Selecione o tipo de erro abaixo


『 Tradutor: Otakinho 』

O Vale da Lança estava extremamente calmo e pacífico à tarde.

Pássaros e insetos cantavam constantemente na floresta escura enquanto bandos de pássaros coloridos estendiam suas lindas asas e serpenteavam alegremente pelos galhos.

A luz do sol salpicada se projetava através dos finos espaços entre as folhas e os galhos, deixando fios de luz brilhante no meio do ar. Infelizmente, estes pilares de luz não conseguiram iluminar a floresta, na verdade, fizeram o vale parecer ainda mais tranquilo e complexo.

O Vale da Lança era um vale longo, profundo e estreito, conhecido como tal porque sua geografia parecia uma lança. Uma mina subterrânea escavada por Kobolds pode ser encontrada no ponto mais profundo do Vale da Lança. A mina era famosa por sua produção abundante de minérios metálicos de alta qualidade.

Com toda a honestidade, este lugar era uma área militar restrita criada pelo Império dos Elfos. Nenhum outro indivíduo além de elfos e mineiros Kobolds era permitido chegar perto dela.

As minas dos Kobolds muitas vezes desmoronavam facilmente devido à escavação excessiva e à falta de luz. Outras criaturas e bestas estavam muito relutantes em entrar nas minas. Como tal, a defesa dos Kobolds, inconscientemente, tornou-se negligente sob tais circunstâncias.

Podia-se ver que os únicos dois guerreiros Kobolds que guardavam a entrada escura das minas cochilavam enquanto se apoiavam na parede rochosa e embalavam suas lanças.

Árvores imponentes ainda cobriam os penhascos de ambos os lados do Vale da Lança, suas copas completas bloqueando a luz solar intensa e deixando apenas pequenos raios de luz no vale.

No entanto, em meio a esta terra pacífica, uma elfa com uma armadura delicada tirou seu manto. Ela apareceu fora de seu disfarce nas sombras no topo de uma árvore alta.

“Aizac, aquele monstro de metal realmente virá até este lugar rural para atacar? Não há nada na mina lá embaixo além de minérios de metal. O que as bruxas iriam querer com esses pedaços de metal?” A elfa jogou de lado seu cabelo verde curto e se virou para olhar a árvore ao lado dela.

Uma figura humana começou estranhamente a emergir da casca seca e enrugada da árvore que a elfa estava olhando. A figura humana então se transformou em um elfo que estava envolto em roupas de videira verde-grama, usava um elmo de veado na cabeça e tinha um cajado de madeira nas mãos.

O homem tinha sobrancelhas grossas, olhos grandes, nariz reto e boca carnuda. Sua cabeça cheia de verde estava amarrada em tranças selvagens que se espalhavam e repousavam sobre seus ombros. Ele não era exatamente bonito, mas tinha um charme selvagem e excêntrico.

Pode-se dizer pela sua aparência que este elfo era um indivíduo da classe especial dos elfos da floresta – um Druida.

Se fossemos pelas características da classe, os druidas eram como uma combinação de guerreiros e feiticeiros. Eles tinham uma poderosa magia da natureza e podiam não apenas lançar feitiços, mas também usar a Transformação a qualquer momento. Ao fazer isso, poderiam se transformar em uma verdadeira besta mágica, capaz de usar poderosas características raciais e sua força física para enfrentar o inimigo.

No entanto, os alvos das transformações dos druidas eram em sua maioria bestas mágicas naturais e selvagens. Eles não podiam se transformar livremente em qualquer ser que desejassem.

Este druida conhecido como Aizac também era um indivíduo de Segundo Grau. Ele havia corrido especialmente das montanhas centrais para interceptar o monstro de metal. No entanto, a urgência da situação não lhe deixou tempo para reunir forças. O conclave de druidas que ele trouxe consigo não estava completo. Eles eram apenas um terço do número total. 1

Mesmo assim, este grupo de quarenta druidas era uma força significativa e influente, independentemente de onde fossem.

“A Comandante Merina já me deu instruções antes de eu vir aqui. Devemos descobrir a força e as intenções desses inimigos desta vez. Eles já roubaram quatro minas selvagens a caminho daqui. Dada a trajetória de voo e o local em que apareceram pela última vez, é muito provável que esta mina seja o alvo deles.

“Se a Divisão do Estado-Maior está tão certa disso, por que apenas enviaram pessoas para cá? E o bando Espadas da Glória? E o esquadrão Tiro Mortal da Fúria da Natureza? E a patrulha aérea Relâmpago Prateado? Onde estão?”

Não se poderia culpar a elfa por estar tão irritada.

No final, ela não era mais do que uma capitã de guarda (Segundo Grau) de uma cidade próxima. Ela tinha aproximadamente cem guerreiros sob seu comando, a maioria sendo fadas e dançarinos de lâminas. Menos da metade deles poderia avançar para uma elite (Primeiro Grau).

Mesmo que todos os druidas que Aizac trouxesse com ele fossem elites, isso não representaria mais do que cinquenta ou sessenta guerreiros de elite. A capitã elfa estava genuinamente ansiosa em emboscar o monstro de metal e as bruxas a bordo com uma força tão escassa.

“Não podemos fazer nada! “O Druida Aizac balançou a cabeça e disse: “Estamos em uma emergência agora. Já recebemos notícias confiáveis ​​de que uma grande frota de guerra está se aproximando da costa leste. As forças de elite dentro do império foram todos atribuídos à Cidade Lua Prateada, a leste. O comandante está preocupado de que esse monstro de metal seja apenas uma isca que o inimigo está usando para dividir nossas forças. Por que outro motivo ainda, não atacaram nenhuma cidade até agora? Assim, antes de descobrirmos a força básica desse grupo de inimigos, somos os únicos que conseguiríamos chegar aqui neste curto espaço de tempo.”

“Então pelo menos envie-nos os Relâmpago Prateados ou os Hipogrifos! Os inimigos estão voando no céu. De que outra forma eu deveria lutar com eles se não com unidades voadoras?” A capitã ainda estava chateada.

“As forças que você mencionou foram todas direcionadas para a costa leste para monitorar os movimentos do inimigo. É impossível para eles cruzarem grandes distâncias e se apressarem até aqui no momento. Se o inimigo entrar em nossa emboscada e pousar o navio de metal, encontraremos uma maneira de entrar e assumir o controle do navio. Todos os druidas que trouxe comigo estão a postos, então podem se transformar em falcões do vento e exercer algum nível de habilidade de combate aéreo. Deixe conosco se o inimigo tiver algum tipo de unidade aérea! No entanto, quando necessário, poderemos precisar de seus ataques de longo alcance para nos apoiar.”

A capitã assentiu silenciosamente ao ouvir isso.

Havia vinte arqueiros entre os guardas que ela trouxe consigo. Eles não eram tão poderosos quanto os do Tiro Mortal, que já haviam avançado, mas não tiveram problemas com apoio em distâncias médias e curtas.

O único problema agora era que os elfos não tinham absolutamente nenhuma ideia de que tipo de inimigos estavam escondidos dentro do navio. O que complicava as coisas era a capacidade do inimigo de escolher seus alvos a partir da altura em que se encontravam. Os elfos só podiam defender e proteger passivamente contra o inimigo antes que pudessem confirmar seu alvo. Eles não tinham como reunir tropas com eficiência para combater o navio de metal.

Por exemplo, a capitã tinha que esperar silenciosamente aqui por um inimigo que pudesse aparecer, ao mesmo tempo que se preocupava com a Aldeia Sombra da Lua, localizada a quarenta quilômetros daqui. Esse lugar era sua cidade natal e a terra onde viveu toda a sua vida. Ela trouxe toda a guarnição da aldeia aqui com ela.

Se por acaso…

A capitã balançou a cabeça e afastou os pensamentos aterrorizantes de sua mente. Ela então afastou a densa folhagem à sua frente e começou a examinar o céu azul a oeste.

De repente, o corpo da capitã estremeceu. Ela soltou os galhos e se espremeu ainda mais fundo nas árvores. Seus olhos azuis ainda estavam fixados no ponto preto que aumentava lentamente de tamanho no horizonte oeste.

A capitã não se atreveu a enrolar. Ela segurou a boca e gritou para a floresta próxima em alta frequência. Gritos de alta frequência como esses só seriam ignorados por estranhos como ruído de fundo, especialmente na floresta, onde as folhas farfalhavam constantemente. Somente criaturas da natureza, como elfos da floresta, druidas e fadas, poderiam decifrar esse chamado prolongado.

O inimigo realmente chegou!

Além disso, estavam indo direto para a mina dos kobolds.

Todos os guerreiros escondidos na floresta perto do Vale da Lança se esconderam após receberem as ordens da capitã. Eles levantaram os ouvidos e esperaram silenciosamente pela próxima ordem de combate.

A capitã deu um passo para trás e sacudiu o manto sobre ela, escondendo completamente sua armadura e corpo. Sua silhueta fundiu-se completamente com o ambiente circundante após uma série de estranhas mudanças de luzes e sombras; era mais impossível distingui-la do ambiente.

O druida de Segundo Grau conhecido como Aizac também usou um feitiço de ocultação para se fundir com as árvores. A menos que o inimigo entrasse em contato com seu corpo, não havia como encontrá-lo, independentemente de quantas vezes olhassem para sua posição atual.

…………

O navio voador deslizou rapidamente acima dos céus.

Tymo descobriu o único Vale da Lança à distância.

Com sua orientação, o navio voador explodiu densas partículas de elemento de vento e parou lentamente acima das minas Kobolds.

A geografia do Vale da Lança era muito estreita. Não permitiu que o navio voador pousasse lá dentro.

Foi por isso que Greem se inclinou na frente do navio para avaliar a distância. Ele então acenou com a mão e fez a embarcação baixar a altitude o máximo possível.

O navio voador começou a descer lentamente enquanto se alinhava com a linha central do Vale da Lança. Logo, estava no nível dos dois penhascos ao lado. Só então, a copa das árvores arranhou o navio voador, emitindo sons ensurdecedores de metal rangendo e galhos quebrando.

Os dois guerreiros Kobolds que guardavam a entrada da mina já estavam acordados e chocados. Eles largaram suas lanças quando viram o objeto gigantesco vindo em sua direção e escaparam para os túneis enquanto gritavam e berravam.

Dong! Um estrondo abafado soou.

O fundo do navio voador tocou o penhasco e o navio inteiro tremeu antes de finalmente parar.

Neste momento, árvores e pedras cercavam o navio, envolvendo-o firmemente como se fossem panos de um bebê.

Um esquadrão de dez homens emergiu do interior do navio.

Era composto por dois Goblins Técnicos liderando oito arqueiros.

Além do meio-elfo Tymo, apenas Greem, Billis e duas outras Bruxas do Destino estavam no convés.

Foi a primeira vez que as duas jovens bruxas vieram a um mundo tão lindo e diferente. Elas estavam entusiasmadas, alegres e já haviam feito planos para passear pela floresta próxima.

Quem poderia saber? Elas poderiam encontrar algum espécime de planta raro que não existia no Mundo Adepto nessas terras estranhas. Essas coisas valiam muitos cristais mágicos no Mundo Adepto.

Assim como Greem ordenou que o esquadrão de exploração de dez homens mergulhasse para baixo, as duas bruxas na proa do navio gritaram de repente “Ataque inimigo”.

O assobio das flechas veio dos céus.

Um grande aglomerado de flechas encantadas brilhando com luz mágica disparou em direção a Greem e aos outros.

  1. Conclave é uma Assembleia.[]
Picture of Olá, eu sou o Crimson!

Olá, eu sou o Crimson!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥