Selecione o tipo de erro abaixo


『 Tradutor: Otakinho 』

O processo de criação dos poderes da fé foi extremamente maravilhoso. Na verdade, a própria existência da fé era um conceito muito intangível.

Devido ao seu constante conflito contra divindades de todos os tipos, havia alguns entre os adeptos que tinham interesse na pesquisa de divindades. Através de seus experimentos abrangentes e detalhados, já haviam começado a descobrir os métodos pelos quais os Deuses se comunicavam com seus seguidores. Eles descobriram que tudo isso parecia estar relacionado a nodos cerebrais conhecidos como Canais de Fé.

Seres comuns, ao se converterem em crentes de um Deus, ficariam com uma marca estranha em sua alma por aquele Deus. Esta marca era como uma mudança mística e mágica. Enquanto o crente estivesse num estado de oração devota, seria capaz de construir um canal de fé estreito, mas estável, entre o crente e Deus, permitindo assim a transferência do poder da fé.

É claro que esse canal de fé funcionava em ambos os sentidos.

Quando o crente abrisse devotamente sua mente e alma, todo o seu ser e alma seriam expostos diante dos Deuses. Contudo, os Deuses simplesmente não tinham interesse em compreender ou pesquisar os pensamentos e segredos de uma criatura comum!

Por meio de inúmeros experimentos e pesquisas, os adeptos perceberam que tudo o que precisavam fazer era encontrar uma maneira de desligar parte do cérebro de um crente para cortar sua conexão com seu Deus. Dessa forma, um simples feitiço como Seduzir seria o suficiente para enganar um crente e fazê-lo mudar de fé.

No entanto, este método de desligar e selar parte do cérebro era um verdadeiro teste à habilidade de um adepto.

Se a área do cérebro que está sendo selada fosse isolada, mesmo que por um pouquinho, danos tremendos seriam infligidos à inteligência e à capacidade de pensamento racional da vítima; se o selo funcionasse, a vítima se tornaria uma idiota. A localização no cérebro da área a ser selada e o tamanho que a área deveria ter eram fatores que variavam de pessoa para pessoa e de Deus para Deus. Assim, tudo tinha que ser testado e calculado lentamente.

A própria Mary, naturalmente, não conseguia dominar um conhecimento mágico de alto nível, nem possuía técnicas mágicas tão refinadas. Foi por isso que sua tentativa de Acolher uma elfa de Segundo Grau baseou-se principalmente nas suas habilidades raciais como vampira.

Em suas dezenas de experimentos anteriores, alguns elfos de alto nível foram coincidentemente modificados por ela em elfos de sangue. Infelizmente, esta capitã estava destinada a fazer com que seus esforços fossem em vão.

Quem sabe se foi devido ao seu Espírito extraordinariamente resiliente, ou pela sua devoção à sua fé. De qualquer forma, uma série de ondas irrompeu do fluxo de alma da elfa no momento em que o casulo de sangue estava prestes a engolir perfeitamente aquele canal de fé.

Essas ondas eram leves e impotentes e foram instantaneamente seladas pelo emaranhado casulo de sangue. No entanto, alertou indiretamente uma estranha existência a dezenas de milhares de quilômetros de distância.

A manifestação divina de Saoirse, que sussurrava com a Deusa Meve no Templo do Luar, de repente mudou de expressão. Ela simplesmente parou de falar e se virou para olhar na direção sudoeste, sentindo silenciosamente alguma coisa.

“Irmã Saoirse, o que é?” A Deusa Meve perguntou confusa.

Saoirse hesitou por um momento e depois mostrou raiva em seu rosto perfeito e delicado.

“Neste momento, uma crente de alto nível cortou sua conexão de fé comigo.”

Saoirse disse de uma maneira muito casual e vaga. Um mortal comum pode nem ser capaz de entender o significado por trás dessas palavras. No entanto, quem estava na frente de Saoirse não era outra pessoa senão a Deusa do Luar Meve, uma divindade muito parecida com ela. Meve percebeu instantaneamente os vários pontos críticos das palavras de Saoirse.

Um crente de alto nível… o canal de fé sendo cortado.

Um elfo só precisava escolher acreditar em um Deus específico e, com algumas cerimônias de oração sagrada, o Deus seria capaz de deixar uma marca especial dentro de suas almas com sucesso. Muitos crentes favorecidos pelos Deuses conseguiram até materializar essa marca e transformá-la em um estigma extremamente forte.

Aqueles que possuíam estigmas sempre foram vigiados por seu Deus!

Mesmo dentro do sistema espiritualista, muitos mensageiros não conseguiram materializar estigmas. Apenas alguns crentes notavelmente favorecidos pelos Deuses poderiam possuir um.

Além disso, tal marca sagrada só poderia ser eliminada com dois métodos, uma vez implantado.

Uma era através da morte da crente, e a outra era a conversão da sua fé.

No entanto, ambas as possibilidades raramente aconteciam em Garan.

Primeiro, conversão.

Um elfo da floresta abandonando totalmente sua fé na Deusa dos Elfos Saoirse para acreditar em outro Deus. Isso… isso era praticamente impossível em Garan. Até mesmo a mensageira da Deusa do Luar Meve tinha uma crença superficial em Saoirse, a Deusa Principal, mesmo que ela acreditasse fanaticamente em Meve.

Era quase uma lei inabalável do panteão dos elfos!

Nenhum humano ou Deus jamais ousou infringir esta lei.

Era por isso que algo como a conversão jamais poderia acontecer.

Então, a única possibilidade que restava era o crente morrer.

No entanto, se o crente de alto grau tivesse realmente morrido, então sua marca sagrada também deveria ter desmoronado instantaneamente, em vez de ser “cortada” como Saoirse havia mencionado! Isso significava que o canal de fé ainda existia, mas Saoirse não era mais capaz de usar usá-lo para se comunicar com o crente?

Nenhum Deus toleraria tal assunto!

Foi por isso que o rosto de Saoirse já estava cheio de uma emoção inconquistável, mesmo quando fechou os olhos para sentir o que havia acontecido.

Ninguém sabia quando, mas vinte e sete ocorrências desse tipo já haviam acontecido, uma após a outra.

A única diferença era que a verdadeira forma de Saoirse residia no alto de seu reino divino quando isso aconteceu antes. Foi difícil para ela sentir claramente essa anormalidade através da barreira do plano.

Os Deuses podiam até um dia serem onipotentes, mas não eram oniscientes!

Os Deuses poderiam naturalmente ser capazes de captar instantaneamente tudo o que acontece aos crentes aos quais estavam prestando atenção. No entanto, ao lidar com dezenas de milhares de crentes comuns, os Deuses só podiam permitir-se uma consciência momentânea quando iam aos templos ou altares para orar a eles.

É claro que isso também exigia que o crente fizesse algo que pudesse atrair a atenção do Deus! Caso contrário, mesmo a divindade mais diligente não teria interesse em prestar atenção aos pensamentos de uma formiga; não, uma ovelha.

No entanto, foi precisamente este fenômeno que fez com que ficasse mais escuro sob a própria lâmpada. Saoirse ficou chocada ao descobrir que vinte e sete – não, vinte e oito – dos seus seguidores tinham perdido misteriosamente a ligação de fé com ela. No entanto, Saoirse tinha certeza de que não haviam morrido.

Foi uma sorte que tenha descido pela sua crente ter sido torturada. Caso contrário, esta questão de crentes sendo “roubados” dela teria provavelmente levado muito mais tempo antes de ser descoberta.

Saoirse acenou com a cabeça para Meve e depois voltou ao seu templo principal sem qualquer hesitação.

Aqui, com a enorme quantidade de poder de fé reunido sobre a estátua ao longo de milhares de anos, Saoirse poderia utilizar de forma mais eficiente seus sentidos e poder divinos.

Saoirse instantaneamente ficou furiosa!

Um incidente envolvendo muitas mortes de seus crentes ocorreu perto de uma cidade conhecida como Cidade Água do Céu, perto da costa oeste de Garan. A Deusa Saoirse ficou furiosa ao sentir os canais de fé desaparecendo e desmoronando um após o outro!

Não houve necessidade de nenhum gesto. Um simples pensamento dela e todo o templo principal se iluminou com um brilho sagrado e ofuscante. À distância, parecia que o templo principal havia sido revestido por uma camada de luz dourada. Estava brilhando, puro e sagrado.

Todos os elfos do distrito do templo, próximos ou distantes, imediatamente se ajoelharam ao testemunhar essa visão e começaram a entoar religiosamente palavras de louvor a Grande Deusa, Saoirse.

Os sacerdotes do templo de Saoirse foram os únicos a se moverem ao sentir a anormalidade dessa luz dourada, correndo para o templo e ajoelhando-se diante da imponente estátua de sua Deusa.

Cidade Água do Céu… crentes sendo massacrados.

Os poucos sacerdotes do templo se entreolharam diante do decreto divino de Saoirse.

A Deusa dos Elfos Saoirse nunca havia dado um decreto sagrado tão claro para a defesa de um local específico em toda a história. Os sacerdotes também podiam sentir vagamente a fúria da deusa através do tom frio e arrepiante de Saoirse.

Eles não ousaram hesitar. Os sacerdotes rapidamente saíram do templo e foram contatar os crentes de alto nível da Cidade Água do Céu.

Eles podiam ter um poder divino poderoso e vasto, mas eram impotentes para impedir um massacre que ocorria a dezenas de milhares de quilômetros de distância. Tudo o que puderam fazer foi passar esta notícia para a guarnição local, informar os crentes de alto nível próximos para irem atrás de vingança em nome da Deusa, matando todos os malfeitores que ousassem enfurecer os Deuses!

Infelizmente, os quatro mensageiros de Saoirse estavam todos ocupados. Dois estavam nas linhas de frente da costa sul, um estava no continente Faen e o último protegia a Deusa; nenhum deles poderia ser facilmente mobilizado. Assim, os sacerdotes só podiam comunicar com os sacerdotes locais através dos templos e altares, na esperança de encontrar uma forma de mobilizar crentes de alto nível e com imenso poder.

E quem saberia? Após uma série de intensas discussões e gritos, conseguiram encontrar a pessoa mais adequada para o trabalho.

Eijae, a Lança da Vingança!

Ela era uma guerreira que conseguiu avançar para a classe rara Lança da Vingança dentro do reino.

As elfas sempre foram fracas e frágeis na opinião de todos. Elas não eram precisamente insuportavelmente frágeis, mas comparadas às fêmeas de outras raças, eram um tanto magras e delicadas e emitiam a sensação de que poderiam quebrar ao toque.

Esta Lança da Vingança Eijae pode ser uma elfa, mas não tinha nenhuma das fragilidades habituais de uma elfa comum. Em vez disso, transmitia uma impressão de resistência e destemor masculinos.

Sua aparência não era feia, era até bonitinha.

No entanto, a maneira como se vestia era totalmente diferente de uma elfa comum. Ela optou por uma aura brutal e selvagem, não muito diferente das Amazonas. Ela usava uma armadura de couro preto esculpido com um cinto encharcado de suor na cintura. Isso era tudo o que usava.

Sem brincos ou pingentes, sem colares ou tiaras, sem pulseiras ou flores; concluindo, ela não gostava de nada que as elfas comuns gostavam, vestindo-se como uma guerreira amazona e trazendo suas lanças de arremesso favoritas aonde quer que fosse.

Na verdade, sua arma preferida não era um arco longo, nem uma espada longa ou sabre élfico. Ela jogava lanças com aura assassina.

[Combo: 45/200]

Olá, eu sou o Otakinho2!

Olá, eu sou o Otakinho2!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥