Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 20/50


Na sala principal de orações da Catedral do Santo Samuel.

O bispo de cabelos negros retraiu o olhar e parou de olhar para o senhor de meia-idade em frente à caixa de doações, nem tinha intenção de conversar com ele.

Aqui, diante do altar sagrado, ele representava a Igreja e estava sob a visão da Deusa. Ele não poderia mostrar mais carinho por ninguém por causa de suas generosas doações.

No entanto, lembrou-se da boa aparência e do temperamento maduro e refinado do cavalheiro. Ele planejava tentar conhecê-lo quando a oportunidade surgisse no futuro.

Vendo a nota final cair na caixa de doações, Klein fechou os olhos e se virou para sair.

Ao passar pelo bispo pregador, ele deliberadamente olhou para o clérigo e sorriu com um aceno de cabeça.

O bispo voltou com um sorriso caloroso enquanto batia no peito quatro vezes no sentido horário.

Klein não tinha pressa em entrar em contato com o pessoal relevante. Ele precisava que suas ações seguissem a lógica e não tivessem ações chocantes que pudessem gerar suspeitas. Ele silenciosa e friamente virou-se para o lado para dar lugar a outro devoto e caminhou pelo corredor de volta ao seu assento. Então pegou o chapéu e a bengala antes de sair da catedral.

Naquele momento, terminada a pregação, os devotos ou se aproximavam da caixa de doações para expressar sua sinceridade, ou se levantavam para ir embora sem sentir que havia algo errado. Afinal, não era obrigatório.

Mesmo um devoto que doou com paixão não conseguia doar dinheiro todas as vezes. Geralmente dependia da situação exata da família, fazendo isso uma ou duas vezes a cada uma ou duas semanas.

No nível de um plebeu, cada doação era na forma de centavos, enquanto os devotos da classe média variavam de três a cinco solis. Os ricos e nobres usavam libras, mas não ultrapassavam 100 libras.

Isso ocorreu em circunstâncias normais. Durante o dia memorial sagrado da Deusa da Noite Eterna todos os anos, que era o Dia dos Presentes de Inverno, a quantia doada aumentaria várias vezes. Os plebeus com um pouco mais de dinheiro de sobra escolheriam de dois a três solis, enquanto a classe média doaria cerca de 5 libras. Quanto aos membros da alta sociedade, doavam diretamente ao bispo da diocese ou a organizações de caridade da Igreja, variando entre várias centenas de libras e alguns milhares de libras.

O Dia dos Presentes de Inverno era o dia do ano em que a noite era mais longa. Acreditava-se que era o aniversário da Deusa da Noite Eterna.

Depois de sair da catedral, Klein ficou na praça do lado de fora. Ele observou preguiçosamente enquanto os pombos voavam, circulavam e pousavam.

Ele até comprou comida de um vendedor ambulante próximo. Alimentou os pombos sem pressa e não tinha planos de folhear os anúncios nos jornais para encontrar uma residência adequada no Burgo Norte, já que era missão do mordomo.

Um excelente mordomo que residisse em Backlund por muitos anos deveria conhecer os diferentes nobres e magnatas, bem como os melhores indivíduos de classe média que pudessem ajudar seus senhores. Ele saberia em quais ruas morar e, a partir daí, escolheria propositalmente uma residência.

A interação entre vizinhos era o primeiro passo para um recém-chegado entrar nos grupos relevantes!

“Seja o Clube Carleton, onde os membros do Partido Conservador se reúnem, o Clube dos Liberais do Novo Partido, ou os vários clubes em serviço e de veteranos para os militares, eles também exigem uma recomendação antes de qualquer contato ser feito… Fuuu, esta é também a chamada política de clube no reino.” Klein controlou seus pensamentos enquanto considerava o que deveria fazer depois de terminar de configurar a personalidade de um alimentador de pombos que criou.

Após cuidadosa consideração, descobriu que não havia realmente nada que precisasse de sua atenção imediata. Isso porque seus planos estavam presos na superfície.

Por isso, ele planejou desfrutar de um almoço caro e suntuoso. Essa era uma ação que Dwayne Dantès deveria realizar e também resultado da curiosidade do próprio Klein.

Nos meses em que esteve em Backlund, não teve coragem de ir aos restaurantes mais famosos da cidade grande para ampliar seus horizontes. Ele continuou escolhendo um dos quatro: sua própria cozinha, o bufê do Clube Quelaag, os restaurantes comuns nas ruas e a cozinha do advogado Jurgen. Caso contrário, ele iria para o Burgo Leste e prepararia seu café da manhã e almoço no que parecia ser uma cafeteria muito oleosa.

“Restaurante Laborie? Diz-se que seu chefe de cozinha é da família de Conde Hall. Ele cozinhou para magnatas, advogados de sucesso e altos funcionários do governo sabores geralmente difíceis de encontrar… Conde Hall aparentemente investiu neste restaurante e detém uma participação importante nele… Hmm, este restaurante serve principalmente culinária local de Backlund. É muito famosa pelas suas sobremesas, mas o seu preço é horrível…”

“Restaurante Intis Srenzo. Serve a mais autêntica cozinha de Intis. Heh heh, muitos dos pratos especiais usam o nome de Roselle, alegando que se originou dos pratos do palácio do imperador… Além disso, não é como a maioria dos restaurantes da mesma classe que oferecem apenas alguns pratos principais todos os dias. Tem uma grande variedade…” Klein lembrou-se das informações dos melhores restaurantes que leu nos jornais e revistas e finalmente decidiu experimentar os pratos do palácio do imperador.

Ele não ficou mais tempo quando subiu em uma carruagem e se dirigiu ao Restaurante Intis Srenzo no Burgo Oeste.

Na entrada, Klein entregou seu casaco, chapéu e bengala a um garçom de colete vermelho e perguntou: — Ainda há lugares disponíveis? Eu não fiz reserva.

— Sim, senhor. — O garçom de colete vermelho não demonstrou nenhum comportamento anormal quando perguntou humildemente: — Senhor, é sua primeira vez aqui? Você está sozinho?

Klein assentiu francamente e sorriu.

— Sim.

— Então, posso ter a honra de apresentar alguns dos nossos pratos mais exclusivos e vinhos finos que nosso restaurante tem a oferecer? — Enquanto o garçom falava, ele conduziu o convidado para dentro.

— Isso é exatamente o que eu preciso. — Klein passou pela porta lindamente decorada e viu paredes que quase refletiam luz dourada.

Instantaneamente, ele sentiu como se estivesse em um cofre de ouro.

Em seguida, notou pinturas a óleo penduradas nas paredes, estátuas de mármore colocadas em locais adequados, além de objetos de ouro embutidos ou adornados em diversos pontos.

— Por favor, tome cuidado onde pisa, — alertou o servo enquanto conduzia Klein até um lugar perto da janela. Música de violino tocava ao fundo do restaurante.

O garçom trouxe-lhe um cardápio de comida e um cardápio de vinhos enquanto ele o abria e apresentava: — Estes são nossos pratos mais famosos: costelinha de carne Tagia refogada, cogumelos porcini com trufas pretas, foie gras estilo Intis. Gostaria de salientar que o nosso foie gras vem diretamente da fazenda Bonas, na província de Champanhe, no Reino Intis…

Enquanto Klein ouvia a apresentação do garçom, ele folheava o cardápio escrito em Feysac antigo, enquanto os preços chamavam sua atenção.

Depois de apresentar os pratos principais, entradas e sobremesas, o garçom começou a explicar como combinar os vinhos. Finalmente, ele disse: — O champanhe, o vinho tinto e o vinho branco que todos nós temos vêm de uma famosa cervejaria da província de Champanhe. Temos até vinho tinto Aurmir de 1330. Seu preço é de 126 libras. Se desejar adquiri-lo, você pode levá-lo ou guardá-lo conosco, bebendo um copo toda vez que vier.

“126 libras… Já posso contratar um excelente mordomo com isso… Heh heh…” Klein sorriu com muita graça.

— Seus pratos e vinhos são excelentes. É realmente difícil escolher.

O garçom de colete vermelho deu um sorriso hospitaleiro.

— Você pode escolher as recomendações do chef para o dia. Será uma autêntica e deliciosa refeição de Intis preparada pelo nosso chef principal. Existem três opções: 15 libras, 10 libras e 8 libras.

“Eu não quero nenhum deles…” Klein recostou-se ligeiramente enquanto sorria.

— Vou querer a refeição fixa de 15 libras.

— Tudo bem. — O garçom de colete vermelho retirou os cardápios e caminhou em direção à cozinha.

Klein respirou fundo e exalou lentamente enquanto observava casualmente a área à sua frente.

De repente, viu uma figura familiar. Era uma mulher com um vestido verde oliva.

Ela era alta, com uma figura excelente. Usava um gorro preto fora de moda, com um véu arrastão pendurado e escondendo seu rosto.

Como Sem Rosto, Klein tinha uma forte capacidade de discernir as características externas dos humanos. Ele imediatamente identificou a mulher.

Rainha Misteriosa, filha mais velha do Imperador Roselle, Bernadette Gustav!

Ele não estava com pressa de desviar o olhar, pois naturalmente moveu o olhar para o lado. Bernadette não pareceu notar nada de anormal enquanto desaparecia na escada.

“Por que ela apareceria aqui? Certo, a especialidade deste restaurante são os pratos do palácio do Imperador Roselle. Heh, não é nada parecido com a culinária chinesa que pensei que seria. Ele provavelmente não sabe cozinhar e, na melhor das hipóteses, consegue descrever o conceito. Há pratos fritos aqui… Hmm, a dona nos bastidores poderia realmente ser ela? Por que ela está aqui em Backlund em vez do mar? Ela não encontrou o Herói Bandido Imperador das Trevas?” Klein sentou-se com uma expressão calma enquanto perguntas surgiam em sua mente.

Enquanto isso, nas ruas, uma carruagem se dirigia ao Restaurante Intis Srenzo.

Sentada na carruagem estava a família de Aaron Ceres. Este famoso cirurgião era membro do Clube Quelaag, grande amigo de Sherlock Moriarty. Certa vez, ele procurou o detetive para cuidar do assunto de Will Auceptin.

Desde que sua esposa engravidou, ele descobriu que sua sorte havia se tornado bastante boa. Seu negócio melhorava a cada dia e sua renda aumentava a cada mês. Recentemente, concluiu com sucesso a cirurgia do Barão Syndras e recebeu a comenda deste nobre recém-promovido. Foi convidado ao Restaurante Srenzo para almoçar com ele.

— Dizem que o sorvete é muito bom, — Aaron sorriu ao dizer à esposa.

Sua esposa era uma beldade de cabelos negros e já estava obviamente grávida. Ela sorriu recatadamente e disse: — Estou mais ansiosa pelos pratos do palácio do Imperador Roselle.

Aaron concordou laconicamente enquanto olhava pela janela.

— Estamos quase lá.

Assim que ele disse isso, sua esposa segurou a barriga e franziu a testa.

— Dói um pouco.

Aaron, que não era pai de primeira viagem, imediatamente a examinou e não descobriu nenhum problema, mas sua esposa estava sentindo um desconforto maior. A criança em seu ventre parecia estar tendo um ataque de raiva.

— E-eu acho que não irei até lá. Desejo voltar para casa para descansar, — sugeriu a esposa de Aaron.

Aaron pensou um pouco e disse: — Vou acompanhá-la até casa.

Ele imediatamente ordenou ao seu manobrista: — Desça aqui e vá ao restaurante para pedir desculpas ao Barão Syndras em meu nome.

Depois que a carruagem iniciou seu retorno, o desconforto que a esposa de Aaron sofria foi aliviado. Quando ela passou pela porta, tudo estava normal.

Ela apontou para sua barriga, exasperada.

— Parece que ele não quer tomar sorvete.

Achooo! No restaurante Intis Srenzo, Klein, que não havia poupado nenhum prato, sentiu um desconforto, mas começou a saborear seu sorvete com satisfação. No meio do caminho, ele sentiu coceira no nariz ao espirrar em um pedaço de papel de seda que tirou.

Burgo Oeste. Em uma casa escura.

Fors, que já havia avançado para Astrólogo, participava de todo tipo de encontros de Beyonder, em busca da possibilidade de ganhar dinheiro.

Ela devia 220 libras a Xio e sua boa amiga até suspeitava de estar envolvida em jogos de azar ilegais.

“Não tenho nem dinheiro para comprar minha bola de cristal essencial…” Enquanto seus pensamentos vagavam, Fors de repente ouviu um membro na reunião dizer: — Desejo vender um Fantoche da Lua.

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥