Selecione o tipo de erro abaixo


『 Tradutor: Otakinho 』

Eijae correu sob o luar brilhante e nítido.

Árvores antigas com dezenas de metros de altura eram como terreno plano sob seus pés. Penhascos e rios ficaram para trás em questão de segundos.

Os ventos úmidos da noite pressionaram o rosto de Eijae, encharcando sua armadura e seu rosto, mas foram incapazes de extinguir o fogo ardente de raiva em seu coração.

Eijae partiu sozinha na jornada ao ouvir a notícia da invasão de Quel’Lithien pela boca de um cavaleiro hipogrifo, mesmo antes da chegada do enviado do templo principal.

A guarnição da Cidade Água do Céu ainda estava tentando se reunir quando partiu.

Como o inimigo havia invadido tão ousadamente Quel’Lithien, a apenas cem quilômetros de distância, isso significava que eram imensamente poderosos e não tinham medo de um contra-ataque da guarnição da Cidade Água do Céu, ou que se tratava de uma conspiração destinada a atrair a guarnição foi embora.

Os comandantes e elfos superiores da Cidade Água do Céu começaram uma discussão na sala de reuniões, discutindo sem parar sobre a escala da incursão.

Assim como os nobres corruptos e indulgentes da sociedade humana, o reino também tinha certas classes especiais – os elfos superiores. Os chamados elfos superiores ainda eram elfos da floresta, e a única diferença era que sua linhagem estava marcada na história, nos tempos antigos.

Eles se orgulhavam disso, acreditando que apenas os elfos superiores eram os mais puros e nobres de todos os elfos da floresta. Recusaram-se a casar com camponeses, tentando ao máximo manter a sua linhagem da contaminação externa. Eles tinham autoridade excepcional dentro do reino. As posições de membros do conselho de anciões no reino só poderiam ser assumidas por elfos superiores.

Embora os comandantes da Cidade Água do Céu tivessem autoridade militar absoluta, não podiam ignorar completamente os protestos desses nobres elfos superiores.

O comandante pretendia enviar todas as suas forças aéreas para primeiro se apressarem como reforços no momento em que recebessem a notícia da invasão de Quel’Lithien. Uma força terrestre de tamanho normal também teve de ser mobilizada. Infelizmente, a variedade de unidades e o número de soldados continuaram a diminuir devido aos protestos dos elfos superiores.

Uma Eijae brava escolheu furiosamente sair sozinha, incapaz de tolerar tal atraso administrativo cruel e de sangue-frio!

Cerca de cinco ou seis potências locais tomaram a mesma decisão que Eijae. Estes eram todos ‘rebeldes’ de Segundo Grau que se recusaram a ser vinculados pelos militares.

Infelizmente, sua velocidade e resistência dificilmente poderiam ser comparadas às da poderosa Eijae. Assim, foram rapidamente deixados para trás pela Lança da Vingança após os primeiros cinquenta quilômetros.

Como era gratuito e divertido viajar pelo mar de árvores sob o sagrado e lindo luar!

Se não fosse pela preocupação com os membros de sua tribo que encheu o coração de Eijae, ela teria gritado de excitação neste momento. Na verdade, teria até procurado uma besta mágica poderosa para um confronto.

O temível apelido de Eijae, Lança da Vingança, pode não ser tão difundido entre os elfos, mas ela tinha um título infame como ‘Maluca’ entre as bestas mágicas das montanhas centrais!

Não importava se era o imensamente poderoso Rei Wyvern, o incomparavelmente forte Macaco Gigante Berserker, ou mesmo a astuta e ardilosa Raposa de Cauda Prateada; todos seriam atacados incessantemente por Eijae, chorando até não terem mais lágrimas e sem ninguém para reclamar. Todas as outras bestas mágicas com qualquer fama ou poder seriam imediatamente visitadas e desafiadas por Eijae.

Pode-se dizer que as terríveis técnicas de combate de Eijae foram todas aprimoradas nos milhares de desafios de vida ou morte que encarou. As muitas cicatrizes de vários tamanhos que cobriam seu corpo eram a melhor prova de seu impulso insano e vontade de combate!

Os elfos da floresta podiam ser os donos de Garan, mas viajar pela Floresta Fantasia durante a noite ainda era uma coisa perigosa de se fazer.

As bestas que normalmente se escondiam em suas cavernas durante o dia saíam de suas tocas ao anoitecer, vagando pela floresta escura em busca de carne fresca. A maioria das bestas era afetada pelo poder da natureza e não atacavam ativamente os elfos da floresta. No entanto, não havia como evitar que animais selvagens sob os efeitos da fome ou da malícia atacassem repentinamente os elfos.

Foi por isso que, em circunstâncias normais, os elfos da floresta também cumpririam algumas regras tácitas, como nunca se aproximarem ou passarem pelos territórios de bestas selvagens durante a noite.

No entanto, estas regras eram aparentemente inexistentes para Eijae. Ela até soltou um longo rugido enquanto corria, desafiando ativamente os reis entre as bestas mágicas.

Infelizmente, sua voz e aura eram bem conhecidas entre as bestas mágicas. Consequentemente, as florestas pelas quais passou não apenas estavam ausentes de qualquer resposta das bestas mágicas, como também ficaram absurdamente silenciosas. Todas as bestas mágicas interromperam temporariamente suas caçadas e se esconderam nos arbustos, rezando para que essa monstruosidade deixasse seu território o mais rápido possível.

Cem quilômetros de estradas na floresta cansaram até mesmo Eijae após percorrer toda aquela distância de uma só vez. Ela estava encharcada de suor.

No momento em que ela gradualmente se aproximou de Quel’Lithien, ela começou a encontrar elfos que haviam escapado daquele lugar. Eijae ficou com o coração partido ao ouvir as piores notícias de suas bocas.

Um incêndio estrondoso transformou esta antiga cidade em um mar sufocante de fogo.

As ondas avassaladoras de calor e as chamas forçaram qualquer um a se afastar antes mesmo que pudessem entrar em Quel’Lithien.

Vários elfos que escaparam da cidade se ajoelharam à beira do fogo em agonia, chorando, lamentando e se afogando em tristeza.

Ao lado deles, o corpo de Eijae começou a emitir ondas roxas de ar. Ela entrou no campo de fogo um passo de cada vez com toda a sua determinação.

Quel’Lithien era uma cidade de tamanho médio. Quase três dúzias de árvores antigas gigantes que chegavam a cem metros de altura formavam sua área central.

Ao contrário das estradas largas e retas dos assentamentos humanos, tais estruturas nunca foram vistas nas aldeias e cidades dos elfos. As casas e edifícios dos elfos foram todos construídos na base das antigas copas das árvores, para onde convergiam todos os galhos. Pontes e videiras foram usadas para conectar essas estruturas.

Hoje, está bela e próspera cidade foi incendiada por inimigos malignos. Cada árvore num quilômetro e meio foi devorada pelo mar de fogo, torcendo-se e lutando dolorosamente no fogo implacável.

Eijae caminhou solenemente pelas chamas enquanto o fogo iluminava seu rosto.

Ela usou seu violento poder interno para afastar as chamas que envolviam seus lados e examinou rapidamente o local com os olhos, tentando encontrar a localização do inimigo.

O inimigo claramente não tinha ido longe!

As chamas podiam ser ferozes, mas Eijae ainda podia ver grandes manchas pretas de sangue nos galhos, chão e folhas. Eijae também viu muitos cadáveres de besouros cobrindo o chão ao redor dos poucos guerreiros treant no centro da cidade.

Os guerreiros obviamente lutaram até o último suspiro.

Uma espessa pilha de cadáveres de insetos enterrou seus corpos desmoronados. Numerosas feridas de vários tamanhos podiam ser vistas por todo o corpo.

Ainda mais estranho foi a descoberta de Eijae de um pequeno punhado de cinzas no fim deste trágico campo de batalha.

Eijae se agachou perto das cinzas e pegou algumas delas com a mão direita. Ela esfregou as cinzas na mão.

Elas voaram, tão leves que pareciam não ter peso.

Era um pequeno punhado de cinzas produto de algo totalmente queimado.

Eijae não pôde evitar estreitar os olhos.

Não era incomum que cinzas aparecessem em um campo de fogo tão feroz. No entanto, era estranho queimar algo tão completamente que não restassem fragmentos de ossos ou minerais.

Na impressão de Eijae, apenas espíritos únicos ou mortos-vivos poderiam produzir um fenômeno tão estranho após a morte. Se sua dedução estivesse correta, era a prova de que algumas poderosas criaturas mortas-vivas haviam aparecido entre essas bruxas.

As criaturas mortas-vivas eram más, e as bruxas também eram más.

Não era tão surpreendente colaborarem!

A única coisa que confundiu Eijae foi como as bruxas malvadas conseguiram criar um número tão estonteante de insetos. Se a escala do exército de insetos era tão grande, então que método usaram para evitar a patrulha e os batedores aéreos que estavam por toda parte?

O rosto de Eijae virou enquanto ainda estava pensando. Seus olhos de águia rapidamente focaram em um ponto no chão da floresta. Havia uma pequena pilha de terra e o que parecia ser uma caverna de insetos ali. Aquele lugar parecia ter experimentado as chamas de fogo mais concentradas.

Parecia que as bruxas que partiam estavam tentando usar o fogo para esconder alguma coisa.

Os pés de Eijae bateram no chão e ela rapidamente chegou naquele espaço vazio.

Sua expressão mudou ligeiramente quando seus pés pisaram no chão.

Havia uma caverna embaixo. O som de seus passos era ligeiramente diferente do solo sólido.

Eijae não hesitou. Ela pulou no ar quando uma lança do saco de couro atrás de suas costas apareceu imediatamente em sua mão. Ela inalou no ar e começou a usar seu poder. O violento poder interno rapidamente se reuniu sobre a lança de arremesso.

No segundo seguinte, uma pós-imagem roxa que dificilmente poderia ser capturada a olho nu percorreu uma distância de uma dúzia de metros e explodiu no centro do espaço.

A onda de choque selvagem e feroz extinguiu momentaneamente os incêndios ao redor da área, e a terra surrada desabou em um enorme buraco. Assim que as cinzas se dispersaram, uma cena horrível apareceu dentro do buraco. Lança da Vingança Eijae quase espontaneamente ficou furiosa.

O fundo do poço estava cheio de uma grande pilha de carne e ossos secos, com um lodo pungente. Muitos fragmentos de casulos brancos e larvas moribundas que ainda não haviam amadurecido podiam ser vistas em meio a todo esse “desperdício”.

Quando EIjae olhou para esses cadáveres retorcidos, quase podia imaginar como seriam enquanto ainda estavam vivos; ela podia imaginar o imenso sofrimento que tiveram que suportar naquele momento.

Eijae soltou um rugido furioso para o céu e chutou o chão com uma única perna. Ela saltou no ar e a Lança da Vingança em sua mão brilhou rapidamente. Um anel circular de explosões explodiu ao redor do buraco. Sob seu controle intencional, as ondas de choque da explosão se espalharam, limpando instantaneamente o centro do incêndio na cidade.

As bruxas incendiaram este lugar porque não queriam que os elfos descobrissem seus feitos. Eles simplesmente não tinham contabilizado Eijae aparecendo tão rápido.

A força destrutiva da Lança da Vingança extinguiu com força o fogo ao redor do buraco. Ela então se virou na velocidade da luz e correu em direção ao sudoeste da cidade.

O inimigo não foi longe!

Se ainda estivessem carregando seus despojos, ela definitivamente seria capaz de alcançá-los!

[Combo: 47/200]

Olá, eu sou o Otakinho2!

Olá, eu sou o Otakinho2!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥