Selecione o tipo de erro abaixo

Para você, o que vem após a morte? Não importa qual crença você siga, essa é uma dúvida que sempre vai percorrer a mente de todos. Afinal, a morte é o fim. 

Mas o que vem depois do fim? O céu que muitos almejam, ou o inferno que todos temem? Para Liam Mason, o céu é um conto deixado por velhos para ensinar aos outros o significado de esperança. E para alguém que foi criado para ser o soldado perfeito, o inferno sempre foi sua realidade.

Criado para ser o “homem absoluto”, ele se tornou. Mas como alguém acima de tudo, e todos, morreria?

Era para ser somente mais uma missão de lidar contra invasores. Mas, o mar que separava os dois impérios se tornou o palco de uma da batalha mais sangrenta nos quinhentos anos de rivalidade.

Uma lua de sangue banhava o céu, enquanto o sangue de soldados banhava o chão. Liam não entendeu como, mas estava jogado numa pedra com um buraco em seu corpo. As entranhas eram quase visíveis.

O tal “filme do fim da vida” tomou controle da mente de Liam, mesmo com sua visão falha. A morte de sua mãe, sua ingressão na escola militar, a formação e ascensão como o maior general de seu império.

Era baboseira para ele. Aquilo serviria para quê? Lembrar a ele que deveria se arrepender antes de partir? Não iria funcionar.

Mesmo no leito de morte, só tem um questionamento passando na mente de Liam agora; ele se tornou um dos homens mais fortes do mundo, mas para quê? Para que acumular tanto poder sendo que no final ele cedeu a morte?

A resposta já estava clara. Ele é um humano, e a morte sempre vai ser o fim para essa raça. Não importa o quão perfeitos pensem ser, é um ciclo.

O egoísmo e o questionamento: para que desejar tudo?

Sem perceber, ele se condenou. Entrou novamente no ciclo da vida; nascimento, destino e morte.

Em uma troca equivalente, para um bebê que já nasceria morto, recebera a alma sem consciência de alguém que ainda não concluiu o seu destino nesse mundo. 

Ainda sem poder entender nada, sem ao menos enxergar, podendo apenas chorar, um novo nome lhe foi dado.

A oportunidade de escolha.

— Eínai agóri. Écheis skefteí to ónomá sou? — perguntou uma mulher, sua aparência robusta e enrugada a fazia ser subestimada quanto a ser uma mulher gentil, mas nunca julgue um livro pela capa.

— Naí. Tha eínai o Theo! — respondeu Camille, uma jovem mulher de cabelos longos e dourados enquanto ainda segurava seu recém-nascido filho nos braços. 

Uma gota de lágrima deslizou por seu rosto fino, pois há somente alguns segundos, seu filho não dava nenhum sinal de vida. 

— Kalós írthes mikrí mou. — Foram as primeiras palavras de Camille direcionadas ao seu filho caçula.

Olá, eu sou o Mirius!

Olá, eu sou o Mirius!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥