Selecione o tipo de erro abaixo

Combo do 6º Aniversário da Vulcan – Capítulos → 73/175


“Tem perigo aí. Não é muito alto, mas também não é muito baixo…”

“Isso significa que Madame Sharon ainda está no prédio. Ela ainda não fugiu…”

Klein congelou por um momento, percebendo rapidamente o motivo.

Ele havia entrado em um estado único ao se convocar para inspecionar o cofre. Não quebrou a fechadura com força quando estava inspecionando o compartimento secreto, nem ativou nenhuma armadilha escondida. Assim, Madame Sharon não teria descoberto que seu segredo havia sido exposto. Ela só pensaria que houve uma invasão, ou algum investigador particular a estava verificando sem sucesso.

Em tal situação, era lógico que ela continuasse em casa. Fazia sentido lógico.

Perder a compostura por causa de uma questão insignificante e reagir exageradamente não era a Madame Sharon que Klein passara a entender. Ela era uma socialite calma capaz de fingir medo e inocência, bem como uma membro Beyonder da Seita da Demônia que manteve sua identidade escondida por muitos anos.

“Se o telefone tivesse sido inventado, Madame Sharon definitivamente teria ligado para um de seus amantes e reclamado da segurança na cidade de Tingen enquanto insinuava que era a Sra. Maynard…” Klein começou a imaginar uma trama melodramática. Ele contou a Dunn e Kenley os resultados de sua adivinhação, bem como seu palpite.

— Essa é a dedução mais razoável. — Dunn apertou o chapéu enquanto olhava para o segundo andar do apartamento de Madame Sharon. — Não há necessidade de nos apressarmos.

— Por quê? — Kenley, que estava segurando o Artefato Selado 3-0217, perguntou instintivamente.

Ele estava cheio de medo em relação ao Espelho do Médium Espiritual em suas mãos. Ele temia que algum evento inesperado surgisse do Artefato Selado.

Dunn calçou as luvas pretas e olhou para Klein.

— Você ainda se lembra do que aconteceu quando tentamos capturar a instigadora Trissy?

— Eu me lembro, — respondeu Klein depois de pensar um pouco. — Ela parecia ser capaz de detectar nossa presença e dar as respostas necessárias, o que resultou em sua fuga bem-sucedida.

“Lembro-me também de sugerir o uso de bombardear a casa quando o Capitão me perguntou como eu lidaria com a situação. Esse era o método mais seguro e infalível. Mas não desta vez… Não podemos usá-lo aqui porque há muitas empregadas inocentes na casa da Madame Sharon. Se os notificássemos com antecedência e os fizéssemos evacuar, isso definitivamente chamaria a atenção de Madame Sharon. De acordo com Leonard, Trissy poderia ficar invisível. Temos que assumir que Madame Sharon também tem essa habilidade…” Klein ligou os pontos de uma vez.

Dunn olhou para a lua carmesim no céu e disse: — Bom, sua resposta é muito boa. Você é bastante intuitivo em tais situações.

— Não podemos nos aproximar de forma imprudente e acabar alarmando Madame Sharon. Vou tentar arrastá-la para um sonho à distância. Se eu for bem-sucedido, você e Kenley irão capturá-la… Bem… Você pode tomar a decisão de matá-la ou não. Mate-a se não puder controlá-la. Sua segurança é de extrema importância.

“Capitão, sua linha de pensamento é sempre tão clara em momentos tão críticos! Eu só estava esperando você dizer isso!” Klein elogiou em seu coração.

Ao longo dos meses, Klein havia captado a maioria das características únicas dos diferentes poderes de Beyonder de seus parceiros quando conversava casualmente com Dunn, Leonard, Frye e o resto. Entre eles, Dunn Smith, que era um Pesadelo, podia entrar livremente nos sonhos de uma pessoa adormecida, mesmo estando em casa ou na Companhia de Segurança Espinho Negro.

Mas como ele fez isso era um segredo de sua própria Sequência, e Klein não perguntou muito sobre isso.

A habilidade de arrastar alguém para um sonho tinha um alcance limitado e era normalmente usada durante confrontos diretos.

Mas Klein uma vez ouviu o capitão dizer que a habilidade também tinha um certo efeito quando usada em um raio de cem metros. Mas ele precisava de tempo para concluir o processo. Ele não conseguiu fazer isso instantaneamente, pois o processo era semelhante a persuadir uma criança a dormir.

Neste momento, Dunn iria arrastar a distante Madame Sharon para um estado de sono, um pouco de cada vez. Após completar os primeiros estágios da contenção, ele criaria as condições mais oportunas para Klein e Kenley.

— Tudo bem. — Kenley também aceitou o plano do capitão.

Sem mais conversa, Dunn se apoiou na quina de uma parede e fechou os olhos. Ele juntou as mãos e abaixou a cabeça. Seu blusão preto e chapéu de seda se misturavam à noite.

No quarto opulento.

Madame Sharon estava encostada em sua confortável cadeira de balanço, completamente nua. Sua bela e excelente figura estava completamente exposta.

Ela às vezes virava a cabeça para o espelho de corpo inteiro para admirar seu eu encantador.

Enquanto ela olhava, seu rosto ficava vermelho enquanto as lágrimas brotavam de seus olhos. Sua expressão emitia uma estranha ternura em meio ao seu estupor.

A estátua esquelética da deusa estava sentada na mesa ao lado dela. As grossas mechas de cabelo pareciam suaves sob a luz quente e rosa.

Lentamente, a frequência com que Madame Sharon se olhava no espelho diminuiu. Pouco a pouco, suas pálpebras não puderam deixar de cair.

Os segundos se transformaram em minutos quando Klein de repente se lembrou de algo. “Como o capitão notificaria Kenley e a si mesmo depois de arrastar com sucesso Madame Sharon para um sonho?”

“Madame Sharon acordaria se o Capitão deixasse seu estado de Pesadelo, e ela notaria que algo estava errado… Será que o Capitão é capaz de fazer sinais com as mãos enquanto sonha ao mesmo tempo?” Klein olhou para o preocupado Kenley andando de um lado para o outro e pretendia discutir isso com ele para distraí-lo.

Naquele momento, sua mente se transformou em um borrão. Ele viu uma lua carmesim gigante, assim como o capitão Dunn Smith em seu blusão preto sob a lua. Havia também o baixo Kenley, sua expressão confusa.

Klein percebeu que ele também estava sonhando!

“Fui arrastado para um sonho pelo capitão… Então era assim que ele ia nos avisar.” Ele queria se mover, mas só conseguiu manter seu estado de transe enquanto dizia confusamente: — Capitão?

Dunn acenou levemente com a cabeça e disse: — Madame Sharon entrou em um sonho. Você pode agir agora.

Ele então enfatizou: — Lembre-se de ter cuidado e não ser muito imprudente… Preferimos perder a oportunidade do que correr riscos injustificados.

Assim que ele terminou sua frase, o mundo diante de Klein se despedaçou. Seus olhos refletiram Dunn Smith novamente. Ele ainda estava no canto da parede, olhando para baixo com os punhos cerrados.

Do outro lado, Kenley, que havia parado, também abriu os olhos.

A dupla trocou olhares e assentiu. Ambos se concentraram para executar sua operação.

Embora esta fosse a primeira vez que Kenley participava de uma missão relativamente perigosa, ele ainda era mais experiente do que Klein. Havia participado de muitas missões oficiais, então rapidamente ajustou seu estado mental, tornando-se calmo e perspicaz.

Claro, isso também pode ser atribuído ao aprimoramento da noite em um Sem Sono. Essa também foi uma das razões pelas quais Dunn escolheu Kenley em vez de Frye para esta operação.

— Vamos. — Como Sequência 8, Klein assumiu o papel de líder, sinalizando para que seu parceiro o seguisse.

Kenley não se opôs. Ele agarrou o espelho bem embrulhado e suavizou seus passos enquanto o seguia.

Klein o conduziu ao local onde escalou a parede anteriormente. Ele agarrou as fendas da parede e chegou ao topo com pouco esforço.

Ele manteve seu ridículo senso de equilíbrio e se virou, curvando-se e agarrando o Espelho do Médium Espiritual que Kenley havia jogado.

No momento em que tocou o espelho, Klein sentiu sua percepção espiritual se contrair repentinamente. Era como se o que estava coberto pelo pano preto não fosse um espelho, mas uma porta para algum mundo alternativo desconhecido e perigoso.

“De fato, qualquer item que exija selamento tem algum lado maléfico…” Klein murmurou internamente para si mesmo enquanto observava Kenley escalar a parede.

Para facilitar o movimento, Kenley deixou sua bengala ao lado de Dunn. Klein não insistiu nesse assunto.

Depois de percorrer o jardim até a lateral do prédio, ele subiu pelo cano até a sacada do segundo andar, como havia feito antes.

Então pendurou naturalmente de seus pés, permitindo que seu corpo caísse, mais uma vez pegando o Artefato Selado 3-0271.

Kenley olhou para ele, intrigado. Mas imediatamente, ele acenou com a cabeça em iluminação.

Naquele momento, Klein ficou chocado com suas próprias ações. Ele fez uma força usando a cintura e, com o apoio da mão esquerda, capotou com facilidade.

“O que aconteceu agora? Por que eu me movi assim? Parecia tão natural… Isso é uma habilidade do Palhaço?” Ele pensou e sentiu que era capaz de exibir melhor as características únicas de um Palhaço na vida real.

Depois de esperar que Kenley subisse facilmente, Klein devolveu o Espelho do Médium Espiritual a ele antes de abrir a porta destrancada da varanda.

Kenley puxou cuidadosamente o pano preto que envolvia o Artefato Selado 3-0271. Ele apontou o objeto espelhado para baixo, refletindo os ladrilhos no chão.

Uma das regras do Espelho do Médium Espiritual era não usá-lo em você ou em seus parceiros!

Depois de guardar o pano preto, Kenley sacou o revólver e seguiu Klein. Eles passaram pelo corredor em direção ao quarto de Madame Sharon, seus passos leves.

Klein empunhou seu revólver preparado e, enquanto ativava sua Visão Espiritual, estendeu a mão esquerda para a maçaneta da porta.

Ele não se atreveu a ser descuidado, pois sua adivinhação lhe disse que haveria perigo presente.

A razão pela qual ele não fez outra adivinhação rápida foi que sabia da presença da estátua da Demônia Primordial na sala. A essa distância, sua adivinhação definitivamente seria interrompida. Ele sabia que não havia como obter uma resposta clara sem confiar na obstrução da névoa cinza. Além disso, com Kenley ao seu lado, não havia como ele entrar naquele espaço misterioso.

Depois de abrir a porta, o que entrou no campo de visão de Klein e Kenley foi a luz quente do lampião a gás.

Então, eles viram Madame Sharon caída sobre sua cadeira, assim como seu corpo sedutor.

No entanto, Madame Sharon não estava dormindo. Ela estava reclinada em sua cadeira com um leve sorriso na boca, olhando diretamente para seus dois visitantes.

Instintivamente, Kenley virou a palma da mão e apontou o Espelho do Médium Espiritual para Madame Sharon.

Klein primeiro congelou, depois exclamou: — Não!

Ele se lembrava claramente de que havia um espelho de corpo inteiro do outro lado da cadeira. Mas não estava lá agora!

O Espelho do Médium Espiritual travou em Madame Sharon em apenas um segundo.

Mas aquela imagem de Madame Sharon ficou embaçada antes de se transformar em um espelho de corpo inteiro.

Kenley olhou para si mesmo no espelho e também para o Artefato Selado 3-0271 refletindo sua própria imagem.

Uma figura apareceu instantaneamente dentro do Espelho do Médium Espiritual. Era uma imagem inexpressiva e sinistra do próprio Kenley!

Klein sentiu seus membros ficarem rígidos como se estivessem emaranhados por fios invisíveis.

Uma figura elegante apareceu ao lado do espelho de corpo inteiro. Era Madame Sharon, de camisola.

Ela olhou para os dois intrusos e riu.

— Se não fosse pelo fato de a estátua estar ao meu lado, eu estaria dormindo profundamente agora, esperando que você me acordasse com um beijo.

Naquele momento, Klein de repente gritou um termo simples em Hermes antigo, — Carmesim!

Ele não tinha ideia quando enfiou a palma da mão esquerda no bolso. Ele habilmente estalou os dedos e lançou um Amuleto do Sono.

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥