Selecione o tipo de erro abaixo

 “A chegada do esfarrapado de máscara branca…” O suspiro ecoou na sala interior escassamente decorada dentro do Templo de Ulthar. Vendo aquela figura, o rosto idoso de Atal estava cheio de excitação, choque e algum traço de medo, “A profecia, a profecia se tornou realidade…”

 Em resposta a essa reação de Atal, os três que acabaram de entrar pararam imediatamente. Pavão e Malaquita estavam cumprimentando Atal, mas pararam no meio da ação enquanto seus olhos vagavam curiosamente em direção ao homem pesadelo. De todos os presentes, apenas ele estava com roupas esfarrapadas e apenas ele tinha uma máscara branca.

 “Barzai, o Sábio…” Atal murmurou em seus lábios. Naquele momento, muitas considerações passaram pela mente de Gu Jun. Ao longo do caminho, ele confirmou que Ulthar era o mais real possível, as casas de fazenda, as pessoas e os gatos apoiavam isso. O templo era real, os anciãos aqui e os peregrinos apoiavam isso. Esta não foi uma armadilha preparada por Pavão e Malaquita. O ancião disse que ele era o homem profetizado, mas ele não sabia o que a profecia implicava. Ele deveria ser um convidado bem-vindo ou ser retirado imediatamente?

 Se fosse o primeiro, não importa com quem o grupo de Pavão se alinhasse, contanto que ele tivesse a ajuda de Atal, ele poderia fugir deles facilmente. Com seu treinamento em psiquiatria, Gu Jun notou que a maneira como Atal olhava para ele consistia em medo e choque, mas sem ódio… Com a decisão tomada, ele avançou e falou. “Conheci Barzai, o Sábio, não muito tempo atrás.” Ele falou em chinês e canalizou a intenção de que Atal o entendesse.

 “Você…” A expressão de Pavão mudou, até Malachite franziu a testa. O homem pesadelo mudo falou de repente. Mesmo que eles suspeitassem que esse homem estranho tinha domínio da linguagem, nos últimos 3 dias, ele estava coaxando ruidosamente ou se comunicando com os olhos.

 “Senhor, o que você acabou de dizer?”  Pavão sussurrou para perguntar. Gu Jun a ignorou, não importava o que pensassem dele agora, o que ele precisava fazer agora era convencer Atal de que ele era seu aliado. Ele se virou para o chocado Atal e continuou: “Barzai está comandando o navio que transporta pessoas de mundos diferentes, e eu tive a sorte de ter uma longa conversa com ele no navio”.

 “Eu deveria saber que Barzai, o Sábio, ainda está vivo.” O rosto de Atal não conseguia acompanhar suas emoções, mas sua voz ainda era um murmúrio: “Sua alma não teria encontrado paz devido às orações, então por que perder tempo com elas! Barzai, o Sábio, sua alma foi enganchada no navio branco…”

 “Senhor Atal.”  Gu Jun disse: “Barzai me disse para retransmitir algumas palavras para você. Inteligência e vontade podem superar os deuses da terra, mas eles são impotentes diante das forças além. Um vislumbre dessa força e você ficará preso dentro de um pesadelo sem fim. Barzai disse para você ‘olhar para longe’.” Na época, Gu Jun não tinha ideia do que essa ordem de ‘olhar para longe’ significava, mas agora, pensando bem, deveriam ser as últimas palavras que Barzai tinha para Atal quando ele chegou ao cume do Hatheg-Kla.

 “Ah…” Atal estava atordoado ao cair para trás no palco de marfim. “O Esfarrapado, de fato, você está certo…” Das vizinhas Ulthar, Hatheg e Mir até a cidade portuária de Dylath-Leen, apenas uma pessoa sabia o que aconteceu naquele ano e o que Barzai havia gritado, e essa pessoa era ele, Atal.

 “Olhe para longe!… Volte!… Não veja!” Os gritos assustadores de Barzai pareciam ecoar em seus ouvidos. Na época, ele estava com os olhos fechados e as mãos sobre os ouvidos. Ele caiu de um ponto perto do cume, a altura deveria ter tirado sua vida, mas ele sobreviveu milagrosamente. Todos esses anos, ele não revelou a ninguém o que havia acontecido naquela montanha.

 “O Esfarrapado”. Atal voltou-se para a figura e o respeito voltou ao seu antigo par de olhos. Ele perguntou com uma falha em sua voz. “Como está Barzai?”

 “Ele ainda se lembra de tudo.” Gu Jun disse: “Mas ele agora tem seu próprio destino a cumprir.”

 Pavão e Malaquita ficaram atordoados. Em Ulthar, além dos gatos, a figura mais respeitada era definitivamente Atal, mas agora esse líder religioso de Ulthar levantou-se para convidar o homem do pesadelo a se sentar ao lado dele. Ele então perguntou educadamente. “O Esfarrapado, você se importa de me dizer por que você viajou até aqui?” De repente, a situação mudou, agora parecia que Atal ia ajudar o homem do pesadelo.

 “Senhor. Atal, acho que você deveria voltar sua atenção para esses dois convidados primeiro. Gu Jun sentou-se. Não que ele se sentisse em dívida com os dois, mas queria obter mais informações sobre eles. Ele disse propositalmente: “Embora eu tenha viajado com eles, não os conheço e não viemos aqui com o mesmo objetivo em mente”.

 “Oh?”  Atal pensou que os dois eram os retentores de Gu Jun. Agora ele se virou para eles e perguntou: “Jovens, o que os trouxe aqui então?” Após o choque temporário, os dois rapidamente acordaram e se ajustaram a esse novo desenvolvimento. “Senhor Homem Pesadelo,” Pavão primeiro se virou para o homem na cadeira, mas ela não se atreveu a olhar em seu par de olhos vazios. “Não importa o que você pense, não temos má intenção.”

 Ela então terminou o resto de sua saudação para Atal. Ela se apresentou e Malaquita antes de continuar: “Somos todos seguidores do Sete Livro Críptico de Hsan. Embora o livro tenha vindo de nossa tribo, mas devido a muitas razões, é consenso comum que Barzai, o Sábio, é o mestre de seu segredo, seguido de perto por ti, Atal, o Grande. De acordo com as lendas, Barzai, o Sábio, também estudou os Manuscritos Pnakóticos em Lomar Congelado e o último tem um efeito fundamental para alcançar uma compreensão completa dos Sete Livros Crípticos de Hsan.”

 Gu Jun recebeu uma lição valiosa em todos esses tomos…

 “Lendas, os Manuscritos Pnakóticos são apenas lendas.”  Atal havia se recuperado de sua forma habitual. “Isso não existe.”

 “Grande ancião, nosso povo precisa desse conhecimento.” Pavão continuou com firmeza: “Somos atormentados pelo sofrimento e não é uma jornada fácil que fizemos aqui”.

 “Os deuses da terra para os quais oramos…” Atal mudou de assunto: “São apenas teólogos dos mundos comuns, eles não são a verdadeira divindade, mas são protegidos por outro poder maior, e essas forças maiores…” Atal parou, “Somos apenas meros mortais, não devemos discuti-los. Mas seu povo insiste em aprender sobre eles e é por isso que o sofrimento desceu sobre seu povo, pois eles estão procurando sofrimento em sua busca de conhecimento”.

 Gu Jun ouviu atentamente. Ele entendeu então que o deus da terra era menos poderoso que os Grandes Antigos. Provavelmente eles eram apenas um domínio menor como o Filho do Infortúnio?

 “Ancião Atal, Sr. Homem Pesadelo.” Pavão implorou. “Eu imploro que você ouça o que aconteceu com nosso povo antes de tomar qualquer decisão.”

 “Não, nada pode mudar…” Atal estava prestes a dizer quando Gu Jun o interrompeu. “Não importa, deixe ela falar.”

 A linguagem poderia comunicar significado, mas não mostraria a perspectiva do falante. Um cultista de R’yleh poderia acreditar que seu culto estava sofrendo, então por que não ouvi-la primeiro?

 Atal suspirou suavemente e concordou. Então Pavão começou sua história com sobrancelhas franzidas.

Olá, eu sou o Urso!

Olá, eu sou o Urso!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥