Selecione o tipo de erro abaixo


『 Tradutor: Otakinho 』

Como nativos de Faen, os mensageiros naturalmente sabiam quem era Atri, o Deus das Bestas Marinhas.

Se a maioria dos Deuses fosse formas de vida superiores que transcendessem as criaturas mundanas e possuíssem poder e inteligência superiores, então Atri, o Deus das Bestas Marinhas, seria uma exceção especial!

Era lento e sua mente era pouco mais que o caos corporificado. Mesmo sua mente e inteligência não poderiam ser consideradas completas.

No entanto, não havia como negar que Atri possuía enorme força e poder físico que superava em muito um Deus comum. Mesmo sem técnicas ou habilidades sofisticadas, Atri poderia facilmente derrotar metade do panteão dos elfos apenas com sua força física.

Não poderia ser ajudado. Afinal, mais da metade dos Deuses do panteão dos elfos não eram proficientes em combate!

Além disso, Atri possuía as autoridades divinas selvageria, crueldade e regeneração. Era especialmente adorado e respeitado por todas as bestas marinhas poderosas de Faen. Se alguém pesasse o tamanho dos oceanos do Plano Faen e o número de formas de vida dentro deles, não havia dúvida de que o número de bestas marinhas poderosas superava até mesmo o número total de elfos da floresta.

Com um poder de fé tão incrível apoiando-o, o Deus das Bestas Marinhas empurrou-se com força para entre os Deuses mais poderosos de Faen, mesmo que fosse altamente desqualificado. Tornou-se o segundo deus mais poderoso de Faen, perdendo apenas para o Deus do Mar – Dions.

Se o campo de batalha fosse ambientado no mar, Atri por si só seria suficiente para destruir todo o panteão dos elfos. Claro, se Atri foi capaz de fazer isso, então o Deus do Mar Dions também poderia, que detinha o título de ‘Lorde Berserk’!

Todas as potências do mar que seguiam Atri, o Deus das Bestas Marinhas, tornaram-se selvagens estúpidos sob seus ensinamentos. Ainda assim, um ‘idiota’ de Quarto Grau ainda não era uma existência que uma pessoa comum pudesse se dar ao luxo de irritar!

Ursol e Zyvere não tiveram escolha senão engolir seu orgulho e recuar da batalha.

Assim que os dois mensageiros desapareceram no horizonte, a sereia de Quarto Grau se virou para olhar para Rimura.

“Ei, bruxa feia do Mundo Adepto, quando você pode enviar o Sangue do Mar que você prometeu? Se eu descobrir que você estava mentindo para mim, vou trazer meus homens comigo e destruir essa sua Ilha das Sombras de merda.”

Sangue do Mar era apenas um eufemismo. A substância não era mais do que o sangue de poderosas bestas marinhas do Mundo Adepto. O sangue de bestas marinhas de um mundo superior era, sem dúvida, uma substância extremamente rara e revigorante para as criaturas do mar de Faen.

O Sangue do Mar que esta sereia precisava era naturalmente o sangue de origem de uma sereia com a qual ela compartilhava o ancestral.

Recursos raros como estes não eram mantidos em estoque pelas Bruxas do Norte, mesmo com seu grande poder e influência, não tinham escolha senão enviar homens às profundezas dos oceanos do Mundo Adepto para procurar. Além disso, precisavam organizar mão de obra para cercar e caçar o alvo ao encontrá-lo. A dificuldade de obter este Sangue do Mar era realmente enorme!

Rimura ficou surpresa com as palavras selvagens e rudes desta sereia de Quarto Grau, mas ela não recorreu a hostilidades por causa disso. Aqui em Faen, as Bruxas Pálidas ousavam provocar o panteão dos elfos e conseguiam lutar com o panteão dos humanos. Ainda assim, a única coisa que não ousaram fazer era provocar essas selvagens criaturas do mar.

O volume total do oceano em Faen era quase cem vezes maior que a área total de massa terrestre. Os recursos também eram abundantes e prontamente disponíveis. Naturalmente, o número de potências no mar era chocantemente alto!

Este mensageiro falou casualmente em destruir a Ilha das Sombras. Não eram apenas mentiras e ameaças.

Se ela forçasse realmente a mão desta sereia, não seria difícil para o mesmo reunir dezenas de bestas marinhas de Quarto Grau das profundezas do mar para invadir a Ilha das Sombras. A Ilha das Sombras pode ter se transformado em uma fortaleza impenetrável ao longo dos últimos mil anos de esforço das Bruxas Pálidas, mas todas as suas torres defensivas e barreiras de energia eram pouco mais que uma piada diante de dezenas de criaturas de Quarto Grau. Além disso, eram bestas marinhas enormes e gigantescas, quase sempre tão grandes quanto colinas.

“Lorde Bestal, o atraso não pode ser totalmente atribuído a nós, pode?!” Mesmo a Bruxa Rimura não teve escolha a não ser explicar com um sorriso amargo ao lidar com uma sereia irracional: “Se você pudesse nos fornecer um pouco de seu próprio sangue, poderíamos naturalmente combiná-lo com nosso conhecimento e encontrar uma presa adequada para você. No entanto, você se recusa a fornecer seu sangue. É por isso que todas as três amostras que lhe fornecemos anteriormente não eram compatíveis com a sua essência. Tentar encontrar sereias que correspondam às suas especificações nas vastas e ilimitadas profundezas do oceano é um desafio assustador, até mesmo para nós!”

“Hmph! Eu não dou a mínima! Nem pense em colocar as mãos no meu sangue. Vocês, bruxas, adoram lidar com coisas estranhas. Quem sabe o que farão quando conseguirem meu sangue!” Essa sereia de Quarto Grau podia parecer burra e rude, mas tinha sua própria inteligência. Ele acenou com raiva o tridente em sua mão: “Só lhe darei mais dez anos. Se eu não conseguir o Sangue do Mar que você me prometeu em dez anos, então prepare-se para ser expulsa de Faen.”

A sereia de Quarto Grau virou e desapareceu no mar após gritar essas palavras, desaparecendo sem deixar vestígios.

Após soltar um suspiro silencioso, a Bruxa Rimura também retornou silenciosamente à torre da ilha com seu espírito.

A formação de recifes das Ilhas Echo foi totalmente destruída após este desastre, transformando-a em recifes escondidos sob a superfície do mar. Isso fez com que as águas ao redor das ilhas se tornassem cada vez mais complicadas e difíceis de navegar.

Porém, Rimura não encontrou nenhum interesse em lidar com esse assunto. Em vez disso, se escondeu em seu quarto e contatou silenciosamente a Bruxa de Quarto Grau na Ilha das Sombras.

Deixe a questão do chamado Sangue do Mar ser deixada para os líderes e anciões da sede do clã!

…………

Continente Garan, Pico Aerie.

Como um notório covil de bestas mágicas perto da costa sul, um bando de falcões do vento vivia aqui.

Como bestas mágicas do vento exclusivas do Continente Garan, esses falcões do vento possuíam velocidade de voo excepcional e poderosa magia do vento. Os jovens falcões tinham a força de um Primeiro Grau Iniciante. Isso não parecia muito impressionante, mas era preciso levar em consideração que eram um bando inteiro de bestas mágicas.

Uma centena de falcões construíram os seus ninhos no lado ensolarado de um penhasco alto, descansando e reproduzindo-se aqui. Com o passar do tempo, o número de falcões aqui cresceu em número, e se tornaram bestas mágicas domesticadas dos elfos. Tornou-se um lugar onde os druidas vinham invocar um companheiro animal.

Assim, este lugar se tornou o famoso Pico Aerie!

Como bestas mágicas voadoras com inteligência chocante, os falcões do vento sempre mantiveram relações amigáveis ​​com os elfos.

Além disso, tinham um extremo senso de território e desencadeavam os ataques mais ferozes contra qualquer pássaro ou besta que invadisse suas casas. Era por isso que não havia criaturas perigosas que pudessem ameaçar os jovens falcões em qualquer lugar em dois quilômetros e meio do Pico Aerie!

No entanto, hoje em dia, o Pico Aerie perdeu a serenidade do passado, transformando-se em um lugar caótico e tumultuado.

A causa de tudo isso foi um enxame de insetos!

Sete dias atrás, um enorme enxame de besouros estranhos surgiu das profundezas da floresta e se enraizou no subsolo do Pico Aerie, para nunca mais se mostrar.

Um céu cheio de jovens falcões parou imediatamente o grande grupo de elfos liderados pela Lança da Vingança Eijae depois que ela chegou a um quilômetro e meio do Pico Aerie. Esta época do ano passou a ser um momento crucial, onde muitos jovens falcões nasceram. Os falcões do vento nunca permitiriam que os elfos transformassem sua toca em um campo de batalha, mesmo com seu relacionamento de anos.

Lança da Vingança Eijae instantaneamente ficou furiosa contra esse bando de míopes e grasnados que não permitiam nenhuma negociação. Se não fosse pelo capitão liderando as tropas encontrando coragem para detê-la, Eijae teria provavelmente começado uma luta com esses falcões do vento antes que pudessem exterminar o enxame.

Este bando de ‘fracos’ falcões de Primeiro e Segundo Grau provavelmente teria metade de seu número aniquilado por Eijae em um único movimento. No entanto, se Eijae realmente fizesse isso, então as boas relações entre os elfos da floresta e os falcões chegariam ao fim.

Os elfos não tinham escolha. Os cavaleiros de hipogrifo que perseguiam o inimigo só podia parar do lado de fora do Pico Aerie, monitorando os arredores e garantindo que os insetos não escapassem. O capitão liderou alguns homens e voou para a Cidade das Águas Verdes, a apenas trezentos e cinquenta quilômetros de distância do Pico Aerie, para solicitar ajuda ao comandante de lá.

Meio-dia depois, um esquadrão de Corredores do Vento com menos de mil homens correu para o Pico Aerie.

Era preciso admitir que os elfos não podiam fazer nada sobre esta situação problemática, independentemente de quanta força militar reunissem. Isso porque o inimigo estava decidido a se esconder no subsolo!

O reino tinha de vinte a trinta milhões de elfos da floresta e, naturalmente, tinha todo tipo de indivíduos talentosos. Alguns tinham habilidades de tiro com arco precisas, enquanto outros possuíam movimentos bruscos; alguns até tinham a capacidade de canalizar poderosa magia da natureza. Havia também aqueles que poderiam se transformar em todos os tipos de bestas mágicas.

No entanto, curiosamente, nenhum poderia se envolver em batalhas subterrâneas.

Os elfos da floresta eram seres estranhos que, afinal, gostavam da natureza, da liberdade e da arte. Como era possível que houvesse uma estranheza entre eles que se destacasse na batalha no subterrâneo? Assim, quando os mil elfos conseguiram cercar o Pico Aerie, o tema de eliminar o inimigo tornou-se a preocupação mais significativa que os preocupava!

Fumaça, água e fogo.

Eles tentaram todos esses métodos estranhos pelo menos uma vez, mas não conseguiram forçar a saída do Adepto de Insetos Billis. Em vez disso, tornaram as coisas insuportáveis ​​para os jovens falcões que nasciam no Pico Aerie.

O comandante da Cidade das Águas Verdes só poderia usar suas conexões e todos os tipos de negociações para lidar com os Falcões do Vento. No final, conseguiu persuadir esse bando considerável de falcões a se mudarem temporariamente para outra área. Depois que o campo de batalha foi limpo, os elfos começaram a cavar incansavelmente no sopé do Pico Aerie, tentando escavar os insetos que mataram tantos de seus irmãos e exterminá-los.

Infelizmente, sob o comando de Billis, o enxame era mais ardiloso do que a maioria das bestas mágicas.

Os túneis que cavaram no subsolo não tinham nem um metro de espessura e não permitiam que nenhum elfo se movimentasse por dentro. As principais áreas de atividade do enxame também se concentraram logo abaixo do Pico Aerie, onde as camadas rochosas eram densas e espessas. Isso indiretamente aumentou a dificuldade de escavação para os elfos.

Sem escolha para eles, o comandante só poderia reunir grandes grupos de druidas que poderiam se transformar em serpentes da montanha e vermes para transformá-los em bestas mágicas da terra para extinguir esses insetos miseráveis.

Como tal, uma batalha entre o enxame e druidas irrompeu no espaço subterrâneo estreito e sem luz!

[Combo: 53/200]

Picture of Olá, eu sou o Crimson!

Olá, eu sou o Crimson!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥