Selecione o tipo de erro abaixo


『 Tradutor: Otakinho 』

Em uma água escura e imunda.

Uma bruxa velha com olhos turvos, dentes amarelados, pele enrugada e nariz adunco estava agachada na água. Ela usava uma túnica cinza de adepto e um chapéu cinza de bruxa na cabeça, entoando silenciosamente algum feitiço estranho e indiscernível.

À medida que pequenas flutuações mágicas se espalhavam pela água podre e fedida, a superfície da água verde e doentia começou a borbulhar como água fervente.

Logo, todos os tipos de criaturas se reuniram em torno da bruxa: sapos cobertos de verrugas, imperceptíveis cobras aquáticas venenosas e cinzentas, ratos, tartarugas, jacarés e todos os tipos de outras criaturas estranhas e irreconhecíveis do pântano.

A julgar pelo seu tamanho, a bruxa só convocou as criaturas menores do pântano.

Essas criaturas do pântano não teriam saído de suas tocas ocultas se não fosse pela magia, nem estariam pacificamente perto de todas essas outras criaturas do pântano sem se matarem.

“Meus bebezinhos. Olhem para vocês, todos tão fofos…” Bruxa Venenosa Endor sorriu enquanto se inclinava e acariciava o sapo que havia saltado para o lado de sua perna.

Aquelas verrugas enormes, aquele muco pegajoso no corpo, aquela aparência e tamanho feios; era provável que apenas uma bruxa velha maluca como ela chamaria um sapo venenoso como este de seu bebê fofo!

“Meus lindos bebês, preciso que tragam um presente para os grandes idiotas do acampamento. Vocês podem fazer uma viagem até lá para mim?”

Endor pegou um pote enquanto murmurava para si mesma. Ela então pingou cuidadosamente seu conteúdo líquido preto e viscoso sobre essas criaturas do pântano.

O líquido preto penetrou rapidamente nas criaturas do pântano no momento em que entrou em contato com a pele.

Aquelas pequenas criaturas que carregavam o líquido preto dentro delas rapidamente se viraram e desapareceram na água. Eles começaram a se mover em direção ao lotado acampamento com seus próprios métodos únicos. As outras criaturas que ainda não haviam recebido uma gota do líquido avançaram em direção a Endor, amontoando-se enquanto lutavam impacientemente pela próxima gota do líquido preto.

O Pântano das Mágoas coberto pela névoa de repente se tornou muito mais sinistro e horripilante!

…………

Acampamento de Murlocs.

O massacre unilateral ainda estava acontecendo.

Murlocs eram um tipo de forma de vida anfíbia bípede que se assemelhava a peixes e vivia na costa, no lago ou no leito do rio. Todos possuíam corpos redondos e gordos, bocas com grandes dentes afiados e corpos cobertos por um líquido viscoso.

Murlocs vinham em várias cores, do verde ao cinza escuro. Você provavelmente poderia encontrar um murloc de qualquer cor. Sua altura média estava entre 1,3 metros e 1,5 metros.

Murlocs gostavam de ficar em grupos. De algumas dezenas a cem murlocs se reuniam e formavam uma pequena aldeia.

Suas aldeias eram todas feitas de galhos esfarrapados e lama e não eram planejadas nem organizadas. Não havia fogueiras nas aldeias de murlocs, nem estradas limpas ou quaisquer estruturas defensivas. Suas cabanas eram rústicas e naturais. Eram todos pequenos barracos sustentados por troncos redondos.

A aldeia que o esquadrão de Draconatos perseguiu eram Murlocs do pântano.

Os murlocs do pântano eram as criaturas mágicas de baixo grau mais comuns e numerosas no Pântano das Mágoas. Com toda a honestidade, envergonharam sua identidade como criaturas do pântano.

Seus Raios Gelados incrivelmente fracos, lanças toscas de gravetos de madeira e redes de pesca feitas de fibra vegetal eram inúteis contra os altos e poderosos guerreiros Draconatos.

Os poucos sacerdotes da aldeia também não podiam fazer muita coisa. Seus Raios Gelados eram surpreendentemente fracos e eram como flocos de neve quando atingissem o peito dos imponentes Draconatos. Nem podia se falar em congelar o inimigo; Esses Raios Gelados dificilmente poderiam ferir um Draconato.

Os Draconatos atingidos pelos raios geralmente riam e limpavam a camada de gelo em seus peitos antes de bater a cabeça do sacerdote em seus peitos com uma mão.

Os Draconatos não estavam aqui para exigir os patéticos ossos de animais e carne seca que sobraram das refeições dos murlocs. O que queriam eram os próprios murlocs do pântano.

Os murlocs do pântano eram basicamente um bando de peixes com pernas. Jogar alguns murlocs em uma panela, daria um ótimo ensopado de peixe!

Todos os Draconatos tinham apetites enormes. Um exército de duzentos Draconatos não teria o suficiente para comer, mesmo se destruísse toda a aldeia.

Assim, o esquadrão que investiu na aldeia nem se incomodou com os gritos do velho chefe da aldeia. Eles imediatamente começaram a matar assim que chegaram. Eles rapidamente massacraram os murlocs e levaram seus corpos para o centro da aldeia, onde os amarraram com cipós e se prepararam para transportá-los de volta ao exército.

Os Raios Gelados dos sacerdotes só conseguiam esfriar um pouco a temperatura corporal dos Draconatos, e as lanças de seus guerreiros frequentemente quebravam suas escamas. As redes que lançaram, apenas rasgaram ao entrar em contato com tais guerreiros.

Se não fosse pelo tamanho dos Draconatos que tornava seus movimentos mais lentos, nenhum sobrevivente teria escapado desta aldeia de cento e trinta murlocs.

O guerreiro Draconato sob o dragão de fogo possuía naturalmente afinidade com o fogo. Os mais talentosos entre eles poderiam lançar poderosas bolas de fogo. Por outro lado, o guerreiro Draconato comum só poderia canalizar as chamas para suas armas e aprimora-las com algum dano de fogo.

Para caçar melhor suas ‘rações’, muitos dos Draconatos embainharam suas armas de metal. Eles estavam usando as próprias mãos para espancar ou esmagar esses murlocs inofensivos.

Eles se espalharam pela aldeia, perseguindo os murlocs aterrorizados e gritando. Eles esmagariam um murloc no chão sempre que pegassem um antes de passar para o próximo.

Era como uma águia descendo sobre um bando de filhotes. Gritos ensurdecedores se espalharam pela aldeia. O capitão até iniciou um incêndio ao redor da aldeia para cortar todos os caminhos de fuga disponíveis para os murlocs.

Esta cena desolada de caos e tragédia total foi o que apareceu diante de Deserra e Dana quando chegaram ao limite do campo de batalha com as máquinas mágicas.

Doze guerreiros Draconatos se separaram. Eles estavam perseguindo os grupos de murlocs e ocupados tentando caçá-los.

Apenas o capitão se reuniu com dois de seus subordinados. Eles isolaram a saída mais significativa da aldeia e massacraram alegremente os infelizes murlocs que encontraram.

“Qual é o plano?” Medusa Dana balançou sua cinturinha de princesa e apoiou o corpo na longa cauda de cobra. Ela deu uma olhada séria e cuidadosa no campo de batalha.

Ela pode ser inteligente e capaz, mas ainda assim nasceu como uma criatura mágica. Ela não tinha a natureza astuta e sinistra dos humanos quando se tratava de truques e técnicas. Foi por isso que estava disposta a ouvir a opinião de Deserra, mesmo sendo mais poderosa que o adepto humano.

Como esperado, a sugestão de Deserra foi verdadeiramente sinistra.

“Não podemos enfrentar todos de uma vez!” Deserra era um adepto de vento. Feitiços como Levitação e Voo eram normais para ele. Ele pairou três metros acima do solo e olhou para o campo de batalha à distância. Ele riu sinistramente ao dar sua sugestão: “A geografia aqui é ampla e desobstruída. Não temos o poder de parar todos os Draconatos se estiverem decididos a correr.

“Então…

“Devíamos esconder as máquinas mágicas por enquanto. Nós dois e os dois demônios-cobra que você trouxe com você deveríamos ir e emboscar o capitão primeiro.”

Dana inclinou a cabeça e pensou por um momento. Ela ainda não entendia muito bem.

Não deveria sempre avançar com toda a força que tinha em combate? Quem tivesse mais números e o maior punho seria quem obteria a vitória final. Eles poderiam vencer esta batalha deixando metade de suas forças de fora?

Deserra parecia ter percebido as dúvidas de Dana e explicou de uma maneira um pouco satisfeita: “Srta. Mary não nos enviou aqui apenas para derrotar esses Draconatos, seria fácil vencermos esta batalha. Difícil mesmo será mantê-los todos neste campo de batalha.”

“Podemos matar todos os Draconatos se deixarmos as máquinas mágicas para trás?”

“A princípio apareceremos apenas como quatro pessoas. Além disso, atacaremos seu capitão. Assim podemos disfarçar nossa força total e fazer com que as máquinas mágicas formem um perímetro do lado de fora e se preparem para entrar na batalha a qualquer momento. Dessa forma, temos uma chance muito maior de derrubar todos os Draconatos!”

“Não tenho nenhum problema em lutar com os Draconatos, mas meus subordinados…” Medusa Dana não tinha sangue frio, afinal. Ela cuidou muito bem da geração mais jovem de sua raça.

Os dois subordinados que ela trouxe consigo eram excelentes indivíduos entre a geração mais jovem da tribo. Eles já tinham quatro braços crescidos e podiam comandar simultaneamente múltiplas armas. Quando combinados com seus movimentos rápidos e semelhantes aos do vento, faziam chover uma tempestade de lâminas quando lutavam com facas.

Eles poderiam facilmente intimidar aquelas criaturas mágicas de nível baixo a médio não equipadas com tal força. No entanto, era insuficiente contra seres poderosos como os Draconatos.

Demônios-Cobra de quatro braços ainda eram muito fracos em relação à Força. Cortar a grossa armadura de metal e as escamas finas dos Draconatos era quase impossível. Uma situação embaraçosa de ser incapaz de prejudicar o inimigo aconteceria se realmente se envolvessem na luta.

Era por isso que Dana já estava preocupada com eles antes mesmo de a batalha começar.

Deserra já estava confuso quando ouviu a voz suave e o pedido de Dana.

Deserra tinha sido extremamente rigoroso consigo mesmo desde que era aprendiz, tudo pelo bem de seu futuro como adepto. Embora não chegasse ao nível de abstenção completa de mulheres, Deserra era honestamente muito mais disciplinado em comparação com seus colegas.

Ele poderia ter agido de acordo com seus desejos algumas vezes depois de se tornar um adepto, mas ainda era um indivíduo resoluto e maduro em comparação com adeptos do mesmo grau.

Mesmo assim, por algum motivo, Deserra se apaixonou por Dana depois que começaram a interagir mais um com o outro.

Aquele rosto delicado e perfeito e corpo sedutor e explosivo. Embora os cabelos das cobras e os Olhos de Petrificação de Dana fossem um pouco difíceis de lidar, isso não tornava tudo ainda mais excitante?

Era raro que a beldade pedisse algo dele, então era natural que tentasse acomodá-la.

“Então levaremos mais dois madeireiros! Eles ficarão muito mais seguros com dois escudos de carne na frente.”

Um sorriso doce apareceu imediatamente no rosto de Dana. Todas as cobras em sua cabeça começaram a soltar barulhos estranhos também.

“Bem, prepare-se. Nós iremos agora!”

Um simples grito, e os dois adeptos, dois demônios-cobra e os dois Madeireiros desceram como um redemoinho, avançando rápida e ferozmente em direção ao capitão.

[Combo: 23/25]

Picture of Olá, eu sou o Crimson!

Olá, eu sou o Crimson!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥