Picture of Olá, eu sou o Crimson!

Olá, eu sou o Crimson!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥