Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 49/50


O enorme olho, que tinha preto e branco distintos, parecia translúcido. Flutuava silenciosamente atrás de cores saturadas e sobrepostas. Klein não sabia dizer se era hostil ou amigável.

Neste momento, Klein lembrou-se de um parágrafo do livro Visões no Mundo Espiritual. O ancestral da família Abraham havia dito: “Tente não cruzar os olhos com nenhuma criatura do mundo espiritual por mais de três segundos, a menos que ela já tenha manifestado interesse em se comunicar com você. Isso é considerado comportamento provocativo. Além disso, não se deixe parecer aterrorizado e nervoso. Para alguns predadores, isso aumentará o desejo de atacar.”

Enquanto as palavras fluíam por sua mente, Klein retraiu o olhar e continuou a perseguir a bengala de madeira voadora à sua frente, a uma velocidade bastante adequada.

A visão da armadura preta completa e da coroa preta que ele vestia, combinada com um manto da mesma cor, entrou no olho redondo. Mas a figura passou rapidamente, desaparecendo ao longe. Não provocou a menor mudança.

“Em essência, o mundo espiritual é um lugar muito perigoso. Se não tomar cuidado, pode-se encontrar uma existência aterrorizante no nível semideus…” Enquanto Klein continuava avançando, percebeu que este lugar era verdadeiramente caótico. Embora as sete luzes brilhantes que poderiam ser usadas ​​para marcar sua localização permanecessem as mesmas, cobrindo o céu, elas ainda podiam ser vistas de vez em quando sob seus pés, à esquerda e à direita, pela frente e por trás.

Se não fosse por sua bengala preta, Klein não teria sido capaz de determinar sua orientação.

De repente, através da névoa tênue do vazio, ele viu, à sua esquerda — baseado no conceito de esquerda de um ser humano normal — um castelo flutuante. Era inteiramente preto. Sua torre se erguia e era coberta por vinhas, lembrando muito o estilo gótico.

No topo do castelo estava uma mulher translúcida que era quase tão alta quanto o castelo. Ela estava usando um vestido preto complexo, lindo, escuro e sombrio. Não tinha cabeça e havia um corte bem profundo no pescoço. Suas mãos caídas seguravam quatro cabeças loiras com olhos vermelhos. Se alguém olhasse de perto, descobriria que essas cabeças de aparência brilhante eram exatamente iguais.

Quando Klein, disfarçado de Imperador das Trevas, passou, as quatro cabeças que a mulher carregava mexeram.

Klein não respondeu enquanto voava para frente como se não a tivesse visto.

A mulher virou lentamente o corpo, deixando as cabeças em suas mãos vê-lo partir.

“Que tipo de monstros são esses…” Quando o pensamento passou pela mente de Klein, ele viu a bengala preta despencar rapidamente.

Ele correu atrás dela, mais uma vez experimentando a sensação de queda livre.

Cerca de oito segundos depois, um prédio desabado levemente discernível apareceu na frente dele.

Do lado de fora do prédio flutuava uma criatura do mundo espiritual que lembrava uma água-viva gigante. Estendeu seus tentáculos transparentes e pegajosos e puxou a área circundante para seu próprio território.

No final de cada tentáculo crescia uma caveira branca com órbitas oculares profundas. Ela continuou tremendo enquanto flutuava com movimentos leves, mas lentos.

A bengala negra passou pela estranha criatura do mundo espiritual e pairou em frente ao quase ilusório prédio desabado.

“Encontrei?” Klein ficou encantado a princípio, antes de olhar solenemente para a água-viva gigante que balançava o crânio.

Ele fez preparativos para a batalha, mas não atacou imediatamente. Em vez disso, tentou emitir a profunda dignidade que acompanhava o alto nível da carta do Imperador das Trevas. Seus olhos olhavam indiferentemente para as órbitas profundamente recuadas.

Após três segundos de silêncio congelado, Klein disse ao antigo Hermes em voz baixa: — Vá embora.

Os tentáculos que sustentavam os crânios se contraíram duas vezes; então, a gigante ‘água-viva’ flutuou lentamente, desaparecendo nas profundezas do mundo espiritual.

“Esta carta do Imperador das Trevas ainda é muito útil… Eu já estava pensando em jogar o apito de cobre do Sr. Azik. Os descendentes da Morte ainda deveriam ter alguma posição no mundo espiritual…” Klein deu um suspiro de alívio e desceu, agarrando a bengala preta de madeira.

Então, caiu nas ruínas do prédio desmoronado, com uma sensação de antecipação.

Para ele, mesmo que a Igreja das Tempestades e os militares do reino tivessem encontrado este lugar antes dele e tivessem levado embora os itens mais valiosos, ele ainda ficaria satisfeito enquanto ainda restassem alguns.

“Mesmo que não haja mais nada, será suficiente para mim explorar as ruínas élficas e ver quais informações elas deixaram para trás…” Quando Klein passou por uma barreira etérea que lembrava uma cortina, ele sentiu o ar ao seu redor de repente ficar espesso e pesado.

Uma onda brilhante de luz apareceu ao seu redor, vinda da água azul profunda que enchia a área.

No fundo do mar havia uma ruína antiga e escura. Todos os edifícios desabaram pela metade.

Um enorme pilar, esculpido com estranhos padrões e símbolos, estendia-se do meio. Parecia estar indo direto para o topo, como se já tivesse sustentado o local no passado, mas agora estava quebrado e encostado no topo de um prédio próximo.

Klein reconheceu este lugar, assim como o pilar. Era o esconderijo do Deus do Mar Kalvetua, um lugar escondido onde a realidade se misturava com o mundo espiritual.

Neste exato momento, um grito relutante, dolorido, irritado e enlouquecido ecoou no ar. Não enfraqueceu nem um pouco. Esse grito foi precisamente o mesmo uivo de ódio que Kalvetua soltou antes de morrer.

“Está realmente morto…” Segurando a bengala preta, Klein pousou na estrada de pedra cinza-esverdeada em frente às antigas ruínas.

Em ambos os lados da estrada havia pilares que não eram nem grossos, nem altos, e neles também havia padrões estranhos que eram diferentes dos símbolos e padrões mágicos de antes.

Na parte inferior de cada pilar de pedra, havia uma figura sentada ao lado dele. Alguns deles usavam túnicas antigas, enquanto outros usavam jaquetas marrons que estavam na moda hoje em dia.

Assim que sentiram alguém se aproximando, ergueram as espadas, machados e outras armas, com firmeza e velocidade. Eles se viraram para onde Klein estava, revelando seus rostos envelhecidos e pretos acinzentados e seus corpos enrugados, desprovidos de qualquer carne ou sangue.

Seus olhos — febris e entorpecidos — estavam fixos em Klein, que usava uma coroa preta e uma armadura preta.

“Devotos de Kalvetua… No entanto, isso também significa que a Igreja das Tempestades e os militares do reino ainda não encontraram este lugar…” Klein suspirou e injetou sua espiritualidade no Broche do Sol. Ele murmurou uma palavra no antigo Hermes: — Sagrado!

Ele ativou o Juramento Sagrado do Broche do Sol e, através da palavra correspondente no antigo Hermes, adicionou temporariamente um atributo Sagrado ao dano que causou com seus ataques.

Pa!

Klein sacudiu o pulso e jogou a bengala.

Ele inclinou ligeiramente o corpo e avançou em direção ao primeiro Protetor do Deus do Mar que veio correndo.

Enquanto corria em alta velocidade, Klein virou repentinamente para a esquerda e se esquivou do machado do inimigo. Então balançou o braço para trás e usou a bengala para criar uma rachadura branco-acinzentada no corpo do inimigo.

Puras chamas douradas subiram silenciosamente de dentro da rachadura, envolvendo o Protetor do Deus do Mar e queimando-o até que estivesse à beira do colapso.

Bam!

Klein exerceu força em seus pés e passou pelo inimigo.

Atrás dele, o completamente ressecado Protetor do Deus do Mar finalmente entrou em colapso, transformando-se em cinzas dentro das chamas douradas.

Tap. Tap. Tap. Klein inclinou as costas, avançando rapidamente, às vezes para o lado e às vezes na diagonal, ao passar por cada um dos Protetores do Deus do Mar.

Ao mesmo tempo, ele brandia sua bengala, chicoteando, esfaqueando, cortando e golpeando, deixando diferentes marcas nos protetores que lembravam cadáveres ressecados.

Tap. Tap. Tap. Klein passou pela estrada e chegou em frente às ruínas meio desmoronadas.

Por trás de seu manto preto suavemente esvoaçante, os Protetores do Deus do Mar floresciam em tochas douradas, iluminando a ardósia de pedra cinza-esverdeada e os pilares estampados.

Em meio ao caos, os protetores caíram, um após o outro, e não se moveram mais.

Klein subiu as escadas e entrou no prédio onde estavam os pilares meio desmoronados.

A primeira coisa que entrou em sua visão foi uma serpente marinha azul inimaginavelmente enorme. As escamas por todo o corpo eram escorregadias e cobertas com padrões semelhantes aos símbolos dentro das ruínas.

Suas mandíbulas abertas cravaram-se, suas presas curvas e brancas leitosas afundaram.

Seu corpo abaixo da altura da cabeça estava caído no chão. Seu corpo enrolado ocupava cerca de um terço do amplo salão, como uma pequena colina azul. No entanto, sua superfície estava coberta de feridas com sangue e carne mutilados. Até seus ossos podiam ser vistos.

Uma misteriosa luz ciana já havia se reunido sobre seu corpo enquanto rastejava lentamente em direção a uma de suas presas que era mais longa que um braço humano. Isso fez com que os ossos pontiagudos e ligeiramente curvados se endireitassem lentamente.

Seu grito de morte reverberou no ar, fazendo com que o Corpo Espiritual corpóreo de Klein mostrasse sinais de instabilidade.

Nesse momento, um velho com chapéu de sacerdote estava deitado ao lado do corpo de Kalvetua.

Seu cabelo era grisalho e seu corpo parecia uma rocha cinzenta. Ele colou o rosto firmemente no corpo da serpente, emitindo sons incompreensíveis com sua garganta. Suas ações eram desconhecidas.

Ao redor do cadáver da gigantesca serpente havia cadáveres ressecados. Eles eram semelhantes aos Protetores do Deus do Mar do lado de fora, mas eram ainda mais bizarros. Seus estômagos incharam a ponto de romper. Além disso, suas bocas estavam manchadas de sangue vermelho escuro e tinham tiras de carne azulada penduradas nelas.

Os pontos azuis de luz também vazaram de seus corpos, avançando em direção à presa branca que gradualmente se endireitava.

Antes que Klein pudesse descobrir o que tal cena significava, o velho com chapéu de sacerdote, que estava deitado em cima de Kalvetua, levantou-se cambaleante e se virou.

Seus olhos brilhavam com uma luz azul, sua boca estava coberta de carne vermelho-sangue que ele usava toda sua força para morder.

No local onde seu rosto estava preso, o corpo da cobra estava mutilado. Faltava muita carne e sangue, e até seus ossos eram quase visíveis.

Ele estava comendo o cadáver do Deus do Mar Kalvetua!

“Isso…” Klein franziu a testa, entendendo aproximadamente o que estava acontecendo.

Após a morte de Kalvetua, o sacerdote e os protetores do salão perderam o controle e começaram a devorar freneticamente sua carne e sangue.

Neste momento, a característica de Beyonder ainda não havia aparecido completamente. O corpo de Kalvetua ainda continha uma grande parte dele, e muitos protetores tiveram problemas com overdose de poções ou características conflitantes do caminho. Eles morreram completamente.

No entanto, sempre houve pessoas que tiveram a sorte de sobreviver à morte súbita, ou houve aqueles que perderam o controle de si mesmos e se tornaram monstros nojentos, ou aqueles que pularam diretamente algumas sequências e se tornaram uma potência, ou aqueles que se tornaram lunáticos com poderes demoníacos devido à mistura de características do caminho.

Independentemente de qual fosse, era extremamente perigoso!

Klein olhou para o rosto do sacerdote sobrevivente e viu sua barriga saliente como a de uma mulher grávida.

Um forte crescimento e contração apareceram ali, parecendo um enorme coração.

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥