Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 13/50


Cattleya se controlou sem olhar para O Mundo Gehrman. Ela disse em voz profunda e lenta: — A nordeste do Arquipélago Gargas, há uma rota marítima segura que permite entrar nessas águas perigosas…

Ela começou sua descrição com o profundo abismo que separava os mares, a carruagem dourada que não podia ser vista diretamente, a noite que exigia dormir, os terríveis delírios que enchiam todo o mar e a sombra da Corte do Rei Gigante que ficava na o pico da montanha oposta no mundo dos sonhos.

Durante esse processo, não mencionou Gehrman Sparrow, evitando deliberadamente qualquer menção a ele. Quanto às anormalidades que aconteceram no caminho, ela as descreveu de forma simples, como a aura remanescente da Mãe Terra que fazia o cabelo crescer rapidamente.

No final, ela se concentrou na ruína com um cadáver adormecido e no veleiro dos aventureiros que tinha as palavras escritas com sangue, Fonte da Imortalidade.

— Isso pode significar que a Fonte da Imortalidade está naquela ruína, e o cadáver que produziu uma respiração tão alta é o guardião. — Cattleya mencionou as teorias comuns sobre o Futuro, mas isso não significava que era dela.

“Fonte da Imortalidade… Um dos seis maiores tesouros do mar…” Alger ficou tentado pelo que ouviu enquanto considerava a possibilidade de explorar aquelas ruínas após alcançar a Sequência 5.

Audrey terminou de ouvir com atenção enquanto balançava levemente a cabeça.

— Não acredito que o significado decisivo por trás dessas palavras com sangue signifique que a Fonte da Imortalidade esteja nessas ruínas.

Após uma pausa de um segundo, ela tentou analisar o estado de espírito do falecido.

— Uma pessoa que está prestes a morrer após ser atacada por monstros não apontaria questões relacionadas ao tesouro. Se quiser avisar companheiros ou parentes que o procuram, deveria ter escrito que aqui é perigoso ou falar sobre a origem do perigo. Se ele planeja dizer aos navios que passam que a Fonte da Imortalidade está lá, então ele não tem motivação para fazê-lo por uma criatura viva às portas da morte. A menos que haja uma conspiração escondida neste assunto… a conspiração de atrair as pessoas a entrar nas ruínas em busca da Fonte da Imortalidade pode ser a forma como ele pode ser resgatado.

— Sim, se eu estivesse no lugar dele, não pensaria em contar desesperadamente aos outros que há um tesouro aqui. O que eu ganharia com isso? — Emlyn repetiu. — Só o ódio… o ódio profundo… me fará escrever algo assim à beira da morte. Caso contrário, prefiro dizer aos outros como devo ser enterrado ou que tipo de itens funerários eu quero!

Ele estalou e balançou a cabeça.

Klein assentiu indiscernivelmente. Controlando o Mundo, ele disse com voz rouca: — A Fonte da Imortalidade é uma farsa.

Ele usou palavras absolutamente certas, sem quaisquer palavras adicionais que significassem outras possibilidades.

“A Fonte da Imortalidade é uma farsa…” Cattleya olhou para o Mundo antes de retrair seu olhar pensativo.

Parecia corroborar com certas teorias e suposições que ela tinha.

Alger franziu a testa, não que ele não concordasse com o julgamento do Mundo ou que acreditasse que as explicações da Srta. Justiça e do Sr. Lua eram desprovidas de razão. Em vez disso, percebeu que havia falhado completamente em considerar essa possibilidade!

Para ele, este foi um erro que não deveria ter cometido!

“… Depois de todos esses anos, ainda estou temporariamente cego pelo imenso lucro…” Ele ficou em silêncio por alguns segundos e suspirou.

Depois de conversar o que todos tinham visto e ouvido recentemente, todos começaram a ensinar o antigo Hermes ao Jovem Sol, e aprenderam um pouco de misticismo uns com os outros.

O tempo passou rapidamente enquanto O Louco Klein examinava a área depois que todos pararam.

— Vamos terminar aqui por hoje.

— Por sua vontade. — Audrey levantou-se imediatamente e fez uma reverência com seu vestido ilusório. O resto dos membros disseram o mesmo quase ao mesmo tempo.

Enquanto observava as figuras borradas desaparecerem diante de seus olhos, Klein não teve pressa em sair. Ele conjurou uma pele de cabra e uma caneta-tinteiro e escreveu a declaração de adivinhação:

“A esperança de meu avanço para a Sequência 4.”

Largando a caneta-tinteiro, Klein segurou a pele de cabra e recostou-se. Ao fechar os olhos, ele entrou em estado de Cogitação e começou a recitar silenciosamente a declaração de adivinhação.

Depois de entoar sete vezes, rapidamente adormeceu e entrou no mundo dos sonhos.

O céu cinzento e embaçado se abriu quando ele viu uma montanha imponente rasgar as nuvens.

No topo da montanha, havia um palácio desmoronado cujas paredes estavam cobertas de ervas daninhas e musgo, pois apresentavam buracos óbvios.

Dentro do salão do palácio havia um enorme trono esculpido em pedra. Foi adornado com pedras preciosas foscas e ouro. Estava quase todo manchado e danificado.

Parecia que não estava preparado para um humano, já que incontáveis ​​​​vermes translúcidos estavam densamente agrupados. Eles se contorciam lentamente enquanto continuavam crescendo.

Em torno do trono havia um delírio que parecia penetrar nos longos rios do tempo e da história. Era ilusório, etéreo e ecoava constantemente.

— Hornacis… Flegrea… Hornacis… Flegrea… Hornacis… Flegrea…

No momento em que os delírios entraram em seu ouvido, Klein acordou antes de franzir a testa.

“É realmente o pico principal da cordilheira Hornacis. Além disso, posso ver e ouvir com mais clareza do que antes…”

Isso o fez recordar as palavras proféticas da Rainha Misteriosa Bernadette: — Seu destino está no pico principal da cordilheira Hornacis.

“Esse é o meu destino? Isso realmente me faz querer ser rebelde e não ir… Fuuu, não consigo lidar com potências. Depende…” Klein suspirou e conjurou os cinco avisos de recompensa fornecidos por Emlyn White. Combinando as informações que possuía, ele usou os métodos de adivinhação para encontrar a localização dos crentes da Lua Primordial.

Por fim, por falta de informação, só pôde confirmar dois pontos.

Galis Kevin, Windsor Behring e Argos estavam todos em Backlund.

Dandy e Lara estão no Porto Enmat e no Porto Pritz respectivamente.

“Isso é tão bom quanto nada…” Klein balançou a cabeça e voltou ao mundo real.

Lembrando-se de como já havia concordado em fornecer ao Jovem Sol a fórmula da poção do Notário dentro de três dias, ele vestiu seu casaco e uma cartola e se preparou para sair em busca de um alvo.

Quando abriu a porta e chegou à escada, viu Anderson Hood subindo, girando o boné de caça com a mão enquanto cantarolava uma canção folclórica.

“Esse sujeito é muito bom em se recuperar de contratempos… Ele acabou de aprender uma lição com um semideus pela manhã e foi forçado a se desculpar e concordar com um pedido, mas não vejo mais nenhum sinal de trauma dele… Não é de admirar ele se tornou uma potência da Sequência 5. Apenas esse estado de espírito torna difícil para ele perder o controle…” Klein olhou para ele, balançando a cabeça levemente como uma saudação.

— Boa tarde, Gehrman. — Anderson riu enquanto acenava com a mão. — Recebi a recompensa e o dinheiro. Eu pagarei o resto agora.

Enquanto falava, tirou pilhas de dinheiro de diferentes espessuras de diferentes bolsos.

— Aconteceu muito bem, entendo, — comentou Klein sem muitas emoções envolvidas.

Anderson imediatamente riu.

— Isso mesmo. Aconteceu muito mais tranquilo do que eu imaginava! Aqueles sujeitos que deveriam ter cérebros como pedras eram surpreendentemente amigáveis, educados e eficientes! Eu até suspeito que me tornei um Abençoado da Madame Sorte!

— Não existe tal divindade. — Klein destruiu impiedosamente suas fantasias.

— Por que tão sério? É a vida. Relaxe um pouco. Relaxe um pouco. — Anderson entregou as 1.200 libras restantes. — Na verdade, estou muito claro sobre o que aconteceu. Aquele senhor não quer que eu perca meu tempo, então ele secretamente ‘exortou’ aquelas pessoas.

Klein olhou para o dinheiro, pressionou-o e perguntou de passagem: — Você confirmou quais piratas lhe causaram o problema?

Ele estava perguntando sobre a presa que resultou no envolvimento do Manipulador.

— Não há como confirmar, — disse Anderson com um sorriso amargo. — Você acha que eu não confirmei antes? Embora eu pareça indiferente na sua frente, investigarei o histórico e a situação da presa com antecedência para evitar provocar alguém que não posso. Quem sabe… Fuuu, só posso culpar a minha má sorte.

“… Esse sujeito é mais cuidadoso do que eu pensava… Isso mesmo, sua Sequência anterior se chamava Conspirador…” Klein pensou esclarecido antes de perguntar indiferentemente: — Quem merece mais a morte nesta área?

Anderson ficou surpreso antes de rir.

— Nosso aventureiro mais louco planeja começar suas atividades de caça?

— No entanto, você tem que considerar isso bem. Não desejo que você seja meu parceiro ao completar a missão do semideus.

“Não se preocupe, somos diferentes. Eu sou um Vidente. Tenho todos os meios para esconder meus rastros. Não permitirei que alguém bata à minha porta. Além disso, esse é um semideus do caminho do Espectador. Ele não é bom em adivinhação ou profecias…” Klein manteve sua atitude fria que era exclusiva de Gehrman e disse: — Você não precisa se preocupar.

Anderson imediatamente deu um sinal de positivo.

— Sua loucura é digna de elogio!

Ele pensou por um momento e acrescentou: — A pessoa que mais merece a morte é Molsona, do Novo Partido de Loen. Ele é um dos melhores amigos dos piratas. Ele tem sob seu controle algum tipo de planta semelhante à cannabis, que é altamente viciante. Isso o ajuda a controlar muitas pessoas no governo Toscarter e no departamento de polícia. Ele é um dos chefes da máfia mais poderosos daqui…

— Ele cometeu muitos crimes, matou muitas pessoas e basicamente fez isso com a ajuda de piratas. Superficialmente, não há problema aparente.

— Heh heh, ele não é um Beyonder, mas a dificuldade em matá-lo é muito problemático, sim… problemático!

— Ele tem de três a cinco Beyonders de diferentes tripulações piratas que lhe fornecem proteção. Nos telhados, fora do prédio, sob as janelas, todos ali pertencem a ele. Para acabar com ele, a única maneira é invadir com força e matar um grande número de pessoas.

— Tenho os meios para fazer isso, mas é muito problemático. Também existe um certo nível de perigo. Você se tornará um criminoso procurado depois disso, então não lidei com ele e apenas lidei com o cofre dele em casa.

“Cofre… Falar sobre banditismo de uma forma tão inovadora… Sim, já ouvi dizer que as principais indústrias de Toscarter são a economia de plantação e o comércio de piratas no mercado negro. Ela também tem indústrias prósperas de bares, bordéis e jogos de azar. Eu nunca esperei que isso incluísse drogas da nova era… Molsona é uma pessoa comum e não um Beyonder… Perfeito, a Fome Rastejante não comeu ainda…” Klein assentiu e indicou para Anderson se aprofundar nos detalhes.

À noite, no Bar do Carvalho.

Uma luta de boxe estava prestes a acontecer no ringue. Muitos alcoólatras o cercaram com canecas nas mãos.

Eles eram como tubarões que sentiram o cheiro de sangue. Ao fazerem suas apostas, gritaram palavras como mate-o!

Este era um negócio do chefe do Novo Partido de Loen, Molsona. O que havia de único nas lutas de boxe realizadas aqui era que a morte era permitida!

Molsona gostava muito de lutas que lembravam antigas competições de luta livre. Ele costumava vir assistir a algumas partidas. Naquele momento, ele estava sentado no segundo andar, olhando para o ringue.

Ao seu redor havia vários guarda-costas. Eles estavam vigiando todas as direções, e entre eles não faltavam Beyonders enviados pelos piratas com quem ele trabalhava, bem como aventureiros experientes que contratou com grandes somas de dinheiro.

Essas pessoas estavam de costas ou de lado voltadas para Molsona enquanto o cercavam e impediam que alguém se aproximasse dele. Revólveres, rifles e espingardas de caça foram apontados para fora para deixar as massas intimidadas.

Depois de confirmar a situação, Klein pressionou a cartola, entrou no bar e viu Molsona fumando um charuto.

Este chefe da máfia tinha um rosto muito discernível. Seja o nariz de conhaque ou as sobrancelhas finas, todos eram únicos.

Klein retraiu o olhar e primeiro foi ao bar pegar uma xícara de cerveja de malte local no valor de 4 centavos. Então, foi até a grade abaixo do segundo andar.

Embora não estivesse diretamente sob o comando de Molsona, pois estava fortemente vigiado, ele já não estava muito longe dele.

“Estou a cinco metros…” Klein murmurou silenciosamente para si mesmo, ergueu o copo de cerveja e olhou para o ringue de boxe.

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥