Selecione o tipo de erro abaixo


『 Tradutor: Otakinho 』

Costa Sul de Garan, Ilhas Echo.

As Ilhas Echo são uma grande formação de ilhas de recife próximas à costa.

Estas ilhas ficavam normalmente abaixo do nível do mar durante a maior parte do ano devido ao efeito das marés. Elas só surgiriam durante o nono ou décimo mês do ano, quando a estação das monções 1 estava chegando. Este lugar se tornaria então uma área proibida da qual nenhum explorador ousaria se aproximar.

Foi por isso que as Bruxas Pálidas fizeram uso das Ilhas Echo, construindo uma base avançada segura a partir da qual lançariam um ataque constante a Garan.

Não era como se os elfos não soubessem do perigo que essas ilhas representavam para eles; eles simplesmente não podiam fazer nada a respeito.

As bruxas estabeleceram uma densa camada de várias matrizes defensivas e ofensivas na única ilha principal das Ilhas Echo que permanecia acima da água durante todo o ano. Com uma bruxa de Terceiro Grau de guarda na ilha, os elfos teriam que pagar um preço inimaginável para livrar a ilha das bruxas.

Além disso, havia cerca de trinta a trinta e cinco quilômetros de distância entre as Ilhas Echo e Garan. Os elfos só poderiam mobilizar suas grandes unidades navais e aéreas se quisessem atacar aquela ilha. No entanto, a geografia local se tornaria o pesadelo da marinha se fossem mobilizadas.

Por outro lado, as unidades aéreas teriam que percorrer uma longa distância para entrar na batalha. A maioria dos Pégasus e Hipogrifos não teria resistência para voar dezenas de quilômetros e então atacar a fortaleza bem defendida das bruxas. Foi assim que a base de bruxas nas Ilhas Echo existiu por mais de duzentos anos sem ser destruída pelos elfos.

A única coisa que os elfos puderam fazer foi construir uma nova cidade perto da costa mais próxima das Ilhas Echo. Essa era a Cidade Água Verde. Um poderoso exército estava lá para repelir os ataques das bruxas. Eles eram os Cavaleiros do Vento.

Esta unidade continha quase todas as unidades aéreas do reino que podiam voar, desde fadas das flores de baixo grau até espíritos verdes de alto grau, cavaleiros pégasus de baixo grau ao alto grau, e até mesmo grupos de cavaleiros de hipogrifos, hordas de quimeras e unidades de ataque de águias.

Contanto que fosse uma besta voadora que pudesse ser encontrada em Garan, poderia ser encontrada na Cidade Água Verde.

Além do grande número de druidas de baixo grau e dos companheiros da floresta que poderiam convocar, as bruxas enfrentariam um céu cheio de bestas mágicas voadoras se ousassem invadir a Cidade Água Verde.

Com a cidade e a grande unidade Cavaleiros do Vento mantendo-as sob controle, os ataques das bruxas na costa sul tornaram-se extremamente insignificantes.

Ao se moverem das Ilhas Echo, o exército aliado das bruxas só poderia enviar alguns pequenos esquadrões de bruxas para provocar o inimigo. Esses esquadrões tiveram que evitar a Cidade Água Verde e criar problemas em outras áreas próximas. A existência da unidade Cavaleiros do Vento e a migração das aldeias pela costa dificultaram a obtenção de qualquer lucro pelos esquadrões de bruxas. Na verdade, ainda tiveram que suportar o tremendo risco de morte durante estas operações.

Isso sem dúvida reduziu os lucros de combate das bruxas, provocando a insatisfação das Bruxas das Trevas que vieram do Mundo Adepto!

Em particular, a Bruxa das Trevas de Terceiro Grau Uzzah, que liderava este grupo, quase discutiu com as Bruxas Pálidas sobre esta questão.

Uzzah carregou sobre seus ombros um fardo significativo que lhe foi confiado por sua líder nesta missão. Além de uma pequena tribo a ser trazida de volta para as Bruxas das Trevas, ela também precisava encontrar uma maneira de obter a última relíquia sagrada dos pégasus – Água Mágica da Nascente.

As atividades de expansão das Bruxas das Trevas no Plano das Sombras estavam indo muito bem. Elas precisavam urgentemente de um grupo de uma raça inteligente de alto nível que pudesse se reproduzir para migrar para aquele mundo. Após várias seleções, perceberam que os elfos da floresta de Faen fornecidos pelas Bruxas Pálidas eram as melhores escolhas.

No entanto, os elfos que as Bruxas Pálidas capturavam periodicamente em Faen eram guerreiros ou arqueiros. Quase todos eram indivíduos em condições de combate, com corpos poderosos, mais adequados para serem treinados como escravos de combate. No entanto, isso não correspondia inteiramente às expectativas das Bruxas das Trevas.

As Bruxas das Trevas queriam uma tribo inteira de elfos que incluísse idosos, jovens e mulheres. Deveria haver pelo menos quatrocentos deles. Isso facilitaria muito a observação e o teste das bruxas sobre o processo de corrupção do Plano das Sombras em espécies inteligentes estrangeiras.

Por outro lado, a Água Mágica da Nascente era a chave para a Floresta Fantasia de Garan poder continuamente dar origem a pégasus. Foi dito que pégasus ou pégasus prateados prenhos só dariam à luz um Pégaso se voltassem para a nascente de sua terra sagrada e bebessem da água mágica da nascente. Caso contrário, só poderiam dar à luz um cavalo comum.

Este estranho fenômeno atraiu aparentemente a curiosidade das bruxas.

Recentemente, as Bruxas das Trevas estavam pensando em cultivar algumas bestas vodu adequadas. Por esse motivo, queriam obter a água mágica da nascente para pesquisa.

No entanto, a nascente estava localizada nas profundezas das montanhas centrais. Era uma área fortemente guardada pelos elfos. Como tal, as Bruxas das Trevas não se atreviam a agir com ousadia, apesar de estarem com muita pressa. Elas só conseguiram encontrar uma maneira de colocar as mãos nela.

Foi por isso que a Bruxa das Trevas de Terceiro Grau Uzzah não podia mais tolerar a falta de movimentos significativos das Bruxas Pálidas. Ela mal podia esperar pelo dia em que poderiam se separar.

No entanto, neste momento, recebeu inesperadamente um atraente convite de combate.

O convite veio de Alice.

Desde o início da Calamidade das Bruxas, a líder das Bruxas do Destino, Alice, havia deixado a frota das Bruxas Pálidas. Ela confiou em seu poderoso navio voador e entrou em Garan sozinha. Os outros ramos invejavam muito uma fortaleza de metal tão grande que pudesse avançar e recuar como desejasse.

No entanto, alimentar um navio voador tão grande e mantê-lo no ar por longos períodos custava uma quantidade chocante de cristais mágicos a cada segundo. Não era como se os outros ramos das bruxas não possuíssem métodos e ferramentas semelhantes. Eles simplesmente não tinham capacidade para sustentar um consumo tão extravagante de cristais mágicos.

As Bruxas do Destino, por outro lado, possuíam uma Torre que se selou por até mil anos. A quantidade de cristais mágicos armazenados devia ser impressionante. Consequentemente, poderiam compensar sua falta de poder de combate no curto prazo com um gasto tão luxuoso de cristais mágicos. As bruxas dos outros ramos invejaram a habilidade de Alice de voar tão profundamente em território inimigo, mas não ficaram muito surpresas.

As Bruxas do Destino que Alice liderava já estavam em Garan há mais de duas semanas. Elas devem ter obtido alguns despojos de guerra substanciais. No entanto, seu esquadrão nem sequer tinha uma bruxa de Terceiro Grau que pudesse mantê-las seguras. Certamente, sofreram perdas com a retaliação brutal dos elfos!

Agora que Alice havia convidado ativamente as Bruxas das Trevas para acompanhá-las, era certo que haviam sofrido danos tremendos.

A Bruxa Uzzah aceitou o convite de combate de Alice sem qualquer hesitação, mesmo que ela abrigasse traços de alegria secreta e desdém pela Bruxa do Destino.

…………

Ano 10.471, Mês 10, Dia 12 do Calendário Faen.

Dois navios leves patrulhavam as Ilhas Echo.

Comparados aos enormes navios marítimos dos humanos, os navios de guerra dos elfos eram menores e mais estreitos. Os conveses superiores eram mais planos e largos, muitas vezes equipados com muitas das máquinas mágicas únicas dos elfos – os Lançadores de Glaives, Asas de Pássaro. 2

Esses navios de guerra eram claramente inadequados para o mar profundo, onde os ventos e as ondas eram enormes. Consequentemente, os navios não poderiam viajar muito longe. No entanto, eram os navios de guerra mais comuns da marinha nos mares rasos devido à sua velocidade e agilidade.

Era uma tarde ensolarada.

O céu azul estava limpo e sem vestígios de nuvens, e os ventos marítimos continuavam a soprar.

Dois navios de guerra patrulhavam indiferentemente as Ilhas Echo. Os soldados a bordo apreciavam a bela paisagem do mar enquanto ficavam de olho em cada movimento das bruxas nas ilhas.

Pégasus ocasionalmente subiam aos céus a partir de seus navios. Os cavaleiros equipados com telescópios observariam silenciosamente os arredores do alto.

Os corcéis brancos – suas grandes asas brancas e puras e postura de voo elegante que faziam voar parecer tão simples quanto andar – fizeram com que esses cavaleiros atraíssem a atenção de todos. Guerreiros de todos os lados dos navios de guerra acenavam para os cavaleiros e prestavam seus respeitos, gritando suas saudações em voz alta.

Essas bestas mágicas podiam parecer bonitas, mas sua resistência era inferior a outras bestas mágicas voadoras. Era por isso que geralmente eram responsáveis ​​apenas pela segurança do espaço aéreo no alcance de dois quilômetros ao redor de um navio de guerra. Alarmes e avisos para espaços aéreos mais distantes seriam cuidados por hipogrifos, que tinham mais resistência.

O mar estava extremamente limpo hoje. Havia muitas maravilhas nos céus e mares azuis. Foi por isso que os cavaleiros encarregados dos alertas estavam se sentindo brincalhões e começaram a atacar de cima para baixo e surfar nas ondas ao redor do navio. Vários pégasus ágeis carregaram seus cavaleiros nas costas e mergulharam de duzentos a trezentos metros de altura. Eles então pararam abruptamente no exato momento em que se aproximaram da superfície do mar. O belo pégaso então pisava nas ondas e caminhava sobre a espuma.

Esta cena emocionante atraiu imediatamente os aplausos dos elfos. Vários pontos pretos emergiram do grande castelo nas distantes Ilhas Echo e olharam nesta direção.

Cidaris enxugou a espuma do mar do rosto e subiu em direção ao céu mais uma vez em meio aos aplausos e acenos dos outros elfos. O pégaso prateado abaixo dele continuou a subir até que, finalmente, estavam ao lado do Cavaleiro Hegus, que estava a cem metros de altura.

“Você não vai brincar um pouco? É raro virmos para as Ilhas Echo. As bruxas não ousarão sair tão facilmente. É o momento perfeito para que nossos velhos companheiros alonguem os músculos e relaxem os ossos. Seus ossos estão praticamente enferrujados depois de todo esse tempo passado nas cabanas.” Cidaris perguntou com um tom otimista. Seus olhos estavam cheios de uma profunda incompreensão.

A maioria das unidades aéreas foram enviadas para a Cidade Água Verde. Vários poderosos mensageiros também estavam aguardando lá. A erupção da Calamidade das Bruxas deste ano foi interrompida pelos elfos. Mesmo agora, as bruxas atacantes não conseguiram pisar na terra natal dos elfos.

Além disso, os esquadrões de bruxas dispersos que invadiram Garan na calada da noite nunca seriam capazes de escapar da perseguição dos Cavaleiros do Vento e de outras potências, caso se revelassem.

Foi por isso que Cidaris nunca se preocupou com este grupo de bruxas.

Foi dito que o foco do ataque das bruxas este ano ainda era o Continente Faen, onde os humanos dominavam. O ataque a Garan era apenas uma simulação. Contanto que conseguissem aguentar mais quatro meses de maré baixa, os ventos ferozes começariam a soprar nas profundezas do oceano, e as bruxas não teriam escolha a não ser recuar para aquela malvada Ilha das Sombras deles.

Quando isso acontecesse, as Ilhas Echo também seriam devoradas pelo aumento do nível do mar e submersas novamente.

Sem essa poderosa base avançada, as bruxas teriam muito mais dificuldade em tentar atacar Garan.

No momento em que Cidaris ocasionalmente se levantava e ‘cutucava’ Hegus, esse cavaleiro pégaso prateado um tanto teimoso e solitário tremeu de repente. Ele tirou um telescópio brilhante da cintura e ergueu-o para olhar o mar ao longe.

“Soem os alarmes… Soem os alarmes. Ataque inimigo!”

No instante seguinte, o Cavaleiro Pégasus Prateado Hegus de repente acionou o alarme de ataque que ele carregava com ele.

[Combo: 10/200]

  1. Este termo refere-se a um período climático caracterizado por chuvas intensas e regulares, comumente associado a ventos sazonais.
  2. O termo Glaive refere-se a uma arma de lâmina similar a uma alabarda.
Olá, eu sou o Otakinho2!

Olá, eu sou o Otakinho2!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥