Selecione o tipo de erro abaixo

Combo 46/50


Depois que Klein terminou, Albert fez algumas perguntas específicas de acordo com seu relato, para garantir que os detalhes combinassem.

Sem dúvida obteve uma resposta satisfatória.

— Obrigado pela sua cooperação. Tenha um ótimo sonho. — Albert sorriu ao se levantar e fazer uma reverência. Então, ele usou seus poderes de Pesadelo para influenciar Dwayne Dantès mais uma vez. Isso o faria ter uma vaga lembrança de que teve esse sonho quando acordou, mas não seria capaz de se lembrar dos detalhes.

Depois de fazer tudo isso, ele se virou para a porta, girou a maçaneta e saiu do sonho.

“Na verdade, os Falcões Noturnos confiam demais nos poderes dos Pesadelos. Se eu fosse o líder desta investigação, eu definitivamente elaboraria uma série de perguntas que atacassem o assunto de diferentes ângulos com antecedência, e então faria referências cruzadas para encontrar quaisquer lacunas… Heh, o melhor método é recrutar a ajuda da Srta. Justiça na criação de um conjunto de questionários psicológicos profissionais e na obtenção do alvo para interrogar no sonho. Se ele estivesse fingindo alguma coisa, o estado psicológico e a imagem que deseja projetar certamente apresentariam contradições em diferentes avaliações. Isto a menos que ele também fosse um especialista em psicologia e consiga identificar os verdadeiros objetivos de cada conjunto de perguntas…” Klein recostou-se no sofá e olhou pela janela.

Na escuridão, o brilho das lâmpadas da rua parecia fraco e pálido, iluminando os arredores num silêncio sombrio.

Klein observou silenciosamente por alguns segundos antes de curvar os lábios e dar um sorriso autodepreciativo.

E no porão da Catedral do Santo Samuel, Leonard deu um suspiro de alívio pela primeira vez depois de ver Albert acordar normalmente e ouvir seu relatório. Ele sentiu ainda mais medo do monstro imortal da Quarta Época.

Cidade de Prata. Relâmpagos cruzavam o céu, iluminando todas as ruas.

Derrick Berg saiu de sua casa com o Machado do Furacão em sua posse enquanto se dirigia para as torres gêmeas que ficavam ao norte da cidade.

Ao longo do caminho, conheceu vários moradores da Cidade de Prata. Ou estavam ocupados, mandando os filhos para aulas de educação geral, ou patrulhando cada esquina em grupos. Era para evitar que alguém se transformasse em um espírito maligno depois de morrer em um acidente em casa e ficar sem um parente para acabar com a vida.

A existência dessas pessoas fazia a Cidade de Prata parecer animada e, de vez em quando, Derrick ouvia risadas e aplausos de crianças pequenas.

Ele não pôde deixar de recordar os dias na Cidade da Tarde. O número de humanos que ele encontrava todos os dias era de cerca de vinte e, na maioria das vezes, precisavam ficar em um prédio protegido. Do lado de fora havia monstros que espreitavam nas casas sob o manto da escuridão. Eles foram erradicados repetidas vezes, mas apareciam continuamente em lugares desconhecidos. Todos os membros da equipe da expedição sentiram uma sensação de impotência diante disso, como se não houvesse maneira de obter a verdadeira segurança. Eles nunca poderiam se sentir à vontade com a necessidade de dar tudo de si a qualquer momento. Não havia chance para eles relaxarem.

Nenhuma criatura comum desejaria manter tais estados de elevado estresse e vigilância por longos períodos de tempo; portanto, nesse sentido, a Cidade da Prata já havia desenvolvido um sistema de rodízio.

Não demorou muito para que a primeira equipe de expedição voltasse da Cidade da Tarde para a Cidade da Prata, mas houve o inevitável período de quarentena e observação. Foi só hoje que Derrick conseguiu se ajustar a um estado mental que ele acreditava poder suportar os efeitos negativos do avanço.

Ele havia relatado anteriormente ao Chefe Colin Iliad que havia obtido a fórmula da poção para o Notário, e ele foi autorizado a usar essa descoberta para trocar pelos ingredientes Beyonders correspondentes — penas de um Pássaro do Pacto Espiritual.

Quanto aos itens que ele devia ao Sr. Lua, ele os obteve patrulhando os arredores de Cidade da Tarde e os passou para ele com a ajuda do Sr. Louco.

“Depois de avançar, estarei qualificado para selecionar um item místico para Beyonders que não seja de alta sequência…” Derrick sentiu um pouco de expectativa ao acelerar o passo e chegar às torres gêmeas.

Embora o armazém de materiais e os itens místicos estivessem todos na torre onde eram vigiados pelo conselho de seis membros, o objetivo de Derrick era o campanário, porque era onde ele poderia trocar seus pontos de contribuição por itens.

Assim que estava prestes a entrar no campanário, ele sentiu sua percepção espiritual disparar. Inconscientemente olhou para o pináculo e viu uma mulher com uma túnica preta com estampa roxa parada atrás de uma janela, olhando para ele.

Ela tinha cabelos acinzentados prateados, olhos cinza claro e um rosto lindo. Ela não era outra senão uma das anciãs do conselho de seis membros, Pastora Lovia!

Quando seus olhos se encontraram, o olhar de Lovia pareceu penetrar sua alma, mas sua expressão permaneceu a mesma. Ela até assentiu levemente como se o estivesse cumprimentando.

“Ela não está me cumprimentando, mas sim a pessoa atrás de mim…” De repente, Derrick percebeu.

Isso veio da experiência que acumulou lentamente sob a orientação do Clube de Tarô.

Ele assentiu em resposta enquanto retraía o olhar sem nenhum sinal de anormalidade. Ele então entrou sem pressa no campanário.

À noite, num porto privado em Bayam, o Sonho Dourado, com o seu estranho canhão principal no meio, atracou ao lado do porto.

Danitz carregava as especialidades locais que a Resistência lhe dera enquanto acenava para eles com um sorriso radiante enquanto subia a passarela para o convés.

Ele vinha levando uma vida extremamente confortável nos últimos tempos. Enviado que enviava armas, comida e pequenas quantidades de ingredientes Beyonders, ele recebeu um tratamento muito bom. Ele comia suntuosamente ou se divertia caçando e se gabando. Foi até convidado a assistir ao ritual em que o Deus do Mar abençoava Seus crentes.

Depois de testemunhar tudo isso, de repente percebeu. Bayam, ou talvez todas as colônias, acabariam por se envolver num conflito intenso. Era algo que não iria melhorar em décadas ou mesmo em um século.

Portanto, Danitz decidiu vender a maior parte de suas propriedades em Bayam, deixando apenas uma propriedade. Então encontrou a chance de comprar propriedades na capital de Intis, Trier, e na capital de Loen, Backlund, bem como em vilas extremamente idílicas e pacíficas.

“Também posso aproveitar para voltar à cidade de Elema e visitar o velho e a mãe. Sim, posso comprar uma casa a menos e conseguir um vinhedo para eles…” Danitz acenou apaixonadamente para a Resistência mais uma vez.

Ele então estufou o peito e disse presunçosamente para Laço Florido Jodeson: — Onde está a capitã? Preciso reportar a ela sobre os desenvolvimentos recentes.

Jodeson fez uma careta de desprezo.

— Ela está obviamente na cabine do capitão.

Enquanto isso, ele satirizou interiormente: “Este sujeito está se tornando cada vez mais arrogante depois de estabelecer laços com Gehrman Sparrow! No entanto, aquele aventureiro maluco é realmente assustador. Ele realmente conseguiu caçar o Almirante de Sangue!”

— Hehe! — Danitz zombou enquanto caminhava com um passo provocativo e entrava na cabine onde viu a Contra-Almirante Iceberg Edwina Edwards.

Ele instantaneamente parou seu olhar provocativo enquanto sorria.

— Capitã, completei a missão.

— Detalhes, — Edwina largou o livro em suas mãos enquanto perguntava.

Danitz já estava preparado ao dar uma descrição detalhada do que havia acontecido recentemente, exagerando sua importância. Quando terminou, ele disse: — Capitã, vi Gehrman Sparrow, e ele me fez perguntar se houve alguma anormalidade com o cadáver da Cantora Élfica Siatas e aquela taça de vinho dourada.

Edwina não lhe respondeu diretamente enquanto caminhava até um canto da cabine do capitão. Ali estava um baú de madeira preta.

O Sonho Dourado estava zarpando para a Ilha Sônia, então os restos mortais de Siatas e Mobet permaneceram no navio. Eles foram guardados por Edwina em um baú especialmente preparado.

Ajoelhando-se, Edwina abriu a arca de madeira, permitindo que os restos mortais entrelaçados vissem a luz do dia.

A taça de vinho dourada quase esmagada foi segurada silenciosamente em uma palma ossuda, sem quaisquer sinais anormais.

— Não há nada de anormal. — Edwina deu a conclusão.

Danitz lançou um olhar e memorizou a resposta, preparando-se para relatar isso ao poderoso Louco quando não houvesse ninguém por perto, para que Ele pudesse encaminhar a mensagem ao lunático Gehrman Sparrow.

“Nada de anormal?” Acima da névoa cinza, Klein franziu a testa ligeiramente, sentindo uma mistura de perplexidade e tranquilidade.

Segundo sua teoria, havia uma grande chance de haver um problema com a taça de ouro. Não ter acontecido nada de anormal superou suas expectativas; no entanto, ele também gostou da resposta. Isso porque não queria que o sono eterno de Siatas e Mobet fosse perturbado.

“Talvez precise de outros catalisadores adicionais? Heh heh, vamos torcer para que isso nunca aconteça…” Klein murmurou para si mesmo antes de lançar seu olhar para a pilha de lixo onde estava as Viagens de Groselle.

Como temporariamente não tinha nenhuma intenção de entrar no mar do subconsciente coletivo, além de seu foco recente estar no caderno da família Antigonus, ele adiou seus planos de pesquisar o mundo dos livros uma segunda vez.

Ufa…  Klein exalou, retraiu o olhar e se preparou para a Reunião de Tarô desta semana.

Três da tarde, horário de Backlund.

Feixes de luz vermelho-escuros subiram pelos dois lados da longa mesa manchada, materializando-se em diferentes figuras borradas.

Como sempre, Audrey estava de bom humor, ou talvez melhor que o normal. Isso porque seu irmão, Hibbert Hall, havia enviado um telegrama informando-a de que a compra dos 10% das ações da Companhia de Bikes de Backlund foi concluída por um total de 12.000 libras.

Além disso, ela não precisava voltar correndo para Backlund para assinar nenhum documento. Antes de Hibbert partir, ela assinou uma carta de autorização sob o testemunho de dois advogados. Tudo o que precisava fazer agora era esperar que tudo acabasse antes de assinar uma carta de confirmação para seu irmão.

Audrey curvou os cantos dos lábios enquanto se levantava e dizia para a figura sentada na ponta da mesa de bronze que estava escondida pela névoa cinza.

— Boa tarde, Sr. Louco ~

“Que o Sr. Louco me abençoe. Espero que hoje haja pistas sobre o fruto de uma Árvore Carrilhão Ilusória…” Imediatamente depois disso, ela começou a orar em silêncio.

Após trocarem cumprimentos e ocuparem seus lugares, Cattleya não decepcionou as expectativas de Klein. Mais uma vez, ela abaixou a cabeça sem ousar olhar diretamente para ele.

— Sr. Louco, desta vez há três páginas do diário do Imperador Roselle.

“Aquela Rainha Misteriosa ainda não encontrou as pistas do porquê do assassinato do Imperador Roselle… Ela ainda está fornecendo páginas do diário através da Madame Eremita… Que pena, estive recentemente no feudo e não tive muito contato com os Alquimistas da Psicologia. Não consigo nem obter novas páginas do diário… Hmm, irei até a Fundação de Busca e Preservação de Relíquias depois de alguns dias para dar uma olhada. Talvez eles tenham encontrado algo…” Audrey ouviu com curiosidade.

O Louco Klein riu.

— Muito bom.

— Você pode pensar em sua pergunta.

“Na verdade, eu sei que a Rainha Misteriosa já lhe fez a pergunta… Eu me pergunto o que ela está fazendo em Backlund…” A mente de Klein começou a divagar.

Logo, Cattleya conjurou as três páginas do diário e entregou-as ao Sr. Louco.

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥