Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 34/50


Depois de mudar de rosto e entrar em uma das duas ruas principais, Klein foi direto até a caixa de correio verde e tirou do bolso uma carta que havia preparado há muito tempo.

Este foi um aviso de óbito que ele forjou como uma imitação de um documento oficial da polícia. Foi enviado ao sargento da cidade de Porto Symeem. Tratava-se da morte repentina do morador local, Wendt, em Bayam.

Ao decidir atuar, Klein elaborou um plano para manter as coisas nos trilhos e não causar danos irreparáveis ​​à garota, Raine.

Seu plano era usar o Amuleto do Sono para camuflar a atuação real como um sonho, desta forma, se Raine não amasse Wendt, ele esperava que ela rejeitasse diretamente sua confissão. Depois de ouvir sobre a morte da outra parte, ela não sentiria nenhuma culpa e, no máximo, algum medo. Em resposta a isso, poderia ser efetivamente consolada indo à igreja para orar e confessar.

Se Raine também gostasse de Wendt e respondesse à confissão, então o sonho daria a Klein a chance de se livrar da situação. A notificação da morte de Wendt mataria as expectativas de Raine e não teria um impacto muito negativo em sua vida futura.

“Mas mesmo assim, ainda é um pouco cruel. Não importa que tipo de mulher ela seja, enfrentar a situação de um cara confessando a ela em seus sonhos após sua morte definitivamente será de partir o coração. Ela não seria capaz de se recuperar por muito tempo.”

“Bem… Se eu não fizesse nada, e quando a notícia da morte de Wendt chegasse até ela, Raine definitivamente se sentiria muito triste, mesmo que não fosse tão sério. No entanto, esse peso em seu coração nunca seria capaz de ser tirado, e ela ficaria presa se perguntando pelo resto da vida se Wendt havia saído em uma aventura para perseguir o futuro dele e dela, ou se ele simplesmente não gostava dela…”

“Não é uma maneira ruim de acabar com coisas assim. Depois de superar sua dor, ela carregará aquela gentileza de ter sido verdadeiramente amada uma vez enquanto conduzia sua vida futura.”

Fuuu… Independentemente disso, interferir à força na vida dos outros por agir, tendo um impacto na vida de uma pessoa inocente até certo ponto, mesmo que eu esteja usando a desculpa de realizar um desejo, não é uma coisa verdadeiramente gentil de se fazer. Assim como Roselle disse, quanto mais se avança no caminho do Beyonder, mais distorcido e maligno ele se sente. O método de atuação pode não ser um catalisador… Tudo o que posso fazer é tentar o meu melhor para minimizar tais efeitos…” Depois de enviar a carta, Klein exalou e com um rosto nativo que não se destacava, ele caminhou até a única pousada da cidade.

Ao longo do caminho, analisou sua experiência anterior, segundo a qual disfarçar-se de outra pessoa e obter uma reação era provavelmente uma cláusula principal dos princípios do Sem Rosto, perdendo apenas para você pode se disfarçar de qualquer pessoa, mas, em última análise, você é você mesmo.

“Se fosse qualquer outro Sem Rosto, eles teriam bloqueado informações sobre a morte de Wendt por causa desta atuação. Eles teriam concordado com a confissão de Raine e passado um a dois anos em um relacionamento com ela, casado com ela e tido filhos com ela, e então, para não ficarem vinculados aos vários relacionamentos nesta identidade, lembrariam quem eles eram e partiriam friamente… Se não houvesse exposição durante esse processo, a poção seria praticamente digerida… Mas eu realmente não consigo fazer isso! É completamente contra a minha consciência! Só posso tentar forçar os limites…” Klein suspirou, inexplicavelmente assustado.

Ele balançou a cabeça e pensou de uma maneira silenciosa e autodepreciativa: “Beyonders não só têm que lutar constantemente contra ameaças e loucura, mas também lutar contra todos os tipos de pensamentos malignos, bem como a corrupção que derruba alguém e pode fazer com que alguém caia se não tomarem cuidado…”

“Mesmo assim, no final das contas, alguém ainda pode ser corrompido pelo abismo, tornando-se um monstro do qual jura se livrar. Fuu…”

Suprimindo seus pensamentos, Klein entrou na pousada e disse ao chefe atrás do balcão: — Um quarto comum.

O chefe magro ergueu os olhos e deu uma olhada, dizendo: — Um certificado de identificação válido.

“Como pode um rosto que acabei de inventar ter um?” Klein sorriu envergonhado.

— Esqueci de trazer.

— Então você não pode ficar aqui. Esta é a regra da nossa cidade. — O patrão mais uma vez abaixou a cabeça e calculou as receitas e despesas do dia.

Klein pegou uma nota de soli e a empurrou como se nada tivesse acontecido.

Os olhos do chefe se arregalaram de repente.

— Não, não, guarde isso! Não quero ser preso pelo sargento!

— Saia, saia, seu bastardo sujo sem prova de identidade.

Klein foi expulso da pousada em estado de choque, incapaz de acreditar que a entidade onipotente conhecida como dinheiro acabara de perder seu poder.

Depois de alguns segundos de silêncio, ele entrou em um beco vazio, voltando para Gehrman Sparrow com traços faciais severos.

Klein voltou para a pousada, bateu no balcão e disse Loenese com sotaque de backlund: — Um quarto.

O chefe ergueu os olhos e imediatamente largou as coisas em suas mãos. Então se levantou e acenou com a cabeça com um sorriso.

— Está bem, está bem.

— Precisa de um quarto com vista para o mar ou de algo mais silencioso?

Ele mudou para um loenese desajeitado que tinha um sotaque forte que lembrava o da terra das especiarias, e nem mencionou a identificação.

“Este é realmente um mundo pragmático…” Klein satirizou silenciosamente e respondeu educadamente: — Quieto.

— Sim, sim, imediatamente, — respondeu o chefe apressadamente.

Depois chamou um atendente, pegou as chaves e conduziu Klein pessoalmente ao segundo andar.

— Senhor, quantos dias você vai ficar? São 1 soli e 5 centavos por noite. 

— Só esta noite, — Klein não aguentou o entusiasmo, então respondeu sucintamente.

Na Pousada do Vento Azul, sua luxuosa suíte com Danitz custava cinco solis por noite.

Sem dúvida, o quarto escolhido pelo patrão estava limpo e arrumado, e não havia nenhum vestígio da umidade habitual em uma pousada portuária. Klein olhou em volta e acenou com a cabeça satisfeito.

— Excelente.

— É uma honra, — o chefe lisonjeou-se com óbvio medo.

Klein largou a bagagem, descansou um pouco, depois se levantou e voltou ao térreo para preparar o jantar.

Ao lado do balcão, mesas estavam arrumadas de maneira bagunçada no primeiro andar. Havia uma camada gordurosa na superfície e uma lareira acesa no canto, emitindo luz e calor.

O arquipélago Rorsted ficava ligeiramente ao sul, e as temperaturas mais baixas no inverno eram de apenas cerca de 10°C. No entanto, para os habitantes locais, ainda estava frio o suficiente para que precisassem de uma fogueira para aquecê-los.

Klein encontrou um lugar aleatoriamente e sentou-se, pedindo uma especialidade local de carne grelhada e sopa de cogumelos com especiarias, sendo o prato principal pão de batata.

Enquanto esperava, ele olhou para os clientes dentro do restaurante. Seu olhar então pousou instintivamente em uma mulher.

Esta mulher tinha cabelos pretos simples amarrados e um par de olhos cinza-esverdeados distintos. A aparência dela era do tipo que nunca ficaria doente facilmente, e quanto mais ele olhava para ela, mais intrigado ficava.

Ela obviamente não era nativa, mas vestia uma camisa masculina e uma jaqueta grossa bege. Na mão dela havia um chapéu de aba redonda com uma depressão no meio.

Este era um dos trajes de aventureiro mais comuns no mar. Na mesa dela, os outros três homens eram iguais e pareciam claramente ter sido expostos à luz.

Klein nunca escondeu seu apreço por mulheres bonitas, mas sua atenção não foi atraída para ela pela aparência.

O mar tinha um forte sentimento de discriminação contra as mulheres. As mulheres que conseguiam alcançar um certo status entre aventureiros e piratas eram muito intrigantes, muito poderosas ou ambas. Eles eram pessoas com as quais era preciso ser cauteloso e prudente!

“Suas botas estão com lama fresca… Eles acabaram de voltar da floresta? Heh heh, eles realmente são aventureiros…” Klein fez um julgamento preliminar baseado em algumas pistas.

Se esses quatro aventureiros viessem de balsa de Bayam, mesmo que já tivessem pisado em esgoto ou lama, os rastros já teriam secado. Além disso, como não choveu na cidade nos últimos dois dias, no geral as estradas estavam bastante limpas, com apenas um pouco de poeira. Eliminando as duas possibilidades, só se poderia explicar que haviam retornado de uma viagem à mata da periferia da cidade.

Klein tinha ouvido falar que muitos aventureiros se aprofundavam nas florestas primitivas das ilhas coloniais em busca de templos ou altares pagãos abandonados e esquecidos, que muitas vezes continham ouro e joias de culto antigo, mas que mais tarde foram enterrados por vários motivos em um lugar que ninguém sabia. Nos bares das ilhas não faltavam lendas de que alguém havia conseguido fazer fortuna da noite para o dia em uma aventura na floresta.

“Pode haver espíritos malignos nesses lugares… Seria melhor caçar piratas, ou pelo menos adquirir as informações relevantes com antecedência…” Klein retraiu os olhos e se concentrou em esperar pela comida.

As sete Igrejas classificaram os vários deuses considerados pelas religiões primitivas da colônia como espíritos malignos, mas Klein acreditava que alguns deles eram espíritos naturais.

Depois de um tempo, foi servida a especialidade de carne grelhada. Ela havia sido cortada em vários pedaços menores e amarrada em uma vara de madeira. A superfície estava untada com um molho marrom-avermelhado. A fragrância era rica e a cor atraente.

“Parece um pouco com os kebabs da minha vida anterior… Em Loen, eles geralmente são assados ​​como enormes pedaços de carne. Somente depois que a carne estivesse assada o chef cortaria a carne… O método usado aqui faz com que os sabores infundam melhor a carne…” Klein pegou o palito de madeira e mordeu um pedaço de carne. Ele sentiu o suco da carne transbordar levemente e havia um toque de doçura na fragrância salgada.

“É o meu tipo!” Ele assentiu satisfeito.

Klein gostou da refeição e ainda provou o Gurney Sap local, uma bebida especial, como limonada com açúcar e leite.

Ele voltou para seu quarto. Como estava caçando na noite anterior, não dormiu nada. Ele se lavou cedo, apagou a lareira e foi para a cama. Dormir muito cedo significava um problema: acordar no meio da noite para fazer xixi.

O sonho de Klein foi interrompido. Ele abriu os olhos e lentamente reuniu coragem para levantar a colcha.

No meio da noite, Symeem estava entre 8 e 9°C, e isso era o suficiente para fazer sentir frio.

Depois de ficar imóvel por um tempo, Klein esticou o braço e moveu-o silenciosamente.

Ele contemplou por alguns segundos antes de estender a mão novamente e pegar o Broche do Sol na mesa de cabeceira.

Embora só proporcionasse a sensação de um verão quente no nível espiritual e não produzisse nenhum calor real, poderia pelo menos se enganar seu cérebro, pensando que não estava frio.

Klein saiu da cama e foi para o banheiro.

Ele estreitou os olhos para aliviar a pressão na parte inferior do abdômen.

Quando terminou, puxou as calças e estava prestes a lavar as mãos quando sua percepção espiritual foi acionada.

Klein franziu a testa ligeiramente e olhou para a ventilação do banheiro.

De repente, algo preto e escorregadio caiu e ficou pendurado ali.

Era uma cobra venenosa estendendo a língua bifurcada!

Klein ficou surpreso. Ele abriu a boca e gritou: — Bang!

A cobra foi miseravelmente atingida e se partiu ao meio.

“O que aconteceu?” Klein olhou para ela por alguns segundos. Não vendo mais nenhum movimento, ele saiu do banheiro e tirou uma moeda de ouro do bolso.

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥