Selecione o tipo de erro abaixo

Combo 33/50


Rua Böklund, nº 160. No escritório ensolarado.

As estantes estavam arrumadas com uma enorme coleção. À primeira vista, parecia que alguém havia entrado em uma biblioteca particular.

Klein sentou-se em uma cadeira de encosto alto enquanto lia os jornais. Ele descobriu que, fosse nas Notícias de Tussock ou no Tribunal Diário de Backlund, havia um anúncio adicional em um local marcante: anunciava a venda de 10% das ações da Companhia de Bikes de Backlund.

“O Sr. Stanton é bastante eficiente. Faz apenas alguns dias e ele concluiu as verificações e avaliações financeiras…” Klein refletiu silenciosamente sobre o assunto quando sua percepção espiritual foi acionada.

Ele rapidamente ativou sua Visão Espiritual e viu Reinette Tinekerr sair do vazio. Ela ainda segurava as quatro cabeças loiras de olhos vermelhos na mão, e uma delas tinha uma carta na boca.

“Provavelmente é uma resposta da Srta. Sharron…” Enquanto Klein tinha esses pensamentos, ele estendeu a mão para recebê-la e assentiu.

— Obrigado.

Enquanto falava, inconscientemente olhou para a porta porque do lado de fora estava seu valete, Richardson.

Depois de rasgar o envelope e desdobrar a carta, Klein analisou-a rapidamente, confirmando que foi escrita por Sharron. Ela indicou que não tinha intenção de comprar o Frasco de Veneno Biológico e que só poderia pensar sobre após um período de tempo, se ainda estivesse disponível.

“Ela está em uma situação financeira difícil? Ou ela está economizando dinheiro para fazer algo importante?” Klein pensou casualmente e instintivamente sentiu que era a última opção. Isso porque era impossível para o semideus chamado Zatwen continuar em Backlund. Por enquanto, Sharron e Maric escaparam da perseguição da Escola de Pensamento Rosa, e com seus poderes Beyonders e características únicas sobre suas Sequências, não era difícil para eles acumular dinheiro em um ambiente sem tensão. Além disso, eles pareciam estar encarregados do tráfico ilegal de armas no Bar dos Corajosos e eram os apoiadores de Ian. Só isso já lhes renderia muito dinheiro.

Ao pensar sobre isso, Klein ergueu os olhos e viu os oito olhos vermelhos da Srta. Mensageira olhando para ele atentamente.

Ele pulou de susto, imaginando que ela o estava incentivando a pagar a dívida que tinha com ela. Ele limpou a garganta e disse: — Não há necessidade de responder.

— Pagarei a primeira parcela dentro de uma semana.

As quatro cabeças de Reinette Tinekerr falaram uma após a outra.

— Não há… — Pressa… — Não há… — Necessidade…

“Uau, a Srta. Mensageira é muito legal…” Enquanto Klein suspirava, Reinette Tinekerr desapareceu de seu lugar, retornando às profundezas do mundo espiritual.

Depois de queimar a carta e descansar por meia hora, ele foi até a porta para avisar Richardson para preparar a carruagem.

Ele planejava ir para a catedral antes da aula de filosofia da tarde.

A viagem até lá foi tranquila e Klein chegou à praça em frente à Catedral do Santo Samuel depois de alguns goles de chá.

Depois de ganhar serenidade ao observar os pombos, ele caminhou em direção à porta principal da catedral, entrou na sala de orações e encontrou aleatoriamente um banco para sentar. Como antes, Richardson sentou-se diagonalmente atrás dele com o chapéu e a bengala de seu mestre.

Ao esvaziar sua mente durante suas orações, a percepção espiritual de Klein foi acionada mais uma vez. Ele instintivamente abriu os olhos e olhou para a esquerda.

Ele viu Leonard Mitchell, de cabelos pretos e olhos verdes.

Este Falcão Noturno não estava usando sobretudo. Ele parecia casual com sua camisa branca para fora enquanto combinava com calças justas e um colete preto.

Vendo o homem de meia-idade com listras grisalhas nas costeletas olhar para ele, ele sorriu com um aceno de cabeça, retraiu o olhar e fechou os olhos em uma tentativa de fingir que estava orando.

Ele não estava preocupado que o homem descobrisse que o estava observando, porque havia feito apenas uma observação superficial, sem nenhuma ação adicional. Muitos crentes presentes também tiveram ações semelhantes.

Era inevitável que um cavalheiro bonito e digno atraísse alguma atenção ao entrar. Leonard Mitchell era alguém que frequentemente atraía tanta atenção, então sabia disso muito bem.

Neste momento, a voz ligeiramente envelhecida soou em sua mente.

É ele.

“Heh, meu trabalho duro de correr até a catedral ontem e hoje não foi em vão…” Leonard pensou presunçosamente enquanto sua expressão permanecia estoica.

Klein também fingia orar enquanto a perplexidade surgia em sua mente pensante.

“Quando esse sujeito, Leonard, se tornou tão piedoso?”

“Embora ele seja definitivamente mais piedoso do que eu, ele não é o tipo de pessoa que iria à catedral todos os dias. Ele viria uma ou duas vezes por semana, na melhor das hipóteses…”

“Qual é o objetivo dele ao vir? Ele parecia estar me observando agora há pouco…”

Ao ter esse pensamento, Klein de repente percebeu algo.

“O parasita nele é o anjo da família Zoroasta, o que faz dele um anjo do caminho do Saqueador…”

“O Blasfemador Amon é um Rei dos Anjos deste caminho. Ele conseguiu descobrir a névoa cinza e até tentou se infiltrar nela…”

“Então, é bem possível que o vovô de Leonard também possa sentir a névoa cinza ou os traços de seus poderes em mim!”

Ao fazer esse julgamento, Klein imediatamente sentiu o coração na garganta. Ele sentiu como se armadilhas perigosas o cercassem.

Ele manteve sua postura de oração e os olhos sob suas pálpebras permaneceram imóveis. Toda a sua pessoa era calma e reservada, completamente idêntica à atmosfera da catedral.

Após um período de tempo desconhecido, ele se levantou lentamente e caminhou até o altar. Veio até a caixa de doações e jogou um total de 50 libras em dinheiro.

Depois disso, fez o mesmo de antes, sorrindo para o bispo e padre de plantão enquanto balançava a cabeça. Ele recebeu uma resposta bastante amigável.

No momento em que saiu da Catedral do Santo Samuel, Klein recebeu seu chapéu de Richardson e alimentou os pombos na praça por cerca de dez minutos.

E atrás dele, os crentes que haviam terminado suas orações saíram, incluindo Leonard Mitchell.

Sem olhar para a entrada, Klein bateu palmas vagarosamente, pegou sua bengala incrustada de ouro e caminhou até a carruagem de quatro rodas próxima.

Leonard também alimentava os pombos na praça, mas não tinha intenção de segui-lo quando viu seu alvo sair na carruagem.

Como a pessoa tinha uma aura antiga e o parasita nele dava tanta importância a ele, ele obviamente não ousava ser descuidado. Não agiu diretamente, pois era extremamente perigoso.

Ele planejava fazer investigações superficiais para reunir as informações necessárias.

“Verei o que o Velho tem a dizer quando chegar a hora… Além disso, não há direção para investigação no momento. Não pode haver tantas carruagens desse tipo específico em Backlund. Não importa se é dele ou alugada, é fácil determinar a origem. Então, saberei a identidade e a origem daquele cavalheiro…” Leonard olhou para os pombos enquanto pensava vagarosamente.

Ele era um Falcão Noturno experiente e até mesmo um Luva Vermelha de elite entre os Falcões Noturnos!

Neste momento, um pombo abriu as asas e voou. Em seu bico parecia haver um pedaço de papel.

Leonard franziu a testa quando estendeu a palma da mão esquerda e viu o pombo voar antes de largar a folha. Então, bateu as asas e voou.

Erguendo o papel, Leonard desdobrou-o cautelosamente, sentindo-se confuso. Ele viu duas linhas de texto:

“Zoroasta”

“Parasita.”

“Isso…” As pupilas de Leonard de repente se contraíram quando ele sentiu todo o seu cabelo se arrepiar. Suas emoções quase explodiram naquele exato instante.

“Esse cavalheiro descobriu meu segredo?”

“Como esperado de alguém com uma aura antiga!”

“Ele pode ser um dos monstros imortais que restaram da Quarta Época!”

“Ele está me avisando? Que eu não deveria me envolver nos assuntos dele ou mesmo me aproximar dele?”

Naquele momento, Leonard sentiu que cada ação que o homem de meia-idade com costeletas brancas e olhos azuis havia feito o deixou chocado ao se lembrar delas. Ele era alguém para não ser olhado diretamente ou abordado.

Ele imediatamente perdeu todos os pensamentos de investigar o homem. Enquanto observava os pombos pousarem, ele disse com uma voz reprimida: — Velho, ele pode ser um velho amigo seu.

— Se você deseja investigar, então é melhor esperar até que suas forças se recuperem.

— Velho amigo… — a voz um pouco envelhecida repetiu as duas palavras como se achasse suspeitas, mas não tivesse certeza.

Leonard rapidamente convergiu suas emoções e riu.

— Então você é alguém da família Zoroasta…

Neste momento, a cerca de cem metros de distância, no cruzamento da Rua Phelps com as demais ruas.

O cabelo preto Dwayne Dantès, com mechas grisalhas, encostou-se na parede enquanto fechava lentamente os olhos, escondendo seus traços faciais enrugados nas sombras da carruagem.

Ao lado de seu criado, Richardson, apareceu um homem de meia-idade vestindo um casaco vermelho escuro e um velho chapéu triangular, curvando-se para seu mestre antes de desaparecer. Ninguém viu essa figura ilusória.

A carruagem virou lentamente quando um bando de pombos voou da praça.

Depois de voltar para casa e entrar no quarto com a enorme varanda, o silencioso Klein finalmente soltou um suspiro silencioso de alívio.

Se Leonard não aceitasse o aviso por causa do feitiço do vovô, ele planejava escrever outro papel com o conteúdo: “Eu sei onde está o Blasfemador Amon.”

“Nas entrelinhas, significa que direi ao Blasfemador Amon que há um anjo da família Zoroasta aqui se você frustrar meus planos.”

Isso não faria o vovô acreditar que Dwayne Dantès estava tão fraco que precisava contar com outros para afastá-lo. Era mais um aviso amigável que não ultrapassaria três vezes, uma forma de respeito a um anjo.

Se dois avisos não fossem suficientes para controlá-lo, não havia outra escolha senão informar o Blasfemador Amon.

“Sim, há uma grande chance de que isso os assuste. Deve haver outras manobras ou dificuldades para esse vovô optar por parasitar de maneira tão superficial. Ele provavelmente não quer que eu vire a mesa… Heh heh, esse assunto é tudo graças a Arrodes. Se ele não tivesse me informado com antecedência que Leonard tem um Anjo do caminho do Saqueador, eu definitivamente não teria notado que fui o alvo, muito menos teria a desculpa e o método adequados para avisá-los…” Klein pensou com calma e não demonstrou a ansiedade ou o estado de confusão de antes.

Enquanto relaxava, houve uma batida na porta. Seu valete, Richardson, disse: — Senhor, o mordomo deseja obter uma audiência com você.

— Por favor, convide-o para entrar. — Klein saiu da varanda e voltou para a sala entreaberta.

Walter, de luvas brancas, entrou e disse: — Senhor, seu professor de filosofia, Sr. Hamid, está aqui.

“Aulas de filosofia…” Klein esfregou as têmporas doloridas.

Ele já havia ouvido de Walter que o Sr. Hamid acreditava no Senhor das Tempestades. O mesmo aconteceu com o famoso estudioso Leumi. Muitos dos filósofos do Reino de Loen compartilhavam a mesma fé.

Isso o deixou bastante surpreso porque, para ele, os crentes na Tempestade eram irmãos irascíveis.

“Pelo que parece, tenho que mudar meus estereótipos e impressões subjetivas… Heh, o pré-requisito para ser filósofo é não ter esposa, ou não ter um relacionamento cordial com suas famílias?” Enquanto Klein satirizava, ele ajeitou as roupas e foi até a porta. Ele disse ao mordomo Walter: — Tudo bem, vou para lá agora.

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥