Selecione o tipo de erro abaixo


『 Tradutor: Otakinho 』

Uma fumaça espessa pairava acima dos céus da aldeia.

Se fosse em qualquer outro lugar, a fumaça seria visível a dezenas de quilômetros de distância.

Infelizmente, aqui era o Pântano das Mágoas!

A névoa excessivamente densa era como uma enorme barreira de água que prendia o pântano abaixo dela e o envolvia em névoa de dia.

A batalha na aldeia ainda estava em andamento e o massacre estava cada vez mais brutal.

O Adepto Deserra voou vinte metros de altura no ar, seu corpo irradiando intensa aura Elementium de vento. Ele também estava entoando feitiços em voz alta e usando lâminas de vento para atacar os guerreiros abaixo dele, ferindo-os enquanto os deixava em desordem.

Porém, estar no ar não significava segurança absoluta. Vários grandes e ferozes machados de metal giratórios foram lançados no ar. Deserra ficaria gravemente ferido se não conseguisse se esquivar desses machados. Normalmente, poderia usar o Vórtice do Tornado para redirecionar ataques físicos à distância como esses.

No entanto, os machados de metal dos Draconatos eram grandes demais. Eles estavam muito além de pequenas armas de longo alcance. Nenhuma Barreira de Vento ou Vórtices de Tornado poderiam proteger Deserra completamente contra essas armas girando ferozmente.

Se Deserra já corria tanto perigo nos céus, era natural que Dana e seus dois demônios-cobra estivessem tendo mais problemas no solo.

Dois enormes Madeireiros estavam na frente, suportando ataques de vários Draconatos. As grandes motosserras em seus braços ressoavam e gritavam toda vez que colidiam com os machados, e faíscas cegantes se espalhavam pelo lugar inteiro.

Os corpos metálicos reforçados das maquinas estavam fortemente amassados ​​e arranhados. Muitos dos ataques violentos já haviam atravessado seus corpos, revelando os componentes metálicos interconectados e giratórios internos.

Dana e seus dois subordinados demônio-cobra de quatro braços estavam se revezando no ataque aos Draconatos com seus escudos mantendo a linha na frente. Eles feriam continuamente os Draconatos ao seu redor.

Os demônios-cobra eram como cascavéis na frente dos texugos de mel quando lutavam com os Draconatos totalmente blindados. As facas finas em suas mãos emitiram faíscas quando atingiram a armadura e as escamas dos Draconatos.

Dana estava suportando sozinha toda a pressão da batalha.

Ela deslizou com sua longa cauda de cobra e rapidamente teceu entre os membros grossos dos Draconatos, esquivando-se de seus machados enquanto suas flechas de cobra perfuravam as lacunas entre suas escamas.

Dana até escalou alguns dos Draconatos particularmente ferozes. Ela usaria o minúsculo instante em que eles travaram os olhos com ela para abrir seus olhos de cobra e injetar seus poderes de petrificação no inimigo. Naquele breve instante em que Dana parava para olhar, todas as cobras em sua cabeça imediatamente entraram em ação. Elas atacaram com tudo.

Uma Aura de Medo irradiou para fora, afetando todos os inimigos dentro de dúzia de metros.

Qualquer criatura comum teria ficado totalmente aterrorizada quando engolfada pela Aura de Medo. Eles teriam largado as armas e começado a correr. No entanto, os Draconatos eram formas de vida poderosas com linhagem de dragão. Eles só se assustaram e deram alguns passos para trás antes de perderem o medo.

Os Draconatos também estavam todos equipados com armaduras e não precisavam se preocupar com fogo amigo.

Assim, os guerreiros ao redor atiraram instantaneamente suas armas na Medusa Dana enquanto ela estava enrolada em um de seus companheiros.

Dong! Dong! Dong!

Dana esquivou-se para a esquerda e para a direita em meio ao barulho de metal sendo amassado. Ela teceu rapidamente, mas ainda foi inevitavelmente atingida pelos machados que voavam por toda parte.

Dana pode estar usando uma armadura de indurium de vento na metade superior do corpo que a ajudou a mitigar grande parte dos danos, mas a metade inferior estava coberta apenas por escamas.

Uma luz brilhante apareceu em seus olhos amarelos e empoeirados enquanto ela gemia de dor. Vários Draconatos próximos foram instantaneamente petrificados e transformados em estátuas com expressões perversas e ferozes. Dana então arrastou o rabo ensanguentado e fez uma tentativa selvagem de escapar. Podia-se até ver o osso da cauda exposto.

Quatro dos seis Draconatos ao seu redor ficaram petrificados. Os dois restantes ainda perseguiam Dana incansavelmente, agitando seus machados de metal vermelho brilhante e atacando a medusa.

Olhar Petrificante!

Aura de Medo!

Flecha Venenosa de Cobra!

Uma sequência de feitiços e poderes atingiu os Draconatos e os feriu tão gravemente que tossiram sangue. Mesmo assim, Dana ainda não conseguiu se defender contra todos os seus ataques brutais. A barreira de vento ao seu redor estava prestes a quebrar. Ela poderia ser gravemente ferida pelos ataques desesperados dos guerreiros a qualquer momento. Só então, um violento Vórtice de Tornado desceu dos céus, caindo aos pés dos Draconatos como um meteoro em alta velocidade.

O feroz tornado explodiu instantaneamente e se transformou em centenas e milhares de lâminas de vento finas e poderosas. Essas lâminas de vento engoliram rapidamente os dois guerreiros.

A tempestade desapareceu tão rapidamente quanto apareceu.

Quando o violento redemoinho finalmente desapareceu, os dois Draconatos pareciam ter sido jogados em um moedor de carne. Todos os seus corpos estavam cobertos de feridas dolorosas de vários tamanhos. O sangue que escorria de seus cortes manchou completamente seus corpos.

Eles tropeçaram mais dois passos em direção a Dana antes de caírem com um forte estrondo. Os machados de metal em suas mãos deixaram crateras profundas no solo quando pousaram.

A explosão de tal poder exauriu todo o Elementium de vento que restava no corpo de Deserra. Seu corpo tremia enquanto caía lentamente do céu.

Só então, o som de pedra quebrando veio das quatro estátuas de Draconatos que Dana havia petrificado à força. Os guerreiros Draconatos usaram seu poderoso Físico para resistir aos poderes da petrificação e estavam rapidamente se libertando de seu estado petrificado.

O rosto de Dana se virou. Ela soltou um grito de guerra e o arco curto em suas mãos estalou várias vezes seguidas. Duas flechas atingiram com precisão as gargantas de dois dos guerreiros que se libertaram.

Esse era o único lugar do corpo do Draconato que não era protegido por escamas!

As flechas entraram em seus corpos e o veneno fez efeito.

Os rostos dos guerreiros imediatamente ficaram roxos e pretos quando foram envenenados até a morte.

Os dois demônios-cobra que Dana trouxe consigo aproveitaram a oportunidade e avançaram. Eles agitaram as quatro facas em suas mãos e atacaram violentamente os dois guerreiros meio petrificados. A força dos demônios era muito inferior à dos Draconatos. Eles tiveram que cortar a garganta e o pescoço expostos de seus inimigos para poder decapitá-los.

As facas brilhavam e dançavam enquanto faíscas voavam aqui e ali.

Finalmente, um golpe firme das facas fez com que duas cabeças de Draconatos rolassem para o chão no momento em que quase se libertaram da petrificação. Uma fonte de sangue jorrou de seus pescoços.

Doze dos quinze guerreiros foram executados. Restaram apenas o capitão e dois guerreiros comuns.

Deserra e Dana já haviam emboscado e ferido gravemente o capitão quando a batalha começou. Eles então deixaram intencionalmente seus companheiros salvá-lo.

Eles então aproveitaram a chance de os Draconatos serem divididos para proteger seu capitão.

Agora que todos os outros guerreiros haviam caído, os outros dois sobreviventes não conseguiam mais permanecer calmos. Eles pegaram o capitão nos ombros e tentaram fugir. Infelizmente, no momento em que viraram seus corpos, se viram diante de outro pesadelo. Oito máquinas mágicas imponentes e poderosas caminhavam lentamente em direção a eles com passos firmes vindos da névoa distante. As três máquinas que estavam bem na frente eram do mesmo modelo daquelas máquinas aterrorizantes que acabaram de lutar. Mais cinco máquinas estavam enfileiradas atrás deles. Canos pretos se estendiam da frente de seus corpos, ombros e até braços.

Os cinco arqueiros na retaguarda imediatamente emitiram uma luz vermelha ofuscante quando atingiram a distância ideal de ataque de cinquenta metros. Balas de metal do tamanho de ovos de pombo foram impulsionadas por violenta energia mágica e devastaram os dois guerreiros sobreviventes como uma tempestade feroz.

A maioria das balas de metal foram desviadas pela armadura de metal ou simplesmente esmagadas em pedaços. Apenas manchas brancas foram deixadas na armadura. No entanto, quando as balas de metal atingiram as escamas dos Draconatos, conseguiram deixar marcas superficiais nelas.

Apenas poucas balas conseguiram passar pelo espaço entre as escamas e penetrar na carne dos guerreiros. Os Draconatos sentiram a dor em seus corpos e gemeram de agonia.

Os dois Draconatos só puderam suportar a surra sem qualquer esperança de retaliação. Isso os enfureceu e rugiram de raiva.

O esquadrão estava prestes a ser totalmente capturado, agora que haviam sido flanqueados. Eles precisavam pensar em uma maneira de atravessar o cerco inimigo. Os dois guerreiros só puderam apoiar seu capitão e continuar correndo enquanto enfrentavam o ataque dos Arqueiros.

O capitão viu quão desesperadora era a situação e convocou a última onda de força dentro de seu corpo. Ele se afastou dos dois Draconatos, pegou um machado de guerra e imediatamente atacou os inimigos.

“Vocês dois, saiam pelos lados. Apressem-se e relatem a situação aqui para o Senhor Will…”

O capitão soltou um rugido primitivo e usou seu impulso de ataque para cravar furiosamente o machado na terra preta abaixo dele.

O golpe massivo e selvagem sacudiu a terra, enviando tremendas ondas de choque em direção as máquinas.

As máquinas mágicas não conseguiam ficar paradas. Elas tropeçaram e perderam o melhor momento para interceptar o inimigo.

O capitão então saltou alto no ar e bateu o enorme machado em sua mão na serra elétrica de um madeireiro. A força desenfreada estava além de seus limites, e a máquina cambaleou para trás. A motosserra em seu braço estava gravemente deformada e até mesmo cravada com força em seu próprio corpo.

A máquina fez o possível para retirar a motosserra de metal enquanto usava a furadeira, por outro lado, para esfaquear o Draconato. Infelizmente, o segundo machado do capitão já estava a caminho.

Um estrondo abafado, mas alto, soou.

O corpo de metal se partiu. Incontáveis ​​pedaços de metal, componentes e peças de energia mágica foram espalhados em todas as direções como flocos de neve no inverno.

Esta infeliz máquina mágica lutou por mais um pouco antes de cair impotentemente no chão. Não se moveu mais depois disso.

Esta série de ataques violentos também tirou o fôlego do capitão.

Ele se apoiou no machado e ofegou de exaustão. Ele olhou em volta, mas tudo o que viu foram os cadáveres feridos e deformados de seus subordinados. Os dois guerreiros que tentavam escapar também foram interceptados por Deserra no ar e Medusa Dana no chão.

Tinha acabado. Seu grupo foi completamente dizimado.

O capitão sentiu sua visão escurecer enquanto sua vontade de lutar desaparecia dele. Ele caiu inconsciente.

[Combo: 24/25]

Picture of Olá, eu sou o Crimson!

Olá, eu sou o Crimson!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥