Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 19/115


Audrey simplesmente mencionou a antiga canção folclórica, mas não descreveu o conteúdo em detalhes. Ela estava com medo de que a experiente Madame Eremita fosse capaz de adivinhar a localização exata.

Ela apenas mencionou a inspiração que teve e como usou uma influência psicológica para manter a lucidez em seu sonho antes de iniciar uma jornada mágica.

“Influência psicológica? Ela sabe como plantar uma influência psicológica? Ela provavelmente é uma psiquiatra da Sequência 7…” Cattleya habitualmente fez um julgamento, mas imediatamente se sentiu ainda mais perplexa.

“Então por que ela estaria comprando a característica de Beyonder de um Psiquiatra?”

“Tomar a mesma poção proporciona um aumento limitado de força, ao mesmo tempo que pode perder o controle. Além disso, será um obstáculo para a digestão da poção…”

“Para criar um item místico? Mas isso irá se sobrepor aos seus próprios poderes de Beyonder. Não há valor nisso.”

“Para dar para outra pessoa?”

Em meio às suposições de Cattleya, Audrey já havia mencionado seu sonho caótico e como ela chegou ao limite de sua consciência. Então, usou o método de conjuração que aprendeu com o Sr. Louco para criar uma escada que levava para baixo. Então lentamente mergulhou profundamente em sua consciência.

Ela não descreveu detalhadamente os vários pontos de luz em seu subconsciente, pois envolviam segredos embaraçosos que não queria compartilhar.

Ela se concentrou em sua longa e solitária jornada sem fim à vista. Também expressou como havia vários monstros escondidos na escuridão circundante que colocavam imensa pressão sobre ela. Mencionou como quase caiu várias vezes e mal conseguiu aguentar graças aos seus poderes de Beyonder. Então, chegou ao ponto de finalmente ver um mar ilusório do subconsciente coletivo.

As impressões da memória dos pioneiros humanos e a difusão e reflexão da consciência das criaturas circundantes foram apresentadas sob as descrições coerentes e sem pressa de Audrey. Então, apareceu o dragão com escamas acinzentadas que havia voado para fora do mar do subconsciente coletivo.

“Existe um dragão que vive no mar do subconsciente coletivo? Que viagem mágica e linda! Embora Srta. Justiça não tenha encontrado nenhum inimigo ou perigo, isso ainda me deixa um pouco surreal…” Fors de repente pensou no título de um livro: “Tuor pelos sonhos da Srta. Justiça.”

Enquanto resumia as coisas, Audrey examinou a área e perguntou: — Senhoras e senhores, vocês têm alguma sugestão? Vocês acham que a Cidade dos Milagres, Liveseyd, também está escondida no mar do subconsciente coletivo?

— Se eu quiser continuar pesquisando, o que devo observar? Que preparativos avançados eu preciso fazer?

O Enforcado Alger olhou para a Eremita e disse em tom sério: — Não acho que você deva continuar explorando.

— É um ato muito perigoso.

— De acordo com os registros, a maioria dos dragões são criaturas de carne e osso; isso inclui o dragão da mente. Ao permitir-se sobreviver e nadar através do chamado mar do subconsciente coletivo, significa que o dragão que você viu era de uma sequência suficientemente alta. No mínimo, está no nível de um semideus.

— Antes de chegar à Sequência 5, é melhor que você não considere isso.

Cattleya assentiu e disse: — Existem muitas outras coisas perigosas no mar do subconsciente coletivo… os pensamentos maléficos acumulados da humanidade, os desejos que podem corromper os Corpos da Alma, as memórias aterrorizantes desde os tempos antigos que se assemelham a tempestades e ondas no mar… tudo isso causará graves danos psicológicos a você. Isso pode impedir que você acorde.

— Além disso, existe o mar do subconsciente coletivo de todas as criaturas, que não se limita apenas aos humanos. Pode haver espíritos malignos, deuses malignos ou a consciência de alguma existência aterrorizante escondida ali. São como redemoinhos gigantescos que podem devorar navios.

— Antes de você realmente adquirir poderes de Beyonder que lhe permitam viajar através do mar do subconsciente coletivo, é melhor não explorar precipitadamente muito profundamente.

Audrey, que estava cheia de expectativas, ficou desapontada. No entanto, não pôde deixar de admitir que o Sr. Enforcado e a Madame Eremita haviam falado de forma muito lógica e sincera.

Ela inalou silenciosamente e disse para si mesma: “Audrey, não seja teimosa. Espere até chegar à Sequência 5 antes de tentar novamente!”

Ela não considerou o quão difícil era se tornar um Sequência 5. Nesse nível, alguém poderia até competir para se tornar um dos sete almirantes piratas, ou até mesmo fazer com que os sete se tornassem oito.

Do ponto de vista de Audrey, com o Sr. Louco e o Clube de Tarô, desde que ela fosse cuidadosa e calma, definitivamente seria capaz de atingir esse nível em um ou dois anos se não corresse riscos desnecessários.

Apenas o portão para ser um semideus era difícil de abrir!

“Madame Eremita sabe muito e tem muito conhecimento…” Audrey agarrou-se ao último resquício de esperança e olhou para o Sr. Louco na ponta da mesa, esperando que esta existência divina fornecesse uma sugestão diferente do Sr. Enforcado ou Madame Eremita.

“Não olhe para mim… não faço ideia!” Klein fez o possível para não piscar.

Sua compreensão do consciente, do subconsciente e do subconsciente coletivo ainda estava presa no nível teórico que a Médium Espiritual Daly havia descrito. Ele não entendia mais nada. Apesar de ter seus sonhos invadidos com frequência, ele nunca pensou em explorar o mundo fora do sonho, apesar de manter a lucidez. Portanto, como poderia dar alguma sugestão à Srta. Justiça?

Na verdade, ele teve uma ideia natural a respeito disso. No entanto, não tinha certeza se funcionaria sem ter feito qualquer verificação.

No passado, mesmo que ele não tivesse confiança, poderia fazer um comentário vagamente, mas agora, com a Almirante das Estrelas Cattleya sentada ao lado, observando, isso só tornava mais fácil para ele cometer erros quanto mais falava. Quanto menos falasse, menos erros cometeria. E não havia chance de cometer erros mantendo-se em silêncio.

“Que novo membro indutor de pressão…” Klein suspirou interiormente. Ele não disse uma palavra e manteve seu leve sorriso.

Se não fosse por ele estar acima da névoa cinza e por existir na forma de um Corpo Espiritual, suspeitava que uma atuação tão difícil causaria espasmos nos músculos ao redor de seus olhos.

“O Sr. Louco não tem nenhuma sugestão…” Audrey retraiu o olhar em depressão. Ela parou de fantasiar sobre explorar o mar do subconsciente coletivo tão cedo.

Neste momento, o Sr. Lua, Emlyn, que já estava ficando impaciente, pigarreou.

— Eu pesquisei seriamente a história transmitida por nós, Sanguíneos…

“Sanguíneo… Ele realmente é um vampiro… Nutrir vampiros e atrair vampiros para a Igreja é realmente uma tradição da Igreja da Mãe Terra…” Cattleya assentiu enquanto parecia estar ouvindo seriamente.

Enquanto isso, sentiu que algumas de suas conclusões precisavam de ajustes.

“A Lua expressou diretamente sua identidade… Isso significa que o Sr. Louco tem um poder de dissuasão, mesmo no mundo exterior, de que os membros não têm medo de vazamento de informações?”

“Parece que não preciso esconder completamente minhas circunstâncias…”

Emlyn fez uma pausa e olhou para o O Sol antes de inclinar o queixo.

— Antes do Cataclismo, não existia Cidade de Prata, apenas o Reino de Prata!

Se fosse qualquer outra pessoa que tivesse lançado tais dúvidas sobre ele, Derrick teria se apressado em responder, expressando o fato de que o povo da Cidade de Prata era descendente do Reino de Prata e que ele não havia mentido. No entanto, depois de olhar para o Sr. Lua e sentir sua presunção, Derrick virou a cabeça para o lado, sentindo que uma explicação estava abaixo dele.

“Por que devo deixar um vampiro arrogante que não reconhece a história da Cidade de Prata acreditar em mim?” ele pensou silenciosamente consigo mesmo.

Pela sua reação, Emlyn percebeu que a Cidade de Prata estava de fato relacionada ao Reino de Prata. Ele fez uma careta e disse: — A fé do Reino de Prata não era originalmente o Rei Gigante Aurmir, mas a Sua rainha, Omebella.

“Omebela?” Derrick virou a cabeça e deixou escapar: — Nossa Cidade de Prata não tem registros deste assunto, nem há registros de uma rainha chamada Omebella.

Emlyn riu e estendeu as mãos.

— É por isso que não há nada de errado em eu dizer que a história da sua Cidade de Prata é falha e incompleta, certo?

— É evidente que há erros nos seus registros de história.

“… Você tomou um caminho tão indireto para provar isso… Devo dizer que um vampiro como você tem uma lógica clara ou que você é alguém que guarda rancor?” Klein conteve o riso e impediu-se de avaliar Emlyn White.

O debate entre a Lua e o Sol o beneficiou muito, permitindo-lhe saber que a Rainha dos Gigantes, a Deusa da Colheita, se chamava Omebella.

O Sol Derrick estava prestes a responder ao Sr. Lua quando ouviu a Madame Eremita falar.

— Omebella é a Deusa da Colheita da Segunda Época. Ela também é a rainha da Corte do Rei Gigante.

— Diz a lenda que ela morreu no final da Segunda Época, mas é impossível verificar, pois ninguém viu seu cadáver ou relíquias.

“A Deusa da Colheita realmente se chama Omebella…” Derrick ficou atordoado. Ele quis responder, mas não conseguiu dizer uma palavra, pois esse assunto provava que a história da Cidade de Prata tinha vários buracos. Ele instantaneamente se sentiu um pouco magoado.

Quando Emlyn viu isso, ele se sentiu bem. O prazer surgiu das profundezas de seu coração.

Após mais uma rodada de conversas, a Reunião de Tarô chegou ao fim. Klein sorriu e disse: — Pessoal, nos encontraremos na próxima semana.

— Por sua vontade. — Audrey imediatamente se levantou para fazer uma reverência.

Os outros não foram mais lentos, incluindo A Eremita Cattleya.

Ao retornar à realidade, a Almirante das Estrelas Cattleya olhou para o globo celestial quebrado em sua mesa. Então lembrou seriamente o que havia acontecido na reunião.

Alguns detalhes a fizeram acreditar que o Clube do Tarô se envolvia em muitos assuntos que não eram motivo de zombaria. E escondido nas profundezas da névoa cinza estava o Sr. Louco. Assim como o Mundo, que estava escondido atrás de sombras espessas, Ele era ilegível e insondável. Não se sabia o que ele estava planejando.

Após mais de dez segundos de silêncio, Cattleya pegou uma caneta e um pouco de papel e escreveu enquanto deliberava: — Alguém está coletando deliberadamente as páginas do diário do Imperador.

Ela não se atreveu a expor nenhuma informação que envolvesse o Clube do Tarô, pois tinha medo de ser punida pelo Sr. Louco. Tudo o que podia fazer era avisar sobre coisas que poderiam ser descobertas em circunstâncias normais.

Depois que terminou de escrever e dobrar a carta, tirou uma linda gaita dourada que carregava consigo. Colocando-a nos lábios, soprou.

Num piscar de olhos, ela viu a carta desaparecer estranhamente.

Mesmo sem óculos, não conseguiu perceber a chegada do mensageiro.

Ufa…  Cattleya suspirou, estendeu a mão para a testa e disse silenciosamente: — A pressão é realmente enorme quando se participa de uma reunião sob a supervisão de um deus.

“Com a adesão da Almirante das Estrelas, a pressão sobre mim como O Louco aumentou muito…” Klein esfregou as têmporas acima da névoa cinza e retornou diretamente ao mundo real.

Ele queria experimentar a inspiração que a Srta. Justiça deu ao explorar seus sonhos.

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥