Selecione o tipo de erro abaixo


『 Tradutor: Otakinho 』

A conversa com Oliven foi agradável e descontraída.

Ambas as partes não tiveram conflito de interesses. Ambos procuraram Lance na esperança de ganhar algo com isso. Todos queriam obter o máximo que pudessem dos dragões.

As guerras entre planos no passado eram situações tudo ou nada. Os conflitos giravam em torno da posição dominante do plano e o vencedor ficaria com tudo. No entanto, Lance era diferente. Se todos os dragões se unissem, teriam poder suficiente para esmagar a pequena facção de Greem cem vezes.

A força não era uma solução. Um plano mais suave e pacífico precisava ser posto em ação.

Uma base logística firmemente estabelecida seria primeiro construída tendo as Montanhas de Pedras Talhadas como o centro de tudo. Eles então projetariam lentamente seu poder para fora. Primeiro, lidariam com os Dragões de Segundo Grau. Um por um, cuidariam desses dragões que se mantinham isolados.

No entanto, a força dos dragões não era uniforme. Ainda era difícil garantir a captura de todos os dragões, mesmo que a facção de Greem tivesse três no Segundo Graus. Por isso seria bom ter Oliven se juntando a eles. Ela era a ruína dos dragões e poderia alcançar um efeito tremendo em momentos cruciais.

No entanto, ela era uma lâmina matadora de dragões muito visível. Se a notícia dela chegasse aos dragões, Greem estaria lascado. Assim, a melhor forma de usar Oliven tornou-se o maior teste para o Q.I de combate de Greem.

Oliven não queria nada de todos os despojos. Ela só queria um dragão completo. Ela não mudaria de ideia mesmo depois que Greem lhe prometer centenas de milhares de cristais mágicos. Isso lhe deu uma dor de cabeça imensa!

Era verdade que seriam capazes de obter literalmente uma colina de riqueza toda vez que conquistassem uma toca de dragão. No entanto, se alguém contasse os números seriamente, descobriria que a riqueza de um dragão não era tão exagerada quanto as lendas.

Em seu atual nível de poder, Greem e seu grupo só conseguiram derrotar os jovens dragões que mal haviam atingido a maioridade. Esses dragões estavam ocupados dormindo para desenvolver seus corpos ou entregando-se a suas vidas como lordes.

Não havia muita riqueza para esses dragões. Todas as tribos nativas em seus territórios levavam vidas primitivas e incivilizadas. Eles ofereciam bastante carne seca e alimentos, mas muito poucas moedas de ouro ou pedras preciosas mágicas dignas de menção. O que poderiam esperar roubar desses idiotas pobres?

Se não roubassem esses nativos, a única maneira de obter riqueza seria roubando em outros planos de pequeno porte.

Tal plano tinha riscos demais.

Se o caminho de retirada deles fosse interrompido, então não seria mais uma questão de serem os ladrões. Em vez disso, se transformariam em mensageiros gentis, entregando mercadorias de dragões para planos estrangeiros! Arms no Terceiro Grau tomou muito cuidado ao escolher o imensamente fraco Plano Goblin, mas até ele quase perdeu a vida lá. Dragões de Segundo Grau como eles só enfrentariam mais perigo se invadissem outros planos.

É claro que não era como se não tivessem meios de ganhar dinheiro.

Assim como os humanos e suas sociedades, os dragões também tinham seus próprios círculos sociais.

Se uma figura proeminente dos dragões focasse em um plano rico e cheio de recursos, frequentemente convocariam alguns lacaios de seus círculos sociais. Quando isso acontecesse, aqueles dragões mais jovens e mais fracos que não tinham força nem coragem para invadir por conta própria atenderiam ao chamado e se colocariam sob o comando dos dragões mais poderosos.

Assim funcionava as invasões. Um Dragão de Quarto Grau sairia para lidar com as potências do plano, enquanto os dragões do Segundo e Terceiro Grau iriam pilhar. Eles só precisariam entregar metade de todos os seus despojos ao dragão de Quarto Grau, e o resto seria suficiente para mantê-los felizes por um tempo.

Por que os dragões não conquistaram apenas o plano e levaram todos os recursos se tinham esse tipo de poder? Oliven imediatamente refutou a pergunta de Greem no momento em que saiu de sua boca. Ela falou com desprezo.

Os dragões só gostavam de moedas de ouro, joias e todo tipo de tesouro valioso que brilhasse intensamente. Porém, não gostavam de gestão e construção. Se encontrassem algo que gostassem, simplesmente pegariam para si. Por que se dar ao trabalho de ajudar aquelas tolas formigas nativas a desenvolver e criar um sistema para tudo isso?

Por que não simplesmente abraçar sua riqueza e dormir sobre a pilha montanhosa de moedas de ouro se tivessem esse tempo? Dessa forma, seus poderes poderiam continuar crescendo enquanto dormiam. Quando acordassem, os recursos do plano teriam se recuperado novamente, bem a tempo de voltarem a roubar.

Até mesmo Greem não pôde deixar de balançar a cabeça, exasperado, quando pensou nas coisas dessa maneira.

Com toda a seriedade, esse estilo de pastoreio preguiçoso e rude dos dragões realmente lhes convinha melhor. Outras raças não seriam capazes de imitá-los, mesmo que quisessem.

Naturalmente, Greem não tinha intenção de se conter com o Dragão do Vento. Ele tirou tudo de sua toca.

Gazlowe também enviou um inventário organizado para Greem enquanto ele conversava com Oliven.

Havia 1.307.633 moedas de ouro de vários modelos, 428 pedras preciosas mágicas, 129.000 cristais mágicos, 350.000 pedras mágicas, 37 espadas longas mágicas, 142 armaduras encantadas, 11 cajados e varinhas de outro mundo, 115 núcleos de cristal de bestas mágicas, 54 pergaminhos mágicos elementais (Primeiro Grau), 14 pergaminhos mágicos intermediários (Segundo Grau), 2 pergaminhos mágicos avançados (Terceiro Grau), 21 tomos mágicos e 1 cristal de conhecimento sobrenatural.

Gazlowe realizou um cálculo aproximado. Se esses tesouros fossem processados ​​adequadamente, poderiam, no mínimo, trazer um lucro direto de aproximadamente 650.000 cristais mágicos para Greem e o Clã Carmesim.

Havia até itens entre o tesouro que realmente atraíram Greem.

A maioria desses quatorze pergaminhos mágicos intermediários eram feitiços comuns como Bola de Fogo Explosiva, Tornado em Cachoeira ou Toque Vampírico. Eles não eram muito úteis para Greem. No entanto, ainda havia alguns pergaminhos que eram úteis para ele.

Âncora Dimensional. Um pergaminho mágico intermediário, de origem desconhecida. Quando lançado em um conjurador, pode impedi-lo de lançar qualquer feitiço de teletransporte por vinte e cinco segundos.

Claro, o feitiço também poderia interromper quaisquer portas ou portais de teletransporte que já tivessem sido conjurados com sucesso.

Imagem espelhada. Pergaminho mágico intermediário. Capaz de criar de três a cinco imagens espelhadas do lançador dentro de trinta metros dele para confundir o inimigo.

Essa magia pertencia à magia do atributo água no sistema adepto. Adeptos com domínio de fogo como Greem nunca poderiam lançá-lo em circunstâncias normais. Portanto, era uma boa ideia trazer um com ele o tempo todo.

Os que foram mais úteis para Greem foram os dois pergaminhos mágicos avançados – Deslocamento de Plano e Toque da Morte.

Se formos pelos níveis em que o poder mágico foi dividido, esses dois pergaminhos possuíam o poder dos feitiços de Terceiro Grau.

Deslocamento de Plano teletransportaria o dono do pergaminho para um mundo plano aleatório. A chance de alcançar um plano material era de apenas 13%. Era mais provável que o usuário fosse teletransportado para os temíveis reinos inferiores. Afinal, todos os planos materiais recusaram visitantes de outro mundo. Apenas os reinos inferiores os aceitaram quando vieram. Na verdade, aceitavam com alegria aqueles dos planos materiais que desceram ao seu mundo imundo para morrer.

Por outro lado, Toque da Morte poderia ser classificado como magia da morte. Poderia aplicar diretamente um efeito devastador à alma do alvo. A intensidade do feitiço era de aproximadamente trezentos e vinte pontos e ignorava todas as defesas físicas.

É claro que o Toque da Morte ainda poderia ser parcialmente negado pelas defesas mágicas e pelo Físico do alvo, mas os trezentos e vinte pontos de dano da alma que penetrava na armadura ainda eram assustadores. Com este pergaminho em mãos, Greem poderia até exterminar um Draconato no Segundo Grau como Zacha com um único golpe.

Zacha nem teria tempo para retaliar se o lançasse no momento apropriado.

No entanto, era um pouco difícil quando usado em um dragão.

Afinal, as almas dos dragões eram todas estranhamente duras. Suas resistências mágicas também eram excepcionalmente excelentes. Ainda era incerto se um Toque da Morte de Terceiro Grau poderia matar instantaneamente um dragão de Segundo Grau. Ainda assim, Greem não desperdiçaria o pergaminho dessa maneira, mesmo que pudesse ter sucesso.

Afinal, um dragão vivo era mais valioso!

Veja Cherkes de Segundo Grau, por exemplo. Se ele fosse trazido de volta ao Mundo Adepto, ele poderia ser vendido por no mínimo oitocentos mil cristais mágicos. O preço pode até subir muito, muito mais. No entanto, se Cherkes estivesse morto, provavelmente só conseguiria cerca de trezentos mil cristais.

Além dos pergaminhos, também havia muitos núcleos de cristal de bestas mágicas no tesouro do dragão. Havia até cinco núcleos de cristal de Segundo Grau. Lamentavelmente, não havia cristais de dragão misturados.

Na verdade, era uma observação razoavelmente normal. Nenhum dragão coletaria os restos de sua própria espécie, a menos que fosse algum dragão doente e distorcido. Na verdade, os dragões atacariam ativamente as outras espécies que possuíssem armas ou equipamentos criados a partir de materiais de dragão.

Se incluíssemos os núcleos de cristal que Greem vinha coletando nas últimas décadas, o número de núcleos de cristal de Segundo Grau que Greem possuía agora estava na casa dos dois dígitos. Havia um total de vinte e um núcleos agora.

O passado dele pode ter sido incapaz de suprimir o desejo de transformar todos esses núcleos de cristal em Golems Elementium adequados. No entanto, ele esteve continuamente ocupado desde que avançou para o Segundo Grau. Ele quase não teve tempo para pesquisar e aprimorar sua técnica de criação de Golem Elementium.

Os Golems Elementium de Primeiro Grau do passado eram de pouca ajuda para ele agora.

Muito parecido com a batalha contra o dragão anterior, Greem não convocou nenhum de seus Golems. Mesmo se os tivesse colocado no campo de batalha, não teriam sido de muita utilidade óbvia em uma batalha contra criaturas de Segundo Grau. A menos que ele pudesse lançar simultaneamente Golems de elite de dois dígitos de Primeiro Grau, seria melhor usar seu tempo para entoar um feitiço de Segundo Grau.

A maneira correta de fazer as coisas neste momento era customizar alguns Golems de Segundo Grau adequados para si mesmo. Esse era um projeto que consumiria muito de seu tempo e energia.

Os tomos mágicos que encontraram no tesouro eram em sua maioria notas e observações de feiticeiros de outro mundo. Embora não fosse possível compreender completamente seus sistemas mágicos através dessas notas, ainda forneceram a Greem bastante conhecimento e experiência.

Em particular, as Viagens de Gulliver descreveram vários mundos estranhos dos quais Greem nunca tinha ouvido falar. Os detalhes nas entrelinhas deixaram Greem confiante de que o autor tinha sido um poderoso feiticeiro no Quarto Grau ou acima. Isso porque detalhes sobre viagens no espaço além dos reinos foram registrados no final de todas as outras histórias.

No Mundo Adepto, apenas os Grandes Adeptos eram capazes de se aventurar sozinhos no espaço. Os adeptos de Quarto Grau também mal conseguiam isso, mas eram muito propensos à morte se encontrassem bestas estelares ou espécies estelares. As chances de morte eram superiores a 70% quando isso acontecesse.

Greem descobriu inesperadamente um misterioso feitiço de alquimia dentro do cristal do conhecimento depois de examinar todo o tesouro.

[Combo: 19/25]

Picture of Olá, eu sou o Crimson!

Olá, eu sou o Crimson!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥