Selecione o tipo de erro abaixo

Combo do 6º Aniversário da Vulcan – Capítulos → 130/175

Combo comprado → 2/25


Antes de sair de casa, Klein jogou uma moeda para perguntar se seria benéfico para ele visitar o Bar dos Corajosos naquele dia.

Depois de receber um resultado negativo, ele olhou em volta antes de sussurrar no ar: — Alguém está me monitorando hoje?

Após alguns segundos de silêncio, a voz etérea da Srta. Guarda-costas soou de repente atrás dele.

— Não.

Klein inconscientemente olhou para trás, mas não conseguiu encontrar a Srta. Guarda-costas.

Sua atenção voltou rapidamente para a resposta que recebeu, pois não pôde deixar de soltar uma risadinha em seu coração.

“O MI9 nem mesmo está me colocando na lista de suspeitos!”

“Depois de confirmarem que Rosago não tinha me procurado, eles me deixaram completamente de lado.”

“Devo me sentir honrado ou insultado?”

“É verdade que um detetive que se ocupa procurando gatos não tem como ser associado ao assassinato de um embaixador ou se livrar de um especialista da Sequência 5…”

“Além disso, o MI9 está me monitorando há algum tempo. Meu pânico, meu desamparo e minha luta pela autopreservação foram expostos para eles verem. É óbvio que não posso infligir nenhum dano substancial ao embaixador…”

Com isso em mente, Klein colocou sua meia cartola, carregou sua bengala preta incrustada de prata e saiu de casa. Ele gastou 2 solis por uma carruagem alugada que o levou ao Bar dos Corajosos na Rua Portão de Ferro na área da Ponte de Backlund.

Ele entrou como qualquer um, passou pelos bêbados que aplaudiam ao redor do ringue de boxe e bateu na bancada quando chegou ao balcão do bar.

— Um copo de cerveja Southville.

O barman olhou para ele e murmurou: — Kaspars está na sala de jogos 3.

Klein sorriu e empurrou cinco moedas de cobre de um centavo para o homem.

Então, carregando o copo de madeira e bebendo uma cerveja branca, suave e espumosa de Southville, ele contornou dois dos palcos mais barulhentos e animados que mais fediam e bateu na porta da sala de jogos 3.

Kaspars estava jogando pôquer no Texas com apostas ilimitadas. Pilhas de dinheiro estavam empilhadas à sua frente, assim como moedas amarelas que se empilhavam em uma pilha deslumbrante.

Percebendo o olhar de Klein, o traficante de armas do mercado negro com uma enorme cicatriz em seu rosto contraiu seu grande nariz vermelho e disse casualmente: — Eu não gosto de usar chips porque eles não parecem reais para mim. Ainda é a textura do dinheiro e o peso das moedas que me deixam embriagado. É o mesmo que foder mulheres!

Depois de terminar a frase, Kaspars franziu ligeiramente a testa.

— O que você está fazendo aqui de novo?

Klein não respondeu diretamente, mas gesticulou com a boca para falar lá fora.

— Caramba! Eu ia limpá-los com esta mão! Droga, estou desistindo! — Kaspars jogou as duas cartas à sua frente no meio da mesa, depois mancou até a porta e disse a Klein: — É melhor você ter um bom motivo!

Depois de deixar a sala de jogos e chegar à esquina, Klein disse com voz abafada: — Quero saber quando será a próxima reunião.

Kaspars olhou para ele com desconfiança. — Você não fez um acordo com Maric?

— Não se trata de contratar guarda-costas. Com relação a isso, heh heh, sabe… eu me interessei muito por isso. — Klein estava dizendo a verdade.

Kaspars hesitou e então disse: — Haverá uma reunião esta noite. O organizador é o mesmo da última vez, mas você terá que esperar mais de meia hora. Vou informá-los primeiro. Você mostrou sua reputação da última vez, então não acho que haverá muito problema.

— Sem problemas, eu te pago. — Klein tocou as notas em seu bolso.

— Você só precisa pagar 1 libra desta vez. — Kaspars agiu como se fosse muito generoso.

— Vale a pena, — Klein disse enquanto os cantos de seus lábios se curvavam.

Depois de pagar Kaspars, encontrou um assento e sentou-se, bebendo a rica cerveja Southville com aroma de malte e aproveitando a competição no ringue.

— Posso vencê-los e derrubá-los ao mesmo tempo… — Klein rapidamente chegou a essa conclusão.

Após cerca de dez minutos, Kaspars voltou ao bar, olhou em volta e disse em voz baixa: — Eles concordaram.

— Vamos para lá depois de meia hora. Santo Senhor das Tempestades, espero que não tenha esquecido a máscara.

Klein deu uma resposta positiva.

Ele diminuiu a bebida quando começou a beber e levou meia hora para terminar os 500 ml de cerveja Southville.

Foi o mesmo caminho que fizeram da vez anterior, e era a mesma casa sem nenhuma luz. Klein colocou a máscara de ferro que cobria apenas metade de seu rosto e observou Kaspars bater na porta ritmicamente.

“O ritmo é diferente da última vez. As batidas mudam o tempo todo…” Klein escutou atentamente por um momento, então viu a pequena tábua da porta se abrir e um par de olhos espreitar para fora.

Após o processo indistinguível como antes, ele vestiu o manto com capuz e escondeu todo o rosto nas sombras.

Ainda era a mesma sala de estar, com uma vela bruxuleando na penumbra. Klein encontrou aleatoriamente um assento e sentou-se silenciosamente.

Mas ao contrário de antes, não se sentia mais reprimido ou tenso; em vez disso, ele olhou ao redor vagarosamente.

O vento frio que soprava em sua nuca lhe deu a certeza de que a Srta. Guarda-costas o havia seguido sem que ninguém percebesse.

“Como esperado, não há especialistas de Sequência 5 nesta reunião. Pode até não haver uma Sequência 6…” pensou Klein.

Depois de ouvir a conversa por um tempo, ele viu o Boticário de rosto redondo mudar de postura como se quisesse falar.

Como esperado, o Boticário que tinha metade de seu rosto gordinho exposto rapidamente levantou a mão e disse: — Cobra Negra aparentemente morreu nos esgotos…

— Essas feras ainda estão desenfreadas.

“Cobra Negra morreu?” Klein ficou surpreso ao ouvir a notícia.

Cobra Negra foi o homem que vendeu a ele os restos mortais de um Ouvinte, permitindo que ele criasse com sucesso a Língua Impura. Suspeitava-se que ele era da Ordem Aurora.

“Sua força não era baixa; no entanto, ele realmente morreu realizando a simples missão de limpar as feras nos esgotos…” Klein franziu a testa com desconfiança. De repente, ele pensou em algo…

Quando ele descobriu o cadáver de Zreal, ouviu sons de batidas nas profundezas dos esgotos.

No momento em que ele levou Ian até lá, partes do corpo de Zreal foram comidas por bestas estranhas.

“Isso foi no final da Rua Carbono e Ferro no Burgo Leste, bem longe da área da Ponte de Backlund, e eu me pergunto se há uma conexão…” Klein não teve o impulso de verificar isso.

A notícia da morte de Cobra Negra se espalhou rapidamente pela sala escura, atraindo os murmúrios de muitos. Uma sensação de medo se espalhou por eles, como se eles próprios o tivessem experimentado.

O Boticário bateu palmas e disse: — Então, o que devo fazer?

Os sussurros desapareceram de repente e um silêncio congelado encheu a sala.

Como o Boticário o havia aconselhado sem medo de ofendê-lo, Klein pensou por um momento e disse: — Se eu fosse você, desistiria do resto das ervas e nunca mais voltaria lá.

— Por que? Elas vão amadurecer muito em breve, e essas feras que se escondem nas profundezas dos esgotos geralmente não saem, — o Boticário perguntou hesitante.

Klein disse deliberadamente com uma voz rouca: — Cobra Negra provavelmente tem uma organização que o apoia. Sua morte definitivamente teria causado uma investigação. Acredito que você não queira interagir com eles, certo?

Ter os restos mortais de um Ouvinte não implicava que Cobra Negra fosse um membro da Ordem Aurora, referindo-se ao Verdadeiro Criador como um grande ser, isso foi confirmado.

Além disso, ele preferia acreditar que esse foi o caso, em vez de esperar por um acaso.

— Sim. — O Boticário assentiu levemente, aparentemente tendo se decidido.

Klein acrescentou: — Se eu fosse você, até denunciaria anonimamente esse assunto à polícia.

— O que? — Muitos membros da reunião exclamaram.

Klein explicou sem mudar de tom: — Como as feras nos esgotos podem matar o Cobra Negra, isso significa que elas são muito perigosas. E como todos moramos aqui em Backlund, se isso realmente causar uma grande catástrofe, é difícil garantir que não seremos implicados.

— É por isso que a melhor opção é chamar a atenção da polícia e deixar que as autoridades tratem do assunto.

— Podemos ter um bom resultado sem riscos. Isso não é legal?

Assim que ele terminou sua frase, o velho cavalheiro, Olho da Sabedoria aplaudiu.

— Uma ótima ideia! Temos medo dos Beyonders oficiais, mas da mesma forma, podemos fazer uso deles. Não temos que lidar com tudo sozinhos.

“Isso porque eu era um Beyonder oficial, então minha linha de pensamento definitivamente seria diferente de selvagens puros como você…” Klein sorriu enquanto satirizava.

Depois de falar, ele se tornou um espectador novamente, ouvindo as pessoas vendendo ou pedindo itens. Enquanto observava os negócios bem-sucedidos ou fracassados, não encontrou nada de interessante.

Ele temporariamente não anunciou os ingredientes de que precisava, planejando observar o círculo de Beyonders mais algumas vezes.

Os segundos se transformaram em minutos e, finalmente, o Olho da Sabedoria providenciou para que as pessoas saíssem a cada três minutos.

Klein foi o primeiro a sair da vez anterior, então não sabia o que aconteceu a seguir. Agora, ele percebeu que havia pelo menos cinco saídas. Os atendentes do Olho da Sabedoria levariam diferentes pessoas a diferentes passagens, tentando ao máximo espaçá-los e prolongar o tempo.

Depois de mais de meia hora, restavam apenas três membros da reunião. Além do Olho da Sabedoria, os outros dois eram Klein e o Boticário suspeito.

Olho da Sabedoria olhou para Klein e riu com sua voz envelhecida.

— Parece que você tem muita sorte.

“Ele me reconheceu como o homem que comprou o item sinistro de Cobra Negra…” Klein sorriu. — Sim, minha aposta valeu a pena.

Ao ouvir a conversa, o Boticário arregalou os olhos enquanto examinava Klein. Depois de muito tempo, ele finalmente disse: — Você tem outro amuleto místico que afeta a sorte? Eu já te considerava uma pessoa morta.

“Você é tão direto…” Klein respondeu com muito tato: — Talvez eu mesmo tenha sorte.

Na verdade, ele queria tal item.

Olho da Sabedoria suspirou e disse: — Jovem, nem sempre aposte na sua sorte, especialmente em questões como esta. Mesmo que você tenha vencido muitas vezes no passado, apenas uma derrota o condenaria por toda a eternidade.

— Eu sei. É por isso que vim a esta reunião para ver se posso comprar algum item útil. Heh, posso ser considerado o mesmo que todos vocês agora, — disse Klein, aparentemente casual.

— Mesmo? — O Boticário deu um suspiro exagerado. — Eu deveria ter escutado meu professor!

“Professor… Ele parece ser um Boticário suspeito… O caminho do Boticário é controlado pela Igreja da Mãe Terra e pela Escola de Pensamento da Vida… A Escola de Pensamento da Vida transmite seus ensinamentos por meio de mentores…” O coração de Klein disparou e perguntou curiosamente: — Por que você diz isso?

O Boticário suspirou e disse: — Meu professor me disse para escolher um caminho que daria sorte suficiente, mas no final, ainda me tornei um preparador de poções. Como resultado, não consegui encontrar o próximo lote de ingredientes de poções para esta Sequência por dois anos inteiros. Tenho inveja da sua sorte.

“Buscar a sorte… Isso é muito semelhante ao caminho da Sequência do Monstro… Ele realmente é da Escola de Pensamento da Vida…” Klein sorriu e disse: — Qual é a sua razão para escolher isso?

O Boticário de repente endireitou as costas e disse: — Esta é a escolha de um homem!

— Depois de saber que posso inventar poções para aumentar minha habilidade nesse campo, escolhi esse caminho sem hesitar!

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥