Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 03/115


O condado de Chester Leste ainda estava frio em janeiro, com neve acumulando-se frequentemente. Os galhos e folhas das árvores estavam murchas, com feras hibernando, fazendo com que parecesse sem vida.

Audrey conduziu Susie ao redor da antiga torre várias vezes enquanto estava cercada por seus criados e criadas, mas eles não encontraram nada.

Havia apenas pilhas de tijolos cinzentos e madeira podre, e nas brechas havia ervas daninhas e cadáveres de pequenas criaturas.

Audrey pensou que poderia encontrar alguns murais nos destroços das paredes, permitindo-lhe decifrar as origens da antiga torre e usar a aparência de feras selvagens para praticar secretamente suas habilidades de Beyonder, como Terror, Frenesi, Acalmar, mas apenas saiu muito decepcionada.

“Esta não é uma pequena aventura… É apenas um passeio a cavalo…” Ela franziu os lábios, segurou o chicote e caminhou até o cavalo.

Não querendo se conformar com isso, perguntou aos servos e criadas ao seu redor depois de percorrer metade da distância: — Existe alguma lenda de monstros por perto?

Metade dos servos a seguiram de Backlund até o castelo da família antes de virem para esta mansão. A outra metade eram moradores locais e geralmente estavam ocupados na mansão. Não havia dúvida de que Audrey estava perguntando a estes.

A razão pela qual ela veio para esta mansão foi porque, historicamente, havia uma tradição popular de adorar dragões nas áreas circundantes.

Um jovem servo lançou secretamente um olhar para sua nobre e bela amante. Ele reuniu coragem, deu dois passos à frente e curvou-se enquanto dizia: — Nas profundezas desta floresta, há muitas feras selvagens temíveis. Todos os anos, caçadores morrem lá, mas ninguém jamais encontrou um monstro antes.

— É como a situação descrita em uma antiga canção folclórica que circula por este lugar…

Ele contou a canção folclórica e o significado geral foi:

— Monstros estão em seus sonhos;

— Dragões estão em seus sonhos;

— O grande palácio imaginado, flutuando no ar, também está nos seus sonhos;

— Ali é o lugar onde você terá tudo, até acordar.

“Crianças curiosas, bravos aventureiros, vão e encontrem o dragão em seus sonhos…” O servo omitiu deliberadamente a última frase, porque poderia ser mal interpretado como sendo sarcástico com a Srta. Audrey.

“Um dragão em um sonho… O grande palácio que é imaginado e flutuando no ar também está em um sonho…” Audrey ponderou cuidadosamente por alguns segundos antes de repentinamente sentir que aquela antiga canção folclórica não era completamente sem sentido.

De acordo com as informações sobre dragões que ela comprou do Jovem Sol, o Dragão da Imaginação, Ankewelt, na verdade, imaginou uma cidade flutuante com enormes pilares de templo sustentando um imponente palácio. O nome da cidade era Liveseyd, que significa Cidade dos Milagres.

“Nos sonhos… O caminho do Espectador está sob os dragões da mente, envolvendo o consciente, o subconsciente, o mar do subconsciente coletivo e o céu da espiritualidade. Não importa como você olhe para isso, certamente envolve o domínio do sonho… Talvez esta antiga canção folclórica esteja realmente apontando para algo… Poderia Liveseyd realmente existir no mar do subconsciente coletivo, em sonhos? Mas um sonho está puramente na mente…” Muitos pensamentos passaram pela mente de Audrey. Mesmo quando ela voltou para a mansão, ainda não conseguiu definir uma linha de pensamento clara.

Ao entrar na sala, ela olhou para Susie, sentindo de repente vontade de se exibir.

“Susie não sabe nada sobre dragões, então ela definitivamente não seria capaz de detectar as peculiaridades dessa canção folclórica… Não, não seja arrogante; isso é muito superficial… E é fácil para Susie descobrir que estou escondendo alguma coisa…” Audrey deu alguns passos para frente e para trás com as costas retas e perguntou de uma maneira aparentemente casual: — Susie, o que você acha daquela música folclórica? Qual seu significado? Tenho a sensação incômoda de que não é tão simples quanto parece.

Susie abriu a boca, momentaneamente sem palavras porque não sabia nada sobre poesia.

Ela pensou seriamente e disse: — Audrey, sou apenas um cachorro.

Em uma floresta na Ilha da Montanha Azul.

Por causa de sua agitação e excitação, Kalat não dormiu nada. Sentado na cadeira de rodas, ele inspecionou o entorno, como se tivesse encontrado um motivo para viver além da vingança.

Depois de completar o ciclo, ele voltou ao altar para orar mais uma vez.

Ele se lembrava muito claramente do conteúdo dos Dez Mandamentos. Ele sabia que não poderia usar o nome do Deus do Mar em vão, então planejou usar o nome relativamente vago Deus como substituto durante suas orações.

Quando se aproximou do altar, seu olhar de repente se transformou em um olhar fixo porque os itens colocados nele tinham uma aura incomum. Por exemplo, uma adaga não refletia nenhum luar carmesim, mas liberava relâmpagos prateados. Uma folha tornou-se cada vez mais verde, fazendo-o sentir que era mais fácil respirar com um simples olhar.

“Deus concedeu sua graça…” Esse pensamento de repente passou pela mente de Kalat.

Até então, ele não tinha mais dúvidas quanto à transformação do Deus do Mar. Os pensamentos sacrílegos escondidos dentro dele foram completamente dissipados.

“A revelação de Deus que disse anteriormente que Ele caminhará pela terra novamente foi uma implicação de que Ele está reconstruindo Sua imagem… Esta camada de significado é muito profunda, e na verdade falhamos em interpretá-la antes…” Kalat lentamente respirou fundo e apoiou-se com as mãos antes de se prostrar solenemente diante do grande Deus do Mar.

Logo, voltou para sua cadeira de rodas e dirigiu-se para a residência do Sumo Sacerdote, Edmonton, e dos outros.

Ele mal podia esperar para contar aos seus companheiros o que acabara de acontecer, para compartilhar com eles a graça de Deus.

Às onze e quinze da noite.

Klein sentou-se em sua cadeira e observou com uma expressão vazia enquanto Danitz realizava o Ritual de Comparecimento da Alma, memorizando todos os detalhes enquanto esperava.

“Ainda requer ajuda do mundo espiritual…” Ele fez um julgamento preliminar.

“Se for uma criatura do mundo espiritual, pode-se localizá-la desde que não haja erro na descrição. Apenas usar uma linguagem com uma certa quantidade de poder pode permitir a invocação direta ou permitir que seu espírito venha. Não tem nada a ver com distância ou alcance.”

“Até certo ponto, as divindades também têm essa característica, mas às vezes é possível obter uma resposta delas mesmo que a oração seja feita em linguagem comum. Claro, isso só acontecerá se eles se tornarem crentes e chamarem a atenção da divindade.”

“No nível dos semideuses, eles parecem ter se misturado até certo ponto com o mundo espiritual. É por isso que podemos apontá-los com uma descrição precisa para receber a possibilidade de uma resposta. Mas haverá uma limitação de distância. Uma vez além do alcance, eles não seriam capazes de receber o sinal… O Deus do Mar Kalvetua é um exemplo.”

“A Contra-Almirante Iceberg é considerada uma poderosa Beyonder de sequência intermediária. Para conseguir algo assim, confiar em si mesma não é suficiente. Ela precisa contar com a ajuda de uma divindade correspondente e usar uma descrição precisa e inequívoca; além disso, existem restrições de distância e alcance.”

No momento em que Klein terminou de organizar seus pensamentos, os vários itens do altar começaram a flutuar, com exceção das três velas.

Danitz estremeceu incontrolavelmente, sua expressão ficando fria.

Muito em breve, ele falou com a voz feminina da Contra-Almirante Iceberg.

— Boa noite.

“Seu tom parece conter a raiva de ter sido acordada…” Klein sentiu que toda a personalidade de Danitz havia se tornado feminina.

Ele hesitou por um momento e disse: — Tenho uma maneira de encontrar o Almirante do Sangue.

— O quê? — Edwina Edwards, cujo espírito possuiu Danitz, já teve seu tom de voz voltando ao normal — um que geralmente carecia de emoção.

Klein disse simplesmente: — Eles usam a mais recente tecnologia de telegrafia sem fio. Recebi as frequências e senhas do Tubarão Branco.

— Sem fio, telegrafia… Você conhece essas coisas? — Edwina pareceu surpresa ao saber que Gehrman Sparrow, que era um especialista em misticismo, também teria algum conhecimento geral sobre tecnologia de comunicação por rádio.

Klein sorriu educadamente.

— Um pouco.

Edwina ficou em silêncio por dois segundos e depois perguntou por meio de Danitz: — Eles descobriram isso?

“Você está se referindo se o Almirante do Sangue e companhia descobriram o vazamento de suas frequências e senhas? Em teoria, eles deveriam saber, já que seu oficial de inteligência, o Velho Quinn, morreu nas mãos do Sr. Enforcado. No entanto, a telegrafia sem fio ainda não atingiu o nível de adoção em larga escala, por isso é fácil para aqueles que a utilizam ignorar os riscos de segurança…” Klein não respondeu com certeza absoluta.

— Talvez.

— Mas podemos tentar.

“Contanto que eu consiga ouvir a frequência, há uma grande chance de encontrar o Almirante do Sangue! Como Deus do Mar, mesmo no nível de um semideus, tornando difícil para mim saber sobre assuntos nos mares vizinhos como a palma da minha mão, ainda posso controlar criaturas marinhas e pedir-lhes que procurem pessoas…” Klein acrescentou silenciosamente.

Edwina disse pensativamente: — Vou pedir ajuda a Danitz com a vigilância.

“Você também sabe muito sobre telegrafia sem fio…” Klein sorriu e disse: — Tudo bem.

Quando o Ritual de Comparecimento da Alma terminou, Danitz observou Gehrman Sparrow retirar uma peça considerável de maquinário e seus acessórios correspondentes, com emoções confusas.

— O que é isso? — ele perguntou surpreso.

Klein disse categoricamente: — Transceptor de rádio.

Danitz ficou boquiaberto quando finalmente forçou sua pergunta.

— Onde você conseguiu isso?

Klein olhou para ele.

— Por aí.

Enquanto falava, jogou o manual e as informações sobre as frequências e os códigos para Danitz e voltou para o quarto para dormir.

“Então é isso que ele faz em suas viagens frequentes…” Danitz sentiu como se tivesse entendido alguma coisa.

Depois de muita leitura e experimentação, finalmente dominou o uso do transceptor de rádio e recostou-se em sua cadeira reclinável, rapidamente roncando.

Sem saber quanto tempo dormiu, foi acordado de repente, surpreso ao ouvir cliques rítmicos.

“O quê?” Danitz ficou de pé e olhou na direção da origem do som.

Ele viu o transceptor de rádio na sala escura funcionando sozinho, ejetando folhas ilusórias de papel branco sob o sereno luar.

“… O que é isso?” Danitz conjurou chamas nas palmas das mãos enquanto avançava cuidadosamente.

Essa cena o lembrou das histórias de terror que os piratas costumavam contar quando se gabavam!

“Há algum problema com o transceptor de rádio? Está ligado a um espírito maligno?” Danitz decidiu chamar Gehrman Sparrow no momento em que descobriu algo errado.

Ao se aproximar do transceptor de rádio, ele viu várias linhas do antigo Feysac na folha de papel ilusória.

“Olá.”

“Sinto uma aura familiar, mas única, mas está prestes a se dissipar.”

— … Olá. — Danitz tentou uma resposta. — Quem é você?

O transceptor de rádio produziu novamente seu clique-clack, ejetando um pedaço de papel branco.

“Meu nome é Arrodes.”

“Em troca, você tem que responder uma das minhas perguntas.”

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥